Curral de Moinas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Curral de Moinas é uma aldeia fictícia, situada algures no Norte de Portugal[1] , presumivelmente na província do Minho ou Trás-os-Montes. É o palco dos acontecimentos do programa de humor TeleRural, uma sátira aos blocos noticiosos convencionais. Nesta aldeia acontecem as situações mais caricatas e disparatadas e acontecimentos dos mais banais tomam proporções quase de um feriado nacional. A aldeia foi criada pelos humoristas portugueses João Paulo Rodrigues[1] (Quim Roscas) e Pedro Alves[1] (Zeca Estancionâncio) para o seu programa TeleRural, transmitido primeiro no programa "Praça da Alegria" e depois num espaço próprio, ambos na RTP (actualmente na sua 2ª Série), sempre com bastante aceitação do público português.[1]

A localidade fictícia está ainda representada no filme 7 Pecados Rurais[1] O filme aborda alguns dos seus moradores, tais como Quim, Zé, Célia Careca, Padre Venâncio, Sargento Mealha e Aniceto Rui (Presidente da Junta), entre outros.[1]

A aldeia (visão geral)[editar | editar código-fonte]

Curral de Moinas é atravessada pelo Rio Toalha e situa-se algures entre Ronfe e Cuspe e tem uma auto-estrada que a liga directamente a Fafe, o que por esta descrição leva a querer que seja Curral de Vacas, situada no concelho de Chaves. Os seus destinos são conduzidos pelo impopular presidente da Junta de Freguesia Aniceto Rui (polémico, corrupto, e extremamente arrogante), que é particularmente odiado pelos dois jornalistas do Tele Rural, Quim Roscas e Zeca Estancionâncio, que cospem para o chão sempre que dizem o seu nome. Aniceto Rui viu-se recentemente envolvido no escândalo do Mega Processo das Lapiseiras e entre as suas iniciativas de carácter social salienta-se a entrega de barracas a famílias ciganas que viviam em barracas. A votação do orçamento da Junta de Freguesia para 2012 terminou com uma violenta zaragata entre o presidente Aniceto Rui e o vereador da oposição, que chegou mesmo a agredir o presidente e o repórter Sabino Rui, este último com uma cadeira.

A aldeia fez história em diversas ocasiões como:

  • quando recebeu a visita do Dalai Lama;
  • quando foi palco do primeiro casamento entre três pessoas (entre um homem e duas gémeas siamesas);
  • quando foi descoberta uma batata em forma de telemóvel;
  • ou quando foi descoberta uma vaca que dava sangria, para grande desgosto e revolta do dono de duas ovelhas que davam cerveja à pressão.

Numa gruta nas margens do rio Toalha, vive o eremita (e criador de lendas) Cacildo Morteiro, autor de várias lendas sobre Curral de Moinas, entre as quais a da Velha Vanessa. Segundo essa lenda, a Velha Vanessa aparece montada numa motorizada Casal Boss a comer 2 kg de percebes, vestida somente com um colete e a sua aparição ocorre junto de pessoas que fazem piqueniques à base de marisco.

Ao longo da sua história, a aldeia viveu momentos quentes, como da vez em que o grupo separatista "RENHANHE" reivindicou a independência da Barragem do rio Toalha, quando a aldeia reivindicou uma serra própria (a que daria o nome de Serra Somália em homenagem à fome no mundo), quando a aldeia foi violentamente fustigada pela passagem do furacão "Arlindo", ou ainda quando sofreu as epidemias de "febre do nariz azul" e de "alergia a calças de ganga".

Prevê-se que o TGV-Comboio de alta velocidade passe pela aldeia, embora não esteja prevista qualquer estação, pelo que os potenciais passageiros terão que entrar no comboio com este em andamento.


Actualmente, está a ser analisada a água da Fonte das Silvas, que para além de ser imprópria para consumo poderá ser milagrosa, já que várias mulheres da aldeia terão alegadamente ficado grávidas depois de beberem dessa água.

Religião[editar | editar código-fonte]

A vida religiosa da aldeia é orientada pelo Padre Venâncio, motard e um pouco excêntrico,(que segundo as más línguas é alcoólico) e que costuma escandalizar os seus paroquianos, como da vez em que foi visto no coreto da aldeia às três horas da madrugada todo nu e a comer figos, facto que o sacerdote desmentiu categoricamente alegando não gostar de figos. O Padre Venâncio chegou a ser raptado e a ser mantido em cativeiro durante vários dias, aquando do assalto à igreja, por estar a fazer flexões em cima de um altar levado pelos bandidos. De outra vez, o Padre Venâncio fez uma greve em protesto contra a falta de vinho suficiente na igreja, tendo-se acorrentado a um habitante gordo (e alcoólico) da aldeia.

Recentemente, foi anunciada a construção da nova igreja, depois de uma penitente obesa, a Lena Gorda, ter ficado entalada no confessionário durante várias horas.

A nova igreja terá capacidade para 16.000 fiéis e 18 cavalos e será financiada através de donativos e do leilão dos dentes do Padre Venâncio.

Também terá ocorrido no adro da igreja a aparição de São Custódio (padroeiro dos torresmos), vestido com o equipamento do Futebol Clube do Porto, com uma malga nas mãos e que terá pedido vinho, dizendo ter ficado embuchado com os torresmos. As opiniões dividem-se no entanto entre uma aparição divina, um delírio de bêbados ou um candeeiro fundido que fazia sombra sobre a ramada de um carvalho.

Comércio e Serviços[editar | editar código-fonte]

A nível comercial e de serviços, para além de um mercado, de um posto da GNR e de uma corporação de Bombeiros Voluntários, a aldeia é servida:

  • pela Adega Cooperativa de Curral de Moinas, grande produtora do famoso vinho "Quinta da Velha Vesga" (nas variantes: branco, tinto e aguadilha);
  • pelo café do Venâncio, nos últimos tempos palco de uma violenta cena de pancadaria entre lenhadores e pescadores;
  • pelo café do Arsénio, recentemente abalado por uma violenta explosão, alegadamente depois de alguém ter limpo a tomada da máquina de flippers com um algodão embebido em aguardente de medronho e provocando, segundo o seu proprietário, prejuízos na ordem dos 30 milhões de euros.
  • pelo restaurante "Cinzeiro de Natas", o primeiro restaurante de "alta cozinha" de Curral de Moinas;
  • pela retrosaria da Celestina;
  • e pela mercearia da Piedade.

A informação está a cargo dos jornais:

  • "Folha de Moinas";
  • "O Curralino" (que apresenta a particularidade de ser impresso em folhas de couve);
  • e do bloco noticioso televisivo TeleRural, já referido.

Estão ainda ao serviço da aldeia os hotéis de luxo "Real Moinas Palace Hotel" (curiosamente, com entrada pela sacristia da igreja) e o "Dormaki", este último de sete estrelas.

O desporto é representado pelo Clube Desportivo Curralmoinense, que atravessa um período de grave crise financeira, com ordenados em atraso desde 1987.

A aldeia possui ainda:

  • um bordel de nome desconhecido, de que se fala raras vezes;
  • a bôite "A Marquise";
  • a fábrica de medicamentos "Ronson Bruno", instalada entre a igreja e o adro onde param os drogados. Esta fábrica é pioneira no fabrico de diversos medicamentos, entre os quais os supositórios para a falta de vista, o clister para a caspa e o maçarico para as hemorróidas;
  • a lavandaria "Lava-mos";
  • um casino, inaugurado recentemente;
  • um campo de golf, com a particularidade de ser forrado a azulejo;
  • um cine-teatro;
  • uma praça de touros;
  • um coreto de 200 mt2, para actuações de bandas de música, ranchos folclóricos e espectáculos de patinagem artística com porcos;
  • um estaleiro naval, onde foi construído o navio de cruzeiro "Faísca";
  • uma creche. equipado com tudo o quanto há de mais moderno, incluindo uma carreira de tiro com professores vivos, para treino das crianças;
  • um Lar de Terceira Idade, que se desmoronou no dia da inauguração;
  • um Centro de Saúde;
  • um Museu de Arte Rural;
  • um Centro Cultural;
  • um ancoradouro com 350m de comprimento na margem esquerda do rio Toalha, com capacidade para receber canoas, barcos insufláveis, jangadas, mas também os maiores navios porta-contentores, petroleiros, cruzeiros e navios de guerra que existem no mundo, e onde segundo um relato muito antigo, o Titanic fez escala antes de seguir para o Atlântico;
  • Hotel de Luxo "Real Moinas Palace Hotel"
  • e uma Escola Politécnica, que ministra cursos de profissões tão nobres como "Taberneiro", "Afinador de apitos" ou "Gandim"(1).

(1) Palavra típicamente portuguesa (de calão), usada para descrever um fura-vidas.

Festas e romarias[editar | editar código-fonte]

Para além do Campeonato de Desportos Não Náuticos e do Campeonato de Salto em Chapa de Zinco, são realizadas anualmente as Festas em honra de São Velhaco do Coiso (santo natural de Curral de Móinas), cujo altar é todo ele feito de casquilho de lâmpadas e de São Jesualdo (padroeiro do míldio), bem como as grandiosas festas em honra de São Pato (padroeiro da ameijoa), assinalada por uma imponente procissão de gigantones bêbados. Recentemente descobriu-se na aldeia que a imagem de Santa Arlinda (padroeira do tremoço) chora lágrimas de Moscatel, o que está a dar origem a uma romagem constante e fervorosa ao seu altar na Igreja da aldeia.

Anualmente, realiza-se também uma romaria já muito antiga (com mais de um século), em veneração a Nossa Senhora do Bagaço, em que as pessoas vão em procissão com uma banda, porta a porta, beber um copo de bagaço e pentearem-se. Esta festa só termina quando o último elemento da procissão entrar em coma e cair.

A aldeia recebe também anualmente a visita do prestigiado "Circo Mariconi" e esporadicamente, a corporação de Bombeiros Voluntários de Curral de Móinas organiza touradas de beneficência.

De 4 em 4 meses, nas instalações do Curral de Moinas Futebol Clube e em competição com Cuspe, realiza-se o famoso Jogo da Bolacha, o qual consiste em vários homens, com uma bolacha, a masturbarem-se ao mesmo tempo, e à medida que atingem o orgasmo, ejaculam para cima da bolacha. O último a atingir o orgasmo, come a bolacha.

Habitantes (Vida e obra)[editar | editar código-fonte]

De entre os seus habitantes mais emblemáticos podem-se destacar:

  • os impagáveis Quim Roscas e Zeca Estancionâncio, que para além de primos e de serem os melhores amigos um do outro, são pessoas simples, alegres e bastante impulsivas (o exemplo acabado dos habitantes do Minho). Segundo declarações dos próprios, são praticamente analfabetos e nunca terão viajado de Espinho para baixo. Se a vida intima de Zeca Estancionâncio é aparentemente calma e sem nada a apontar, já a de Quim Roscas é no mínimo bastante "agitada", com uma grande atracção por mulheres casadas e por fazer sexo em locais (e situações) bastante insólitas;
  • o controverso Presidente da Junta de Freguesia Aniceto Rui, já citado;
  • o pároco de Curral de Moinas, o também já citado Padre Venâncio;
  • o implacável Sargento Mealha, comandante do posto da GNR, alcoólico, violento e altamente corrupto, que assegura a manutenção da ordem na aldeia através de métodos mirabolantes e pouco ortodoxos;
  • o Sargento Arménio Caldas, da GNR, tão corrupto como o Sargento Mealha, que costuma vender o material apreendido nas operações de GNR em que toma parte;
  • o Tesoureiro da Junta de Freguesia, Paulo Coentro, acusado de ter desviado 200 euros da Junta de Freguesia;
  • o director do Centro de Saúde, Doutor Palhaça Quintão, que costuma aproveitar-se dos doentes que chegam inconscientes ao Centro de Saúde para as suas brincadeiras de mau-gosto. Tem tanto de médico como de charlatão;
  • o repórter de exteriores Sabino Rui, pessoa pobre de espírito e um pouco surda, frequentes vezes alvo das emoções dos seus entrevistados, especialmente do Padre Venâncio. Por nunca conseguir ouvir as perguntas que lhe são colocadas do estúdio, acaba por revelar pormenores sórdidos e embaraçantes acerca do seu estilo de vida e da sua vida sexual. Isto tem levada a suspeitas de que será bissexual, mas nada está provado;
  • o comandante dos bombeiros, Rui Jorge, especialista em organizar esquemas pouco claros para os peditórios dos bombeiros. Terá ficado sem um testículo no combate a um incêndio, quando lhe saltou uma pinha a arder para dentro das cuecas;
  • o sacristão Ilídio Amândio, testemunha (se assim se pode dizer) do assalto à igreja. Quando viu os ladrões a fugir com as peças roubadas (entre as quais o altar com o Padre Venâncio em cima) terá gritado: "Não se corre dentro da igreja, pá!";
  • o irascível empresário da noite Tó Marradas, proprietário e segurança da bôite "A Marquise";
  • o pastor Tibúrcio Palhais, que mantém uma relação de longa data com uma das suas ovelhas. Foi o líder da greve dos pastores, revoltados com as acusações de que mantinham relacionamentos íntimos com as suas ovelhas;
  • o idoso José Travassos que completou recentemente 156 anos´. É pai de 14 filhos de 18 mulheres diferentes;
  • o também idoso Horácio Cavilhas, de 109 anos de idade, apanhado a conduzir uma motorizada em contra-mão na auto-estrada, enquanto descascava cebolas. Segundo consta, já anteriormente o ancião havia sido avistado a temperar um cabrito inteiro na sua motorizada, enquanto sacava "cavalinhos" com a mesma;
  • o gasolineiro Telmo Corridas que começou misteriosamente a arder sozinho. As suas últimas palavras teriam sido: "Alguém me pode dar lume, por favor?", enquanto atestava o depósito a um jipe;
  • o delirante arquitecto Romicha Simões, esquizofrénico, premiado com o troféu "Viga de Grelo" pela construção do Centro de Investigação Espacial de Curral de Moinas. O edifício é invisível, já que terá sido construído com tijolos de ar comprimido e tinta de espirro;
  • o astrónomo Doutor Baptista Furão, auto-proclamado descobridor do planeta Victor Paulo;
  • o cantor popular Candeeiro Santos;
  • o astrólogo e vidente Professor Fartote, autor das previsões mais descabidas (e fracassadas) de toda a história da aldeia. É especialista em fazer previsões para o ano anterior;
  • O escritor de livros para adultos Rodízio Palha, autor de obras tão consagradas como o livro "Se apertares vais ver que sai mais!";
  • o pintor Damião Regueifa, cujos quadros foram roubados do Museu da aldeia. O guarda do Museu terá sido drogado pelos assaltantes, julgando tratar-se de uma injecção para as dores de cabeça;
  • o "suspensório negro de gandinismo" Mário Perdiz, director da Escola Politécnica;
  • o cabeleireiro Ivo Linhó, homossexual reprimido;
  • a Célia Careca, obscura personagem, eleita Miss Buço Molhado e amante da Viúva de Serzedelo;
  • a Lena Gorda, a vencedora do concurso Miss Curral de Moinas;
  • e a Piedade, conhecida pelo seu grande peito.



Referências

  1. a b c d e f Diário Digital (22-07-2013). Curral de Moinas chega ao cinema a 21 de Novembro. Visitado em 16/10/2013.