Cunard Line

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cunard Line
Tipo Pública (Operada pela Carnival Corporation)
Indústria Transportes
Fundação 1838 como British and North American Royal Mail Steam Packet Company
Sede Londres,  Reino Unido
Santa Clarita, Califórnia  Estados Unidos
Produtos Cruzeiros
Página oficial http://www.cunard.com/

A Cunard Line (entre 1934 e 1950 Cunard White Star Line) é uma companhia de navegação Britânica, operadora de transatlânticos, entre eles o RMS Queen Elizabeth 2 (QE2) o RMS Queen Mary 2 (QM2) e o navio cruzeiro MS Queen Victoria (QV).

Hoje a sede da Cunard Line está localizada em Santa Clarita, Califórnia, EUA, próxima a sede da Princess Cruises.

História[editar | editar código-fonte]

A Cunard foi fundada em 1838 ao transportar o magnata Samuel Cunard, de Halifax, Canadá , bem como o engenheiro Robert Napier e homens de negócios que formaram a British and North American Royal Mail Steam Packet Company algo como Companhia de Correio Real Britânica e Norte Americana. A companhia licitou juntou das autoridades tendo em vista a aquisição dos direitos a um contrato de remessa de correio transatlântico entre a Inglaterra e América; no fim deste litígio a B&NARMSPC ganhou o direito a usar o prefixo RMS (Royal Mail Ship - Navio de Correio Real) prefixo para o nomes dos seus navios. A companhia viria, mais tarde, a mudar o seu nome para Cunard Steamships Ltd - Navios a vapor Cunard Ltd.

O Primeiro capitão da Cunard abordo de um de seus navios em 1901

Em maio de 1840, o navio a vapor SS Unicorn de 648 toneladas - o primeiro da empresa - fez a primeira viagem transatlântica da companhia. Sob a direção do Capitão Douglas ele levou 24 passageiros, incluindo Edward Cunard (o filho de Samuel), em uma viagem que durou 14 dias, a uma velocidade média de 8 nós, satisfazendo assim os requisitos de contrato de uma travessia por quinzena. Os passageiros regulares e o serviço de carga através de navio a vapor foram inaugurados pelo RMS Britannia, o primeiro navio encomendado pela companhia. No dia 4 de julho de 1840 ele navegou de Liverpool a Halifax, e posteriormente para Boston, numa viagem de 14 dias 8 horas.

A Cunard esteve a frente de muitos competidores da Inglaterra, dos Estados Unidos e Alemanha, mas sobreviveu a todos. Devido a um grande foco em segurança. Os navios da Cunard normalmente não eram os maiores ou os mais rápidos mas eles ganharam uma reputação por serem os mais confiáveis e os mais seguros. A companhia viria a fundir a Canadian Northern Steamships Ltd - Navios a vapor do norte canadense Ltd - e o competidor principal da Cunard, a White Star Line, donos dos inafortunados RMS Titanic e o HMHS Britannic.

Por mais de um século e meio, a Cunard dominou o comércio de passageiros do Atlântico e era a número 1 do mundo. Os seus navios desenrolaram papéis importantes no desenvolvimento da economia mundial, e também participaram em peso nas principais guerras da Inglaterra, da Crimeia à Guerra das Malvinas onde o navio de cargas Atlantic Conveyor da Cunard foi afundado por um míssil Exocet.

A linha começou a diminuir na década de 1950 quando rápidas viagens aéreas começaram a substituir os navios como os principais transportadores de passageiros e de correio do outro lado do Atlântico. A Cunard tentou entrar nesse ramo fundando a BOAC Cunard Ltd em 1962 com a British Overseas Airways Corporation para exploração de serviços aéreos regulares para a América do Norte, Caribe e América do Sul. Foi dissolvido em 1966. Em 1971, a Cunard Line foi adquirida pelo conglomerado industrial e de transporte marítimo britânico, Trafalgar House, que realizou a linha até à sua aquisição pela Kvaerner, em 1996. Em 1983, a Cunard adquiriu a linha de cruzeiro de luxo norueguesa America Line, e em 1994 a Royal Viking Line, outra empresa de cruzeiros de luxo.

No final do século XX e durante os primeiros anos do século XXI a linha só detinha o RMS Queen Elizabeth 2 que fazia travessias transatlânticas. Em 2004 o serviço do QE2 foi limitado a cruzeiros mundiais e cruzeiros mediterrânicos, enquanto a rota transatlântica foi assumida pelo RMS Queen Mary 2. Em 2006 o Queen Mary 2 foi superado pelo Freedom of the Seas, mas o primeiro permanece como o navio de passageiros capaz da maior viagem transatlântica.

Em 1998, a Cunard tornou-se numa de várias empresas possuídas pela Carnival Corporation & plc. No dia 1 de janeiro de 2005 os negócios, ativos e passivos da Cunard Line Ltd. foram transferidos para a Carnival, e a Cunard terminando como uma entidade empresarial - mas seu nome ainda se aparece pintado na lateral do Queen Mary 2, mas é controlado pela Princess Cruises na Califórnia.

Navios[editar | editar código-fonte]

A companhia operou alguns dos navios mais famosos do mundo, a maioria, de linha regular, incluindo:

Inovações[editar | editar código-fonte]

  • Foi a primeira empresa a transportar passageiros regularmente entre portos do Atlântico (com o RMS Britannia, em 1840);
  • Primeira a introduzir energia elétrica a bordo de um navio de passageiros (RMS Servia, 1881);
  • Primeiro navio com duas hélices (RMS Campania, 1893)
  • Primeiro navio de passageiros com banheiro privado nas cabines (RMS Campania, 1893)
  • A primeira a utilizar turbinas a vapor em um navio de passageiros (RMS Campania, 1893);
  • Primeiro navio a disponibilizar um ginásio coberto e um hospital (RMS Franconia, 1911)
  • Primeiro planetário no mar (RMS Queen Mary 2, 2004)
  • Maior navio de passageiros (até 1911) (RMS Mauretania, 1907)
  • Maior navio de passageiros (até 1996) (RMS Queen Elizabeth, 1940)
  • Maior navio de passageiros (até 2006) (RMS Queen Mary 2, 2004)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Cunard Line