Cruzeiro real

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Cruzeiro Real)
Ir para: navegação, pesquisa
Cruzeiro Real
Ficheiro:Brasil cruzeiro real.jpg
Dados
Código ISO 4217 BRR
Usado  Brasil
Inflação
Sub-Unidade
1/100

centavo
Símbolo CR$
Plural cruzeiros reais
Moedas CR$ 5, 10, 50 e 100
Notas CR$ 50,[1] 100,[1] 500,[1] 1000, 5000 e 50.000
Banco Banco Central do Brasil
www.bc.gov.br
Fabricante Casa da Moeda do Brasil
www.casadamoeda.com.br

O cruzeiro real (CR$)[2] foi o padrão monetário no Brasil entre 1 de agosto de 1993 a 30 de junho de 1994.

As altas taxas de inflação que marcaram o ano de 1993 levaram o governo Itamar Franco a editar a medida provisória que criou o cruzeiro real, equivalente a mil cruzeiros.

Não foram emitidas moedas com valores em centavos nesta moeda, sendo que se consideravam como centavos as cédulas e moedas do padrão anterior na razão de 10 "cruzeiros" por centavo.

O código ISO 4217 desta moeda era BRR.

Notas[editar | editar código-fonte]

As primeiras cédulas deste padrão foram cédulas de 50.000, 100.000 e 500.000 cruzeiros nas quais foi aposto um carimbo com o novo padrão.

Depois disso, foram lançadas em circulação entre 1993 e 1994 as seguintes cédulas, já com o nome do novo padrão.

A cédula de 10.000 cruzeiros reais chegou a ter seu desenho aprovado mas não chegou a entrar em circulação, frente à iminente implantação do Plano Real.[carece de fontes?]

Valor Descrição
1.000 cruzeiros reais Frente: Retrato de Anísio Spínola Teixeira (1900-1971), tendo à esquerda vista parcial da Escola Parque, integrante do Centro Educacional Carneiro Ribeiro, projeto do arquiteto e engenheiro Diógenes Rebouças, sob orientação do próprio Anísio.
Trás: Cena alegórica referente à proposta de ensino levada a efeito pela Escola Parque, cujo fundamento e método defendem a educação como processo constante de reorganização e reconstrução de experiências.
5.000 cruzeiros reais Frente: Efígie de "gaúcho", ladeada por painel que retrata, em visão simultânea, a fachada e o interior das ruínas da Igreja de São Miguel das Missões (RS), construída pelos jesuítas na primeira metade do século XVII.

Trás: Painel apresentando cena do "gaúcho" manejando o laço, na captura do gado. Sob as legendas da margem inferior, reproduções de acessórios típicos que o gaúcho usa em sua lida diária: boleadeira, relho, guampa e esporas.

50.000 cruzeiros reais Frente: Efígie de "baiana", com torço e colares, tendo à esquerda painel onde figuram alguns de seus mais importantes balagandãs, os quais possuem diversos significados: romã e cacho de uvas (fecundidade); figa de madeira e dentes de animais (proteção); caju (abundância); peixe, cordeiro e pombas do Espírito Santo (elementos resultantes do sincretismo com o catolicismo).

Trás: Cena de baiana, trajada com o requinte dos dias de grande festa, com o clássico tabuleiro, preparando o acarajé. Ao fundo vê-se perspectiva da Igreja do Bonfim, em Salvador, cenário de uma das mais famosas festas do sincretismo religiosos brasileiro: a Lavagem do Bonfim.

Moedas[editar | editar código-fonte]

Em substituição as cédulas mais antigas do padrão anterior, foram lançadas inicialmente as moedas de 5 e 10 cruzeiros reais, sendo que mais adiante foram lançadas também as moedas de 50 e 100 cruzeiros reais.

Uma curiosidade destas moedas é que a expressão "cruzeiros reais" não aparece na moeda, sendo que ela foi substituída pelo símbolo CR$ e nas quais aparecem no reverso animais ameaçados de extinção.

Valor Coroa Cara
50 50 Cruzeiros reais BRR de 1993.png 50 Cruzeiros reais BRR de 1993 (verso).png
1993

Recolhimento[editar | editar código-fonte]

Em 1994, todo o numerário das cédulas e moedas desse padrão, bem como as cédulas remanescentes dos padrões anteriores foram recolhidas na troca pelas novas cédulas do padrão Real, perdendo o seu valor a partir de agosto deste mesmo ano.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c Estas cédulas, respectivamente nos valores de 50 mil, 100 mil e 500 mil cruzeiros, foram reaproveitadas do padrão anterior com a aposição de carimbo de equivalência
  2. Do pau-brasil ao real Caderno História do Jornal Gazeta do Povo de 21 de julho de 2013


Ícone de esboço Este artigo sobre numismática é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.