Cultura da Venezuela

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde agosto de 2013).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde Dezembro de 2008). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.

O povo venezuelano inclui uma rica combinação de heranças. Aos ameríndios originais e aos espanhóis e africanos que se juntaram depois da conquista espanhola, vagas de imigração durante o século XX trouxeram quantidades apreciáveis de italianos, portugueses, árabes, alemães e outros, provenientes dos países limítrofes da América do Sul. Cerca de 85% da população vive em áreas urbanas na parte norte do país. Em quanto que quase metade da área terrestre da Venezuela se situe a sul do rio Orenoco, esta região contém apenas 5% da população. Mais de 96% da população identifica-se como católica. Outras igrejas, em especial, a protestante, compõem o restante.

O folclore e a cultura popular da Venezuela são marcados por tipos regionais, com peculiaridades de linguagem, costumes e inclusive herança histórica, como os llaneros, vaqueiros das planícies; os maracuchos, os empresários da bacia do Maracaibo; os guayanases, habitantes do remoto planalto das Guianas; e os andinos, que vivem nas montanhas. Caracas concentra a maior parte das instituições culturais do país, como o Museu de Belas-Artes, fundado em 1938, o Museu de Arte Colonial, o Museu de Ciência Natural e a Biblioteca Nacional, com um acervo de mais de dois milhões de livros. Entre os principais grupos artísticos estão o Ballet Nuevo Mundo de Caracas e a Orquestra Sinfônica da Venezuela.

Língua[editar | editar código-fonte]

A língua nacional e oficial é o espanhol, mas existem também numerosas línguas indígenas e as línguas introduzidas pelos imigrantes, criando com isso uma gama de dialetos em uso pelas etnias da Venezuela. O português também é falado por comunidades de descendentes de portugueses na Venezuela.

O espanhol, também chamado castelhano esposo de, falado na Venezuela foi influenciado menos pelo dialeto de Castela, que na Espanha é considerado o padrão da língua nacional, do que pelo dialeto da Andaluzia, região do sul da Espanha de onde veio a maioria dos primeiros colonizadores espanhóis e onde está o porto de Cádis, principal passagem da metrópole às colônias. Por exemplo, enquanto os castelhanos pronunciam o "z" e o "c" antes de "e" ou "i" de forma semelhante ao "th" do inglês, os andaluzes e a maioria dos hispano-americanos pronunciam essas letras com o mesmo som do "s", o que em Castela foi tradicionalmente considerado um vício de pronúncia, o seseo.assim fazendo com que fique uma miscigenacão de linguas

Etnologia[editar | editar código-fonte]

Grupo de crianças indígenas da tribo yanomami em Alto Orinoco.

O povo venezuelano tem uma rica combinação de heranças. Desde o período colonial foram misturados indígenas, africano e espanhol, e hoje a maioria dos venezuelanos têm uma ou mais dessas ascendência: mestiço 67%, os descendentes de europeus 21% (principalmente italianos e espanhóis), descendentes africanos 8%, índios 2%. As comunidades estão presentes em cerca de 1% do total da população nacional e estão estabelecidos principalmente no estado Zulia e sul do rio Orinoco e da sua boca. Com o início da exploração do petróleo no início do século XX, que estabelece as empresas e os cidadãos da maioria dos Estados Unidos. Posteriormente, em meados do século, especialmente no início da era do pós-guerra, entrou para se juntar a sociedade venezuelana, novamente uma nova vaga de imigrantes de Italiano, Espanhol, Português e imigrantes, libaneses, alemães, croatas , chinês, japonês (entre outros) e de vários países latino-americanos (Colômbia, Equador, Argentina, Peru, Chile, República Dominicana, Haiti, México, etc.) durante o boom petrolífero dos anos setenta. O Recenseamento Geral da População e Habitação Censo de 2001 mostra que as principais colônias estrangeiras estabelecidas no país originam nessa ordem, e citando apenas as mais numerosas: Espanha, Itália, Líbano, Portugal, Alemanha, Argentina, Estados Unidos, China, Colômbia, República Dominicana, Chile, Equador, Peru, Cuba, Guiana, Brasil, Uruguai, França, México e Trinidad e Tobago, representando aproximadamente 7,7% do total da população. A maioria dos árabes à imigração na Venezuela é libaneses e sírios. No final do século XIX chegaram os primeiros imigrantes de língua árabe, incidindo sobre o comércio ea pesca de pérolas na ilha de Margarita. No começo do século XX foram mais as pessoas de origem árabe. Desde então, esses países estavam sob turco regra, estes imigrantes trouxeram um passaporte daquele país, e é por isso que até hoje eles são conhecidos coloquialmente turcos. Ainda hoje muitos desses imigrantes são contratados no comércio nas grandes cidades do Índio Americano país.Hay principalmente originárias das Caraíbas. Grande número de imigrantes latino-americanos atraídos pelos vastos recursos do país vieram para a Venezuela, no século XX. Essas contínuas ondas de migração do país têm aumentado complicado mosaico racial. Na Venezuela nunca houve problemas raciais. É por isso que o poema Píntame Angelitos Negros, popularizada por uma famosa canção em meados do século XX e constitui uma espécie de hino contra todas as formas de discriminação racial, é um famoso escritor, poeta, humorista e advogado político venezuelano: Andrés Eloy Blanco. Como a maioria dos imigrantes eram brancos, negros e populações indígenas têm diminuído sua importância, a fim de aumentar a cor branca e mestiça.

Indígenas

Eles são um grupo minoritário, que em 2001 representavam 2,2% do total da população, com um total de 1.511.329 pessoas, de acordo com o censo étnico da Venezuela, em 2001, dos quais apenas aqueles localizados em regiões remotas e à distância países mantenham intacta a sua cultura, os índios em contato com o homem branco e mestiço cidade tem uma certa assimilação, ameaçando, assim, a sua cultura desapareceu, graças à constante influência de outros países vizinhos, resultando em um transculturization cultura do país, e tal como eu disse antes de um pequeno grupo de indígenas da cidade estão longe de ser capaz de manter seus costumes e cultura em geral. A influência indígena é limitado ao vocabulário de algumas palavras e gastronomia.

Afro-venezuelanos

Este grupo concentra-se na região de Barlovento no estado de Miranda, na costa do estado Vargas, bem como o estado Yaracuy especificamente em Veroes cidade no sul do Lago de Maracaibo, estado Zulia, em um vilarejo chamado Bobures conhecido e na cidade de Callao e suas vizinhas localidades do Estado Bolívar. Alguma parte da cultura dos seus antepassados, as pessoas de ascendência Africano do resto do país são totalmente assimilado, completamente perdido a sua antiga cultura e ao desenvolvimento da Métis.

Religião[editar | editar código-fonte]

A Constituição prevê a liberdade de religião e de cerca de 76% da população venezuelana é identificado como católico principalmente na Igreja Católica Romana, o resto é composto por pessoas que praticam outras religiões, como muçulmanos, Evangélica, Hinduist, budismo, judaísmo, Santeria e cristã, etc, enquanto algumas religiões prática algumas raízes prehispanic. Existem grupos de ateus, e no resto do mundo. Uma minoria tem sido cada vez mais tem sido associada ao americano grupos religiosos, e as Testemunhas de Jeová, mórmons (Igreja de Jesus Cristo) e Adventistas do Sétimo Dia a mais importante. Active religiosos praticantes têm diminuído consideravelmente, as populações de ascendência Africano desenvolvida uma mistura catolicismo com religiões Africano chamado Santeria.

Artesanato[editar | editar código-fonte]

A história do artesanato e artesãos não podem descartar a nossa história mais de 14,000 anos, quando os primeiros colonizadores habitaram o atual território da Venezuela. Os primeiros colonos desenvolveram técnicas de sociedades de caçadores-coletores do tamanho de pedras e madeira, para criar objetos que favorecem a sua interação com o meio ambiente e na utilização de seus recursos. Algum tempo depois, quando o homem e sua empresa estão a desenvolver competências que permitam a transformação de outros recursos naturais, como argila, são capazes de traduzir parte do mundo e cosmogonia da terra moldaram cozinha. Os primeiros vestígios são do Orinoco médio cerâmica, conhecidas como as tradições culturais e Saladoids Barrancoide. Têxteis e cestaria foram utilizados em um utilitarista e festas sagradas. Cemitérios em indígenas de estado Quibor Lara - foram encontrados restos de todo parcelas que servem para apoiar os corpos. As cestas foram utilizadas como urnas foram colocadas em locais onde seca e partes do esqueleto de ser colocada noutro local como secundária enterros. Alguns fragmentos de cerâmica arqueológica cestaria são impressões sugerem que algumas telas que serviram como apoio para as grandes vasos ou pratos, enquanto os quartos foram decorados ou terminar antes de serem queimados. Muitas das técnicas praticadas na embarcação teve hoje o seu nascimento, neste período histórico.

Cozinha da Venezuela[editar | editar código-fonte]

A Gastronomia é muito diversificada, e é resultante da mistura de alimentos Europeu, Africano e indígenas. O prato mais famoso e consumido é a Arepa, uma espécie de pão ou tortilha grelhado, frito ou cozido, consome-se várias vezes ao dia e é considerado o pão dos venezuelanos. Outros pratos são o representante da Venezuela Hallacas que são consumidos no Natal, o Crioulo Bandeira e Sancocho.

Símbolos Nacionais[editar | editar código-fonte]

Na Venezuela, além de reconhecer a bandeira, o hino e do casaco, como símbolos, foram nomeados para outros elementos típicos da flora e da fauna como símbolos nacionais. A saber:

  • A orquídea ou Flor de Mayo, (Cattleya mossiae) foi declarada a flor nacional 23. Maio de 1951, através de uma resolução conjunta dos Ministérios da Educação e da Agricultura e Pecuária. Mossiae A espécie foi descoberta na Venezuela na década de 1830.
  • O araguaney (Tabebuia chrysantha) é a árvore nacional desde 29 maio de 1948, por resolução conjunta dos Ministérios da Educação e da Agricultura e Pecuária. Seu nome é composto por uma palavra de origem indiana e com uma combinação de palavras gregas significando dourado flor, aludindo à cor amarela.
  • O turpial (Icterus Icterus) é a ave nacional desde 23 de maio 1958, de acordo com uma resolução conjunta dos Ministérios da Educação e da Agricultura e Pecuária. É um pássaro com um wingspan de 24 cm, que se distingue pela sua cor amarelo-alaranjada, em todo o corpo, excepto a cabeça e as asas, são pretas com partes brancas, e uma mancha azul em torno dos olhos.

Cinema[editar | editar código-fonte]

Começou a produção em 1896, quase um ano após a primeira apresentação dos irmãos Lumière, em França. A produção é caracterizada por uma baixa e irregular, mas viveu uma época dourada nas décadas de 1970 e 1980 com os diretores, como a Maurícia Walerstein, Clemente de la Cerda e Román Chalbaud último autor do filme considerado por muitos o melhor expoente do venezuelano filme: Peixes fumar. Actualmente, os directores são mais representativas Elia Schneider, José Ramón Novoa e Risquez Diego. O órgão é o Nacional Autônoma cinematografia.

Música e Literatura[editar | editar código-fonte]

Na Venezuela a música é caracterizada pela mistura de espanhol e elementos africanos, o mais representativo do país é o Joropo, utilizando ferramentas (francófonos e anglófonos do Caribe). Devido à influência cultural dos Estados Unidos era ouvir, hip-hop, dance, techno, rock e pop. O gosto musical da Venezuela é muito diferente de países da América do Sul, a Colômbia tem apenas alguns gostos em comum como Llanera como nas planícies do leste da Colômbia é a expressão musical, como fronteira. O gosto musical do país é marcadamente Caribe, na Venezuela a salsa, o merengue e cumbia música é para ouvir e não apenas para dançar, como em outros países. Vale ressaltar que a música é chamado Llanera música nacional, e vem das principais planícies do país (Edo. Barinas e Apure). Devido à influência dos afro-Antillean, o tambor e o calypso são importantes no gênero musical Venezueal. Você tem de lembrar que os jovens (como em outros países latino-americanos), existe uma grande presença de reggeaton.

A literatura começou a se desenvolver durante a época colonial e os escritos da época foram dominados pela cultura e pensamento na Espanha. Crônicas e diversos estilos de poesia foram os mais importantes eventos literários de 1700. Em 1800 viram a independência e o nascimento da literatura política, incluindo a autobiografia de Francisco de Miranda. O romance, o primeiro grande gênero literário na Venezuela, foi desenvolvida em meados da década de 1800, com Peonies, Manuel García Romero o melhor exemplo. Após a independência, a Venezuela começou a diversificar a literatura, mas só começou a mudar rapidamente, no momento da Guzmán Blanco, entre 1870 e 1888. O início do século XX assistiu-se ao desenvolvimento de vários escritores, romancistas, ensaístas e poetas de importância, como eram Andrés Eloy Blanco, Rómulo Gallegos, Arturo Uslar Pietri, Miguel Otero Silva, Mariano Picon Salas, Jose Rafael Pocaterra, entre outros. A tradição literária é realmente criado na Venezuela em meados do século XX.

Pintura[editar | editar código-fonte]

  • A Galeria Nacional de Arte. Localizado na Caracas, tem a mais completa coleção de pinturas do século XIX no país. É possível desfrutar de pinturas como "Miranda Carraca" ou "Arturo Michelena", bem como outras obras de Masters da pintura acadêmica e artistas viajantes do século XIX.

México Avenue entre as estações de Belas Artes e do Parque Carabobo. La Candelaria, Caracas.

  • Museu de Belas Artes abertas em Caracas 20 de fevereiro de 1938, ele tem uma coleção permanente, cujas peças foram classificados da seguinte forma: Arte Medieval e Moderna Europeia, Arte Contemporânea europeu e norte-americano e cubismo tendências semelhantes latino-americana de arte (pintura e escultura), desenhos e gravuras, arte egípcia e Cerâmica.
  • Museu de Arte Contemporânea de Caracas (MACC). Este é um dos museus mais importantes da Venezuela, que abriu suas portas em 20 de fevereiro de 1974. Desde então, ele tem apresentado exposições de artistas nacionais e internacionais de todos os gêneros visuais: pintura, escultura, desenho, filme, vídeo e fotografia. É um edifício que abriga peças da mais alta qualidade, são distribuídas entre as 17 quartos, localizado no Central Park, perto do Teatro Teresa Carreño. Tem, além disso, um papel de gabinete, uma ampla biblioteca especializada em arte, uma oficina criativa, um coberto, sala de mídia, uma galeria e um jardim de esculturas espetacular.

Seu portfólio é composto por mais de 3000 obras de artistas famosos. Entre os mais importantes, há o "Odalisca com calças vermelhas" por Henri "Sky lição" Matisse Joan Miró "Retrato de Dora Maar" Pablo Picasso "Noite de Carnaval", de Marc Chagall, entre outros Reverón, Jean Arp, Botero, Victor Vasarely, Riverse, Auguste Rodin, Magdalena Abakanowicz, Jacobo Borges e Fernando Botero.

  • Museu de Arte Contemporânea Jesús Soto. Um museu muito avant-garde e nível internacional. Este espaço é o resultado da vontade do artista venezuelano para promover a arte ea cultura em seu país e cidade natal.

O renomado arquiteto Carlos Raúl Villanueva projetou o museu, e mostra mais uma vez sua capacidade capacidade criativa de integrar projeto arquitetônico com pintura, escultura, paisagem e do homem. O museu exibe obras importantes do acervo pessoal do mestre Soto, criadas durante os anos 50 e 60, durante a sua estada na Europa.

  • Museu de Arte Contemporânea de Zulia (Maczul). Foi inaugurado em 24 de outubro de 1998 e sua coleção permanente é composta de obras de vários gêneros expressivos criados por artistas de primeira linha.

Os principais obras de pintura e arte contemporânea Venezuela :

  • Juan Lovera "Auto-Retrato" e "La Divina Pastora"
  • Martín Tovar y Tovar: "Heróis da Independência" e "Batalha de Ayacucho"
  • Antonio Toro Herrera: "Batismo El Christe" e "Assunção"
  • Cristóbal Rojas: "Purgatório" e "Mendigo A"

Desporto/Esportes[editar | editar código-fonte]

Estadio Universitário de Béisbol, Caracas

Talvez os mais praticados na Venezuela são beisebol e basquete. É provavelmente um dos mais influenciados pela localização geográfica do país, no mar das Caraíbas e da sua proximidade com os Estados Unidos. Estas duas trilhas oferecem esportes ligas um ano, com um monte de fãs. O futebol tem um número crescente de seguidores, que foram atraídos, nos últimos anos, sobretudo pela acção da selecção venezuelana potências mundiais ou continentais, além disso, a Venezuela sediou a Copa América 2007 até 26 de junho em 15 de julho de 2007. Para o país é muito importante para seguir a carreira do venezuelano Liga Americana de Baseball. Nos esportes individuais, o mais proeminente na Venezuela é o boxe fãs com uma largura, e tem prevista uma grande boxers a nível internacional. Nas Olimpíadas, a Venezuela tem historicamente proeminentes em esportes como boxe, levantamento de pesos, ciclismo e taekwondo. Paradoxalmente, não beisebol, com mais freqüência no país.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Flag-map of Venezuela.svg Venezuela
História • Política • Subdivisões • Geografia • Economia • Demografia • Cultura • Turismo • Portal • Imagens