Criptoanarquismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Criptoanarquismo é uma tática anarquista de ação-direta alternativa e tem como principal preocupação garantir a privacidade e a liberdade extra-estatal, por meio da utilização de criptografia.

Definição[editar | editar código-fonte]

O termo popularizado por Timothy C. May, é descrito como a realização ciber-espacial do anarquismo. Os cripto-anarquistas tem entre seus objetivos a criação de um software criptográfico capaz de impossibilitar processos judiciais e outras formas repressão ao se enviar e receber informação nas redes de computadores. Timothy C. May escreve sobre o cripto-anarquismo no Cyphernomicon:[1]

O que emerge de tudo isto não é claro, mas acredito que será uma forma de sistema de mercado anarcocapitalista que denomino "cripto-anarquia".

Cyphernomicon, Seção 2.3.4.

Motivações[editar | editar código-fonte]

Uma das motivação dos cripto-anarquistas é a defesa contra a vigilância de redes de comunicação de computadores. Cripto-anarquistas tentam proteger-se contra a retenção de dados de telecomunicações, a polêmica vigilância sem mandado, entre outras coisas. Cripto-anarquistas consideram o desenvolvimento e uso de criptografia como a principal defesa contra tais problemas, em oposição à ação política.A segunda preocupação é a fuga da censura, especialmente a censura na Internet, em razão da liberdade de expressão. Os programas utilizados pelos cripto-anarquistas muitas vezes tornam possível publicar e ler informações anonimamente que estão "inacessíveis" na internet ou outras redes de computadores. Tor, I2P, Freenet e muitas redes similares permitem páginas "escondidas" acessíveis apenas por usuários destes programas. Isso ajuda denunciantes e a oposição política em nações opressoras a espalhar suas informações.Uma terceira razão é desenvolver e participar da contraeconomia.Cripto-moedas como Bitcoin e serviços como Silk Road tornam possível o comércio de bens e serviços com pouca interferência da lei.Além disso, o desafio técnico no desenvolvimento destes sistemas criptográficos é enorme, o que interessa a alguns programadores trabalharem em conjunto nos projetos.

A lei[editar | editar código-fonte]

Cripto-anarquistas argumentam que sem a capacidade de criptografar mensagens, informações pessoais e a vida privada seriam seriamente prejudicadas. A proibição de criptografia é igual à erradicação do sigilo de correspondência. Eles argumentam que apenas um estado policial draconiano-iria criminalizar a criptografia. Apesar disso, já é ilegal usá-lo em alguns países, e as leis de exportação são restritivas em outros. Os cidadãos do Reino Unido devem, a pedido, dar senhas para decodificação de sistemas pessoais às autoridades. Não fazer isso pode resultar em prisão de até dois anos, sem evidências de outras atividades criminosas. Essa tática legislativa de resgate de senha pode ser contornada usando recodificação automática de canais seguros através de geração rápida de novos não relacionadas chaves públicas e privadas em intervalos curtos. Após a recodificação, as chaves antigas podem ser apagadas, tornando chaves usadas anteriormente inacessíveis para o usuário final e, assim, retirar a capacidade do usuário de revelar a chave antiga, mesmo se eles estão dispostos a fazê-lo. Tecnologias que permitam este tipo de criptografia rapidamente recodificada incluem criptografia de chave pública, Gerador de número pseudoaleatório (hardware), sigilo na transferência perfeito, e criptografia oportunista. A única maneira de acabar com este tipo de criptografia é proibir completamente - e qualquer tal proibição ser imposta por qualquer governo que não é totalitário, pois resultaria em invasões maciças de privacidade, como permissão geral para pesquisas físicas de todos os computadores em intervalos aleatórios.

Criptografia negável[editar | editar código-fonte]

Em criptografia e esteganografia, a criptografia negável é um tipo de criptografia que permite de negar de forma convincente que os dados são cifrados, ou de ser capaz de decifrá-los. A negação, embora que não seja verídica, não pode ser verificada pelo atacante sem a cooperação do usuário, que poderia realmente não ser capaz de decifrar os dados. A criptografia negável serve para minar a confiança do atacante e a dúvida se torna em uma forma de proteção.

Negociações anónimas[editar | editar código-fonte]

Irrastreável, a emissão privada de dinheiro eletrônico e internet banking anônimo existe nestas redes. Digital Monetary Trust e Yodelbank foram exemplos de dois desses bancos anônimos que foram posteriormente suspensos por seus criadores. eCache é um banco operando atualmente na rede Tor, e Pecunix um banco de ouro anônimo(enviar informações pessoais quando se abre uma conta é opcional) operando na Internet.

Bitcoin é uma moeda gerada por redes peer-to-peer em rede de computadores que mantêm um registro comum de todas as transações dentro do sistema que pode ser usado em um contexto cripto-anárquico.

Silk Road é uma mercado anônimo operando na rede Tor. Os usuários podem comprar e vender os objetos físicos e virtuais usando o Bitcoin.

Negociações anônimas são mais fáceis de se atingir para os serviços de informação que podem ser fornecidos através da Internet. Fornecimento de produtos físicos é mais difícil, pois o anonimato é mais facilmente quebrado quando se passa para o mundo físico: o fornecedor precisa saber para onde enviar os bens físicos. Moeda irrastreável torna possível burlar algumas das leis do mundo físico, como as leis não podem ser aplicadas sem que se saibam as identidades das pessoas físicas. Por exemplo, o imposto sobre a renda para serviços online prestados através das redes cripto-anarquistas podem ser evitados se nenhum governo sabe a identidade do prestador de serviços.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre Anarquismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.