Criacionismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O criacionismo é a crença religiosa[1] de que a humanidade, a vida, a Terra e o universo são a criação de um agente sobrenatural. No entanto, o termo é mais comumente usado para se referir à rejeição, por motivação religiosa, de certos processos biológicos, particularmente a evolução.[2] Desde o desenvolvimento da ciência evolutiva a partir do século XVIII, vários pontos de vista criados tiveram como objetivo conciliar a ciência com a narrativa de criação do Gênesis.[3] Nessa época, aqueles que mantinham a opinião de que as espécies tinham sido criadas separadamente eram geralmente chamados de "defensores da criação", mas foram ocasionalmente chamados "criacionistas" em correspondências privadas entre Charles Darwin e seus amigos.

À medida que a controvérsia da criação versus evolução se desenvolveu, o termo "anti-evolucionistas" tornou-se mais comum, então, em 1929, nos Estados Unidos, o "criacionismo" tornou-se o primeiro termo especificamente associado com a oposição fundamentalista cristã para a evolução humana e a crença em uma Terra jovem, embora seu uso tenha sido contestado por outros grupos que acreditavam em vários outros conceitos de criação.[4]

Desde os anos 1920 o criacionismo, na América, foi estabelecido em nítido contraste com as teorias científicas, como a da evolução,[5] [6] que decorrem a partir de observações naturalistas do Universo e da vida. Criacionistas estritos[7] acreditam que a evolução não pode explicar adequadamente a história, a diversidade e a complexidade da vida na Terra.[8] Criacionistas rigorosos das religiões judaica e cristã geralmente baseiam a sua crença em uma leitura literal do mito da criação do Gênesis.[7] [9] Outras religiões têm diferentes mitos da criação,[10] [11] [12] enquanto que os diferentes membros de religiões individuais variam em sua aceitação das descobertas científicas. Em contraste com os criacionistas estritos, os criacionistas evolucionários sustentam que, embora as contas de evolução para a natureza da evolução da biosfera, por si só é cosmologicamente atribuível a uma divindade criadora.[13]

Quando a corrente principal da pesquisa científica produz conclusões teóricas que contradizem a interpretação criacionista estrita da escritura, os criacionistas muitas vezes rejeitam as conclusões da pesquisa[14] ou as suas teorias científicas[15] ou sua metodologia.[16] A rejeição do conhecimento científico tem suscitado controvérsias políticas e teológicas.[2] Dois ramos derivados do criacionismo—"ciência da criação" e "design inteligente"—têm sido caracterizados como pseudociência pela comunidade científica dominante.[17] A mais notável preocupação contesta a evolução dos organismos vivos, a ideia da origem comum, a história geológica da Terra, a formação do sistema solar e a origem do universo.[18] [19] [20] [21]

Uso do termo[editar | editar código-fonte]

Dentro do termo criacionismo, um vasto espectro de hipóteses podem ser enquadradas, que podem vir a sustentar interpretação em diversos graus de literalidade de livros sagrados como o Gênesis ou o Corão.

Na maioria das civilizações antigas, tanto como nas atuais, é possível encontrar relatos tentando explicar a origem de tudo como um ato intencional criativo, muitas vezes destacando uma figura como o originador da vida.

Tradições criacionistas[editar | editar código-fonte]

Movimentos criacionistas existem entre pessoas de diferentes religiões como o judaísmo, hinduísmo, cristianismo e islamismo.

Fé bahá'í[editar | editar código-fonte]

A Fé Bahá'í sustenta a harmonia entre religião e ciência como um princípio fundamental. Os Bahá'ís se referem à narração bíblica da criação como um símbolo, embora importante e cheia de significados simbólicos.[22] Longe de aceitar a ideia de uma Terra Jovem, a teologia Bahá'í que se refere à Terra como antiga.[23]

A humanidade, de acordo com os bahá'ís, mudou de forma física ao longo do tempo. A teologia Bahá'í sustenta que a humanidade é uma espécie de essência - uma realidade essencial e parte da criação eterna de Deus; como uma espécie biológica, no entanto, a humanidade passou por várias mudanças e adaptações físicas ao longo do tempo.[23] A fé Bahá'í refere-se à evolução (como um progresso de forma física) e ao ato de criação divina como processos relacionados ou até mesmo como um mesmo processo visto de diferentes contextos. Entretanto, a literatura Bahá'í sustenta que a humanidade é distinta de outras partes da criação da Terra - que a humanidade só tem uma alma, e é capaz do pensamento abstrato e do desenvolvimento espiritual.[23]

Grécia Antiga[editar | editar código-fonte]

Segundo os gregos antigos, conforme o texto antigo Teogonia, de Hesíodo, o princípio de todas as coisas está associado a um Caos[24] Primordial, num tempo em que a Ordem não tinha sido ainda imposta aos elementos do mundo. Do Caos nasceu Gaia (a Terra) e depois Eros (o Amor).[24] Posteriormente, Caos engendrou o Érebo (as trevas infernais) e a noite (Nix), e da união de Érebo e Nix nasceram o dia (Hemera) e o Éter.[24] Gaia engendrou o céu (Urano), as montanhas (Óreas) e o mar (Ponto).[24] A partir destes deuses primordiais nasceram também os Titãs, os Gigantes e as Ninfas dos Bosques, sendo os principais deuses filhos e descendentes dos Titãs. Prometeu, filho do titã Jápeto, criou artesanalmente a raça humana – homens e mulheres – moldando-os com argila e água. E então Atena, deusa da sabedoria, ao ver essas criaturas, insuflou em seu interior alma e vida.

Hinduísmo[editar | editar código-fonte]

No hinduísmo, o tempo não é linear como em outras crenças. Aqui, o tempo tem uma natureza circular, pois a criação e a evolução são repetidas eternamente, em ciclos de renovação e destruição simbolizados pela dança rítmica do deus Shiva. "Na noite do Brahma – essência de todas as coisas – a natureza é inerte e não pode se mover até que Shiva assim o deseje. Shiva desperta de seu sono profundo e através de sua dança faz aparecer a matéria à sua volta. Dançando, Shiva sustenta seus infinitos fenômenos e, quando o tempo se esgota, ainda dançando, ele destrói todas as formas por meio do fogo e se põe de novo a descansar".

Iorubá[editar | editar código-fonte]

Na crença de Iorubá, o processo de criação envolve várias divindades. Em uma das versões, Olorum – Senhor Deus Universal – criou primeiramente todos os Orixás (divindades) para habitar Orun (o Céu, mundo espiritual), com o objetivo de usá-los como auxiliares para executar todas as tarefas que estariam relacionadas com a própria criação e o posterior governo do mundo. Então, Olorum encarregou Obatalá de criar o mundo; mas este, com pressa, não rendeu a Bará os tributos devidos e, durante sua caminhada, parou para beber vinho de palmeira e, embriagando-se, adormeceu. Oduduá, a Divina Senhora, foi ao encontro de Obatalá e, ao vê-lo adormecido, pegou os elementos da criação e começou a formação física da terra. Ela mandou que cinco galinhas d’angola começassem a ciscar a terra, espalhando-a, dando assim origem aos continentes. Oduduá soltou então os pombos brancos - símbolo de Oxalá – e assim nasceram os céus. De um camaleão fez surgir o fogo e, com caracóis, ela criou o mar.

Islamismo[editar | editar código-fonte]

O criacionismo islâmico é a crença de que o universo (incluindo a humanidade) foi criado diretamente por Deus, como é explicado no Alcorão. Ele geralmente vê o Livro do Gênesis como uma versão corrompida da mensagem de Deus. Os mitos da criação do Alcorão são vagos e permitem uma ampla gama de interpretações semelhantes aos de outras religiões abraâmicas. Os muçulmanos em geral aceitam as posições científicas sobre a idade da Terra e do universo, porém, ao contrário dos muçulmanos Ahmadi, não aceitam a evolução. Os muçulmanos acreditam que os humanos foram inseridos na Terra em uma data muito posterior a partir da criação da terra.[carece de fontes?]

O Islã também tem seu próprio evolucionismo teísta, que sustenta que a análise científica dominante sobre a origem do universo, é apoiada pelo Alcorão. Alguns muçulmanos acreditam no criacionismo evolucionista, especialmente entre os movimentos liberais dentro do islamismo.

Khalid Anees, presidente da Sociedade Islâmica da Grã-Bretanha, em uma conferência chamada "Criacionismo: Ciência e Fé nas Escolas", fez as citações seguintes:[25] Não há contradição entre o que é revelado no Alcorão e a seleção natural e sobrevivência do mais apto. No entanto, alguns muçulmanos, como Adnan Oktar, não concordam que uma espécie possa se desenvolver a partir de outra.[26]

Mas também há um movimento crescente de criacionismo islâmico. Semelhante ao criacionismo cristão, não há preocupação em relação a conflitos percebidos entre o Alcorão e os principais pontos da teoria evolucionista. O local principal desse movimento é a Turquia, onde menos de 25% das pessoas acreditam na evolução.[27]

Existem vários versículos do Alcorão que alguns escritores modernos têm interpretado como sendo compatíveis com a expansão do universo, as teorias do Big Bang e Big Crunch.[28] [29] [30]

Muitos países de maioria islâmica aboliram o uso de livros didáticos que contêm dados sobre a evolução humana.[31]

Judaísmo e cristianismo[editar | editar código-fonte]

Na tradição judaico-cristã sobre a criação divina do mundo, que é baseado em Gênesis, um ser único e absoluto, denominado Javé ou Jeová (ou Deus), perfeito, incriado, que existe por si só e não depende da existência do Universo, é o elemento central da estrutura criacionista. Exercendo seu infinito poder criativo, ele criou o Universo em seis dias e no sétimo descansou. Sempre através de palavras, no primeiro dia, ele fez a luz e separou o dia da noite; no segundo dia, ele criou o céu; no terceiro dia, a terra e o mar, as árvores e as plantas; no quarto dia, o Sol, a Lua e as estrelas; no quinto dia, os peixes e as aves; e, no sexto dia, ele criou os animais e, por fim, ele fez o homem e a mulher (Adão e Eva) à sua imagem e semelhança.

Design Inteligente[editar | editar código-fonte]

Dentre os argumentos dos criacionistas destaca-se a Teoria do Design Inteligente (DI, ou ID, de intelligent design), que embora não conteste um processo gradual de evolução, aponta uma causa inteligente para as características naturais dos seres vivos[32] . Os criacionistas também têm questionado a evolução usando a "análise crítica da evolução", ao realizar perguntas sobre assuntos aos quais a ciência ainda não obteve respostas. Os evolucionistas a consideram apenas o criacionismo clássico travestido de pseudociência para poder ser ensinado nas escolas. Assim foi considerada em decisão judicial, pelo juiz John Jones, que proibiu seu ensino em escolas públicas.[33]

Posição oficial da Igreja Católica[editar | editar código-fonte]

Atualmente, muitos católicos, defendendo a posição oficial da Igreja Católica, não são estritamente criacionistas, porque, apesar de acreditarem na criação divina, eles aceitam ao mesmo tempo as teorias da evolução e do Big-Bang, desde que elas continuam a ser cientificamente válidas. Neste caso, que pode ser chamado de criacionismo evolucionista ou evolucionismo criacionista, os católicos defendem que estas teorias científicas não negam a origem divina do mundo, tendo somente a função de descrever o método com que Deus tenha criado todas as coisas. Aliás, a própria Igreja Católica, através do seu Magistério, não considera o criacionismo e o design inteligente como teorias científicas ou teológicas.[34]

Mitologia chinesa[editar | editar código-fonte]

Nas crenças chinesas, P’an Ku, o Deus-Absoluto, nasce a partir de um Ovo Primordial e o processo de criação se concretiza com um sacrifício divino. P’an Ku morre, dando então origem à vida: de seu crânio surgiu a abóboda do firmamento e de sua pele a terra que cobre os campos; de seus ossos vieram as pedras; de seu sangue os rios e os oceanos; de seu cabelo veio toda a vegetação. Sua respiração se transformou em vento, sua voz em trovão; seu olho direito se transformou na lua, seu olho esquerdo no sol. De sua saliva e suor veio a chuva. E dos vermes que cobriam seu corpo surgiu a humanidade.

Conceitos[editar | editar código-fonte]

As teorias criacionistas surgem através da fala do possível criador com o homem ou a partir da experiência humana primitiva com o objetivo de responder às indagações do homem sobre a origem do Universo – um tema sempre presente no espírito humano em todas as épocas e em todas as civilizações. Assim, na tentativa de explicar a essência de todas as coisas e estabelecer um elo entre o compreensível e o incompreensível, entre o físico e o metafísico, uma quantidade infindável de respostas foram elaboradas pelo que uns dizem ser a imaginação humana e outros dizem ser a própria vontade de suas divindades, transcritas nos textos e nos ritos sagrados de várias culturas.

Algumas linhas do pensamento criacionista ambicionam oferecer um tipo de argumentação que não se restringe somente a esta convicção religiosa. Assim, buscam fundamentar a afirmação da origem divina do universo e dos seres vivos em argumentos não somente religiosos, mas também científicos e filosóficos. Tais argumentos, em alguns casos refutam completamente evolucionismo biológico, e em outros casos aceitam parcialmente, com ressalvas, o evolucionismo biológico.

Criacionismo dito científico[editar | editar código-fonte]

Dentre os criacionistas de terra antiga e clássicos figuram-se aqueles que denominam-se defensores de um criacionismo científico, que se fundamenta em supostas evidências de que houve planejamento no surgimento das espécies (no que se associa ao chamado Design Inteligente, do planeta e de todo o universo ,em suma, argumentos teleológicos). Essa posição pretendente a científica aponta para a existência de um ser criador sem identificá-lo; enquanto o criacionismo religioso afirma quem é o criador. Mas invariavelmente, os defensores deste tipo de criacionismo tenderão a associar suas afirmações com a narrativa bíblica.

O problema deste tipo de afirmação é que contraria na atual definição de ciência (pela Filosofia da Ciência) o que seja o princípio de demarcação: a ciência não pode fazer afirmações com base em um suposto agente sobrenatural, que esteja além das evidências. Logo, pode-se afirmar que exista a ação de uma entidade sobrenatural, mas não se pode afirmar que esta afirmação seja científica.

Teologia evolucionista[editar | editar código-fonte]

Alguns teólogos têm procurado conciliar os textos bíblicos com a Teoria da Evolução.

Teilhard de Chardin foi um padre jesuíta, teólogo, filósofo e paleontólogo francês que logrou construir uma visão integradora entre ciência e teologia. Através de suas obras, legou-nos uma filosofia que reconcilia a ciência do mundo material com as forças sagradas do divino e sua teologia. Disposto a desfazer o mal entendido entre a ciência e a religião, conseguiu ser mal visto pelos representantes de ambas. Muitos colegas cientistas negaram o valor científico de sua obra, acusando-a de vir carregada de um misticismo e de uma linguagem estranha à ciência. Do lado da Igreja Católica, por sua vez, foi proibido de lecionar, de publicar suas obras teológicas e submetido a um quase exílio na China.

Cquote1.svg Aparentemente, a Terra Moderna nasceu de um movimento anti-religioso. O Homem bastando-se a si mesmo. A Razão substituindo-se à Crença. Nossa geração e as duas precedentes quase só ouviram falar de conflito entre Fé e Ciência. A tal ponto que pôde parecer, a certa altura, que esta era decididamente chamada a tomar o lugar daquela. Ora, à medida que a tensão se prolonga, é visivelmente sob uma forma muito diferente de equilíbrio – não eliminação, nem dualidade, mas síntese – que parece haver de se resolver o conflito. Cquote2.svg

O Padre Ariel Álvarez Valdez sustenta que se trata de uma parábola composta por um catequista hebreu, a quem os estudiosos chamam de “yahvista”, escrita no século X AC, que não pretendia dar uma explicação científica sobre a origem do homem, mas sim fornecer uma interpretação religiosa, e elegeu esta narração na qual cada um dos detalhes tem uma mensagem religiosa, segundo a mentalidade daquela época[35] .

John F. Haught, filósofo americano criador do conceito de Teologia evolucionista, diz que "o retrato da vida proposto por Darwin constitui um convite para que ampliemos e aprofundemos nossa percepção do divino. A compreensão de Deus que muitos e muitas de nós adquirimos em nossa formação religiosa inicial não é grande o suficiente para incorporar a biologia e a cosmologia evolucionistas contemporâneas. Além disso, o benigno designer [projetista] divino da teologia natural tradicional não leva em consideração, como o próprio Darwin observou, os acidentes, a aleatoriedade e o patente desperdício presentes no processo da vida”, e que “Uma teologia da evolução, por outro lado, percebe todas as características perturbadoras contidas na explicação evolucionista da vida”, sobre as ideias de Richard Dawkins, Haught declara que: “A crítica da crença teísta feita por Dawkins se equipara, ponto por ponto, ao fundamentalismo que ele está tentando eliminar”[36] .

Ilia Delio, teóloga americana, sustenta que a teologia pode “tirar proveito” das aquisições de uma ciência que vê na “mutação” o núcleo essencial da matéria[37] .

O Rabino Nilton Bonder sustenta que: "a Bíblia não tem pretensões de ser um manual eterno da ciência, e sim da consciência. Sua grande revelação não é como funciona o Universo e a realidade, mas como se dá a interação entre criatura e Criador"[38] .

Críticas[editar | editar código-fonte]

Científicas[editar | editar código-fonte]

A ciência é um sistema de conhecimento baseado na observação, evidências empíricas testáveis e em explicações dos fenômenos naturais. Por outro lado, o criacionismo é baseado em interpretações literais de narrativas de determinados textos religiosos. Algumas crenças criacionistas envolvem supostas forças que se encontram fora da natureza, tais como a intervenção sobrenatural, e estas não podem ser confirmadas ou refutadas por cientistas.[39] No entanto, muitas crenças criacionistas podem ser enquadradas como previsões testáveis sobre fenômenos como a idade da Terra, sua história geológica e origens, e distribuição e relações dos organismos vivos encontrados nela. A ciência do início incorporou elementos dessas crenças, mas, como a ciência se desenvolveu, essas crenças foram sendo provadas como falsas e foram substituídas por entendimentos com base em evidências acumuladas e reprodutíveis.[40] [41] Alguns cientistas, como Stephen Jay Gould,[42] consideram a ciência e a religião como dois campos compatíveis e complementares, sendo autoridades em áreas distintas da experiência humana, os chamados magistérios não-sobrepostos.[43] Esta visão é também apoiada por muitos teólogos, que acreditam que as origens e o significado da vida são temas abordados pela religião, mas são a favor das explicações científicas dos fenômenos naturais sobre as crenças criacionistas. Outros cientistas, como Richard Dawkins,[44] rejeitam que os magistérios não se sobrepõem e argumentam que, refutando a interpretação literal dos criacionistas, o método científico também prejudica os textos religiosos como uma fonte de verdade. Independentemente da diversidade de pontos de vista, uma vez que as crenças criacionistas não são suportadas pela evidência empírica, o consenso científico é de que qualquer tentativa de ensinar o criacionismo como ciência deve ser rejeitada.[45] [46] [47]

Cristãs[editar | editar código-fonte]

Muitos cristãos discordam do ensino do criacionismo. Várias organizações religiosas, entre elas a Igreja Católica, dizem que a sua não está em conflito com o consenso científico a respeito do processo evolutivo.[48] O Clergy Letter Project, que coletou mais de 13.000 assinaturas, é um "esforço desenvolvido para demonstrar que a religião e a ciência podem ser compatíveis."

No artigo "Design Inteligente como um problema teológico", George Murphy argumenta contra a visão de que a vida na Terra, em todas as suas formas, é uma evidência direta do ato da criação de Deus (Murphy cita a reivindicação de Phillip Johnson de que "um Deus que agiu de forma aberta e deixou suas impressões digitais em todas as provas."). Murphy argumenta que esta visão de Deus é incompatível com a compreensão cristã de Deus como "aquele revelado na cruz e na ressurreição de Jesus." A base dessa teologia é Isaías 45:15, "Verdadeiramente, tu és um Deus que te ocultas, ó Deus de Israel, o Salvador."

Murphy observa que a execução de um carpinteiro judeu por parte das autoridades romanas é em si um acontecimento comum e não exige ação divina. Pelo contrário, para a crucificação ocorrer, Deus teve de limitar ou "esvaziar" a si mesmo. Foi por esta razão que Paulo escreveu em Filipenses 2:5-8,

Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz.

Murphy conclui que,

Assim como o filho de Deus limitou-se, tomando forma humana e morrendo na cruz, Deus limita a ação divina no mundo para estar de acordo com leis racionais que Deus escolheu. Isto nos permite compreender o mundo em seus próprios termos, mas também significa que os processos naturais se escondem de Deus a partir da observação científica.

Para Murphy, uma teologia da cruz exige que os cristãos aceitem um naturalismo metodológico, o que significa que não se pode invocar Deus para explicar fenômenos naturais, embora reconhecendo que essa aceitação não exige aceitar um naturalismo metafísico, que propõe que a natureza é tudo o que há.[49]

Outros cristãos têm expressado dúvidas sobre o ensino do criacionismo. Em março de 2006, o Arcebispo de Cantuária, Rowan Williams, líder dos anglicanos do mundo, declarou seu desconforto sobre o ensino do criacionismo, dizendo que o criacionismo era "uma espécie de erro de categoria, como se a Bíblia fosse uma teoria como outras teorias." Ele também disse: "Minha preocupação é que o criacionismo pode acabar reduzindo a doutrina da criação em vez de melhorá-la." As opiniões da Igreja Episcopal, ramo americano da Comunhão Anglicana, sobre o ensino do criacionismo também são as mesmos que Williams.[50]

Em abril de 2010, a Academia Americana de Religião emitiu Guidelines for Teaching About Religion in K‐12 Public Schools in the United States, que incluiu a orientação de que a ciência da criação ou o design inteligente não deveria ser ensinado nas aulas de ciências, sendo que a "ciência da criação e o design inteligente representam visões de mundo que estão fora do domínio da ciência que é definida como (e se limita a) um método de pesquisa baseado na recolha de evidência observável e mensurável para os princípios específicos de raciocínio." No entanto, eles, assim como outras "visões de mundo que se centram sobre a especulação sobre as origens da vida representam uma outra forma importante e relevante da investigação humana, que está adequadamente estudada na literatura ou em cursos de ciências sociais. Tal estudo, entretanto, deve incluir uma diversidade de visões de mundo representando uma variedade de perspectivas filosóficas e religiosas e deve evitar privilegiar uma visão como mais legítima do que outras."[51]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o:
Portal de Religião

Referências

  1. Evolution Vs. Creationism, Eugenie Scott, Niles Eldredge, p. 114
  2. a b NCSE : National Center for Science Education - Defending the Teaching of Evolution in Public Schools. Creationism (2008). Visitado em 22/06/2009.
  3. Ronald L. Numbers. The ‘Ordinary’ View of Creation. Visitado em 11/08/2010.
  4. Ronald L. Numbers. Antievolutionists and Creationists Creationism History. Visitado em 15/08/2007.
  5. For example, the Scopes Trial of 1925 brought creationism and evolution into the adversarial environment of the American justice system. The trial was well-publicized, and served as a catalyst for the wider creation–evolution controversy; Giberson & Yerxa (2002), pp. 3-4.
  6. Evolution's status as a "theory" has played a prominent role in the creation–evolution controversy. In scientific terminology, "theories are structures of ideas that explain and interpret facts". It is understood, therefore, that "evolution is a fact and a theory". In contrast, when strict creationists refer to evolution as a theory, they often mean to characterize evolution as an "imperfect fact", drawing upon the vernacular conception of "theory" as "part of a hierarchy of confidence running downhill from fact to theory to hypothesis to guess"; Gould SJ (May 1981). Evolution as fact and theory. Visitado em 12 de abril de 2010; Moran L (2002). Evolution is a fact and a theory. Visitado em 12 de abril de 2010. Original work published 1993.
  7. a b Campbell D (2006, 21 February). "Academics fight rise of creationism at universities". The Guardian. Visitado em 7 de abril de 2010.
  8. For the biological understanding of complexity, see Evolution of complexity. For a creationist perspective, see Irreducible complexity.
  9. Ronald L. Numbers. Creationism History: Topic Index. Visitado em 22/06/2009.
  10. Dundes, Alan. (Winter, 1997). "Binary Opposition in Myth: The Propp/Levi-Strauss Debate in Retrospect". Western Folklore: 39–50.
  11. Dundes, Alan. Introduction. Sacred Narrative: Readings in the Theory of Myth. Ed. Alan Dunes.. [S.l.]: University of California Press, 1984.
  12. Dundes, Alan. "Madness in Method Plus a Plea for Projective Inversion in Myth". Myth and Method. Ed. Laurie Patton and Wendy Doniger.. [S.l.]: Charlottesville: University of Virginia Press, 1996.
  13. See, e.g., Corey MA (1993). "Making sense of the 'coincidences'". In MA Corey, God and the new cosmology: The anthropic design argument (pp. 157-174). Lanham, MD: Rowman & Littlefield.
  14. CA230: Interpretation and observation Index to Creationist Claims (2004). Visitado em 20/08/2009.
  15. CA215: Practical uses of evolution. Index to Creationist Claims (2005). Visitado em 20/08/2009.
    CH100.1: Science in light of Scripture Index to Creationist Claims (2005). Visitado em 2009–08-20.
  16. CA301: Science and naturalism Index to Creationist Claims (2004). Visitado em 20/08/2009.
  17. Statements from Scientific and Scholarly Organizations. Visitado em 28/08/2008.
  18. Royal Society statement on evolution, creationism and intelligent design
  19. National Association of Biology Teachers Statement on Teaching Evolution
  20. IAP Statement on the Teaching of Evolution Joint statement issued by the national science academies of 67 countries, including the United Kingdom's Royal Society (PDF file)
  21. From the American Association for the Advancement of Science, the world's largest general scientific society: 2006 Statement on the Teaching of EvolutionPDF (44.8 KB), AAAS Denounces Anti-Evolution Laws
  22. Matthews, Gary L.. The Challenge of Baha'u'llah. [S.l.]: US Baha'i Publishing Trust, 2005. 90–5 pp. ISBN 9781931847162.
  23. a b c Evolution and Bahá'í belief: ʻAbduʾl-Bahá's response to nineteenth-century Darwinism; Volume 12 of Studies in the Bábí and Bahá'í religions. [S.l.]: Kalimat Press, 2001. 6, 17, 117, etc. pp. ISBN 9781890688080.
  24. a b c d Hesíodo, Teogonia, A Cosmogonia, 116-133
  25. Creationism: Science and Faith in Schools Guardian (2004-01-07). Visitado em 18/07/2008.
  26. Creationist offers prize for fossil proof of evolution (29 de setembro de 2008). Visitado em 17/05/2007.
  27. Templeton-Cambridge.org
  28. Harun Yahya, The Big Bang Echoes through the Map of the Galaxy
  29. Maurice Bucaille (1990), The Bible the Qur'an and Science, "The Quran and Modern Science", ISBN 8171011322.
  30. A. Abd-Allah, The Qur'an, Knowledge, and Science, University of Southern California.
  31. Sunnysideatheism.com
  32. A Biologist Misunderstands Intelligent Design (Again)
  33. Juiz dos EUA proíbe desenho inteligente em escola pública.
  34. Vatican official calls atheist theories 'absurd' / Cardinal Levada: No conflict between evolution science and faith in God (em inglês) (3 de Março de 2009). Visitado em 28 de Abril de 2010.
  35. Adão e Eva: origem ou parábola?, acessado em 20 de julho de 2010
  36. Entrevista com John F. Haught: Uma teologia da evolução precisa mostrar que a fé bíblica não contradiz o caráter evolutivo do mundo, acessado em 20 de julho de 2010
  37. Fé e evolução, binômio possível, traduzido a partir de entrevista publicada em 23 de agosto de 2008, acessado em 20 de julho de 2010
  38. Darwin e heresias, publicado no jornal O Globo de 03 de março de 2009, acessado em 20 de julho de 2010
  39. Committee on Revising Science and Creationism: A View from the National Academy of Sciences, National Academy of Sciences and Institute of Medicine of the National Academies. Science, Evolution, and Creationism. Washington, D.C.: National Academies Press, 2008. 10–12 pp. ISBN 0-309-10586-2. Visitado em 27/10/2008.
  40. An Index to Creationist Claims. Visitado em 12/08/2008.
  41. Evolutionary Science, Creationism, and Society "Evolution" (2005). Visitado em 12/08/2008.
  42. Gould, S. J. (2002). Rocks of Ages: Science and Religion in the Fullness of Life. New York: Ballantine Books.
  43. Gould, Stephen Jay. (1997). "Nonoverlapping Magisteria". Natural History 106 (3): 16–22.
  44. Dawkins, Richard. The God Delusion. [S.l.]: Transworld Publishers, 2006. p. 5. ISBN 0-5930-5548-9.
  45. Royal Society statement on evolution, creationism and intelligent design (2006-04-11). Visitado em 23/04/2007.
  46. 10 Significant Court Decisions Regarding Evolution/Creationism (31/07/2007). Visitado em 2008-11-04.
  47. Myers, PZ. (15/02/2006). "Ann Coulter: No Evidence for Evolution?". Pharyngula. ScienceBlogs. Visitado em 12/09/2007.
  48. National Center for Science Education: Statements from Religious Organizations
  49. Murphy, George L., 2002, "Intelligent Design as a Theological Problem," in Covalence: the Bulletin of the Evangelical Lutheran Church in America Alliance for Faith, Science, and Technology
  50. The Guardian, Archbishop: Stop teaching creationism, Williams backs science over Bible See transcript of Guardian interview for primary source
  51. American Academy of Religion on teaching creationism (July 23, 2010). Visitado em 2010-08-09.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons