Crise da Crimeia de 2014

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção é sobre um evento atual. A informação apresentada pode mudar rapidamente.
Editado pela última vez em 25 de junho de 2014.
Crise da Crimeia de 2014
Parte do Euromaidan
Location UK-Crimea-RU.PNG
Localização da Crimeia e Ucrânia na Europa (cinza escuro)
  Crimeia (incluindo Sevastopol)
  Restante da Ucrânia
Data 23 de fevereiro de 2014–presente
Local Crimeia, Ucrânia
Desfecho
Combatentes
Rússia
Pró-russos

 Crimeia

Sevastopol
Rússia Militantes pró-Rússia


 Rússia[1]

Ucrânia
Pró-ucranianos

 Ucrânia
Tártaros da Crimeia[2]
Principais líderes
Crimeia Sergey Aksyonov
Crimeia Rustam Temirgaliev
Crimeia Volodymyr Konstantinov
Crimeia Denis Berezovsky
Aleksei Chalyi

Rússia Vladimir Putin
Rússia Sergey Shoygu
Rússia Aleksandr Vitko

Ucrânia Oleksandr Turchynov
Ucrânia Arseniy Yatsenyuk
Ucrânia Arsen Avakov
Ucrânia Valentyn Nalyvaichenko
Ucrânia Serhiy Kunitsyn
Ucrânia Serhiy Hayduk
Mustafa Dzhemilev
Refat Chubarov

Crise da Crimeia de 2014 é uma crise político-institucional ocorrida na sequência da revolução ucraniana de 2014, em que o governo do presidente Viktor Yanukovych foi deposto. Trata-se de protestos de milhares[3] de pessoas russas étnicas que se opuseram aos eventos em Kiev e reivindicam laços estreitos ou a integração com a Rússia, além de autonomia expandida ou possível independência da Crimeia.[3] Outros grupos, incluindo os tártaros da Crimeia, têm protestado em apoio a revolução.[4]

Adversários armados das novas autoridades de Kiev tomaram uma série de edifícios importantes na Crimeia, incluindo o edifício do parlamento e dois aeroportos.[5] [6] Kiev acusou a Rússia de intervir nos assuntos internos da Ucrânia, enquanto o lado russo negou oficialmente tais alegações.[7] Sob cerco, o Conselho Supremo da Crimeia indeferiu o governo da república autônoma e substituiu o presidente do Conselho de Ministros da Crimeia, Anatolii Mohyliov por Sergey Aksyonov. [8]

As tropas russas estacionadas na Crimeia em acordo bilateral foram reforçadas e dois navios da Frota do Báltico da Rússia violaram as águas ucranianas.[9] [10]

Em 1 de março, o parlamento russo concedeu ao presidente Vladimir Putin a autoridade para usar a força militar na Ucrânia,[11] na sequência de um pedido de ajuda não-oficial do líder pró-Moscou, Sergey Aksyonov. [12] [13] Os Estados Unidos e seus aliados condenaram uma intervenção russa na Crimeia, incentivando a Rússia a retirar-se.[14]

Multiplos interesses estão direcionados na invasão da Crimeia, sendo elas por parte da Rússia pela extensão de gasodutos e a base militar da Crimeia, cujo sua localização entre o Mar Mediterrâneo e o Mar Morto é estratégica.[15]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

A Crimeia fora parte da Rússia desde o século XVIII. Eles estão na Crimeia desde 1783, quando a cidade portuária de Sebastopol foi fundada pelo príncipe Grigoriy Potemkin, nos tempos de Catarina II, tzarina russa embora os russos étnicos não se tornariam o maior grupo populacional na Crimeia até o século XX.[carece de fontes?] A Crimeia teve autonomia dentro da República Socialista Federativa Soviética Russa de 1921 até 1945 como República Socialista Soviética Autônoma da Crimeia, quando Josef Stalin deportou a maioria tártaros da Crimeia e aboliu a autonomia da região.[16]

Mapa da península da Crimeia: em amarelo, a República Autônoma da Crimeia, na cor rosa, o distrito especial da cidade de Sevastopol.

Em 1954, a liderança soviética sob Nikita Khrushchev transferiu o Oblast da Crimeia da República Socialista Federativa Soviética da Rússia para a República Socialista Soviética Ucraniana, em um "gesto simbólico" como um presente de comemoração dos 300 anos da unificação da Rússia com a parte oriental da Ucrânia[17] [18] [19] . Os tártaros da Crimeia não foram autorizados a voltar para casa, e se tornaram uma causa célebre internacional.[20] A autonomia pré-1945 foi restabelecida no último ano de existência da União Soviética, em 1991.

Apesar das tensões separatistas em toda a década de 1990, a Crimeia permaneceu uma república autônoma dentro da Ucrânia. Muitos esperavam que o primeiro presidente pós-soviético da Rússia, Boris Yeltsin, pressionasse para uma reintegração da Crimeia com a Rússia após o colapso da União Soviética, porém Yeltsin em última análise, não insistiu o assunto.[19] Em vez disso, o estatuto jurídico da Crimeia como parte da Ucrânia foi reconhecido pela Rússia, que se comprometeu a defender a integridade territorial da Ucrânia no memorando assinado em Budapeste em 1994. Este tratado foi também assinado pelos Estados Unidos, Reino Unido e França.[21] [22] No mesmo ano, o nacionalista russo Yuri Meshkov venceu a eleição presidencial de 1994 na Crimeia e organizou um referendo sobre o estatuto da região. [23] [24] A Ucrânia revogou a constituição da Crimeia e aboliu o cargo de Presidente da Crimeia, em 1995. [25] Outros empreendimentos e o futuro das bases russas da Frota do Mar Negro também têm sido um ponto de discórdia nas relações russo-ucraniana.[21] Embora o presidente da Rússia, Dmitry Medvedev, e o presidente deposto da Ucrânia, Viktor Yanukovich, assinassem em 21 de abril de 2010 um novo acordo pelo qual a base naval de Sevastopol continuaria em mãos russas por mais 25 anos até 2042, em troca de a Ucrânia receber o equivalente a 40 bilhões de dólares por uma redução substancial, de 30%, no preço do gás russo nos próximos dez anos.[26]

Distribuição das etnias de acordo com o censo de 2001: os russos estão em vermelho (58%), ucranianos em amarelo (24%), tártaros da Crimeia em verde (12%) e os outros grupos étnicos em roxo (6%).

Segundo o censo de 2001, os russos étnicos compõem cerca de 58% dos dois milhões de habitantes da Crimeia. Os ucranianos compõem 24%, enquanto tártaros da Crimeia compõem 12%;[16] [27] os tártaros têm retornado desde o colapso da União Soviética em 1991, fazendo com que persista as tensões com os russos pelo direito à terra.[16] Em Sevastopol, os russos étnicos representam 70% da população da cidade de 340 mil.[27]

Segundo o acadêmico ucraniano-estadunidense Taras Kuzio, durante a presidência de Viktor Yushchenko (2005-10), as relações da Rússia com a Ucrânia se deterioraram, levando o serviço de segurança russo (FSB) e a inteligência militar russa (GRU) a expandir seu apoio clandestino para os nacionalistas russos do Sul da Ucrânia e os separatistas russos da Crimeia. [28] Após a Revolução Laranja e a Guerra Rússia-Geórgia de 2008, mensagens diplomáticas estadunidenses posteriores que vazaram para o público observavam que a ação militar russa contra a Ucrânia "não era mais impensável".[29]

Nas eleições parlamentares locais de 2010, o Partido das Regiões recebeu 357.030 votos, com o segundo colocado, o Partido Comunista da Ucrânia, recebendo 54.172.[30] Ambos os partidos foram alvo de manifestantes durante a revolução ucraniana de 2014. [31] [32] [33]

Revolução em Kiev[editar | editar código-fonte]

No final de 2013, manifestações irrompem contra o governo do presidente Viktor Yanukovych após se recusar a assinar um acordo de associação com a União Europeia. Os protestos escalaram com violência[34] e em 21 de fevereiro o parlamento ucraniano realiza um julgamento político que destitui o presidente Yanukovych sob acusação de "abandonar o cargo" após este viajar de Kiev para Kharkiv.[34] Uma das primeiras ações do novo governo foi revogar uma lei que reconhecia o russo como uma língua regional oficial[35] . Os moradores da metade sul da Ucrânia manifestaram contra o novo governo em Kiev.[2]

Cronologia dos eventos[editar | editar código-fonte]

23-26 de fevereiro[editar | editar código-fonte]

A 23 de fevereiro de 2014, em meio aos protestos, o parlamento ucraniano destitui o presidente Yanukovych por "abandono o cargo". O Parlamento assume o poder executivo e revoga a lei sobre as línguas co-oficiais das minorias a nível municipal e provincial[36] , o que causa um grande desconforto na população do sul da Ucrânia, predominantemente russófona. O Congresso dos Deputados e governadores regionais do leste e sul da Ucrânia apelam à resistência e acusam a oposição de violar o acordo de paz que foi assinado em 21 de fevereiro com o presidente deposto.[37] Além disso, algumas províncias no oeste da Ucrânia, suprimem o antigo partido dirigente, o Partido das Regiões, e seu aliado o Partido Comunista da Ucrânia.[38]

Uma manifestação dos Tártaros da Crimeia, em fevereiro de 2014.

Em 24 de fevereiro, em Sevastopol, milhares de manifestantes derrubam o prefeito, que é escolhido a dedo pelo parlamento em Kiev, e em seguida, designam um russo como o novo prefeito. Dois dias depois, brigadas paramilitares são formadas e cerca de 3500 pessoas saem de Sevastopol para Simferopol, a capital da Crimeia.

Em 26 de fevereiro, a tensão separatista[39] [40] [41] com a Rússia por causa da península da Crimeia - de maioria pró-Rússia[42] e onde está a sua principal base naval da frota russa do Mar Negro - cresce: Vladimir Putin, presidente da Rússia, colocou em alerta as Forças Armadas nas áreas de fronteira com a Ucrânia.[43] Em Simferopol, a capital da Crimeia, os grupos pró-europeus e pró-russos confrontam-se nas ruas.[43] Enquanto em Kiev, o ministro do Interior, Arsen Avakov, anuncia que irá dissolver a tropa de choque da polícia, o Berkut.[44] O dia termina com o apoio do Maidan ao novo Governo de Unidade Nacional, que é o primeiro-ministro Arseniy Yatsenyuk, da coligação política de Yulia Timoshenko.[45]

27-28 de fevereiro[editar | editar código-fonte]

Na manhã de 27 de fevereiro, grupos paramilitares russófilos tomam, sem encontrar resistência, os prédios da Presidência e do Parlamento da República Autônoma da Crimeia; a bandeira russa foi hasteada em ambos os edifícios.[46] [47] Naquele mesmo dia, o mesmo parlamento realizou uma moção de censura e escolheu um novo primeiro-ministro[48] , também anunciou a convocação de um referendo regional sobre o futuro político da região autônoma. [49]

Soldados russos de guarda no aeroporto de Simferopol, Crimeia.

A 28 de fevereiro, grupos armados pró-russos tomaram dois aeroportos na Crimeia - um civil e um militar. O governo ucraniano chegou a assinalar um "ato de invasão russa", o que Moscou nega categoricamente.[50] Em vista dos acontecimentos, o Verkhovna Rada decidiu solicitar uma reunião urgente do Conselho de Segurança das Nações Unidas.[51]

Os ministros das Relações Exteriores da França, Alemanha e Polônia - que viajaram para Kiev e se encontraram com Yanukovych em 20 de fevereiro[52] - expressaram seu apoio ao Governo de Unidade Nacional em um comunicado que defende a "integridade territorial" do país. "Estamos muito preocupados com a situação instável na Crimeia. Devemos fazer todo o possível para reduzir a tensão na região leste e promover o diálogo pacífico entre as partes", indicaram os ministros em um comunicado.[52]

1 de março - presente[editar | editar código-fonte]

Restaurante do McDonalds é fechado na Crimeia. A rede de fast food suspendeu seus trabalhos na região devido as sanções americanas depois da anexação à Rússia.[53]

Pelo agravamento da situação da Crimeia, no dia 2 de março, algumas reuniões importantes como Conselho de Segurança da ONU para tentar resolver o conflito, pela solicitação russa. Segundo Ban Ki-Moon ele pediu "independência, a segurança, e a integridade territorial" da Ucrânia. [54]

Por causa da mobilização das tropas, segundo John Kerry, o governo norte-americano já ameaçam expulsar a Rússia do G8 e o congelamento de ativos russos e a retirada de instalações industriais, entre outras sanções econômicas, além da França e a Grã-Bretanha já afirmaram que não enviarão representantes para a reunião do G8.[55] Na ONU, um representante de Moscou confirmou que o presidente deposto solicitou a intervenção militar russa para proteger "as pessoas que estão sendo perseguidas por razões linguísticas e políticas".[56]

Em 6 de março, o Conselho Supremo (Parlamento) da Crimeia votou e aprovou uma proposta para oficialmente fazer parte do território da Federação Russa. O Conselho afirmou que sujeitaria a sua decisão ao povo via referendo, que seria feito no dia 16 de março. Um ministro do governo ucraniano afirmou que tal referendo era inconstitucional.[57] Os Estados Unidos e a União Europeia também condenaram a votação e questionaram sua legitimidade. Ambos anunciaram, logo em seguida, um pacote de sanções e outras medidas contra a Rússia por suas ações na Ucrânia. Por sua vez, Moscou afirmou que haveriam "graves consequências" se essas sanções forem realmente implementadas.[58]

No dia 10 de março, 78 de um total de 100 integrantes do parlamento regional da Crimeia aprovaram a declaração independência da península em relação à Ucrânia, na qual foi invocada a Carta das Nações Unidas, foi citado o precedente da Independência do Kosovo e uma série de outros documentos internacionais que estabelecem o direito dos povos à autodeterminação, por outro lado, as autoridades de Kiev afirmaram que não vão reconhecer a decisão de um parlamento que consideram ilegal.[59] [60]

No dia 16 de março, o referendo a respeito da independência da região em relação à Kiev foi feito e 96,8% dos votos apurados foram favoráveis à secessão da península em relação à Ucrânia e à reintegração à Federação Russa.[61] [62] [63] Por outro lado, a minoria tártara boicotou a votação[64] .

No dia 18 de março, o presidente Vladimir Putin fez um discurso a parlamentares russos no qual defendeu a reintegração da Crimeia à Rússia, e logo depois foi assinado um tratado de anexação da península à Federação Russa.[65]

Também no dia 18 de março, um soldado ucraniano e um integrante das forças de autodefesa da Crimeia foram mortos durante a tomada de uma base militar próxima à Simferopol por milícias pró-russas[66] [67] . A tomada da base também resultou na prisão de mais de vinte soldados ucranianos[67] e em um acirramento da crise, pois Kiev autorizou seus soldados a utilizarem armas de fogo para se defenderem.[68] No dia seguinte foi preso um suspeito pela autoria dos disparos: um jovem de 17 anos, oriundo da região de Lviv (oeste da Ucrânia), que seria militante do grupo ultranacionalista ucraniano Pravy Sektor (Setor de Direita)[69] .

No dia 22 de março, o presidente Vladimir Putin sancionou a lei que completa a reintegração da Crimeia à Rússia.[70]

No dia 24 de março, a Ucrânia ordenou a retirada de suas tropas da Crimeia, depois da tomada da base naval em Feodosia por tropas russas.[71] O rublo também passou a ser a oficialmente a principal moeda em uso da Crimeia.[72]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Ukraine crisis live: President Barack Obama warns of 'costs' for any violation of Ukraine. Telegraph. Página visitada em 2014-03-01.
  2. a b BBC News – Ukraine Crimea: Rival rallies confront one another. Bbc.com (1970-01-01). Página visitada em 2014-03-01.
  3. a b "Pro EU Rally in Kiev, Pro Government Rally in Donetsk", The World Repoter, 2014-02-26.
  4. "Ukraine Crimea: Rival rallies confront one another", BBC News, 2014-03-26.
  5. "Gunmen Seize Government Buildings in Crimea", The New York Times, 2014-02-27.
  6. "Armed men seize two airports in Ukraine's Crimea, Yanukovich reappears", Reuters, 2014-03-01.
  7. Alissa de Carbonnel. "Armed men seize two airports in Ukraine's Crimea, Yanukovich reappears", 28 de fevereiro de 2014.
  8. [1] Crimean parliament dismisses autonomous republic's government Feb. 27, 2014
  9. Two Russian warships seen off Ukraine coast, violate agreement: Interfax. Reuters. Página visitada em 2014-03-02.
  10. Russian helicopters fly over Crimea - Ukraine border guards | Reuters. Uk.reuters.com (2009-02-09). Página visitada em 2014-03-02.
  11. "Kremlin Clears Way for Force in Ukraine; Separatist Split Feared", 1 de março de 2014. Página visitada em 1 March 2014.
  12. Ukraine crisis: Crimea leader appeals to Putin for help BBC
  13. "Kremlin Clears Way for Force in Ukraine; Separatist Split Feared", 1 de março de 2014. Página visitada em 1 de março de 2014.
  14. Kerry condena ato de agressão na Ucrânia e ameaça Rússia. Terra.
  15. http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2014/03/1419826-saiba-mais-sobre-a-crise-entre-ucrania-e-russia.shtml
  16. a b c What is so dangerous about Crimea?, BBC, 27 de fevereiro de 2014.
  17. Por que a Crimeia pertence à Ucrânia, acesso em 17 de março de 2013.
  18. Calamur, Krishnadev. "Crimea: A Gift To Ukraine Becomes A Political Flash Point", 27 de fevereiro de 2014. Página visitada em 2 March 2014.
  19. a b Keating, Joshua. "Kruschev's Gift", 25 fevereiro de 2014. Página visitada em 2 March 2014.
  20. The Tatars of Crimea: Return to the Homeland : Studies and Documents. [S.l.: s.n.].
  21. a b Crimea and the Black Sea Fleet in Russian- Ukrainian Relations, Paper by Victor Zaborsky, September 1995
  22. What is so dangerous about Crimea?, bbc, 27 de fevereiro de 2014
  23. "Separatist Winning Crimea Presidency", 31 de janeiro de 1994.
  24. Bohlen, Celestine. "Russia vs. Ukraine: A Case of the Crimean Jitters", 23 de março de 1994.
  25. "[Ukraine Moves To Oust Leader Of Separatists Ukraine Moves To Oust Leader Of Separatists]", 19 de março de 1995.
  26. http://www.defesaaereanaval.com.br/?p=38447
  27. a b Mark Mackinnon. "Globe in Ukraine: Russian-backed fighters restrict access to Crimean city", The Globe and Mail.
  28. Crimea – from playground to battleground, opendemocracy.net, 27 de fevereiro de 2014.
  29. Keating, Joshua. "Crimean Foreshadowing", 1 de março de 2014.
  30. Regions Party gets 80 of 100 seats on Crimean parliament, Interfax Ukraine (11 de Novembro de 2010).
  31. Thousands mourn Ukraine protester amid unrest - Europe. Al Jazeera English. Página visitada em 2014-02-24.
  32. У Сумах розгромили офіс ПР | INSIDER. Theinsider.ua.
  33. "В Киеве разгромили офис ЦК КПУ", Gazeta.ua, 22 de fevereiro de 2014.
  34. a b Ukraine: Speaker Oleksandr Turchynov named interim president, BBC News (23 de fevereiro de 2014)
    Ukraine protests timeline, BBC News (23 de fevereiro de 2014).
  35. Entenda as razões da Rússia para a crise na Ucrânia, acesso em 04 de março de 2014.
  36. «Ukraine abolishes law on languages of minorities, including Russian», Interfax, Russia Beyond The Headlines, 23 de fevereiro de 2014. (en inglês)
  37. «Diputados del Este rusófilo y de Crimea llaman a la resistencia al Maidán» (html), Faro de Vigo, 23 de fevereiro de 2014. (en espanhol)
  38. Thousands mourn Ukraine protester amid unrest , Aljazeera.com (26 de janeiro de 2014)
  39. Mañueco, Rafael M. (27 de fevereiro de 2014). El separatismo en Crimea enciende la llama del enfrentamiento civil. ABC.
  40. Las nuevas autoridades ucranianas perciben "señales de separatismo" en Crimea. Europa Press (25 de fevereiro de 2014).
  41. La sombra del separatismo planea sobre la península ucraniana de Crimea. Euronews (25 de fevereiro de 2014).
  42. Primer enfrentamiento entre la mayoría prorrusa en Crimea y los revolucionarios ucranianos. Crónica.com.mx (27 de fevereiro de 2014).
  43. a b Putin pone en alerta al Ejército mientras Crimea se debate entre Ucrania y Rusia. Radio Televisión Española (27 de fevereiro de 2014).
  44. El gobierno de Ucrania disuelve a los Berkut, las fuerzas especiales antidisturbios. teinteresa.es (26 de fevereiro de 2014).
  45. Manifestantes ucranianos dan su apoyo al Gobierno de Unidad Nacional. Cambio de Puebla (26 de febrero de 2014).
  46. «Hombres armados toman los edificios oficiales en la capital de Crimea», RTVE.es / Agencias, RTVE, 27 de fevereiro de 2014.
  47. «Ukraine government building in Crimea seized by armed men», The Associated Press, CBC News, 27 de fevereiro de 2014. (en inglés)
  48. «Crimea designa un nuevo Gobierno prorruso y aprueba celebrar un referéndum», Agencia EFE, 20minutos.es, 28 de fevereiro de 2014.
  49. «El Parlamento de Crimea anuncia un referéndum regional sobre el futuro de la autonomía», RT, 27 de fevereiro de 2014.
  50. Grupos armados prorrusos mantienen su presencia en dos aeropuertos de Crimea. Euronews (28 de fevereiro de 2014).
  51. Ucrania denuncia la "ocupación" rusa de los aeropuertos de Crimea y pide ayuda a la ONU. Radio Televisión Española (28 de fevereiro de 2014).
  52. a b Los ministros de Exteriores alemán, francés y polaco se entrevistan en Kiev con el presidente Yanukovich. El Mundo (20 de fevereiro de 2014).
  53. http://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2014/04/03/russia-acusa-eua-de-chilique-e-sugere-ioga-contra-crise-da-crimeia.htm
  54. "Crise na Ucrânia: ONU convoca reunião pública para 17h30", Terra. Página visitada em 2 de março de 2014.
  55. "EUA ameaçam expulsar Rússia do G8 devido a crise na Ucrânia", Veja. Página visitada em 2 de março de 2014.
  56. "Presidente deposto da Ucrânia pediu ajuda militar à Rússia", Hotmail. Página visitada em 3 de março de 2014.
  57. "Ukraine crisis: Crimea MPs vote to join Russia", BBC News. Página visitada em 6 de março de 2014.
  58. "Ukraine crisis: 'Illegal' Crimean referendum condemned". Página acessada em 7 de março de 2014.
  59. Crimeia declara independência e prepara referendo de “sim” ou “sim”, acesso em 11 de março de 2013.
  60. Crimea parliament declares independence from Ukraine ahead of referendum, em inglês, acesso em 11 de março de 2013.
  61. "Governo diz que 95% dos eleitores votam por anexação da Crimeia à Rússia", acesso em 16 de março de 2014.
  62. Parlamento russo deve aprovar lei para a adesão da Crimeia, acesso em 17 de março de 2014.
  63. Resultado final aponta 96,8% dos crimeios a favor da união à Rússia, acesso em 17 de março de 2014.
  64. Ganhámos. A Crimeia é parte da Rússia, acesso em 17 de março de 2014.
  65. Após discurso duro de Putin, Rússia formaliza anexação da Crimeia, acesso em 18 de março de 2014.
  66. Ucrânia: Militar ucraniano e paramilitar russo mortos na Crimeia, acesso em 19 de março de 2014.
  67. a b "Morte de soldado ucraniano eleva conflito à “fase militar”, acesso em 18 de março de 2014.
  68. "Ucrânia libera uso de armas por soldados após morte de militar", acesso em 18 de março de 2014.
  69. Polícia prende suspeito de matar soldado ucraniano na Crimeia, acesso em 19 de março de 2014.
  70. Putin sanciona lei que completa anexação da Crimeia à Rússia, acesso em 21 de março de 2014.
  71. Ucrânia manda suas forças saírem da Crimeia diante de ameaça russa, diz presidente, acesso em 24 de março de 2014.
  72. Rublo se torna hoje a principal moeda da Crimeia, acesso em 24 de março de 2014.