Criciúma

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Criciúma
"Capital do Carvão"
Criciúma 2014-02-02 02-05.jpg

Bandeira de Criciúma
Brasão de Criciúma
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 6 de janeiro de 1880 (134 anos)
Gentílico criciumense
Prefeito(a) Márcio Búrigo (PP)
(2013–2016)
Localização
Localização de Criciúma
Localização de Criciúma em Santa Catarina
Criciúma está localizado em: Brasil
Criciúma
Localização de Criciúma no Brasil
28° 40' 40" S 49° 22' 12" O28° 40' 40" S 49° 22' 12" O
Unidade federativa  Santa Catarina
Mesorregião Sul Catarinense IBGE/2008[1]
Microrregião Criciúma IBGE/2008[1]
Região metropolitana Carbonífera
Municípios limítrofes Siderópolis, Cocal do Sul, Morro da Fumaça, Maracajá, Araranguá, Nova Veneza, Forquilhinha, Içara
Distância até a capital 191 km
Características geográficas
Área 235,628 km² (BR: 3893º)[2]
População 202 395 hab. (SC: 5°) –  Estimativa IBGE/2013[3]
Densidade 858,96 hab./km²
Altitude 46 m
Clima subtropical Cfa
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,788 alto PNUD/2010[4]
PIB R$ 4 099,679 mil IBGE/2011[5]
PIB per capita R$ 21 133,56 IBGE/2011[5]
Página oficial

CriciúmaCriciúma é um município brasileiro da Região Sul, localizado no estado de Santa Catarina, na mesorregião do Sul Catarinense, microrregião de Criciúma. Segundo as estatísticas do IBGE de 2013, conta com 202.395 habitantes, sendo a principal cidade da Região Metropolitana Carbonífera, que possui cerca de 560 mil habitantes, além de ser a cidade mais populosa do Sul Catarinense, a quinta maior do estado de Santa Catarina e a 22ª da Região Sul do Brasil. Pelo Sistema Único de Saúde, o SUS, Criciúma abriga mais de 252 mil cadastrados.[6] Está entre os cem municípios do Brasil com o melhor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), calculado como de 0.788 em 2010[4] , sendo o 76º município mais bem avaliado do país e o 14° mais bem avaliado de Santa Catarina, naquele ano.

A cidade é polo industrial em diversos setores, entre eles: confecção, embalagens, cerâmico, plástico e descartáveis, metalmecânico, extração do carvão mineral, construção civil e material gráfico.

Com a sede em Criciúma, a Rede Angeloni é a maior rede de supermercados de Santa Catarina e a 10ª maior do país, possui 27 lojas espalhadas pelo Brasil, o maior hipermercado da rede está localizado em Criciúma. Além de possuir dois shopping centers, no setor de serviços — saúde e educação — destaca-se com três hospitais, duas unidades de atendimento 24 horas, a Universidade do Extremo Sul Catarinense, Instituto Federal de Santa Catarina e outras sete faculdades.

Conhecida por ser a Capital Brasileira do Carvão e do Revestimento Cerâmico. No seu subsolo abriga uma das maiores reservas minerais do país. A Mina de Visitação Octávio Fontana, permite uma visão da evolução histórica da riqueza extrativa da cidade. Colonizada por italianos, a cidade recebeu também poloneses, alemães, portugueses e árabes em diversas fases do seu desenvolvimento.

Entre tantas festas populares que acontecem no Sul, uma delas é em Criciúma. Realizada há mais de 23 anos, a Festa das Etnias, que nas primeiras edições recebeu o nome de Quermesse por ser realizada na Praça Nereu Ramos, ao lado da Catedral São José, reúne todas as tradições étnicas da região e tem como principais objetivos promover as manifestações culturais e integrar os colonizadores de Criciúma, repassando assim sua história cultural.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 28º40'39" Sul e a uma longitude 49º22'11" Oeste, estando a uma altitude de 50 metros.

Possui uma área de 190,97 km².

História[editar | editar código-fonte]

O nome Criciúma deriva de uma gramínea brasileira (Criciuma asymmetrica, que é aparentada com a Chusquea ramosissima), que aparenta um bambu e era bastante encontrada na região. No idioma indígena local, o nome Criciúma corresponde a "taquara pequena".

Em meados do século XVIII, o governo imperial cede ao nobre Jerônimo de Castro a concessão de sesmaria, com o intuito de desenvolver a agricultura, a criação de gado e, mais tarde, o extrativismo vegetal e, ao mesmo tempo, povoar e colonizar o território. A gleba ficava onde hoje situa-se o município de Urussanga, e nela achava-se incluído o atual território de Criciúma. Durante muitos anos, porém, a região permaneceu desabitada, não tendo recebido colonizadores para o desbravamento da região.

A fundação de Criciúma aconteceu somente no final do século XIX, durante o ciclo da imigração europeia.

A data de 6 de janeiro de 1880 é considerada como aquela da fundação e início da colonização do município, com a chegada das primeiras famílias de italianos provenientes da região do Vêneto, norte da Itália. Eram um total de 22 famílias, que somavam 141 pessoas.

Esses imigrantes, apesar de encontrarem inúmeras dificuldades, foram responsáveis por desbravar a região, construindo casas, estradas e escolas e tendo no princípio a agricultura como principal atividade econômica.

Em 1890, chegam a região imigrantes alemães e poloneses, que junto aos italianos, e também aos descendentes de portugueses oriundos da região de Laguna, contribuem de forma decisiva no desenvolvimento do município.

Em 1913, tem início o ciclo do carvão, com a descoberta das primeiras jazidas do minério. Este fato foi o grande propulsor do desenvolvimento econômico do município, gerando empregos e atraindo investimentos, tendo seu auge entre as décadas de 1940 a 1970. Durante este período, Criciúma ficou conhecida como a “Capital Brasileira do Carvão”.

A emancipação de Criciúma ocorre em 1925, com o seu desmembramento da comarca de Araranguá.

A partir de 1947, a indústria cerâmica passa a desenvolver-se no município, assumindo papel de fundamental importância no contexto econômico da região, elevando Criciúma a um dos grandes polos produtores mundiais, sendo a cerâmica criciumense reconhecida pela sua qualidade.

Com uma economia diversificada, um povo aguerrido e empreendedor, Criciúma figura hoje como uma cidade em franco desenvolvimento, sendo uma das principais cidades catarinenses e centro econômico e industrial da região sul do estado.

Em 7 de dezembro de 2000, resgatando suas origens, Criciúma tornou-se cidade-irmã de Vittorio Veneto, cidade italiana berço de muitos imigrantes que contribuíram para a fundação do município.[carece de fontes?]

Economia[editar | editar código-fonte]

Criciúma foi classificada em dezembro de 2002 pela Revista Exame/Agência Simonsen Associados como a 42ª melhor cidade do Brasil para se fazer negócios (era a 37ª em 2001 e a 27ª em 1999/2000).

Tal fato decorre do município ser polo internacional nos setores da indústria de plásticos e descartáveis, indústria química, metal-mecânica, confecção, cerâmica, colorifícios e extração mineral, além de importantes construtoras, transportadoras e as maiores redes supermercadistas de Santa Catarina.

A cerâmica, extrativismo mineral, vestuário, a metal-mecânica e o plástico são os principais segmentos. A cerâmica tem dimensão internacional, competindo com a Itália e a Espanha no mercado mundial, com fabricantes de renome como Cecrisa e Eliane. A indústria de descartáveis plásticos é a mais importante do país, respondendo por cerca de 90% da produção nacional de copos, pratos e bandejas plásticas. O vestuário representa o terceiro polo de jeans do Brasil. A indústria metal-mecânica é a única de envergadura regional, porém pela preocupação que tem demonstrado com os programas de qualidade, tende a obter reconhecimento mais amplo.

O comércio da região é fortemente concentrado em Criciúma, que detém 2.759 estabelecimentos comerciais, ocupando 18% da mão de obra empregada diretamente. Criciúma é um referencial de compras de produtos da região, especialmente do setor vestuarista. O Criciuma Shopping, localizado no bairro Próspera, é um empreendimento com 16,5 mil m² de área construída e 14 mil de ABL. Seu mix inclui 2 lojas âncoras, 100 lojas satélites, 2 salas de cinema, 11 operações de fast food, 2 restaurantes e mais de 900 vagas de estacionamento, apesar de este não suprir as necessidades do município, que já foi mapeado por um grupo de empreendedores a fim de implantar na cidade um shopping proporcional a sua demanda.

Transporte[editar | editar código-fonte]

Criciúma não é suprida por uma rodovia federal, senão tangencialmente pela rodovia BR-101 na região sul do município.

Concernente a rodovias estaduais, todavia, é cortado ao centro pelas rodovias SC-443, SC-444, SC-445, SC-446, e quase ao centro pela SC-447. O seu mapa rodoviário, por causa disto, bem lembra um asterisco. Nenhuma das rodovias é duplicada, causando problemas de comunicação em virtude do forte tráfego.

Com a duplicação da BR-101 Sul, a tendência é a abertura de uma via expressa, ligando o centro à rodovia federal, o que permitirá uma melhor infraestrutura à indústria e comércio locais.

Malha ferroviária[editar | editar código-fonte]

O município é cruzado pela Ferrovia Tereza Cristina, que serve para o transporte do carvão das minas para a Termelétrica Jorge Lacerda, em Capivari de Baixo. A obra foi concluída no sul do estado em 1884, com a extensão de 112 km, por meio de uma concessão obtida pelo Visconde de Barbacena. A ferrovia é uma importante opção logística para a região. Além do carvão mineral, principal produto transportado, são transportados pelos trilhos da FTC contêineres para o Porto de Imbituba. Os investimentos programados para o Porto, nos próximos anos, possibilitará maior diversidade nas cargas transportadas e beneficiará diretamente empresários, que ganharão maior competitividade de seus produtos no mercado, a população e o turismo, com a redução do tráfego de caminhões na BR-101.

Atualmente em fase de captação de recursos há o projeto para a construção de um porto-seco, que aumentaria o poder logístico da ferrovia e a eficiência no transporte de cargas para o Porto de Imbituba. Há também o projeto para a interligação da Ferrovia Tereza Cristina com a malha ferroviária nacional, a tão sonhada Ferrovia Litorânea que ligará Imbituba a Araquari.

Porto seco[editar | editar código-fonte]

Ainda em projeto, será implantado em Criciúma um porto seco [7] , com o objetivo de centralizar o tráfego de veículos pesados para fora do centro da cidade. Denominado "Porto Seco - Cidade dos Transportes" será localizado na divisa com o município de Içara, na Rodovia Primeira Linha, com acesso à Ferrovia Tereza Cristina. Objetiva-se, ainda, a construção de um Terminal Intermodal de Cargas, que fará a documentação de exportação dos produtos com destino ao Porto de Imbituba, utilizando esta estrutura e escoando as mercadorias pela via férrea.

Aeroporto[editar | editar código-fonte]

O aeroporto que supre o município de Criciúma é o Aeroporto Diomício Freitas, localizado no município de Forquilhinha. O aeroporto passou a ser administrado pela Infraero em março de 2006. A empresa firmou convênio com o Governo do Estado de Santa Catarina para prestação de serviços de administração, operação, exploração, manutenção e desenvolvimento da infraestrutura daquele terminal. Até então, o aeroporto estava sob administração do Governo Estadual.

Localizado em área do município de Forquilhinha, nas proximidades das rodovias SC-443 e SC-446 que interligam a cidade de Criciúma com as cidades de Forquilhinha, Meleiro e outras cidades da região sul de Santa Catarina, e com a BR-101, o aeroporto funciona como agente facilitador do escoamento de cargas e de produtos perecíveis e do deslocamento de turistas de negócios, além de atender diversas aeronaves executivas dos empresários da região.

O aeroporto Diomício Freitas opera voos regulares através da AZUL - Linhas Aéreas Brasileiras. A ocupação dos voos é de cerca de 92%, segundo dados da Infraero do mês de junho de 2010. O aumento da frequência de operação do voo é uma reivindicação daqueles que utilizam transporte aéreo para São Paulo frequentemente e tem que se deslocar até Florianópolis ou Porto Alegre para chegar ao seu destino.

O aeroporto Diomício Freitas também é um polo de voos executivos. Diversos empresários da região Sul de Santa Catarina possuem aeronaves de pequeno porte para facilitar seus deslocamentos para outras cidades.

Evolução populacional[editar | editar código-fonte]

Principais eventos[editar | editar código-fonte]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Academia Criciumense de Letras[editar | editar código-fonte]

A Academia Criciumense de Letras [8] foi criada no dia 14 de novembro de 1997, em solenidade realizada no Teatro Municipal Elias Angeloni, com a presença de vinte e cinco acadêmicos. Localiza-se no Centro Cultural Jorge Zanatta. Hoje, consolidada na cultura regional, é responsável pela organização do maior concurso literário de Santa Catarina: o Concurso Literário da Academia Criciumense de Letras.

Desde 1998 a academia publica anualmente sua revista acadêmica, contendo as obras vencedoras de seu concurso literário, além de trabalhos escritos pelos próprios acadêmicos.

Para a criação de sua logomarca foi realizado um concurso público, que teve como vencedor Drayton Ignacio da Silva Junior, um designer conhecido e respeitado na região. Trata-se do desenho do bico de uma caneta, em preto, com os 4 blocos diagonais, no seu interior, em branco, que é o símbolo da cidade de Criciúma.

Teatro Municipal Elias Angeloni[editar | editar código-fonte]

É a maior sala de espetáculos do sul de Santa Catarina, com capacidade para 745 pessoas.

Centro Cultural Jorge Zanatta[editar | editar código-fonte]

Foi construído em 1945, a fim de abrigar o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM). Durante a Ditadura Militar serviu como um pequeno presídio para as pessoas que eram acusadas de comunistas no município. Anos depois tornou-se sede do Conselho Nacional do Petróleo (CNP). Hoje, sob a administração da Fundação Cultural de Criciúma, o prédio abriga a Academia Criciumense de Letras, pinacoteca, galeria de arte, além de oficinas culturais que são oferecidas à população, como aulas de teatro, piano, violão, entre outros.

Apesar de não ter grandes belezas naturais, Criciúma possui um acervo de atrações turísticas que exploram os valores histórico-culturais do município.

Um exemplo é o Museu de Colonização Augusto Casagrande, inaugurado em 1980, em comemoração ao centenário de Criciúma. Funciona num antigo sobrado tipicamente italiano, no centro da cidade. Seu acervo compõe-se de fotografias, documentos, móveis, utensílios domésticos e ferramentas de trabalho utilizadas pelos imigrantes italianos no século XIX e início do século XX.

A Catedral São José é outro ponto turístico, localizada na Praça Nereu Ramos, coração do município. Sua construção foi iniciada em 1907 e sua inauguração ocorreu dez anos depois, em 1917. Sua arquitetura seque o estilo romano gótico, com traços simples e funcionais. A nave da igreja é dividida por um conjunto uniforme de colunas. Atualmente, em comemoração ao seu centenário, a catedral está sendo ampliada e revitalizada.

As igrejas de Nossa Senhora da Salete e de São Paulo Apóstolo, com suas arquiteturas arrojadas e imponentes, também são importantes atrações do município.

Criciúma é a único município do país a ter uma mina aberta à visitação pública. A Mina Modelo Caetano Sônego é uma antiga mina de carvão situada a poucos minutos do centro do município.

Já para quem procura estar mais próximo à natureza, uma boa opção é o Centro de Educação Ambiental, localizado no Morro do Céu. Lá o visitante pode aprender sobre educação ambiental e aventurar-se por longas trilhas, em meio a um trecho de Mata Atlântica preservada.

Feira do Livro[editar | editar código-fonte]

Coordenado pela Fundação Cultural de Criciúma (FCC) e com apoio da Academia Criciumense de Letras e do Centro de Atendimento à Literatura e Língua Portuguesa (CALP), a Feira do Livro de Criciúma acontece no mês de agosto na Praça Nereu Ramos,centro da cidade, onde são expostas, divulgadas e comercializadas as mais diversas obras literárias, tendo a duração de uma semana.

Durante o evento temos diversos palestrantes, sessão de autógrafos dos escritores locais, shows de corais, exposição de pinturas e apresentações teatrais.

A criação da logomarca da Feira do Livro se deu no seu segundo evento, em 6 de agosto de 2007, através de um concurso público promovido pela FCC, em que teve como vencedor o projeto apresentado pelo designer gráfico Drayton Ignacio da Silva Junior. Trata-se da representação figurativa em que duas mãos seguram um livro aberto, com a inscrição do símbolo da cidade em sua parte frontal.

Festival de Ballet Infantil de Criciúma[editar | editar código-fonte]

O Festival de Ballet Infantil de Criciúma é um evento cultural, que objetiva incentivar a prática do Ballet desde a infância e valorizar o profissional que atua nesta área. A primeira edição do evento ocorreu em 2010, no Teatro Elias Angeloni, e desde então o número de participantes vem aumentando a cada ano.

O Festival valoriza o trabalho dos profissionais e oferece ajuda de custo em dinheiro para os professores. Todos os bailarinos inscritos ganham medalha e certificado, fator motivacional para as crianças. Este é o único evento do segmento, voltado exclusivamente para o público infantil em toda a região.

A Companhia SD Ballet Infantil possui várias unidades onde oferece aulas de balé em Criciúma, atuando principalmente nas escolas, com um sistema de ensino exclusivo (voltado especificamente ao ballet para crianças em Criciúma) a Companhia SD Ballet Infantil participou de todas as edições do Festival de Balé Infantil de Criciúma

Festival Internacional de Corais de Criciúma[editar | editar código-fonte]

Criado pela Associação Coral de Criciúma, o Festival Internacional de Corais de Criciúma - FICC é um marco na cidade de Criciúma e no estado de Santa Catarina. É coordenado por uma Comissão Central Organizadora composta de membros da sociedade criciumense, amantes da música coral.

O festival é realizado anualmente na última semana de novembro. Dele participam corais locais, estaduais e estrangeiros. Além das apresentações no Teatro Municipal Elias Angeloni são realizadas apresentações paralelas em escolas, praças, igrejas, centros comunitários e espaços públicos, assim com as Extensões do FICC, que são espetáculos realizados em outros municípios. Ao lado das apresentações musicais o festival está orientado também para capacitação através da realização de oficinas para coralistas e ações para difundir o canto coral nas escolas.

Em 2006 o FICC foi agraciado com a Medalha de Mérito Cultural "CRUZ E SOUSA", conferida pelo Governo do Estado de Santa Catarina.

Festa das Etnias[editar | editar código-fonte]

Futebol[editar | editar código-fonte]

O futebol criciumense é representando pelo Criciúma Esporte Clube. O Criciúma, apelidado de Tigre, seu mascote, é o clube que mais contabiliza títulos nacionais no futebol catarinense, com a Copa do Brasil em 1991 de forma invicta (o que lhe garantiu participação na Copa Libertadores da América de 1992, ficando em 5º lugar na mesma), o Campeonato Brasileiro de Futebol - Série B em 2002, o Campeonato Brasileiro de Futebol - Série C em 2006 e agora em 2012 com o vice campeonato da Série B volta a elite do futebol brasileiro. Sendo classificado como 30º melhor clube do Brasil no Ranking da CBF (melhor de Santa Catarina).

Outro clube da cidade é o Esporte Clube Próspera, atualmente sem atividades profissionais.

Motociclismo[editar | editar código-fonte]

A cidade conta com várias equipe de trilheiros, onde são realizados eventos do tipo Enduros, Passeios, Trilhas Solidárias, etc…

Devido a sua posição geográfica favorável são amplas as trilhas e trajetos a serem percorridos pelos trilheiros de moto. Existem na cidade algumas equipes organizadoras de eventos motociclísticos, dentre elas: Equipe Trilheiros do Carvão, Equipe Quebra Ossos, Moto trail Criciúma, Trilheiros do Rio, Trilheiros da Santosa (Lama na Cara), Nativos da Trilha, Ascrim (Associação Criciumense de Motocross), Trilheiros da Amizade, entre outras.

Educação[editar | editar código-fonte]

Universidades[editar | editar código-fonte]

Faculdades[editar | editar código-fonte]

  • Escola Superior de Criciúma (ESUCRI)
  • Faculdade SATC (FASATC)
  • Faculdade de Tecnologia Michel (FATEMI)
  • Faculdade de Tecnologia SENAC Criciúma
  • Pólo de Ensino Superior à Distância da Universidade Federal de Santa Catarina (EAD-UFSC)
  • Instituto Federal de Santa Catarina (IF-SC)
  • Centro de Ensino Superior Sul Brasileiro (CESULBRA)
  • Pólo da Uniasselvi - Faculdade Leonardo da Vinci - Prédio da ESUCRI

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 de dezembro de 2010.
  3. Estatistica da população em 2011 Estatistica Populacional 2011. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Página visitada em 26 de dezembro de 2011.
  4. a b Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Página visitada em 21 de setembro de 2013.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2011 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 10 de junhoo de 2014.
  6. Número de usuários do SUS é superior a população em Criciúma Rádio Difusora. Página visitada em 2 de setembro de 2013.
  7. Título não preenchido, favor adicionar.
  8. Academia Criciumense de Lestra.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]