Crioulo de San Andrés

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Crioulo sanandresano (Criollo sanandresano)
Outros nomes: Creole
Falado em:  Colômbia
Nicarágua
Costa Rica
Total de falantes:
Família: Crioulo de base inglesa
Estatuto oficial
Língua oficial de: Na Colômbia, tem seu reconhecimento como língua oficial no território em que é falado.
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---
ISO 639-3: icr

O crioulo sanandresano é a língua crioula falada pela população raizal do arquipélago de Santo André, Providência e Santa Catarina, semelhante ao falado em Bluefields, na Costa dos Mosquitos em Nicarágua, na Província de Limón na Costa Rica, nas províncias de Bocas del Toro e na Colón no Panamá. Caracteriza-se por seu vocabulário originado no inglês, com uma fonética própria, e de 7-10 por cento de empréstimos das línguas castelhana e africanas, principalmente os da família de línguas kwa como o twi, ewé, ibo e também às línguas mende e mandinka.

Não é, no entanto, simplesmente um dialeto com fonética ou léxico diferenciados. O crioulo sanandresano possui construções gramaticais próprias e é uma língua diferente do inglês corrente.

Características gramaticais diferenciais desta língua crioula são:

  1. Marca de tempo. O auxiliar wen (~ben~men) indica tempo anterior.
  2. Atuam como marcas modais na oração dos auxiliares beg e mek, que são colocados no início da oração para indicar pedido ou permissividade.
  3. Outras marcas de modalidade são colocados antes do verbo, seja para indicar probabilidade, maita, mos e mosi; futuro, como wi e wuda; obrigação, fi, hafi e shuda; potencial, kyan e kuda; ou desejo, niid, waan.
  4. Doze marcas de aspecto também vêm antes do verbo: don (perfeito); stie (permansivo); staat (incoativo); stap (cesativo); ton (incoativo gradual); kom (progressivo); suun (iminente); gwain (prospectivo); doz (solitivo ou de costume); yuustu (solitivo anterior; de (durativo); get (incoativo perfeito).
  5. A cópula da atributiva-equitativa na oração pode substituir o verbo ser ou estar (to be) e atua como auxiliar que precede a interrogação.
  6. Os verbos estáticos ou de estado diferem o dinamismo em seu comportamento gramatical.
  7. Não há distinção de gênero gramatical, levando a pronomes de terceira pessoa neutra, sigular im e plural dem.
  8. O plural é marcada pela partícula dem depois do substantivo.
  9. A morfossintaxe do crioulo sanandresano mostra a tendência da organização analítica, típica das línguas crioulas.

Em San Andrés e Providência o crioulo é a língua oficial assim como o espanhol, de acordo com o artigo 10 da Constituição da Colômbia de 1991. Tanto ali como no litoral atlântico nicaraguense a maioria dos falantes da língua crioula são trilíngues: falam além do inglês o castelhano. O inglês foi conservado nas igrejas para a leitura da Bíblia, o culto e os corais. A escola e a televisão por satélite atualmente ao alcance de muitas famílias, ajudou a reforçar mais uma vez o uso da língua entre os nativos. Além disso, a escola, a televisão e também a presença de imigrantes do continente e as atividades econômicas, políticas e administrativas tem estendido o espanhol, que é falado fluentemente por jovens raizais.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Dieck, Marianne 2004: "Criollística Afrocolombiana" Los Afrocolombianos, Geografía Humana de Colombia, Tomo VI. Instuto Colombiano de Antropología e Historia ICANH. Biblioteca Virtual del Banco de la Republica.
  • Dittman, Marcia 1992: El Criollo sanadresano: lengua y Cultura. Universidad del Valle. ISBN 958-9047-37-8
  • Forbes, Oakley 1987: "Recreolización y descreolización en el habla de San Andrés y Providencia"; GLOTTA 2 (4).
  • O'Flynn de Chaves, Carol 1990: Tiempo, Aspecto, y modalidad en el Criollo Sanandresano. CCELA - Universidad de los Andes, Bogotá. ISSN 0120-9507
Ícone de esboço Este artigo sobre linguística ou um linguista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.