Cumanos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde fevereiro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Brasão-de-armas histórico de Kunság, usado atualmente como o brasão dos cumanos.
Confederação cumano-kiptchak na Eurásia por volta de 1200.

Os cumanos (em grego: Κο(υ)μάνοι, Ko(u)manoi;[1] em húngaro: kun / plural kunok;[2] turcomano: kuman / plural kumanlar[3] ), também conhecidos como polovetsianos (em russo: Половцы, Polovtsi) eram povos nômades turcomanos[4] [2] [5] que formavam o ramo ocidental da confederação de povos conhecida como kiptchaks, até que a invasão mongol ocorrida em 1237 forçou-os a procurar refúgio no território da atual Hungria.[6] Com ligações históricas com os pechenegues,[7] habitavam uma área cujos limites estavam em constante alteração, ao norte do mar Negro e ao longo do rio Volga, conhecida como Cumânia. Eventualmente se estabeleceram a oeste do mar Negro, influenciado a política do Rus' de Kiev, Bulgária, Sérvia, Hungria, Moldávia e Valáquia. Tribos cumanas e kiptchaks juntaram-se, politicamente, para criar uma confederação conhecida como Confederação Cumano-Kiptchak.[8] Existem evidências do idioma cumano em alguns documentos medievais e é uma das línguas turcomanas mais bem-conhecidas.[9] O Codex Cumanicus era um manual linguístico escrito para ajudar missionários católicos a se comunicar com os cumanos.

Página do Codex Cumanicus.

Os cumanos foram guerreiros nômades da estepe eurásia, que exerceram um impacto duradouro nos Bálcãs medievais. O instrumento básico do sucesso político cumano era a sua força militar, que nenhuma das facções belicosas que habitavam a península balcânica pode resistir. Como consequência, grupos de cumanos se estabeleceram e se misturaram com as populações locais de diversas regiões dos Bálcãs. Uma possível origem cumana para os fundadores de três dinastias búlgaras sucessivas (Asenidas, Terteridas e Shishmanidas) e uma dinastia valáquia (Bassarábidas) foi proposta.[8] No caso das dinastias bassarábida e asenida, no entanto, os documentos medievais referem-se a eles como dinastias valáquias (romenas)[10] [11] [12] Desempenharam um papel importante no Império Bizantino, Hungria e Sérvia, onde imigrantes cumanos se integraram com as elites locais.

Os cumanos eram chamados de Folban e Vallani pelos alemães, de Kun (Qoun) pelos húngaros e Polovtsy pelos russos - todos com o significado de "loiros". É difícil saber a quem os historiadores do passado se referiam quando utilizavam o nome kiptchak - por vezes o termo era utilizado apenas para os cumanos, por vezes apenas para os kiptchaks stricto sensu, e por vezes a ambos; isto se deve ao fato das duas nações terem se unido e vivido juntas (possivelmente com um grande intercâmbio de armamentos, cultura e até mesmo de uma fusão linguística). Esta confederação e co-habitação pode ter dificultado aos historiadores a tarefa de escrever exclusivamente sobre uma das duas nações.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Diversas fontes de diferentes países (como Alemanha, Hungria e Rússia) explicam que os vários nomes usados para se referir aos cumanos ao longo da história podem se referir ao significado 'loiro', 'pálido' e 'amarelo', referindo-se à cor de cabelo deles. O termo russo Polovtsy (Пóловцы) significa literalmente "loiro", já que a palavra "polovo", no russo antigo, significa "palha". Outra tradução, dada pelo autor cazaque O. Suleymenov, seria "homens do campo", "da estepe", da palavra russa "pole" - "planície", "campo". Uma terceira explicação, também de autoria de Suleymenov, seria de que o nome "polovtsy" teria vindo de uma palavra que significa "de olhos azuis", já que o termo servo-croata "plav" significa, literalmente, "azul".[13] O termo alemão para se referir ao povo, 'Folban', também significaria "loiros".

História[editar | editar código-fonte]

Em 1089, eles foram derrotados por Ladislau I da Hungria, sendo novamente derrotados por Vladimir Monomakh no século XII e esmagados pelos tártaros em 1241. Muitos se refugiaram na Hungria e na Bulgária, onde foram assimilados. Seu nome pode ainda ser encontrado em nomes de lugares como a cidade de Kumanovo na Macedônia, Comăneşti na Moldávia e Comana na Dobruja. OS cumanos se estabeleceram na Hungria tendo seu próprio governo, e seu nome (kun) ainda é preservado nos nomes dos condados de Bács-Kiskun e Jász-Nagykun-Szolnok, e nos nomes de cidades como Kiskunhalas e Kiskunszentmiklós. Os cumanos da atual Rússia juntaram-se ao canato da Horda de Ouro.

No século XIII, os cumanos ocidentais tornaram-se católicos, enquanto os orientais assumiram o islamismo. A Diocese Católica dos Cumanos incluía a Romênia e a Moldávia. Este título foi mantido até 1523. O principado da Valáquia foi estabelecido por Basarab I, filho do comandante militar cumano Tihomir da Valáquia no início do século XIV. O nome Basarab é considerado de origem cumana, significando rei pai.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Oxford Dictionary of Byzantium, p. 563
  2. a b Encyclopædia Britannica Online - Cuman
  3. Loewenthal, Rudolf. The Turkic Languages and Literatures of Central Asia: A Bibliography. [S.l.]: Mouton, 1957. Página visitada em 23-3-2008.
  4. Bartusis, Mark C., The late Byzantine army: arms and society, 1204-1453, (University of Pennsylvania Press, 1992), 26; "Around 1239 a large group of Cumans-- a Turkic people of the steppes....".
  5. Spinei, Victor. The Romanians and the Turkic nomads north of the Danube Delta from the tenth to the mid-thirteenth century. Leiden: Brill, 2009. p. 116.
  6. http://www.britannica.com/EBchecked/topic/146369/Cuman
  7. Cumans, Encyclopedia of Ukraine.
  8. a b István Vásáry (2005) Cumans and Tatars, Cambridge University Press.
  9. Spinei, The Romanians and the Turkic nomads, p. 186.
  10. Por exaemplo: "Bazarab infidelis Olahus noster", "Basarab Olacus et filii eiusden", "Bazarab filium Thocomerius scismaticum olachis nostris". [1]
  11. István Vásáry (2005) Cumans and Tatars, Cambridge University Press, p. 40: "No serious argument can be put forward in support of the Assenids' Bulgarian or Russian origin. Moreover, a Cuman name by itself cannot prove that its bearer was undoubtedly Cuman. Asen's Turkic name must be reconciled with the fact that the sources unanimously testify to his being Vlach."
  12. Stephenson, Paul. Byzantium's Balkan Frontier: a political study of the Northern Balkans, 900-1204. Cambridge University Press. 2000.
  13. http://www.translation-guide.com/free_online_translators.php?from=Serbian&to=English