Bielorrússia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Cultura da Bielorrússia)
Ir para: navegação, pesquisa
Рэспубліка Беларусь (bielorrusso)
Республика Беларусь (russo)

República da Bielorrússia
Bandeira da Bielorrússia
Brasão de armas da Bielorrússia
Bandeira Brasão de armas
Hino nacional: Мы, беларусы
(Bielorrusso: Nós, bielorrussos)
Gentílico: bielorrusso(a)

Localização da Bielorrússia

Localização da Bielorrússia (em verde)
Capital Minsk
53° 55' N 27º 33' E
Cidade mais populosa Minsk
Língua oficial Bielorrusso e russo
Governo República Semipresidencialista
 - Presidente Aleksandr Lukashenko
 - Primeiro-ministro Mikhail Miasnikovich
Independência da União Soviética 
 - Declarada 27 de julho de 1990 
 - Estabelecida 25 de agosto de 1991 
 - Completa 25 de dezembro de 1991 
Área  
 - Total 207.600 km² (85.º)
 - Água (%) desprezível
População  
 - Estimativa de 2009 9 648 533 hab. (86.º)
 - Censo 1999 10 045 237 hab. 
 - Densidade 49 hab./km² (142.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2008
 - Total US$ 118,875 bilhões (58.º)
 - Per capita US$ 12 291 (65.º)
IDH (2012) 0,793 (50.º) – elevado[1]
Moeda Rublo bielorrusso (BYR)
Fuso horário EET (UTC+2)
 - Verão (DST) EEST (UTC+3)
Cód. ISO BLR
Cód. Internet .by
Cód. telef. +375

Mapa da Bielorrússia

Bielorrússia (em bielorrusso: Беларусь, AFI[belərus]; em russo: Беларусь, Byelarus' ou Белоруссия, Byelorussiya; ver etimologia; lit. "Rússia Branca"), oficialmente República da Bielorrússia, é um país sem saída para o mar localizado na Europa do Leste,[2] que faz fronteira com a Rússia a nordeste, com a Ucrânia, ao sul, com a Polônia a oeste, e com a Lituânia e Letônia a noroeste. Sua capital é Minsk, e outras de suas principais cidades são Brest, Grodno (Hrodna), Gomel (Homiel), Mogilev (Mahilyow) e Vitebsk (Viciebsk). Cerca de 40% da sua área total de 207.500 quilômetros quadrados é coberto por florestas,[3] e os seus setores econômicos que mais se destacam são a agricultura e a indústria manufatureira.

Até o século XX as terras que atualmente formam a Bielorrússia pertenceram a diversos países, incluindo o Principado de Polotsk, o Grão-Ducado da Lituânia, o Império Russo e a Comunidade Polaco-Lituana. Como consequência da Revolução Russa, a Bielorrússia se tornou uma das repúblicas constituintes da União Soviética desde sua formação, e passou a se chamar República Socialista Soviética Bielorrussa (RSSB). A unificação final das terras bielorrussas se deu em 1939, quando o território que pertencia à Segunda República Polonesa se uniu à RSSB.[4] [5] [6] [7] [8] [9] O país foi devastado durante a Segunda Guerra Mundial, durante a qual a Bielorrússia perdeu cerca de um terço de sua população e mais da metade de seus recursos econômicos;[10] a república foi reestruturada nos anos do pós-guerra. Devido ao impacto do conflito no país, a RSSB se tornou um dos membros fundadores da Organização das Nações Unidas, juntamente com a República Socialista Soviética Ucraniana e a própria URSS.

O parlamento da república declarou a soberania da Bielorrússia em 27 de julho de 1990, e, logo após o fim da União Soviética, declarou a independência do país em 25 de agosto de 1991. Alexander Lukashenko tem sido o seu presidente desde 1994; sob o seu governo, e apesar das objeções feitas pelos governos de diversos países ocidentais, muitas políticas do período soviético, como o controle estatal da economia, foram reimplementados. Desde 2000 a Bielorrússia e a Rússia assinaram um tratado de cooperação, indicando uma possível formação de uma União Estatal.

A maior parte da população de 9,85 milhões de habitantes do país reside nas áreas urbanas em torno de Minsk e das outras capitais de divisões regionais (voblast).[11] Mais de 80% da população é composta por bielorrussos nativos, com minorias consideráveis de russos, poloneses e ucranianos. Desde a realização de um referendo em 1995, o país tem dois idiomas oficiais: o bielorrusso e o russo. A Constituição da Bielorrússia não declara uma religião oficial, embora a religião predominante no país seja o cristianismo ortodoxo russo. A segunda religião mais popular, o catolicismo, tem um número bem menor de fieis; tanto o Natal quanto a Páscoa de ambas as religiões, no entanto, que são comemoradas em datas diferentes, são comemorados como feriado nacional.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome "Bielorrússia" deriva da expressão Rússia Branca ("Branco-Rus"). Existem diversas teorias sobre a origem do nome "Rus Branco".[12] O nome descrevia a área da Europa Oriental coberta por neve e povoada por povos eslavos, em oposição à Rutênia Negra, controlada pelos lituanos. Outra possível origem para o nome poderia ser a vestimenta branca utilizada no período pela população eslava.[12] [13] Outras hipóteses para o nome diriam respeito às terras meridionais do país (Polatsk, Vitsiebsk and Mahilyow), que não haviam sido conquistadas pelos tártaros; antes de 1267, toda a terra que não havia sido conquistada pelos mongóis era considerada parte do "Rus Branco",[12] dado que bel ou biel também significaria "livre", num período em que a maior parte da Rússia se encontrava sob o jugo dos tártaros.[14]

O nome apareceu pela primeira vez na literatura medieval alemã e latina. Nas crônicas escritas por Jan de Czarnków, mencionava-se que o grão-duque lituano Jogaila e sua mãe teriam sido encarcerados, em 1381, em "Albae Russiae, Poloczk dicto".[15] O termo latino "Alba Russia" foi utilizado novamente pelo Papa Pio VI, ao estabelecer ali uma Sociedade Jesuíta em 1783. Sua bula papal decretava: "Approbo Societatem Jesu in Alba Russia degentem, approbo, approbo."[16] Historicamente, o país foi designado em idiomas ocidentais como "Rutênia Branca"; o primeiro uso de "Rússia Branca" para se referir à Bielorrússia se deu no fim do século XVI, pelo inglês sir Jerome Horsey.[17] Durante o século XVII, os czares russos utilizaram o termo "Rus' Branco" para descrever as terras conquistadas do Grão-Ducado da Lituânia.[18]

A Bielorrússia passou a receber seu nome atual (em russo: Белоруссия) no período do Império Russo; o czar russo costumava ser designado o "Czar de Todas as Rússias" - referindo-se à Grande, à Pequena e à Branca. Na época, a Bielorrússia era vista como parte da nação russa, e o idioma bielorrusso era considerado um dialeto do russo.[19] Após a Revolução Bolchevique de 1917, o termo Rússia Branca passou a causar alguma confusão, pois também era o nome da força militar que se opunha aos bolcheviques "vermelhos".[20] Durante o período da República Socialista Soviética Bielorrussa, o termo Bielorrússia foi adotado como parte de uma consciência nacional. Na Bielorrússia Ocidental, sob o domínio polaco, o termo foi utilizado com frequência para se referir às regiões de Bialystok e Grodno, durante o período entre-guerras.[21]

O termo "Belorussia" (seus nomes na maioria dos idiomas vêm da forma russa, "Byelorussia") foi utilizado oficialmente apenas até 1991, quando o Soviete Supremo da RSSB decretou que a nova república independente deveria se chamar "Belarus" (Беларусь), em russo e em todas as transcrições do nome para outros idiomas. A mudança supostamente visava refletir adequadamente a forma bielorrussa do nome, e o período de transição durou até 1993.[22] Forças conservadoras da recém-independente república, no entanto, não apoiaram a mudança de nome e se opuseram à sua inclusão no esboço feito em 1991 da Constituição da Bielorrússia.[23]

Desde a independência do país, com o fim da União Soviética, o governo bielorrusso oficializou este pedido para que o endônimo Belarus fosse usado em todas as línguas para se referir ao país. Em determinados idiomas, como o inglês, o pedido foi bem aceito,[24] mas a maioria das outras línguas europeias mantiveram seus exônimos próprios, como o grego o Λευκορωσία, o alemão Weißrußland, o dinamarquês Hviderusland, o sueco Vitryssland, o holandês Wit-Rusland, o islandês Hvíta-Rússland, todos traduzidos literalmente como Rússia Branca (que também era o nome historicamente utilizado no português até a década de 1990). O francês mantém o nome Biélorussie.

O mesmo que se deu com o inglês aconteceu, até certo ponto, com o russo (embora o nome tradicional ainda exista naquele idioma); do mesmo modo, o adjetivo "Belorussian" ou "Byelorussian" foi substituído, em inglês, por "Belarusian", enquanto o russo não tenha desenvolvido uma nova versão do adjetivo ("bielaruski").[24] A intelligentsia bielorrussa no período de Stalin tentou alterar o nome do país para "Krivia", para tentar eliminar esta suposta ligação com a Rússia;[25] alguns nacionalistas também têm objeção ao nome por este mesmo motivo.[26] [27] Diversos jornais populares publicados localmente, no entanto, ainda conservam o nome antigo do país em russo nos seus nomes, como por exemplo Komsomolskaya Pravda v Byelorussii, edição local de um popular tabloide russo. Partidários da união do país com a Rússia também continuam a utilizar a forma anterior.[27] Oficialmente, o nome completo do país é "República da Bielorrússia" (Рэспубліка Беларусь, Республика Беларусь, Loudspeaker.svg? Respublika Belarus").[22] [28]

História[editar | editar código-fonte]

História antiga[editar | editar código-fonte]

Restos tanto do Homo erectus quanto do homem-de-neandertal foram encontrados na região. Durante o Neolítico o homem moderno se deslocou para a área, fundando de 5000 a 2000 a.C. a cultura Bandkerimik, que predominou na região. Cimérios e outros povos pastorais vagavam pela região por volta do ano 1000 a.C., e ao redor de 500 a.C. os eslavos haviam se fixado ali, sofrendo alguma pressão dos citas que habitavam a periferia de seus territórios. Diversas invasões "bárbaras" de povos asiáticos passaram pela região, incluindo os hunos e ávaros, por volta de 400-600 d.C., que no entanto não removeram dali a presença eslava.[29]

Idade Média e período moderno[editar | editar código-fonte]

Selo com a Cruz de Santa Eufrosina, de 1991.

A região da atual Bielorrússia foi colonizada pelas tribos eslavas no século VI. Gradualemente estas tribos entraram em contato com os varegues, grupos de guerreiros e comerciantes escandinavos.[30] Embora tenham sido derrotados e exilados, por um breve período, pela população local, os varegues foram convocados de volta posteriormente,[30] e ajudaram na formação de uma politeia, comumente conhecida como o Rus de Kiev, em troca do pagamento de tributos. O Estado constituído pelo Rus de Kiev teve seu início por volta de 862, em torno da cidade de Kiev,[31] na atual Ucrânia, e em torno da atual cidade de Novgorod, na Rússia.[31]

Com a morte do príncipe Jaroslau I, o Sábio, soberano do Rus de Kiev, aquela nação se dividiu em principados independentes.[32] Estes principados rutenos foram afetados com gravidade por uma invasão mongol ocorrida no século XIII, e diversos deles acabaram por ser incorporados ao Grão-Ducado da Lituânia.[33] Destes principados que foram dominados pelo Ducado, nove haviam sido colonizados pelos ancestrais dos bielorrussos.[34] Neste período o Grão-Ducado da Lituânia estava envolvido em diversas campanhas militares, incluindo combates na fronteira com a Polônia contra os Cavaleiros Teutônicos, na Batalha de Grunwald, de 1410; a vitória conjunta permitiu que o Ducado controlasse as fronteiras noroestes da Europa do Leste.[35]

Em 2 de fevereiro de 1386, o Grão-Ducado da Lituânia e o Reino da Polônia se juntaram em união pessoal, através do casamento de seus soberanos.[36] Esta união teve como resultado a formação da Comunidade Lituano-Polonesa, criada em 1569. Os russos, liderados por Ivan III de Moscou, começaram a fazer conquistas militares em 1486, tentando reunir as terras anteriormente dominadas pelo Rus de Kiev, mais especificamente os territórios das atuais Bielorrússia e Ucrânia.[37]

A união entre Polônia e Lituânia terminou em 1795, com a partição da Polônia entre a Rússia imperial, a Prússia e a Áustria.[38] Neste período o território da Bielorrússia atual foi adquirido pelo Império Russo, durante o reinado de Catarina II,[39] e sua hegemonia na região foi mantida até a sua ocupação pelo Império Alemão durante a Primeira Guerra Mundial.[40]

Século XX[editar | editar código-fonte]

Durante as negociações do Tratado de Brest-Litovsk, a Bielorrússia declarou sua independência pela primeira vez, em 25 de março de 1918, formando a República Popular Bielorrussa, criada sob ocupação alemã e uma das primeiras tentativas de se ocidentalizar o país.[41] [42] Imediatamente após a formação da República Popular iniciou-se a Guerra Polonesa-Soviética, e a Bielorrússia foi dividida entre uma Polônia que ressurgia e a Rússia soviética; a parte que ficou sob controle russo se tornou a República Socialista Soviética da Bielorrússia, em 1919, e eventualmente passou a integrar a República Socialista Soviética Lituano-Bielorrussa. As terras bielorrussas foram então divididas entre a Polônia e os soviéticos após o fim da guerra, em 1921, e a RSS Bielorrussa se tornou um dos membros fundadores da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, no ano seguinte.[41] [43] Ao mesmo tempo, a parte ocidental do país permaneceu sob ocupação polonesa.[44] [45] [45]

Diversas reformas agriculturais culminaram com a fase bielorrussa do processo de coletivização soviético, iniciado na década de 1920. Um rápido processo de industrialização foi implementado durante a década seguinte, nos moldes do modelo dos planos quinquenais soviéticos.

Combatentes partisan soviéticos atrás das linhas de frente alemãs na Bielorrússia, em 1943.

Em 1939 a Alemanha nazista e a União Soviética invadiram e ocuparam a Polônia, marcando o início da Segunda Guerra Mundial. A maior parte do nordeste daquele país, que até então havia sido polonês desde a Paz de Riga, duas décadas antes, foi anexada à RSS Bielorrussa, e passou a formar a Bielorrússia Ocidental.[4] [5] [6] [7] [8] [9] O Conselho Popular Bielorrusso, controlado pelos soviéticos, assumiu oficialmente o controle dos territórios, que tinham uma população majoritariamente bielorrussa, em 28 de outubro de 1939, na cidade de Białystok.[9]

A Alemanha nazista invadiu a União Soviética em 1941 - a Fortaleza de Brest, que havia sido anexada em 1939, recebeu um dos golpes mais duros do início da guerra, com sua célebre defesa em 1941 sendo lembrada como um ato de heroísmo contra a agressão alemã. Estatisticamente, a RSSB foi a república soviética mais atingida pela guerra, e permaneceu sob o domínio nazista até 1944. Durante este período, a Alemanha destruiu 209 das 290 cidades da república, 85% da indústria do país, e mais de um milhão de edifícios.[10] Estima-se que o número de vítimas tenha oscilado entre dois e três milhões (cerca de um quarto a um terço da população total), enquanto a população judaica do país foi totalmente devastada durante o Holocausto, e nunca mais se recuperou.[10] [46] A população da Bielorrússia só voltou a atingir os mesmos índices que apresentava antes da guerra em 1971.[46]

Após o término da guerra, a Bielorrússia esteve oficialmente entre os 51 países fundadores da Carta das Nações Unidas, em 1945; juntamente com a Ucrânia, tinha direito a um voto adicional na ONU, separado do voto da União Soviética. Um processo de reconstrução intenso foi imediatamente iniciado; durante este período, a RSSB se tornou um dos principais centros industriais da região ocidental da URSS, com um número crescente de empregos e um influxo constante de migrantes russos.[47] As fronteiras da RSSB e da Polônia foram redesenhadas, estabelecidas a partir de um ponto conhecido como a Linha Curzon.[48]

Josef Stalin implementou uma política de sovietização, visando isolar a RSS Bielorrussa das "influências ocidentais".[46] Esta política envolvia a transferência de indivíduos russos de diversos outros pontos da União Soviética, e colocando-os em posições-chave dentro do governo bielorrusso. O uso oficial da língua bielorrussa e outros aspectos da identidade cultural local eram rigorosamente limitados pelo governo em Moscou. Com a morte de Stalin, em 1953, seu sucessor, Nikita Khrushchev, continuou este processo, afirmando: "Quanto mais rapidamente todos nós começarmos a falar o russo, mais rapidamente construiremos o comunismo."[46]

A RSS Bielorrussa ficou significativamente exposta à cinza nuclear resultante da explosão da usina nuclear de Chernobyl, na sua vizinha, a República Socialista Soviética Ucraniana, em 1986.[49]

Em junho de 1988, na localidade rural de Kurapaty, próximo a Minsk, o arqueólogo Zyanon Paznyak, líder do Partido Conservador Cristão da Frente Popular Bielorrussa, descobriu sepulturas coletivas que continham cerca de 250.000 corpos de vítimas de execuções ocorridas entre os anos de 1937 a 1941.[49] Alguns nacionalistas passaram a alegar que esta descoberta seria prova de que o governo soviético tinha tentado dizimar o povo bielorrusso, e passaram a buscar a independência.[50]

Dois anos mais tarde, em março de 1990, foram realizadas as eleições para os assentos no Soviete Supremo da RSS Bielorrussa. Embora a Frente Popular Bielorrussa tenha obtido apenas 10% dos votos, o povo se contentou com a seleção dos delegados.[51] A Bielorrússia se declarou um país soberano em 27 de julho de 1990, ao proclamar a Declaração de Soberania de Estado da Repúblcia Socialista Soviética Bielorrussa. Com o apoio o Partido Comunista local, seu nome foi alterado oficialmente para República da Bielorrússia em 25 de agosto de 1991.[51] Stanislav Shushkevitch, presidente do Soviete Supremo da Bielorrússia, se encontrou com Bóris Iéltsin, da Rússia, e Leonid Kravtchuk, da Ucrânia, em 8 de dezembro do mesmo ano, na Floresta de Białowieża (Belavejskaya Pushtcha), para declarar formalmente a dissolução da União Soviética e a formação da Comunidade de Estados Independentes.[51]

Uma constituição nacional foi adotada em março de 1994, na qual as funções de primeiro-ministro foram passadas para o presidente. Eleições em dois turnos para a presidência, realizadas em 24 de junho e 10 de julho de 1994[52] resultaram na vitória de Alexander Lukashenko, até então desconhecido, politicamente, com mais de 45% dos votos no primeiro turno e 80%[51] no segundo, derrotando Vyatcheslav Kebitch, que obteve 14%. Lukashenko foi reeleito em 2001 e em 2006.

Em 1997, a Bielorrússia e Federação Russa ratificaram tratado que prevê a unificação das políticas externa, econômica e militar. No ano seguinte, a cotação do rublo bielorrusso caiu pela metade, e a crise que se instalou força o racionamento de alimentos. Um acordo para a unificação monetária e tributária foi assinado em 2008 com o governo russo.

Geografia[editar | editar código-fonte]

A Bielorrússia é um país sem saída para o mar, relativamente plano, com grandes extensões de terreno pantanoso.[53] De acordo com uma estimativa feita em 2005 pela Organização das Nações Unidas, 40% do país está coberto por florestas.[54] Diversos riachos e cerca de 11.000 lagos podem ser encontrados na Bielorrússia.[53] Três grandes rios cortam o país: o Neman, o Pripyat, e o Dnieper. O Neman corre em direção oeste, rumo ao mar Báltico, enquanto o Pripyat vai para leste, rumo ao Dnieper, que por sua vez deságua no mar Negro.[55]

O ponto mais elevado da Bielorrússia é o Dzyarjynskaya Hara (Monte Dzyarzhynsk), com 345 metros de altitude, e seu ponto mais baixo é o rio Neman, situado a 90 m.[53] A altitude média do país é de 160 metros acima do nível do mar.[56] Seu clima apresenta invernos frios, com temperaturas médias, em janeiro, de -6 °C, e verões frescos e úmidos, com uma temperatura média de 18 °C..[57] A Bielorrússia tem uma média de chuva anual de 550 a 700 milímetros.[57] O país se situa na zona de transição entre o clima continental e o clima oceânico.[53]

Entre os recursos naturais da Bielorrússia estão depósitos de turfa, pequenas quantidades de petróleo e gás natural, granito, dolomita (calcário), marga, giz, areia, cascalho e argila.[53] Cerca de 70% da radiação resultante do desastre nuclear de Chernobyl, ocorrido em 1986 na vizinha Ucrânia, penetrou o território bielorrusso, e em 2005 cerca de um quinto das terras do país (especialmente fazendas e florestas nas províncias do sudeste) continuam a ser afetadas pela cinza nuclear.[58] As Nações Unidas e outras agências internacionais procuraram reduzir o nível de radiação nas áreas afetadas, através do uso de substâncias retentoras de césio e do cultivo de colza, visando diminuir os nívels de césio 137 no solo.[59] [60]

A Bielorrússia faz fronteira com a Letônia, ao norte, com a Lituânia, a noroeste, a Polônia a oeste, a Rússia ao norte e leste e a Ucrânia ao sul. Tratados feitos em 1995 e 1996 demarcaram as fronteiras da Bielorrússia com a Letônia e a Lituânia, porém a Bielorrússia não ratificou um tratado de 1997 que estabelecia a fronteira Bielorrússia-Ucrânia.[61] A Bielorrússia e a Lituânia ratificaram os documentos que estabeleceram de maneira final a demarcação de suas fronteiras em fevereiro de 2007.[62]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Ficheiro:Brest Kirche.jpg
Igreja da Ressureição, em Brest, a maior do país. Mais de 5000 pessoas podem frequentar seus serviços.

Indivíduos de etnia bielorrussa constituem 81,2% do total da população do país.[63] Os outros principais grupos étnicos são os russos (11,4%), poloneses (3,9%) e ucranianos (2,4%)[63] Os dois idiomas oficiais do país são o russo e o bielorrusso;[64] O russo é o principal idioma, utilizado por 72% da população, enquanto o bielorrusso, segunda língua oficial, é utilizado apenas por 11,9%.[65] O polonês, o ucraniano e o iídiche oriental também são falados por minorias.[66]

A Bielorrússia tem uma densidade populacional de cerca de 50 pessoas por quilômetro quadrado; 71,7% do total de sua população está concentrado nas áreas urbanas.[63] Minsk, a capital e maior cidade do país, é lar de 1,741,400 dos 9,724,700 habitantes de Belarus.[63] Gomel, com 481.000 habitantes, é a segunda maior cidade do país, e capital do Voblast de Homel. Outras grandes cidades são Mogilev (365.100), Vitebsk (342.400), Hrodna (314;800) and Brest (298.300).[67]

Como muitos outros países europeus, a Bielorrússia tem um crescimento populacional negativo, e uma taxa negativa de crescimento natural. Em 2007 a população do país diminuiu em 0,41% e sua taxa de fertilidade era de 1,22.[63] Sua taxa bruta de migração é de +0.38 por 1.000, indicando que a Bielorrússia tem uma imigração levemente superior à sua emigração.[63] Em 2007, 69,7% da população do país tinha entre 14 e 64 anos de idade; 16% tem menos de 14, e 14,6% tem mais de 65.[63] Sua população também está envelhecendo; enquanto a idade média atualmente é de 37,[63] estima-se que a idade média dos bielorrussos estará entre 55 e 65 anos em 2050.[68] Existem cerca de 0,88 homens para cada mulher no país.[63]

A expectativa de vida média é de 68,7 anos (63,0  para homens e 74,9 para as mulheres).[63] Mais de 99% dos bielorrussos são alfabetizados.[63] [69]

Religião[editar | editar código-fonte]

Historicamente, a Bielorrússia teve a predominância de diferentes religiões, principalmente o cristianismo ortodoxo, o catolicismo (especialmente nas regiões ocidentais), diferentes denominações do protestantismo (especialmente durante o período de união com a Suécia protestante).[70] Grandes minorias praticam o judaísmo e outras religiões. Diversos bielorrusos se converteram à Igreja Ortodoxa Russa depois que a Bielorrússia foi anexada pela Rússia, após a partilha da Comunidade Polonesa-Lituana. Como consequência, a ortodoxia russa tem atualmente mais adeptos que as outras denominações cristãs.

A minoria católica romana do país, que forma cerca de 10% da população do país,[71] e se concentra na parte ocidental do país, especialmente em torno de Hrodna, e é formada por uma mistura de bielorrusos e da minoria polonesa e lituana do país. Cerca de 1% da população pertence à Igreja Greco-Católica Bielorrussa.[72] Atualmente, o país tema a maior proporção de católicos romanos em toda a Europa do Leste.

A Bielorrússia já foi um dos grandes centros judaicos da Europa, com até 10% da população pertencendo à religião em determinado ponto de sua história, porém a população de judeus foi reduzida drasticamente pelas guerras, fomes, o Holocausto e a imigração subsequente; hoje em dia os judeus formam uma minoria bem pequena, de cerca de 1% ou menos.[73] Os tártaros de Lipka, muçulmanos, totalizam mais de 15.000 indivíduos. De acordo com o Artigo 16 da Constituição da Bielorrússia, o país não tem religião oficial. Embora a liberdade de religião seja estabelecida no mesmo artigo, organizações religiosas tidas como ameaçadoras ao governo, à ordem social ou ao país podem ser proibidas.[74]

Cidades mais populosas[editar | editar código-fonte]

Política[editar | editar código-fonte]

Casa do Governo, em Minsk, com estátua de Vladimir Lênin em primeiro plano.

A Bielorrússia é uma república presidencial, governada por um presidente e por uma assembleia nacional. De acordo com a constituição de 1994 do país, o presidente é eleito a cada cinco anos. No entanto, depois de uma eleição disputada em 1996, este mandato passou de cinco para sete anos.[75] A Assembleia Nacional é um parlamento bicameral que compreende a Casa dos Representantes (câmara baixa), com 110 assentos, e o Conselho da República (câmara alta), com 64 assentos.

A Casa dos Representantes tem o poder de indicar os primeiro-ministro, fazer emendas constitucionais, convocar um voto de confiança ao primeiro-ministro, e dar sugestões a respeito das políticas domésticas e externas. O Conselho da República tem o poder de escolher diversos oficiais governamentais, conduzir um julgamento de impeachment do presidente, e aceitar ou rejeitar as propostas aprovadas pela Casa dos Representantes. Cada câmara tem capacidade de vetar qualquer lei sancionada por oficiais locais, se estiver em desacordo com a Constituição da Bielorrússia.[76]

Desde 1994 Alexander Lukashenko é o presidente da Bielorrússia. O governo inclui um Conselho de Ministros, chefiado pelo primeiro-ministro e por cinco vice primeiros-ministros.[77] Os membros deste conselho não precisam ser membros do parlamento, e são indicados pelo presidente. O Poder Judiciário compreende o Tribunal Supremo, e tribunais especializados como o Tribunal Constitucional, que lida com questões específicas relacionadas às leis constitucionais e comerciais. Os juízes dos supremos tribunais são indicados pelo presidente e confirmados pelo Conselho da República. Para casos criminais, a instância apelativa mais alta é o Supremo Tribunal. A constituição bielorrussa proíbe o uso de tribunais especiais extra-judiciários.[76]

Em 2007, 98 dos 110 membros da Casa dos Representantes não tinham afiliação com qualquer partido político, e dos 12 restantes 8 pertenciam ao Partido Comunista da Bielorrússia, três ao Partido Agrário, e um ao Partido Liberal Democrático. A maior parte dos parlamentares sem filiação partidária representam uma série de organizações sociais, como sindicatos trabalhistas, associações públicas e organizações da sociedade civil.

Nem os partidos que apoiam Lukashenko, como o Partido Socialista Esportista Bielorrusso e o Partido Republicano do Trabalho e Justiça, nem a Coalizão Popular 5 Mais dos partidos de oposição, como a Frente Popular Bielorrussa e o Partido da União Civil da Bielorrússia, conseguiram conquistar assentos nas eleições de 2004. Grupos como a Organização pela Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) declararam que as eleições não teriam sido livres, apontando como evidências os resultados magros dos partidos de oposição, e a parcialidade pró-governamental nos meios de comunicação.[78]

Na eleição presidencial de 2006, Lukashenko teve como opositores Alaksandar Milinkievič, candidato que representava uma coligação de partidos de oposição, e Alaksandar Kazulin, dos social-democratas. Kazulin foi detido e espancado pela polícia durante protestos envolvendo a Assembleia Popular Pan-Bielorrussa. Lukashenko venceu a eleição com 80% dos votos; a Federação Russa e a Comunidade de Estados Independentes declararam as eleições "livres e justas",[79] enquanto a OSCE e outras organizações declararam-nas "fraudulentas".[80]

Bandeira do país entre 1991 e 1995, utilizada como símbolo pela oposição bielorrussa.

Lukashenko descreveu a si próprio como tendo um "estilo de governo autoritário".[81] Diversos países ocidentais descreveram a Bielorrússia sob o domínio de Lukashenko como uma ditadura; o governo acusou as mesmas potências ocidentais de tentar removê-lo do poder.[82] O Conselho da Europa proibiu a filiação da Bielorrússia desde 1997, devido às irregularidades nas eleições do país, tanto no referendo constitucional quanto nas eleições presidenciais realizadas em novembro de 1996.[83] O governo da Bielorrússia também é criticado por violações aos direitos humanos e por ações contra organizações não-governamentais, jornalistas independentes, minorias nacionais e políticos de oposição.[84] [85]

A Bielorrússia é a única nação da Europa que ainda aplica a pena de morte como punição para determinados crimes durante períodos de paz.[86] A constituição do país também foi alterada por Lukashenko, em 2004, ampliando o limite de dois mandatos para cada presidente.[87] Anteriromente, em 1996, Lukashenko havia convocado uma polêmica eleição que ampliou a duração do mandato presidencial de cinco para sete anos, aprovada pelos eleitores.[88] Durante depoimento ao Comitê de Relações Externas do Senado dos Estados Unidos, a ex-secretária de Estado norte-americana Condoleezza Rice descreveu a Bielorrússia como uma das seis nações que funcionam como bastiões da tirania".[89] Como resposta, o governo bielorrusso afirmou que a declaração estava "bem longe da realidade".[90]

Relações externas e forças armadas[editar | editar código-fonte]

Alexander Lukashenko (esquerda) cumprimentando Dmitry Medvedev (presidente da Rússia) em 2008.
Um Su-27UBM bielorrusso.

A Bielorrússia e a Rússia têm sido parceiros comerciais e aliados diplomáticos desde o fim da União Soviética. A Bielorrússia é dependente da Rússia, tanto para importações de matéria-prima quanto para o seu mercado de exportação.[91] A União da Rússia e Bielorrússia, uma confederação supranacional, foi criada com uma série de tratados feitos entre 1996 e 1999 que estabeleceram uma meta de união monetária, direitos iguais, cidadania única e uma política comum de defesa e relações externas.[91] O futuro da União, no entanto, está em xeque, devido às adiações corriqueiras da questão da união monetária feitas pela Bielorrússia, à falta de uma data para o referendo sobre uma constituição, e uma disputa entre 2006 e 2008 a respeito do comércio de petróleo.[91]

Em 11 de dezembro de 2007 surgiram relatórios de que um plano estrutural para o novo Estado estaria sendo discutido pelos dois países.[92] Em 27 de maio de 2008, o presidente Lukashenko afirmou que havia nomeado o primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, como "primeiro-ministro" da aliança Rússia-Bielorrússia. O significado da medida não ficou claro imediatamente; surgiram especulações, no entanto, de que Putin poderia se tornar o presidente de um estado unificado entre os dois países após deixar o cargo da presidência de seu próprio país, em maio de 2008, o que não veio a ocorrer.[93]

A Bielorrússia foi um dos membros fundadores da Comunidade de Estados Independentes (CEI); no entanto, outros membros da CEI questionaram a validade da organização.[94] A Bielorrússia tem acordos comerciais com diversos dos Estados-membros da União Europeia (apesar do banimento, em vigor em diversos países da UE, de Lukashenko e outros dos principais funcionários governamentais),[95] bem como seus vizinhos, Lituânia, Polônia e Letônia (quase todos membros da UE).[96]

O banimento da União Europeia a viagens de Lukashenko para seus países foi interrompido, no passado, para permitir que ele frequentasse determinadas reuniões diplomáticas, e como uma maneira de tentar estimular os governo e os grupos de oposição ao diálogo.[71]

As relações bilaterais da Bielorrússia com os Estados Unidos estão desgastadas, devido ao apoio dado pelo Departamento de Estado americano a diversas organizações não-governamentais anti-Lukashenko, e porque o governo bielorrusso têm dificultado a operações no país de organizações que tenham sede nos Estados Unidos.[97] O Ato da Democracia na Bielorrússia de 2004 deu sequência a esta situação, autorizando o direcionamento de fundos para o que os Estados Unidos consideram ser ONGs que apoiem a democracia no país, e proibindo empréstimos para o governo bielorrusso (com exceção de dinheiro destinado a propósitos humanitários).[98] Apesar disto, as duas nações têm cooperado em diversos pontos, como a proteção à propriedade intelectual, a prevenção ao tráfico de seres humanos e crimes tecnológicos, e o auxílio a desastres naturais.[99]

A Bielorrússia tem aumentado sua cooperação com a República Popular da China,[100] fortalecida pela visita pelo presidente Lukashenko ao país oriental em outubro de 2005.[101] A Bielorrússia tem fortes ligações com a Síria,[102] considerada por Lukashenko um parceiro crucial do seu país no Oriente Médio.[103] Além da CEI, a Bielorrússia também faz parte da Comunidade Econômica da Eurásia e da Organização para o Tratado de Segurança Coletiva.[96] O país pretence ao Movimento Não-Alinhado desde 1998[104] e é membro da Organização das Nações Unidas desde sua fundação, em 1945. A Bielorrússia também faz parte da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE); como membro da organização, os compromissos internacionais do país estão sujeitos ao monitoramento, sob o mandato da Comissão Helsinque dos Estados Unidos.[105]

Transporte de um T-72 do Exército Bielorrusso.

As Forças Armadas da Bielorrússia têm três divisões: o exército, a força aérea e o estado-maior conjunto do Ministério da Defesa. O coronel-general Leonid Maltsev chefia o Ministério da Defesa,[106] e Alexander Lukashenko (como presidente) ocupa o cargo de comandante-em-chefe.[107] As forças armadas do país foram formadas em 1992, utilizando-se de partes das antigas Forças Armadas Soviéticas que se encontravam no território. A transformação das forças ex-soviéticas nas Forças Armadas da Bielorrússia, completada em 1997, envolveu a redução do número de soldados para 30.000, e a reestruturação de sua liderança e de suas formações militares.[108]

A maior parte dos membros dos forças armadas bielorrussas são conscritos, que servem por 12 meses se tiverem educação superior, ou por 18, se não a tiverem.[109] Diminuições demográficas nos bielorrussos em idade para o recrutamento, no entanto, aumentaram a importância de soldados contratados, que totalizavam 12.000 em 2001.[110] Em 2005, cerca de 1,4% do produto interno bruto da Bielorrússia era destinado aos gastos militares.[111] A Bielorrússia não expressou intenção de se filiar à OTAN, porém participa de seu Programa de Parcerias Individuais desde 1997,[112] e o país oferece seu espaço aéreo e apoio logístico para a missão da ISAF no Afeganistão.[113] A Bielorrússia começou a cooperar com a OTAN após assinar documentos garantindo sua participação no programa de Parceria pelo Programa da Paz, da organização, em 1995.[114] O país, no entanto, não pode se filiar a organização na medida em que pertence à Organização do Tratado de Segurança Coletiva.

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Províncias da Bielorrússia.

A Bielorrússia está dividida em seis voblasts (em bielorrusso: voblastsi, singular voblasts - na época da União Soviética: oblasti, singular oblast), "províncias", que recebem o nome das cidades que lhes servem como centros administrativos.[115] Cada voblast tem uma autoridade legislativa provincial, chamada de oblsovet ("conselho do voblast"), eleito pelos habitantes do voblast, e um autoridade executiva provincial, cujo líder é indicado pelo presidente.[116] Os voblasts são subdivididos, por sua vez, em raions (comumente traduzidos como "distritos" ou "regiões").[115]

Da mesma maneira, cada raion tem sua própria autoridade legislativa (raisovet, ou "conselho do raion"), eleito pelos seus residentes, e uma autoridade executiva, indicada por instâncias superiores do poder executivo. Em 2002 existiam seis voblasts, 118 raions, 102 cidades e 108 assentamentos urbanos.[117] A cidade de Minsk, capital do país, se divide em nove distritos e recebe um status especial, devido à sua função de capital nacional.[118] A Cidade de Minsk é gerida por um comitê executivo e recebeu do governo nacional um estatuto de autonomia.[119]

Voblasts (com centros administrativos):

  1. Voblast de Brest (Brest)
  2. Voblast de Homiel (Gomel)
  3. Voblast de Hrodna (Grodno)
  4. Voblast de Mahilyow (Mogilev)
  5. Voblast de Minsk (Minsk)
  6. Voblast de Vitsebsk (Vitebsk)

Distrito administrativo especial:

  1. Cidade de Minsk

Economia[editar | editar código-fonte]

Crescimento do PIB bielorrusso desde 1995, e estimativa para 2008.
Esquema mostrando a economia bielorrussa dividida em setores (em inglês).
Trator fabricado na Bielorrusia.

A maior parte da economia bielorrussa continua a ser controlada pelo Estado,[91] e foi descrita como de "estilo soviético".[120] 51,2% dos bielorrussos são empregados das companhias estatais, 47,4% são empregados de empresas bielorrussas privadas (dos quais 5,7% são ao menos em parte propriedade de empresas estrangeiras), 1,4% são empregados de empresas estrangeiras.[121] O país depende da importação de determinados produtos, como o petróleo, da Rússia.[122] [123] Entre seus principais produtos agriculturais estão batatas e derivados do gado, incluindo carne.[124] A partir de 1994, as principais exportações do país passaram a ser maquinário pesado (especialmente tratores), produtos agriculturais e de energia.[125]

Historicamente, entre os importantes ramos da indústria bielorrussa estão a indústria têxtil e o processamento de madeira.[126] Com a dissolução da União Soviética, em 1991, a Bielorrússia passou a ser um dos estados mais desenvolvidos industrialmente do mundo em termos da percentagem do produto interno bruto (PIB), bem como o mais rico dos estados da Comunidade de Estados Independentes (CEI).[127] Economicamente, a Bielorrússia acabou por fazer parte da CEI, da Comunidade Econômica da Eurásia e da União com a Rússia.

Durante a década de 1990, no entanto, a produção industrial despencou devido à diminuição das importações, dos investimentos, e da demanda pelos produtos exportados nos tradicionais parceiros comerciais da Bielorrússia.[128] Somente em 1996 o PIB voltou a subir;[129] isto coincidiu com o período em que o governo colocou mais ênfase na utilização do PIB para medidas de assistência social e subsídios estatais.[129] O PIB de 2006 foi de 83,1 bilhões de dólares em dólares PPC (estimativa), ou cerca de 8.100 dólares per capita.[124] Em 2005, o PIB aumentou cerca de 9,9%, e a taxa de inflação teve uma média de 9,5%.[124]

Desde 2006 o principal parceiro comercial da Bielorrússia tem sido a Rússia, com cerca de metade do total de comércio exterior do país, seguido pela União Europeia, com quase um terço do total.[130] [131] Por não ter defendido adequadamente os direitos trabalhistas, no entanto, a Bielorrússia perdeu, em 21 de junho de 2007, seu status dentro do Sistema Geral de Preferências da União Europeia o que fez com que suas taxas de importação voltassem aos níveis que tinham anteriormente, de nação mais favorecida.[131] A Bielorrússia se filiou à Organização Mundial de Comércio em 1993.[132]

Obverso da nota de 500 rublos bielorrussos (BYB/BYR), a moeda nacional.

A força de trabalho do país consiste de mais de quatro milhões de pessoas, dos quais as mulheres têm, por uma pequena margem de diferença, mais empregos que os homens.[133] Em 2005, quase um quarto da população tinha empregos em fábricas industriais.[133] Outras fontes de emprego são a agricultura, a manufatura, o comércio e a educação. A taxa de desemprego, de acordo com as estatísticas do governo bielorrusso, era por volta de 1,5% em 2005;[133] o número de desempregados era de 679.000, dos quais dois terços eram mulheres.[133] Esta taxa está em queda desde 2003.[133]

A moeda da Bielorrússia é o rublo bielorrusso (BYR), introduzida em maio de 1992 para substituir o rublo soviético. Foi reintroduzido, com novos valores, em 2000, e tem sido usado desde então.[134] Como parte da União da Rússia e Bielorrússia, ambos os Estados discutiram a adoção de uma moeda única, nos mesmos moldes do euro, o que levou à proposta de descontinuação do rublo bielorrusso, em favor do rublo russo (RUB). Desde agosto de 2007, o Banco Nacional da República da Bielorrússia deixou de fixar o rublo bielorrusso à moeda russa.[135] O sistema bancário da Bielorrússia é composto de 30 bancos estatais e um privado.[136]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Literatura[editar | editar código-fonte]

[[Imagem:|200px|Biblioteca Nacional da Bielorrússia]]
Biblioteca Nacional da Bielorrússia

A literatura bielorrussa se inicia com os escritos religiosos do período entre os séculos XI e XIII; a poesia de Cirilo de Turau, do século XII, é representativa do período.[137] No século XVII o poeta bielorrusso Simeão de Polatsk introduziu o barroco como um estilo da literatura russa. Por volta do século XVI Francysk Skaryna, residente de Polotsk, traduziu a Bíblia para o bielorrusso; a tradução foi publicada em Praga e Vilnius entre 1517 e 1525, tornando-se o primeiro livro a ser impresso na Bielorrússia e no resto do Leste Europeu.[138] O período moderno da literatura bielorrussa se iniciou no fim do século XIX; um importante escritor foi Yanka Kupala. Diversos escritores bielorrussos do período, como Uładzimir Žyłka, Kazimir Svayak, Yakub Kolas, Źmitrok Biadula e Maksim Haretski, escreveram para um jornal em bielorrusso chamado Nasha Niva, publicado em Vilnius.

Após a incorporação da Bielorrússia na União Soviética, o governo soviético assumiu o controle dos assuntos culturais da república. O desenvolvimento livre da literatura ocorreu apenas no território dominado pela Polônia, até a ocupação soviética desta região, em 1939.[138] Diversos poetas e autores se exilaram após a ocupação nazista da Bielorrússia, retornando apenas na década de 1960.[138] O último renascimento de destaque da literatura bielorrussa se deu nesta década, com os romances publicados por Vasil Bykaŭ e Uladzimir Karatkievich.

Música[editar | editar código-fonte]

Teatro de Ópera e Balé, em Minsk.

Durante o século XVII o compositor polonês Stanisław Moniuszko compôs óperas e peças de música de câmara enquanto residiu em Minsk. Durante sua estada, trabalhou com o poeta bielorrusso Vintsent Dunin-Martsinkyevitch, com quem criou a ópera Sielanka (Camponesa). No fim do século XIX, as principais cidades bielorrussas tinham suas próprias companhias de ópera e balé. O balé Rouxinol, de M. Kroshner, foi composto durante o período soviético, e se tornou o primeiro balé bielorrusso a ser apresentado no Grande Teatro Acadêmico Nacional de Balé, de Minsk.[139]

Após a Segunda Guerra Mundial, a música do país passou a ter como foco os sofrimentos do povo bielorrusso e daqueles que empunhavam armas em defesa da pátria. Durante este período A. Bogatyryov, criador da ópera Na Floresta Virgem de Polesye, serviu como "tutor" dos compositores bielorrussos.[140] O Teatro Nacional Acadêmico de Balé recebeu o Prêmio Benois de la Dance, em 1996, como a principal companhia de balé do mundo.[140]

O rock tem tido uma popularidade crescente nos últimos anos, embora o governo bielorrusso tenha tentado limitar a quantidade de música estrangeira que é transmitida nas rádios, colocando em seu lugar a música tradicional do país. Desde 2004 a Bielorrússia tem enviado artistas ao Concurso Eurovisão da Canção.[141]

Apresentações e festivais[editar | editar código-fonte]

O teatro regional de Gomel.

O governo bielorrusso patrocina diversos festivais culturais, como o Bazar Slavianski em Vitebsk, que apresenta artistas, escritores, músicos e atores do país. Diversos feriados estatais, como o Dia da Independência e o Dia da Vitória, reunem grandes multidões para assistir paradas militares e fogos de artifício, especialmente em Vitebsk e Minsk.[142] O Ministério da Cultura do país financia eventos que promovem as artes e a cultura, tanto dentro quanto fora do país.

Trajes típicos[editar | editar código-fonte]

Os trajes típicos tradicionais bielorrussos se originaram no período do Rus de Kiev. Devido ao clima frio, as roupas, costumeiramente feitas de linho ou , eram projetadas para manter o corpo aquecido. Costumam ser decorados com ornamentos elaborados, influenciados pelas culturas dos países vizinhos, como a Polônia, Lituânia, Letônia e Rússia, bem como de outras nações europeias. Cada região da Bielorrússia desenvolveu padrões ornamentais específicos.[143] Um padrão ornamental utilizado em algumas das primeiras vestes típicas do país atualmente é utilizado para decorar a bandeira nacional bielorrussa, adotada num referendo controverso em 1995.[144]

Culinária[editar | editar código-fonte]

Panqueca de batata típica do país, conhecida como draniki.

A culinária bielorrussa consiste principalmente de vegetais, carne (especialmente de porco) e pães. Os alimentos costumam ser assados ou cozidos lentamente. Um típico bielorrusso come um café da manhã muito leve e duas refeições mais substanciais no resto do dia; o jantar costuma ser a refeição maior e mais importante. Pães feitos de trigo e centeio são consumidos no país, porém o centeio é mais abundante, já que as condições climáticas não favorecem o cultivo do trigo. Para mostrar hospitalidade, um anfitrião bielorrusso tradicionalmente oferece pão e sal ao receber um convidado ou um visitante.[145] Entre as bebidas consumidas popularmente na Bielorrússia estão a vodka russa, feita de trigo, e o kvass, uma bebida de baixo teor alcoólico feita de pão preto maltado ou farinha de centeio. O kvass também pode ser combinado com vegetais fatiados, para formar uma sopa fria chamada okroshka.[146]

Patrimônio da Humanidade[editar | editar código-fonte]

A Bielorrússia tem quatro sítios que foram classificados como Patrimônio da Humanidade: o Complexo do Castelo de Mir, o Castelo de Nesvij, a Belovejskaya Pushtcha (partilhada com a Polônia) e o Arco Geodético de Struve (partilhado com outros nove países).[147]

Língua[editar | editar código-fonte]

O bielorrusso é uma língua derivada da língua eslávica oriental, aparentada ao russo e ao ucraniano. Sob comando soviético, 80% das crianças foram ensinadas exclusivamente em russo, e russo era a língua oficial para todos os negócios e transações governamentais. Os nomes das ruas agora estão mudando e a educação está enfatizando mais a história e a literatura do país. Entretanto, russo é ainda uma língua muito falada.

Comunicações[editar | editar código-fonte]

Em 2008 existiam cerca de 3,718 milhões de linhas telefônicas fixas no país, e 8,639 de telefones celulares. A maior parte das linhas telefônicas são operadas pela Beltelcom, uma empresa de propriedade do Estado. Cerca de dois terços de todos os serviços telefônicos são geridos por sistemas digitais, e a teledensidade celular é de cerca de 90 telefones por cada 100 pessoas. Em 2009 existiam aproximadamente 113.000 provedores de internet na Bielorrússia, atendendo a cerca de 3,107 milhões de usuários.[148]

O principal conglomerado de mídia do país é a Teleradiocompanhia Estatal Nacional, que controla diversos canais de rádio e televisão, que transmitem tanto doméstica quanto internacionalmente, através tanto dos sinais tradicionais quanto da internet.[149] A Rede de Transmissão de Televisão é uma das principais estações independentes de televisão no país, exibindo principalmente uma programação regional, com uma versão 'pirateada' da série americana The Big Bang Theory chamada de The Theorists ("Os Teóricos").[150] Diversos jornais, editados tanto em bielorrusso quanto em russo, circulam no país e fornecem informações gerais ou conteúdo de interesse específico, como política, negócios ou esportes. Em 1998 existiam menos de 100 estações de rádio na Bielorrússia; 28 estações de AM, 37 FM e 11 estações em ondas curtas.[148]

Todas as empresas de mídia são regulamentadas pela Lei sobre a Impresa e Outras Mídias de Massa, promulgada em 13 de janeiro de 1995.[151] A lei concede a liberdade de imprensa; seu artigo 8, no entanto, declara que calúnias não podem ser feitas contra o presidente da Bielorrússia e outras autoridades determinadas pela constituição nacional.[151] O governo bielorrusso desde então vem sendo criticado por atuar contra estes organismos de mídia. Jornais como o Nasha Niva e a Belaruskaya Delovaya Gazeta tiveram seu fechamento ordenado pelas autoridades depois de publicarem reportagens críticas do presidente Lukashenko ou de outras autoridades governamentais.[152] [153]

A OSCE e a Freedom House comentaram sobre a perda da liberdade de imprensa na Bielorrússia. Em 2009 a Freedom House deu ao país uma avaliação de 6,75 (não-livre) em relação à maneira com que lida com a liberdade de imprensa. Outra questão importante envolvendo a imprensa na Bielorrússia é o desaparecimento, sem solução por parte das autoridades, de diversos jornalistas.[154]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o
Portal da Bielorrússia.

Referências

  1. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD): Relatório de Desenvolvimento Humano 2013 – Ascensão do Sul: progresso humano num mundo diversificado (14 de março de 2013). Página visitada em 15 de março de 2013.
  2. Divisão de Estatísticas da ONU (1 de abril de 2010). Standard Country and Area Codes Classifications (M49). Organização das Nações Unidas. Página visitada em 22-4-2010.
  3. Belarus: Window of Opportunity (see Table 15, page 66) (PDF). Organização das Nações Unidas.
  4. a b National purpose in the world economy: post-Soviet states in comparative perspective. [S.l.]: Cornell University Press, 2001. Página visitada em 10-11-2009.
  5. a b Taylor & Francis Group. Europa World Year, Book1. [S.l.]: Europa publications, 2004. Página visitada em 10-11-2009.
  6. a b Клоков В. Я. Великий освободительный поход Красной Армии. (Освобождение Западной Украины и Западной Белоруссии).-Воронеж, 1940.
  7. a b Минаев В. Западная Белоруссия и Западная Украина под гнетом панской Польши.—М., 1939.
  8. a b Трайнин И.Национальное и социальное освобождение Западной Украины и Западной Белоруссии.—М., 1939.—80 с.
  9. a b c Гiсторыя Беларусi. Том пяты.—Мiнск, 2006.—с. 449–474
  10. a b c Axell, Albert. Russia's Heroes, 1941–45. [S.l.]: Carroll & Graf Publishers, 2002. 247 p. ISBN 0-7867-1011-X
  11. About Belarus – Population. Escritório das Nações Unidas na Bielorrússia (2003). Página visitada em 7-10-2007.
  12. a b c Zaprudnik 1993, p. 2
  13. Minahan 1998, p. 35
  14. FAURE SABATER, Roberto - Diccionario de nombres geográficos y étnicos del mundo. Madrid: Espasa, 2004.
  15. Vauchez 2001, p. 163
  16. de Courson 1879, p. 281
  17. Bely, Alies". The chronicle of the White Russia: an essay on the history of one geographical name. Minsk: Encyclopedix, 2000. ISBN 985-6599-12-1
  18. Plokhy 2001, p. 327
  19. Szporluk 2000, p. 113
  20. Richmond 1995, p. 260
  21. Ioffe, Grigory. Understanding Belarus and How Western Foreign Policy Misses the Mark. [S.l.]: Rowman & Littlefield Publishers, Inc. p. 41. ISBN 0-7425-5558-5
  22. a b Law of the Republic of Belarus – About the name of the Republic of Belarus (em russo). Pravo – Law of the Republic of Belarus (19 de setembro de 1991). Página visitada em 6-10-2007.
  23. Ryder 1998, p. 183
  24. a b Zaprudnik 1993, pp. 4–5
  25. Treadgold 1999, p. 230
  26. Swedish government urged to change Belarus" official name. European Radio for Belarus (13 de julho de 2009). Página visitada em 2-2-2010.
  27. a b Levy 2009, p. 95
  28. Belarus – Government. The World Factbook. Central Intelligence Agency (13 de dezembro de 2007). Página visitada em 22-12-2007.
  29. Haywood, John. Historical Atlas, Ancient and Classical World, 1998
  30. a b Rambaud, Alfred e Saltus, Edgar. Russia. [S.l.]: P. F. Collier & Son, 1902. 46–48 p.
  31. a b Treuttel e diversos. The Foreign Quarterly Review. Nova York: Jemia Mason, 1841. p. 38.
  32. Plokhy, Serhii. The Origins of the Slavic Nations. [S.l.]: Cambridge University Press, 2006. 94–95 p. isbn 0521864038
  33. Robinson, Charles Henry. The Conversion of Europe. [S.l.]: Longmans, Green, 1917. 491–492 p.
  34. Zaprudnik 1993, p. 27
  35. Lerski, George Jan e Gieysztor, Aleksander. Historical Dictionary of Poland, 966–1945. [S.l.]: Greenwood Press, 1996. 181–182 p. isbn 0313260079
  36. The New Cambridge Medieval History (Vol.6). Cambridge: Cambridge University Press, 2005. p. 710. isbn 0521362903
  37. Nowak, Andrzej (1 de janeiro de 1997). The Russo-Polish Historical Confrontation. Sarmatian Review XVII. Universidade Rice. Página visitada em 22-12-2007.
  38. Scheuch, E. K. e Sciulli, David. Societies, Corporations and the Nation State. [S.l.]: Brill, 2000. p. 187. isbn 9004116648
  39. Birgerson, Susanne Michele. After the Breakup of a Multi-Ethnic Empire. [S.l.]: Praeger/Greenwood, 2002. isbn 0275969657
  40. Olson, James Stuart; Pappas, Lee Brigance e Pappas, Nicholas C. J.. Ethnohistorical Dictionary of the Russian and Soviet Empires. [S.l.]: Greenwood Press, 1994. p. 95. isbn 0313274975
  41. a b (Birgerson 2002:105–106)
  42. Ioffe, Grigory. Understanding Belarus and How Western Foreign Policy Misses the Mark. [S.l.]: Rowman & Littlefield Publishers, Inc. p. 57. isbn 0742555585
  43. Marples, David. Belarus: A Denationalized Nation. [S.l.]: Routledge, 1999. p. 5. ISBN 90-5702-343-1
  44. Sorge, Arndt. The global and the local: understanding the dialectics of business systems. [S.l.]: Oxford University Press, 2005. Página visitada em 10-11-2009.
  45. a b Minahan, James. Miniature empires: a historical dictionary of the newly independent states. [S.l.: s.n.], 1998. Página visitada em 10-11-2009.
  46. a b c d Fedor, Helen (1995). Belarus – Stalin and Russification. Belarus: A Country Study. Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos. Página visitada em 26-3-2006.
  47. Belarus History and Culture. iExplore.com. Página visitada em 26-3-2006.
  48. (Olson 1994:95)
  49. a b Fedor, Helen (1995). Belarus- Perestroika. Belarus: A Country Study. Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos. Página visitada em 26-3-2007.
  50. (Birgerson 2002:99)
  51. a b c d Fedor, Helen (1995). Título não preenchido, favor adicionar. Belarus: A Country Study. Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos. Página visitada em 22-12-2007.
  52. World Factbook: Belarus (TXT). Central Intelligence Agency.
  53. a b c d e Belarus – Geography. The World Factbook. Central Intelligence Agency (2007). Página visitada em 7-11-2007.
  54. Belarus: Window of Opportunity (tabela 15, pág. 66) (PDF). ONU. Página visitada em 22-9-2008.
  55. Bell, Imogen. Eastern Europe, Russia and Central Asia 2003. [S.l.: s.n.], 2002. p. 132. ISBN 1-85743-137-5
  56. (Zaprudnik, xix)
  57. a b Fedor, Helen (1995). Belarus – Climate. Belarus: A Country Study. Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos. Página visitada em 22-12-2007.
  58. Rainsford, Sarah (26 de abril de 2005). Belarus cursed by Chernobyl. BBC News. Página visitada em 26-3-2006.
  59. The United Nations and Chernobyl – The Republic of Belarus (em inglês). ONU (2004). Página visitada em 4-10-2007. Cópia arquivada em 6-5-2008.
  60. Smith, Marilyn. Ecological reservation in Belarus fosters new approaches to soil remediation (em inglês). Agência Internacional de Energia Atômica. Página visitada em 19-12-2007.
  61. State Border – Delimitation History (em inglês). Comitê Estatal de Fronteiras da República da Bielorrússia (2006). Página visitada em 22-12-2007. Cópia arquivada em 3-6-2008.
  62. Lithuania's Cooperation with Belarus (em inglês). Ministério de Relações Exteriores da Lituânia. Página visitada em 19-12-2007.
  63. a b c d e f g h i j k CIA World Factbook (2007) – Belarus – People. Página visitada em 7-11-2007. (em inglês)
  64. "Languages across Europe." BBC Education, acessado em 6 de novembro de 2007.
  65. Tres de cada cuatro bielorrusos emplean en su vida cotidiana el ruso (em espanhol). El Informador. Página visitada em 25-10-2009. ""Tres de cada cuatro bielorrusos emplean en su vida cotidiana el idioma ruso, según los resultados anunciados hoy de una investigación efectuada por el Centro de Información y Análisis de la Presidencia de Bielorrusia. Para el 72 por ciento de la población del país el ruso es la lengua principal que emplea en su vida cotidiana ... Según el estudio, sólo el 11.9 por ciento de los habitantes de Bielorrusia habla principalmente bielorruso, mientras que el resto emplea una mezcla de ruso y bielorruso. El 29,4 por ciento de los poco más de 10 millones de habitantes de esa antigua república soviética habla, lee y escribe en bielorruso, mientras que el 52.5 por ciento solamente habla y lee. ... uno de cada diez habitantes no entiende el bielorruso, que es un lengua eslava oriental, como el ruso y el ucraniano.""
  66. Gordon, Raymond G., Jr. (ed.), 2005. Ethnologue: Languages of the World, Fifteenth edition. Dallas, Tex.: SIL International. Versão online: Ethnologue.com.
  67. World Gazette, Largest Cities of Belarus (2007). Publicado em 2007. Acessado em 19 de março de 2007. (em inglês)
  68. Population Pyramids—Belarus (2050) (JPEG) (em inglês). U.S. Census Bureau (2006). Página visitada em 26-4-2010.
  69. A taxa de alfabetização é definida como a porcentagem de pessoas com mais de 15 anos que sabem ler e escrever.
  70. Nationmaster.com
  71. a b Belarus president visits Vatican (em inglês). BBC News. British Broadcasting Corporation (27-4-2009). Página visitada em 30-4-2010.
  72. Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos, Country Studies Belarus – Religion. Acessado em 9 de julho de 2007. (em inglês)
  73. Minsk Jewish Campus, Jewish Belarus. Acessado em 9 de julho de 2007.
  74. Portal do Presidente da República da Bielorrússia. Primeira Seção da Constituição. Publicado em 1994, emenda realizada em 1996. Acessado em 6 de junho de 2007. (em inglês)
  75. Belarus protests spark clashes (em inglês). BBC News. British Broadcasting Corporation (25 de março de 2006). Página visitada em 30-4-2010.
  76. a b Section IV:The President, Parliament, Government, the Courts. Constituição da Bielorrússia. Serviço de Imprensa do Presidente da República de Bielorrússia (2004). Página visitada em 22-12-2007.
  77. Vice Primeiros-Ministros da República da Bielorrússia (em inglês). Cosnelho de Ministros da República da Bielorrússia (2010). Página visitada em 21-4-2010.
  78. OSCE Report on the October 2004 parliamentary elections (PDF). Organization for Security and Co-operation in Europe (Dezembro de 2004). Página visitada em 21-3-2007.
  79. Belarus in the aftermath of the Presidential election of 19 March 2006 (PDF) (em inglês). Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa (11 de abril de 2006). Página visitada em 25-5-2010.
  80. Belarus rally marred by arrests (em inglês). BBC News (2 de março de 2006). Página visitada em 26-3-2006.
  81. Profile: Alexander Lukashenko (em inglês). BBC News. British Broadcasting Corporation (20 de março de 2006). Página visitada em 26-3-2006.
  82. Mulvey, Stephen (10 de setembro de 2001). Profile: Europe's last dictator? (em inglês). BBC News. British Broadcasting Corporation. Página visitada em 21-12-2007.
  83. Belarus suspended from the Council of Europe. Serviço de Imprensa do Conselho da Europa (17 de janeiro de 1997). Página visitada em 26-3-2006.
  84. Essential Background – Belarus. Human Rights Watch (2005). Página visitada em 26-3-2006.
  85. Human rights by country – Belarus (em inglês). Anistia Internacional - relatório de 2007. Anistia Internacional (2007). Página visitada em 22-12-2007.
  86. Capital Punishment in Belarus and Changes of Belarus Criminal Legislation related thereto (em inglês). Embaixada da República da Bielorrússia no Reino Unido da Grã-Bretanha e da Irlanda do Norte (2006). Página visitada em 22-12-2007.
  87. Profile: Alexander Lukashenko. BBC News. British Broadcasting Corporation. Página visitada em 30 de abril de 2010.
  88. Presidential Term of Office. Embaixada dos Estados Unidos em Minsk, Bielorrússia (20 de julho de 1999). Página visitada em 30-4-2010.
  89. Opening Statement by Dr. Condoleezza Rice, Senate Foreign Relations Committee (PDF) (18 de janeiro de 2005). Página visitada em 26-3-2006.
  90. At-a-glance: 'Outposts of tyranny'. BBC News (19 de janeiro de 2005). Página visitada em 26-3-2006.
  91. a b c d Governo dos Estados Unidos (2007). Background Note: Belarus. Departamento de Estado dos Estados Unidos. Página visitada em 7-11-2007.
  92. Associated Press, Reuters (10-12-2007). Russia-Belarus Union Presidency Dismissed (em inglês). The Moscow Times. Página visitada em 13-12-2007.
  93. Associated Press (27-5-2008). Putin named PM of Belarus-Russia alliance (em inglês). Página visitada em 27-5-2008.
  94. Radio Free Europe (2006). CIS: Foreign Ministers, Heads Of State Gather In Minsk For Summit (em inglês). Página visitada em 7-11-2007.
  95. EU imposes Belarus travel ban. BBC News. BBC (19 de novembro de 2002). Página visitada em 3-12-2007.
  96. a b Foreign Policy (em inglês). Ministério de Relações Exteriores da República da Bielorrússia (2007). Página visitada em 22-12-2007. Cópia arquivada em 17-2-2008.
  97. U.S. Government Assistance FY 97 Annual Report. Embaixada dos Estados Unidos em Minsk, Bielorrússia (1998). Página visitada em 22-12-2007.
  98. Belarus Democracy Act Will Help Cause of Freedom, Bush Says (em inglês). USINO. Departamento de Estado dos Estados Unidos (22-10-2007). Página visitada em 22-12-2007.
  99. Relations between Belarus and the United States of America. Ministério de Relações Exteriores da República da Bielorrússia (2006). Página visitada em 22-12-2007.
  100. "China's Xi promises Belarus $1 billion in loans". The Guardian, 24 de março de 2010.
  101. Pan, Letian (6-12-2005). China, Belarus agree to upgrade economic ties (em inglês). Xinhua News Agency. Página visitada em 22-12-2007.
  102. Syria and Belarus agree to promote trade (em inglês). BBC News. BBC (13-3-1998). Página visitada em 22-12-2007.
  103. Belarus-Syria report substantial progress in trade and economic relations (em inglês). Serviço de Imprensa do Presidente da República da Bielorrússia (31-8-2007). Página visitada em 22-12-2007.
  104. Ministério de Relações Exteriores da República da Bielorrússia (2007). Membership of the Republic of Belarus in International Organizations. Página visitada em 4-11-2007. Cópia arquivada em 11-5-2008.
  105. Título não preenchido, favor adicionar. Departamento de Informação Pública. Organização das Nações Unidas (3 de julho de 2006). Página visitada em 22-12-2007.
  106. High-ranking Military Officials of the Republic of Belarus (em inglês). Ministério da Defesa da República da Bielorrússia (2006). Página visitada em 22-12-2007.
  107. Section IV:The President, Parliament, Government, the Courts (em inglês). Constituição da Bielorrússia. Serviço de Imprensa do Presidente da República da Bielorrússia (2004). Página visitada em 22-12-2007.
  108. História (em russo). Ministério da Defesa da República da Bielorrússia (2006). Página visitada em 22-12-2007.
  109. Routledge, IISS Military Balance 2007, pp.158–159
  110. Bykovsky, Pavel e Vasilevich, Alexander (maio de 2001). Military Development and the Armed Forces of Belarus (em inglês). Moscow Defense Brief. Página visitada em 9-10-2007.
  111. Belarus – Military. The World Factbook. Central Intelligence Agency (2005). Página visitada em 9-10-2007.
  112. Belarus and NATO (em inglês). Ministério de Relações Exteriores da República da Bielorrússia (2002). Página visitada em 9-10-2007. Cópia arquivada em 11-5-2008.
  113. North Atlantic Treaty Organization (em inglês). Ministério de Relações Exteriores da República da Bielorrússia (2009). Página visitada em 30-4-2010.
  114. NATO Council adopted individual partnership program with Belarus (em inglês). Ministério de Relações Exteriores da República da Bielorrússia (11 de março de 2002). Página visitada em 30-4-2010.
  115. a b Título não preenchido, favor adicionar (em inglês). Constituição da Bielorrússia. Serviço de Imprensa do Presidente da República da Bielorrússia (2004). Página visitada em 22-12-2007.
  116. Section V: Local government and self-government (em inglês). Constituição da Bielorrússia. Serviço de Imprensa do Presidente da República da Bielorrússia (2004). Página visitada em 22-12-2007.
  117. Carvalho, Fernando Duarte e Organização do Tratado do Atlântico Norte. Defence Related SME's: Analysis and Description of Current Conditions. [S.l.: s.n.], 2004. p. 32. isbn 1586034081
  118. About Minsk (em inglês). Comitê Executivo da Cidade de Minsk (16 de dezembro de 2009). Página visitada em 27-4-2010.
  119. About Minsk (em inglês). Comitê Executivo da Cidade de Minsk. Página visitada em 20-12-2007.
  120. Belarus shuns Moscow amid loan row. Al Jazeera English (29 de maio de 2009). Página visitada em 11 de junho de 2011. ""Belarus' Soviet-style economy has been propped up in part by cheap Russian gas and oil and Lukashenko has called for his country to reunite with Russia.""
  121. Ministério de Estatística de Análise da República da Bielorrússia (2006). Título não preenchido, favor adicionar. Página visitada em 6-11-2007.
  122. Dr. Kaare Dahl Martinsen (2002). The Russian-Belarusian Union and the Near Abroad (PDF). Instituto Norueguês de Estudos de Defesa. OTAN. Página visitada em 7-11-2007.
  123. Russia may cut oil supplies to ally Belarus – Putin (em inglês). Reuters (25 de outubro de 2006). Página visitada em 8-10-2007.
  124. a b c The World Factbook – Belarus – Economy (em inglês). Central Intelligence Agency (2006). Página visitada em 8-10-2007.
  125. Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos (1994). Belarus – Exports (em inglês). Country Studies. Página visitada em 4-11-2007.
  126. Ministério da Economia da República da Bielorrússia (2007). Economic and Investment Review (PDF) (em inglês). Ministério de Relações Exteriores da República da Bielorrússia. Página visitada em 22-12-2007.
  127. Banco Mundial. "Belarus: Prices, Markets, and Enterprise Reform," pp. 1. Banco Mundial, 1997. ISBN 0-8213-3976-1
  128. Título não preenchido, favor adicionar (em inglês). Country Studies. Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos (1995). Página visitada em 8-10-2007.
  129. a b Banco Mundial (2006). Belarus – Country Brief 2003 (em inglês). Página visitada em 9-11-2007.
  130. Conselho de Ministros, Foreign trade in goods and services in Belarus up by 11.5% in January–October. Publicado em 2006. Acessado em 6 de outubro de 2007. (em inglês)
  131. a b União Europeia, The EU's Relationship With Belarus – Trade (PDF). Publicado em novembro de 2006. Acessado em 6 de outubro de 2007.
  132. Organização Mundial de Comércio, Accessions – Belarus. Acessado em 6 de outubro de 2007.
  133. a b c d e Ministério de Estatística e Análise, Labor Statistics in Belarus. Publicado em 2005. Acessado em 18 de março de 2007.
  134. Banco Nacional da República da Bielorrússia, History of the Belarusian Ruble. Acessado em 18 de março de 2007.
  135. Pravda, Belarus abandons pegging its currency to Russian ruble. Publicado em 23 de agosto de 2007. Acessado em 6 de outubro de 2007. (em inglês)
  136. Heritage Foundation's Index of Economic Freedom – Belarus (em inglês). Página visitada em 18 de março de 2007.
  137. Old Belarusian Poetry (em inglês). Virtual Guide to Belarus (1994). Página visitada em 9-10-2007.
  138. a b c "Belarus." Encyclopædia Britannica. Britannica.com (em inglês)
  139. Zou, Crystal (11-12-2003). Ballets for Christmas (em inglês). Shanghai Star. Página visitada em 20-12-2007.
  140. a b Virtual Guide to Belarus – Classical Music of Belarus. Acessado em 21 de março de 2007. (em inglês)
  141. Companhia de Televisão e Rádio Estatal Nacional, Page on the 2004 Belarusian entry to the Eurovision Song Contest. Publicado em 2004, acessado em 18 de março de 2007.
  142. Belarusian National Culture. Embaixada da República da Bielorrússia nos Estados Unidos. Página visitada em 26-3-2006. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2006.
  143. Belarusian traditional clothing. Virtual Guide to Belarus, acessado em 21 de março de 2007.
  144. Belarus – Ornament. Flags of the World, publicado em 26 de novembro de 2006. Acessado em 21 de março de 2007.
  145. Cultures Profile Project – Eating the Belarusian Way. Citizenship and Immigration Canada. Publicado em 1998. Acessado em 21 de março de 2007.
  146. Situation and Outlook – People and Their Diets. Universidade de Nebraska-Lincoln – Instituto de Agricultura e Recursos Naturais. Publicado em abril de 2000. Acessado em 21 de março de 2007. (em inglês)
  147. Belarus – UNESCO World Heritage Centre. Página visitada em 26-3-2006.
  148. a b Belarus (em inglês). The World Factbook. Central Intelligence Agency (21 de abril de 2010). Página visitada em 26-4-2010.
  149. About us - Teleradiocompanhia Estatal Nacional. Visitado em 5 de outubro de 2007. (em inglês)
  150. EW.com
  151. a b Lei da República da Bielorrússia, Law On Press and Other Mass Media. Acessado em 5 de outubro de 2007. (em inglês)
  152. Independent Belarusian newspaper "Nasha Niva" to close. Eurozine, Acessado em 19 de abril de 2006. (em inglês)
  153. Media Freedom in Belarus (em inglês). 2003 Policy Archive. Departamento de Estado dos Estados Unidos (30 de maio de 2003). Página visitada em 26-4-2010.
  154. Nations in Transit 2009 – Belarus (PDF) (em inglês). Freedom House (2009).

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Bielorrússia

References[editar | editar código-fonte]

A Country Study: Belarus Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos.

Imagem: Belovejskaya Pushtcha A Bielorrússia tem um parque nacional que é sítio Belovejskaya Pushtcha, Património Mundial da UNESCO. Welterbe.svg