Cristina Maria Isabel de Orléans e Bragança

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Família Principesca de Ligne
Blason Fécocourt 54.svg

SAR a Princesa Viúva

  • SA o Príncipe Wauthier
    SA a Princesa Regine
    • SA o Príncipe Philippe
      SA a Princesa Laetitia
      • SA o Príncipe Jean Charles
    • SA a Princesa Melanie Yolande
    • SA a Princesa Élisabeth Éléonore, Baronesa Baudouin Gillès de Pelichy
  • SA a Princesa Anne Marie, Sra. Mortgat
  • SAI&R a Princesa Cristina de Orléans e Bragança
  • SA a Princesa Sophie, Condessa Philippe de Nicolay
  • SA o Príncipe Antoine
    SA a Princesa Jacqueline
    • SA o Príncipe Louis
    • SA a Princesa Marie
    • SA a Princesa Florence
  • SA a Princesa Yolande, Sra. Townsend
Família imperial brasileira
Ramo de Vassouras
COA Dinasty Orleães-Bragança.svg

Cristina Maria Isabel de Ligne e Orléans e Bragança (Christine Marie Elisabeth; nascida aos 11 de agosto de 1955, em Beloeil) é a esposa de Antônio João de Orléans e Bragança, príncipe do Brasil e terceira na linha de sucessão ao trono brasileiro.

História familiar[editar | editar código-fonte]

Cristina Maria nasceu no Castelo de Beloeil, em Beloeil, Hainaut, Bélgica, como a segunda filha de Antônio, 13.° príncipe de Ligne (1925-2005), e de sua esposa, a princesa Alice de Ligne, irmã do grão-duque João de Luxemburgo. Seu pai foi o chefe da Casa de Ligne, uma das famílias mais antigas e prestigiadas da nobreza belga.

Pelo lado familiar materno, Cristina é descendente, em quinta geração, de dom João VI de Portugal, hexaneta de Miguel I de Portugal e sobrinha-hexaneta de Pedro I do Brasil. Seus padrinhos foram seu tio paterno, Baudouin, Príncipe de Ligne (1918-1985), e sua tia materna, a duquesa de Hohenberg. Cristina, assim como seus filhos, está na linha de sucessão ao trono luxemburguês.

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

Ainda que pertencente a uma das mais nobres e antigas famílias belgas, segundo alguns monarquistas seu casamento com Antônio não possuiria "égalité de naissance", visto que os príncipes de Ligne não são de condição “régia”, isto é, fazem parte da alta nobreza, porém, não gozam do predicado de "alteza real" e tampoco foram "mediatizados". Fato que faz com que os Ligne figurem na terceira parte do Genealogisches Handbuch des Adels. Caso esta alegação seja levada em consideração, a descendência de Antônio e Cristina estaria automaticamente excluída da linha de sucessão da Casa Imperial do Brasil, haja vista as exigências introduzidas pela princesa Isabel, quando da renúncia de seu filho primogênito em 1908, por motivo de seu consórcio com a condessa Elisabeth Dobrzensky de Dobrzenicz. Exigência essa que foi expressa pela princesa Isabel em carta à Baronesa de Loreto: "Como porém não era de família régia, demoramos nosso consentimento até que o Luís se casasse, e agora entendemos anuir."(Carta da princesa Isabel à Baronesa de Loreto citado por Lourenço Luiz Lacombe em "Isabel a Princesa Redentora", 1988. p. 275 e 276.).

Educação[editar | editar código-fonte]

Cristina estudou no Internato de Estudos Franceses das Freiras Dominicanas de Froyennes, em Tournai. Viajava com sua família frequentemente ao grão-ducado de Luxemburgo, onde visitava sua avó, seus tios e primos. Em Munique, aprendeu a falar alemão, com a finalidade de obter melhores resultados no baccalauréat (uma espécie de vestibular da França). Depois das provas, Cristina e sua prima, a arquiduquesa Maria Astride da Áustria, viajaram à Índia, trabalhando em conjunto com as freiras da Ordem de Santa Cruz durante seis meses. Tendo exercitado seus conhecimentos de enfermagem e prestado assistência social a crianças pobres, rumou a Madri, na Espanha, onde estudou filosofia e espanhol por um ano. Em 1979, Cristina estudou no Instituto Superior de Interpretação e Tradução de Bruxelas, trabalhando posteriormente no Mercado Comum Europeu. Ela fala fluentemente francês, inglês, português e entende bem alemão e espanhol.

Casamento e filhos[editar | editar código-fonte]

Em 26 de setembro de 1981, Cristina de Ligne casou-se com Antônio João de Orléans e Bragança, filho do pretendente D. Pedro Henrique de Orléans e Bragança e irmão do atual chefe da Casa Imperial do Brasil, D. Luís Gastão de Orléans e Bragança. Eles, que não deixam de ser primos distantes, se conheceram pela primeira vez em Munique no ano de 1980. O casal teve quatro filhos:

Com o casamento, tornou-se Princesa D. Cristina do Brasil, princesa-consorte do Brasil e de Orléans e Bragança, apesar de também ser conhecida como D. Cristina de Ligne. A família vive em Petrópolis.

Papéis[editar | editar código-fonte]

Cristina é dama grã-cruz de justiça das imperiais ordens de Dom Pedro I e da Rosa e já recebeu algumas condecorações por seu interesse pela causa de crianças deficientes mentais. [carece de fontes?]. A princesa já trabalhava com essas crianças, às quais chama de "excepcionais", antes de se casar.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]