Cultura de Los Millares

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Tigela de Los Millares

Los Millares é um povoado pré-histórico situado no município de Santa Fe de Mondújar, a 17 km de Almeria (Espanha). É um dos sítios mais importantes da Europa na Idade do Cobre, e dá nome à Cultura de Los Millares, que se estendeu por Andaluzia, chegando até Múrcia e sul de Portugal.

A cultura de Los Millares [editar | editar código-fonte]

Maquete de um tolo de Los Millares.

Após os profundos câmbios na forma de vida que ocorreram no neolítico, a descoberta da metalurgia do cobre dá começo a um novo período da história, o calcolítico. Os úteis metálicos geram uma maior eficiência tanto na produção de alimentos como nas atividades de defesa e ataque, bem como gera a necessidade do controlo das rotas de aprovisionamento do cobre. Esta nova situação seria a causa da aparição, na península Ibérica, da cultura de Los Millares, cujas características principais são:

  • Alto grau de fortificação dos povoados, o que contrasta com as populações neolíticas precedentes, dispersas e com poucas proteções.
  • Necrópoles no exterior dos povoados, com abundância de enterramentos megalíticos coletivos em forma de tolos.
  • Diferenciação social acusada nas tumbas.

Outros povoados destacáveis pertencentes a esta cultura são El Malagón, Cerro de la Virgen e Las Angosturas

Cronologia e origens[editar | editar código-fonte]

As datações por Carbono 14 (calibradas) do povoado, situam-no entre finais do quarto milênio a.C. e o último quartel do terceiro milênio a.C. A muralha foi datada por volta de 2350 a.C.[1]

Estas datas descartaram a antiga hipótese segundo a qual colonos do Egeu formaram o povoado trazendo consigo os enterramentos em forma de tolos e a metalurgia (hipótese difusionista da origem da metalurgia e do megalitismo na península ibérica). Em efeito, quando se fundou o povoado:

  • Os tolos do Egeu não existiam ainda, já que os primeiros documentados são de meados do terceiro milênio a.C., enquanto os clássicos como o tesouro de Atreu são do Heládico Recente (segunda metade do segundo milênio a.C.)
  • No Egeu encontravam-se na etapa do Bronze Antigo, e já estava generalizada a liga com estanho para formar o bronze, enquanto em Los Millares é utilizado o cobre.

Assim, a aparição da metalurgia responde provavelmente a uma descoberta autóctone. Foi a fabricação de armas e úteis metálicos, bem como o seu comércio, o elemento diferenciador que propiciou o grande desenvolvimento desta cultura, embora a atividade principal continuasse sendo a agricultura e a pecuária.

O povoado de Los Millares[editar | editar código-fonte]

O povoado fica estrategicamente próximo às minas de cobre da serra de Gádor, num promontório em forma de esporão, entre o rio Andarax e a rambla de Huéchar. Tem uma cidadela interior murada e é rodeado por outras três muralhas concêntricas,[2] reforçadas com torres de planta semicircular e bastiões; conta ademais com numerosas defesas exteriores nas elevações próximas (localizaram-se até 15 fortins), muitas delas fortemente defendidas mediante muralhas concêntricas. Acredita-se que se utilizavam também para o armazenamento de cereais.

Estima-se que podia contar com uma população de cerca de 1000 pessoas.[3] A necrópole, frente à muralha exterior, ocupa por volta de 2 ha., e contém perto de um centenar tumbas, a maioria dos tolos. Dentro das muralhas encontra-se um conjunto de moradias simples, junto com um grande edifício com evidências de fundição do cobre.

Cerâmica de Los Millares (M.A.N., Madrid)

A cerâmica recuperada inclui tanto peças lisas como decoradas, incluindo tigelas com motivos em forma de óculos. Desenhos similares aparecem em vários ídolos de pedra também recuperados. A partir de meados do terceiro milênio, encontram-se já cerâmicas de Cultura Campaniforme.

O povoado foi descoberto em 1891, durante a construção de uma via férrea, e foi escavado pela primeira vez por Luis Siret.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Barandiarán, I. et. al.. Prehistoria de la Península Ibérica. [S.l.: s.n.], 1998.

Fernando Molina, Juan Antonio Cámara. Los Millares. [S.l.: s.n.], 2005.

Robert Chapman. La Formación de las Sociedades Complejas. El sureste de la Península Ibérica en el marco del Mediterráneo Occidental. [S.l.: s.n.], 1991. ISBN 84-7423-517-0.

Referências

  1. Cfr. pág 83 de Alimen, Marie Henriette; P. Marie-Joseph Steve. Prehistoria. Volume 1 de Historia Universal Siglo veintiuno. [S.l.: s.n.], 1984. ISBN 8432300349.
  2. "Los Millares" Encyclopædia Britannica online
  3. Peter Neal Peregrine, Melvin Ember, Encyclopedia of Prehistory, Human Relations Area Files, inc - 2002

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]