Cruciforme

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Cruciforme refere-se a algo que tem a forma de cruz.[1] Aplica-se principalmente a plantas de várias igrejas cristãs. [2]

Planta cruciforme[editar | editar código-fonte]

Planta Original Catedral de Santiago de Compostela, com a típica planta cruciforme.

Este modelo é bastante comum em igrejas cristãs. As igrejas construídas segundo este tipo de projeto são compostas principalmente por duas naves cruzadas: a nave principal, normalmente mais alta do que o resto do corpo, situando-se ao centro e atravessa a igreja desde a entrada (nártex) até ao altar; e o transepto, perpendicular à nave principal. O espaço definido pela intersecção da nave e do transepto é denominado de cruzeiro, cuja cobertura é composta pelo zimbório ou tambor que serve como base estrutural da cúpula.[3]

Quando as proporções da nave principal e do transepto são as mesmas, trata-se de uma "planta de cruz grega". Caso a nave principal apresente um maior comprimento em relação ao transepto, é portanto denominada "planta de cruz latina". Em ambos os casos, a igreja divide-se nas seguintes áreas:

  • Uma das extremidades, geralmente a leste, contém o altar, o retábulo e um conjunto de vitrais ricamente decorados, através do qual a luz do sol ilumina o interior;
  • O extremo oeste, onde normalmente possui a entrada principal;
  • Dois corredores (naves) que compõem o transepto, que podem conter capelas de pequenas dimensões, como também peuqenos espaços úteis, como é exemplo a sacristia, o órgão, etc.

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Cruciforme

Referências

  1. Cruciforme (em português) Dicionário Priberam da Língua Portuguesa. Página visitada em 1 de novembro de 2013.
  2. Glossary of Medieval Art and Architecture (em inglês) pitt.edu. Página visitada em 1 de novembro de 2013.
  3. RODRIGUES, Maria João Madeira (coord.); SOUSA, Pedro Fialho de; BONIFÁCIO, Horácio Manuel Pereira. Vocabulário técnico e crítico de arquitectura. 2.ª ed., Lisboa, Quimera, 1996. ISBN 972-589-051-5