Cultura Ibero-Maurisiana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Território das culturas Ibero-Maurisiana e Capsiana.

Ibero-Maurisiano, ou Oraniano,[1] ou Ouchtatiano[2] foi uma indústria arqueológica que se espalhou na África do Norte durante o período epipaleolítico. A essa cultura é suposto ter surgido, quer como resultado da migração do povo Cro-Magnon da península ibérica, daí o nome, ou a partir a Cultura Ateriana. A cultura existiu entre 10120 e 8550 a.C. O povo ibero-maurisiano pertencia ao tipo antropológico Mechtoide.[3]

A cultura Ibero-maurisiana se estendeu para oriente desde Marrocos (sem ultrapassar o sul da Cordilheira do Atlas) a Tunísia e para sul, no deserto do Saara, no sitio arqueológico de Gobero no sul de Niger[4] .

Os mechtoides foram assimilados durante o Neolítico e Idade do Bronze Inferior por portadores de línguas afro-asiáticas.

Em resumo, as várias linhas de evidências, usadas para argumentar a derivação da capsiana do leste, de fato, sugerem a oposto, levando a simples conclusão de continuidade entre a Ibero-Maurisiana e Capsiana. No início do Holoceno como as populações ibero-maurisianas se moveram para o interior para tirar proveito da melhoria das condições climáticas do final do Pleistoceno causou uma divergência adaptativa, que resultou na variabilidade inter-regional.[5] .

A indústria lítica da cultura Ibero-Maurisiana é caracterizada pela utilização de lâminas líticas. A parte detrás destas foi reduzido de forma abrupta e semi-abrupta. O levantamento de um micro buril e uma lâmina de dorso rebaixado permitia a obtenção de uma ponta triédrica. Essas lâminas deixaram extremidades marcadas apareceram com frequência nos achados arqueológicos e é muito característico da cultura.

Um pequeno fragmento de cerâmica representando um carneiro Bardary selvagem encontrado na Caverna de Tamar Hat na Argélia, foi atribuído a cultura Ibero-Maurisiana.[6] [7]

Referências

  • (em francês) D. Lubell, « Continuité et changement dans l'Épipaléolithique du Maghreb », in : Le Paléolithique en Afrique, l'histoire la plus longue, Artcom' , Errance, 2005, ISBN 2-87772-297-X

Ligações externas[editar | editar código-fonte]