Cruz coroada

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A Cruz Coroada num vitral de uma Igreja Católica.

A Cruz e Coroa, ou Cruz Coroada é um símbolo tradicional Cristão (uma cruz atravessando uma coroa por dentro), aparecendo em muitas igrejas (principalmente na católica romana), onde também tem sido usado em heráldica.[1] Muitas vezes, é interpretada como simbolizando a recompensa no céu (a coroa) após os próximos julgamentos nesta vida (a cruz), com base no livro bíblico de Tiago 1:12.

O símbolo aparece no selo da Igreja de Cristo, onde está rodeada pelas palavras "Curar o doente, limpar os leprosos, ressuscitar os mortos, expulsar os demônios", a partir do Evangelho de Mateus, 10:8.

Uso do símbolo[editar | editar código-fonte]

Na Maçonaria[editar | editar código-fonte]

O símbolo está associado à Maçonaria por ser o emblema dos Cavaleiros Templários,[2] que representam o mais elevado grau no Rito de York.[3] Trata-se de um símbolo do grupo moderno de Cavaleiros Templários (que não reivindicam uma herança da ordem medieval). Tal grupo, diferente de outros ramos na Maçonaria, é composto exclusivamente por maçons cristãos, daí as razões para adotarem um símbolo que remeta apenas ao Cristianismo.[4]

Na Ciência Cristã[editar | editar código-fonte]

A Igreja da Ciência Cristã, ou simplesmente "Ciência Cristã", fundada por Mary Baker Eddy, também utiliza a Cruz coroada como símbolo de identificação.[5]

No movimento dos Estudantes da Bíblia[editar | editar código-fonte]

No final do século XIX a Cruz Coroada também foi usada como insígnia dos Estudantes da Bíblia, um grupo religioso formado em Pittsburgh nos EUA e que é precursor das modernas Testemunhas de Jeová. Dentre o grupo original, o símbolo, rodeado por folhas de louro, era usado na forma de broches, e também podia ser encontrado em suas publicações, como na capa da revista Zion's Watch Tower ("Torre de Vigia de Sião") nos anos de 1891 a até 1931.[6]

A Sociedade Torre de Vigia, que cuidava dos interesses dos Estudantes da Bíblia, foi deixando de utilizar a Cruz Coroada após a morte de seu fundador Charles Taze Russell. A organização passou a adotar o conceito de que Cristo foi pregado em uma estaca (madeiro) simples, sem vigas cruzadas, vendo a cruz tradicional (com duas vigas) como um símbolo pagão. Por essa razão, na edição de 15 de Outubro de 1931 da revista “Zion's Watch Tower”, o símbolo não mais aparecia em sua capa.[7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Página da "Roman Catholic Diocese of Helena" (em inglês), abaixo do título: "The Coat of Arms". Acessado em 15 de Agosto de 2011.
  2. Página da "Grand Commandery of Knights Templar of Pennsylvania"(em inglês), abaixo da página introdutória: "Welcome". Acessado em 15 de Agosto de 2011.
  3. Página da "Grand Lodge of British Columbia and Yukon"(em inglês), sob o título: "Masonic orders and degrees" e abaixo do sub-tópico "York Rite". Acessado em 15 de Agosto de 2011.
  4. Página oficial do "Grande Acampamento dos Cavaleiros Templários" (em inglês), abaixo do sub-tópico: "The Templar Membership Today" (A Filiação Templária Hoje). Acessado em 12 de Agosto de 2011.
  5. Página oficial da "Ciência Cristã" (em inglês), abaixo do título: "How to get permission to use the Cross and Crown seal". Acessado em 15 de Agosto de 2011.
  6. Livro: "Testemunhas de Jeová — Proclamadores do Reino de Deus" (1993), pg. 200.
  7. Livro: "Anuário das Testemunhas de Jeová de 1976", p. 148.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]