Culinária do México

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde outubro de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Trechos sem fontes poderão ser removidos.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing.

A culinária mexicana tem uma base milenar precolombiana, com evidências da cultura selectiva de plantas de milho cerca de 8 000 a.C., com uma forte influência colonial e das transformações que ocorreram no mundo nos séculos XIX e XX. [1]

A culinária tradicional mexicana foi inscrita pela Unesco, em 2010, na lista do Património Cultural Intangível da Humanidade, uma vez que se considerou que constitui um modelo cultural que inclui práticas agrícolas e técnicas culinárias milenares, como a nixtamalização do milho. Esta culinária, que ainda é a base da culinária moderna do México, tem como ingredientes principais, para além do milho, o feijão e as pimentas, para além de outros produtos indígenas, como o tomate, a abóbora, o abacate, o cacau e a baunilha. [2]

Caveira dos Dia dos Mortos feita com açúcar, chocolate, e amaranto

A tradição culinária relativa ao Dia dos Mortos no México (outra inscrição da Unesco no Património Cultural Intangível da Humanidade) também foi tomada em linha de conta na decisão da Unesco de considerar a culinária do México como Património da Humanidade. As tortillas de milho e os tamales, para além de serem parte da comida diária dos mexicanos, têm um papel importante nesta celebração. [2] Outras preparações típicas do Dia dos Mortos são as caveiras de doce, muito enfeitadas e por vezes com o nome do defunto (ou duma pessoa viva, em forma de brincadeira), e o pan-de-muerto, um pão doce adornado com figuras, por vezes na forma de crânios, e polvilhado de açúcar. Algumas bebidas tradicionais, como mezcal, atole e pulque, são também colocadas nos “altares-dos-mortos”, como oferenda. [3]

Influências[editar | editar código-fonte]

Quando os conquistadores espanhóis chegaram à antiga Cidade do México (Tenochtitlán), descobriram que o povo azteca tinha uma dieta específica: comia pratos baseados em milho como a tortilla mexicana, com algumas ervas, mas geralmente com feijão. De acordo com algumas pesquisas, a mistura de feijões com milho origina um composto de aminoácidos que é bom para a dieta. Mais tarde, os conquistadores adicionaram arroz, carne de vaca e vinho, entre outros produtos.

Muitas coisas foram levadas para o México pelos conquistadores espanhóis, tais como: cavalos, porcos, gado bovino, galinhas, cabras e outros animais, orégãos, salsa, canela, pimenta e outras especiarias, e ainda vários vegetais e frutos.

Muita da culinária mexicana atual tem origem em várias misturas de tradições, ingredientes e criatividade. A maior parte tem base nativa americana, com misturas indígenas e um toque espanhol. Por exemplo, a quesadilla é uma tortilla com base em milho e queijo e com carne de vaca, galinha ou porco. A parte indígena disto e de muitas outros pratos tradicionais é o chili, ou seja as pimentas e pimentões.

Os alimentos indígenas do México pré-colombiano incluem chocolate, milho, tomate e baunilha.

A alimentação varia com a região, dependendo da população indígena original e das influências dos espanhóis e de outros povos a que essas regiões foram expostas. Por exemplo, o norte do México é conhecido pela sua produção de carne de vaca e pratos de carne, enquanto que o sudeste do México é conhecido pelos seus pratos condimentados baseados em vegetais e carne de galinha.

A culinária mexicana combinou-se com a culinária do sudoeste dos Estados Unidos, formando a culinária tex-mex.

Pratos tradicionais[editar | editar código-fonte]

Para além das tortillas e tamales que fazem parte da comida de todos os dias, há alguns pratos típicos que foram considerados os mais populares no México, de acordo com um inquérito realizado por uma instituição especializada. A iguaria que está em primeiro lugar é o mole, em particular o mole poblano, que já foi provado pelo uma vez por 99% dos mexicanos; este molho, geralmente confeccionado vários tipos de pimentas e chocolate, é tradicionalmente comido em festas de aniversário e casamento, muitas vezes acompanhando guajolote (peru). [4]

Em segundo e terceiro lugar, repetivamente, encontram-se o pozole, uma sopa ou guisado de milho e carne de porco, originário do oeste do México, muito consumido durante o Natal; e a cochinita pibil, uma preparação baseada em carne de porco marinada com achiote, tipicamente avermelhada, e tradicionalmente cozinhada num “forno-de-terra”; originária de Yucatán, é tipicamente servida em tortas e tacos, com chiles habaneros (uma variedade de malagueta muito picante), cebolas curtidas com laranja amarga, e horchata. Entre outros pratos populares encontram-se duas especialidades da região norte do México, a machaca, carne seca que pode preparar-se de muitas formas, e o chilorio, carne de porco desfiada (“desyerbada”), condimentada com pimentas e outros condimentos. A machaca, também conhecida como “machacado con huevo”, consome-se principalmente ao pequeno-almoço, desfiada e misturada com ovos mexidos e tortillas de farinha de trigo.

Outros pratos tradicionais mexicanos incluem:

Bebidas[editar | editar código-fonte]

Referências

Bandeira do México México
Bandeira • Brasão • Hino • Cinema • Culinária • Cultura • Demografia • Economia • Geografia • História • Portal • Política • Subdivisões • Turismo • Imagens