Cultura da América do Sul

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
América do Sul

Mapa da América do Sul

Vizinhos América Central, Antártida e África
Divisões  
 - Países 12
 - Dependências 3
Área  
 - Total 17.850.568 km²
 - Maior país Brasil
 - Menor país Suriname
Extremos de elevação  
 - Ponto mais alto Aconcágua, Argentina, 6.962 m
 - Ponto mais baixo Laguna del Carbón, Argentina, 105 m abaixo do nível do mar
População  
 - Total 357.000.000[1] habitantes
 - Densidade 20 hab./km²
Idiomas Espanhol, português, francês, inglês, holandês e guarani

A Cultura da América do Sul inclui diversas tradições culturais. Estas incluem as culturas nativas dos povos que habitavam os continentes antes da chegada dos europeus; culturas européias, trazidas principalmente pelos espanhóis, os portuguêses e os franceses; culturas africanas, cuja presença resulta de uma longa história de escravidão no Novo Mundo; e por último os Estados Unidos, nomeadamente através da cultura em massa, como cinema e TV.

Os sul-americanos são culturalmente ricos,[2] devido a histórica conexão com a Europa, especialmente Espanha e Portugal, e o impacto da cultura popular dos Estados Unidos.

As diferenças culturais são consideráveis e a divisão do subcontinente na época colonial fez com que existissem duas línguas dominantes, o espanhol e o português. A cultura indígena de origem pré-colombiana teve forte influência no Peru, Bolívia e algumas regiões da Amazônia.

Devido às diferenças culturais dentro das fronteiras nacionais, é possível encontrar maior semelhança cultural entre os habitantes de áreas fronteiriças do que entre estes mesmos e os do interior de cada país. Isto se deve, em parte, a divisão pós-colonial que acompanhou a formação dos estados independentes durante o século XIX.

Idioma[editar | editar código-fonte]

Idioma Falantes
Lang-es.gif Espanhol 194.600.108
Lang-pt2.gif Português 191.480.630
Lang-en.gif Inglês 800.000
Nld-language.png Neerlandês 510.000
Lang-fr.gif Francês 230.000

O português e o espanhol são as línguas mais faladas na América do Sul,[3] região geográfica que é parte da grande região cultural, chamada América Latina.

As línguas indígenas da América do Sul incluem o quíchua, no Equador, Peru e Bolívia;[4] guarani no Paraguai e um pouco na Bolívia;[5] aimará, na Bolívia e Peru;[6] e o Mapudungun é falado em certas regiões do sul do Chile, e mais raramente, na Argentina.[7] No mínimo, três dessas línguas indígenas (quíchua, aimará e guarani) são reconhecidas junto com o espanhol como línguas oficiais em seus países.[8]

Outras línguas encontradas na América do Sul incluem hindi e indonésio no Suriname; italiano na Argentina, Brasil, Uruguai, Venezuela e Chile; e alemão em algumas regiões de Argentina, Chile, Venezuela e Paraguai. O alemão também é falado em algumas regiões do sul brasileiro, Hunsrückisch é o dialeto alemão mais falado no país. Entre outros dialetos alemães, uma forma brasileira do pomerano também é representada.

Arte[editar | editar código-fonte]

Tango, estilo musical típico da Argentina.

Além da rica tradição da arte indígena, o desenvolvimento da arte visual sul-americana deve muito à influência da Espanha, Portugal e a pintura barroca francesa, que por sua vez, muitas vezes seguido as tendências dos mestres italianos. Em geral, esse eurocentrismo artístico começou a desaparecer no início do século XX, já que os sul-americanos começaram a reconhecer a singularidade da sua condição e começaram a seguir o próprio caminho.

A cultura sul-americana está presente de diversas maneiras a nível mundial. Assim, por exemplo, o artesanato andino desfruta de considerável demanda em diferentes mercados, como o europeu.[9]

Música[editar | editar código-fonte]

As nações sul-americanas tem uma grande variedade na música. Alguns dos géneros mais famosos incluem a cumbia da Colômbia,[10] samba e bossa nova do Brasil, e o tango, de Argentina e Uruguai. Na primeira metade do século XX, o tango teve grande exito na Europa e na Colômbia. Esta música era interpretada em castelhano, porém não foi um obstáculo para sua difusão no exterior. Na América do Sul se desenvolveram estilos musicais não-exclusivos do subcontinente, como a salsa, que tem sua "capital" em Santiago de Cali, Colômbia.

Gastronomia[editar | editar código-fonte]

Devido à fusão étnica da América do Sul, a cozinha sul-americana tem muitas influências. A maioria das características são ameríndias, africanas, espanholas e italianas. Por sua vez, os hábitos alimentares variam muito, dependendo do ambiente físico das diferentes regiões. O consumo da carne assada está espalhada por todo o subcontinente, especialmente gados e suínos. São populares as churrasqueiras ao ar livre, também conhecido como o asado no Cone Sul ou churrasco no Brasil.

Por causa da ampla mistura étnica na América do Sul, a culinária tem influências africanas, asiáticas e europeias. O estado brasileiro da Bahia é especialmente conhecido pela influência da culinária da África Ocidental.[11] Argentinos, chilenos e uruguaios consomem grande quantidade de vinho.[12]

Religião[editar | editar código-fonte]

A religião na América do Sul é caracterizada pela predominância do catolicismo romano e do protestantismo, bem como pela presença de as outras religiões mundiais como o hinduismo e o islamisno.[13] [14]


Símbolo do Portal A Wikipédia possui o portal:

Referências