Curtiss JN-4

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou secção está a ser traduzido (desde maio de 2014). Ajude e colabore com a tradução.
Um Curtiss JN-4 Jenny, 1918.
Um Curtiss JN-4D no San Diego Air and Space Museum sendo restaurado.[1]

O Curtiss JN-4 "Jenny" foi um de uma série de biplanos de dois lugares construídos pela Curtiss Aeroplane Company de Hammondsport, que mais tarde se tornou a Curtiss Aeroplane and Motor Company.

Apesar de a série Curtiss JN ter sido originariamente produzida como avião de treinamento para o Exército Norte americano, o "Jenny" (apelido derivado da sigla "JN") continuou atuando depois da Primeira Guerra Mundial como avião civil, vindo a se tornar a "espinha dorsal" da aviação civil dos Estados Unidos no pós Guerra".[2]

Milhares de Jennys excedentes foram vendidos a preços baixos para o mercado privado depois da Guerra, tornando-o essencial no período conhecido como "barnstorming" que ajudou a despertar a aviação civil nos Estados Unidos durante a década de 20.[3]

Projeto e desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

O Curtiss JN-3, antecessor do JN-4, enviado para o México, ~1916.[4]

A Curtiss combinou as melhores características dos modelos "J" e "N" (ambos de treinamento), construídos para o Exército e para a Marinha, e começaram a produzir a série "JN" ou "Jenny" em 1915.[5] A Curtiss construiu apenas um pequeno número dos modelos JN-1 e JN-2. O projeto foi encomendado por Glenn Curtiss a Benjamin D. Thomas, projetista bem sucedido em outras empresas como a Vickers-Armstrongs e a Sopwith Aviation Company.[6]

O JN-2 era um biplano de asas de mesma envergadura com os ailerons sendo controlados por suportes de ombro localizados na cabine traseira.[7] Ele tinha uma performance deficiente, especialmente na subida devido ao peso excessivo. O melhorado JN-3 incorporava envergaduras diferentes com ailerons apenas nas asas superiores, controlados por uma espécie de "volante". Além disso, uma barra para os pés foi adicionada para controlar o leme.[8]

O modelo JN-2, foi entregue em julho de 1915 e entrou em serviço no mês seguinte. Depois de várias reclamações dos pilotos e dois acidentes com quedas, sendo um deles fatal, o comandante do esquadrão decidiu manter o modelo em terra até a chegada de um modelo revisado, o J-3, o que ocorreu em outubro quando dois exemplares do J-3 chegaram e os seis J-2 restantes foram reformados para essa nova versão. Em março de 1916 esse oito JN-3s foram enviados ao México para serviços de reconhecimento aéreo durante a "Expedição Pancho Villa" de 1916–1917.[4]

Depois do sucesso com o JN-3, a Curtiss produziu uma versão melhorada, conhecida como JN-4, recebendo pedidos do Exército Norte americano e em dezembro de 1916, do Royal Flying Corps para um avião de treinamento a ficar baseado no Canadá, esta última era chamada extra oficialmente pelo RFC de "JN-4 (Canadian)".[9] A versão canadense do JN-4, também conhecida como "Canuck", era construída com um bastão de controle no lugar do volante ao estilo Deperdussin usado nos demais JN-4, assim como outras alterações, incluindo: ailerons em todas as quatro asas, um leme maior e mais arredondado, e uma estrutura interna mais leve.[9]

O Curtiss JN-4 é possivelmente o avião Norte americano mais famoso da Primeira Guerra Mundial, tendo sido muito usado para treinar pilotos durante o conflito, com uma estimativa de que 95% dos treinandos tenham voado um JN-4.[10] Ele era um biplano biposto (estudante na frente do instrutor) de controle duplicado. Sua hélice em configuração de tração e a manobrabilidade, faziam dele a opção ideal para treinamento inicial de pilotos, com um motor V8 Curtiss OX-5 de 90 hp fornecendo velocidade máxima de 121 km/h e teto de serviço de 2.000 m.[8] [11]

Histórico operacional[editar | editar código-fonte]

Dois Curtiss JN-4D no Campo Taliaferro, Texas, ~1918.

Os britânicos usaram o JN-4 (Canadian) fabricado no Canadá pela Canadian Aeroplanes Ltd.[12] em conjunto com o Avro 504, para o treinamento primário de seus pilotos. Muitos dos pilotos do RFC aprenderam a voar nos JN-4, em Ontário e mais tarde nas instalações de inverno de Campo Taliaferro, Texas.[13]

Apesar de projetado especificamente como avião de treinamento, os "Jenny" foram extensivamente modificados enquanto em serviço para assumir outras funções. Devido a sua robustez e estrutura facilmente adaptável capas de ser modificada para uso de esquis como trem de pouso, ele voou durante anos, inclusive em condições de tempo muito adversas.[14] O compartimento removível atrás das cabines permitia o seu alongamento ou armazenamento de equipamentos e suprimentos adicionais, fazendo dos JN-4 a primeira "ambulância aérea", executando essa função durante a Guerra e nos anos seguintes a ela.[15] A maioria dos 6.813 Jennys construídos eram desarmados, no entanto, alguns tinham instaladas metralhadoras e compartimentos de bombas para treinamento avançado, exclusivamente em bases nos Estados Unidos. nenhum foi usado em serviço na Primeira Guerra Mundial.

A fábrica da Curtiss em Buffalo, Nova Iorque, era a maior fábrica desse tipo do Mundo, mas devido à enorme demanda, de novembro de 1917 a janeiro de 1919, seis diferentes fabricantes estiveram envolvidos na produção do modelo definitivo, o JN-4D.[10] A produção de peças sobressalentes ou recondicionadas, continuou até 1927, sendo que a maior parte dos últimos pedidos eram para o mercado civil do Canadá e dos Estados Unidos.[16]

Uma das muitas "performances" executadas por "wing walkers usando o JN-4.

A versão final do avião foi a JN-6, equipada com um motor Hispano-Suiza 8 (V8) de 150 hp, com a primeira encomenda sendo feira pela Marinha em 1918. Uma versão hidroavião foi construída para a Marinha, mas de tão modificada, era essencialmente um outro avião, designado N-9. No uso pelo exército, os JN-4 e JN-6 usavam a configuração JNS ("S" de "standardized"). Os "Jenny" permaneceu em serviço no exército dos Estados Unidos até 1927.[10]

Depois da primeira Guerra, milhares de "Jennys" foram vendidos para o mercado civil, incluindo um para Charles Lindbergh em maio de 1923 com o qual ele fez seu "voo solo".[17] [18] Aviões do estoque excedente do exército, também foram vendidos, alguns ainda "na caixa" por preços irrisórios entre $ 200 e $ 500, mas chegando a apenas $ 50 em algumas situações, literalmente "inundando" o mercado.[10] Como os voos comerciais e privados não eram regulamentados nos Estados Unidos na época, os pilotos encontraram nos "Jenny", com sua baixa velocidade e grande estabilidade, o avião ideal para voos de exibição e acrobacias dando origem ao período que ficou conhecido como "era barnstorming" entre as duas Grandes Guerras, juntamente com o quase idêntico Standard J-1. Alguns continuavam voando na década de 1930.[16]

A estrutura básica do JN-4 foi utilizada para produzir modelos mais modernos pelas empresas Weaver Aircraft Company / Advance Aircraft Company / Waco, como, por exemplo, o Waco 6.[16]

Variantes[editar | editar código-fonte]

Um JN-4 C227 "Canuck" (USAAS #39158) operado pelo Exército em 1918, hoje restaurado e exposto no Canada Aviation and Space Museum.
O desenvolvimento mais radical do Curtiss JN-4 foi o "Twin JN" (ou "Twin Jenny") poucos foram produzidos.
Um modelo Curtiss JN-6H pronto para decolar, ~1918.

Apesar de a primeira série de JN-4 ser virtualmente idêntica ao JN-3, a série JN-4 é considerada como a produzida baseada em pedidos de 1915–1919.[19]

  • JN-4A — Versão de produção do JN-4, 781 construídos.
  • JN-4B — Versão equipada com um motor OX-2, 85 construídos.
  • JN-4C — Versão experimental, apenas 2 construídos.
  • JN-4 (Canadian) ou Canuck — Versão construída no Canadá, 1.260 construídos.[20]
  • JN-4D — Versão melhorada usando algumas das características do Canuck, 2.812 construídos.
    • JN-4D-2 — Um protótipo apenas, com o suporte do motor revisado.[21]
  • JN-4H — treinador avançado equipado com o motor Hispano-Suiza 8, 929 construídos.
    • JN-4HT — Versão de dois lugares com controles duplos.
    • JN-4HB — Versão de treinamento de bombardeio.
    • JN-4HG — Versão de treinamento de artilheiro.
    • JN-4HM — Versão de comunicação (serviço postal) do JN-4HT, equipada com um motor Wright-Hisso E de 150 hp; seis foram convertidos e usados no primeiro serviço aéreo postal dos Estados Unidos (maio a agosto de 1918)
  • JN-5H — Versão de treinamento avançado, apenas um construído.
  • JN-6 — Versão melhorada do JN-5. 1.040 construídos.[22]
  • JN-6H — Versão melhorada do JN-6.
    • JN-6BH — Versão bombardeiro para treinamento.
    • JN-6HG-1 — Versão de dois lugares com controles duplos; 560 construídos, 34 para a Marinha.
    • JN-6HG-2 — Versão de treinamento de artilheiro; 90 construídos.
    • JN-6HO — Versão de treinamento de observador, 106 construídos.[22]
    • JN-6HP — Versão de treinamento de caça.
  • JNS ("standardized")  — Durante o pós Guerra e os primeiros anos da década de 20, cerca de 200 a 300 aviões do exército foram "atualizados" com um conjunto padrão de equipamentos.

"Especiais" e únicos[editar | editar código-fonte]

Uma das várias conversões do Curtiss JN-4 foi o Hennessey Monoplane de 1926.
  • Allison Monoplane — Conversão do JN-4 (Can) G-CAJL pela Allison Company, Kansas, que adaptou uma asa em parasol no lugar da configuração biplano; apenas uma conversão feita.[23]
  • Curtiss Special (1918) — Uma variante menor, de um só lugar, feita sob encomenda para Katherine Stinson, equipada com um motor OXX-6 de 100 hp.[24]
  • Ericson Special Three — Alguns aviões recondicionados pela Canadian Aeroplanes Ltd. equipados com uma terceira cabine.[10]
  • Hennessey Monoplane — [25] Conversão para monoplano de 1926 por James R. Hennessey, transporte de três lugares; equipado com um motor Curtiss OX-5 de 90 hp; envergadura: 11 m; comprimento: 7.6 m.[26]
  • Severski (1926) — Um JN-4 modificado com esquis no trem de pouso, apenas uma conversão feita pela Seversky.[27]
  • Sperry Monoplane — Conversão oferecida pela Sperry Company que montou uma asa parasol no lugar da configuração biplano.[28]
  • Twin JN — Versão maior e bimotor do JN-4, equipada com motores OXX-2. Construído em 1916 como JN-5 para missões de reconhecimento, entre várias outras modificações, ele tinha maior envergadura e um novo leme. Dois deles entraram em serviço pelo Exército americano na fronteira com o México em 1916–1917. Um total de oito foram construídos, dois serviram a Marinha.[22]

Usuários[editar | editar código-fonte]

Um JN-4 convertido em ambulância, operado pelas equipes médicas no Campo Taliaferro, ~1918.

Militares[editar | editar código-fonte]

Civis[editar | editar código-fonte]

Sobreviventes[editar | editar código-fonte]

O JN-4D em exibição no National Museum of the United States Air Force.
O Jenny "Daredevil Lindbergh's" em 1923

Cerca de 50 Jennys sobreviveram em museus e com proprietários privados.

  • JN-4C C227 - em exibição no Canada Aviation and Space Museum, Rockcliffe, Ontario.
  • JN-4C C308 - voa regularmente no Pioneer Flight Museum, Kingsbury, Texas.
  • JN-4C C496 - em exibição no Historic Aircraft Restoration Museum, Creve Coeur Airport, St. Louis, Missouri.
  • JN-4C C1122 - em condições de voo com Skeeter Carlson, Spokane, Washington.
  • JN-4C 10875 - de John Shue, York, Pennsylvania.
  • JN-4C C-AAI - parte do acervo do Reynolds-Alberta Museum, em Wetaskiwin, Alberta, Canadá.
  • JN-4D de 1917 - em exibição no Museum of Science and Industry em Chicago. Ele é exibido de cabeça para baixo próximo a um balcão para que detalhes do interior da cabine possam ser vistos.
  • JN-4D U.S. Army Air Corps 1282 - em exibição no Western Antique Aeroplane & Automobile Museum (WAAAM) em Hood River, Oregon.[30]
  • JN-4D, USAAC 2805 - em exibição no National Museum of the United States Air Force em Dayton Ohio. obtido de Robert Pfiel de Taylor, Texas em 1956.[31]
  • JN-4D Signal Corps 2975, c/n 450 - construído em 1918, em exibição no Virginia Aviation Museum, Richmond, Virgínia, alugado de Ken Hyde, Warrenton, Virgínia.
  • JN-4H, restaurado como "U.S. Navy 6226" (ex-USAAS "38262") - equipado com um raro motor Hispano-Suiza 8, em exibição no Old Rhinebeck Aerodrome em Rhinebeck, Nova Iorque. Ainda está em condições de voo e ocasionalmente voa em shows aéreos.[32]
  • JN-4D U.S. Army Air Corps "2525" - em exibição no Call Aviation Field Memorial Exhibit no Kickapoo Air Park em Wichita Falls, Texas. Ele voa no primeiro sábado de cada mês quando as condições de tempo permitem.[33]
  • JN-4D c/n. 4904 - em exibição no EAA AirVenture Museum, Oshkosh, Wisconsin.
  • O Cradle of Aviation Museum em Long Island tem dois "Jennys" em exibição. Um deles é o avião que pertenceu a Charles Lindbergh, com o qual ele fez shows aéreos antes do seu voo transatlântico. Lindbergh comprou esse avião por $ 500 em maio de 1923, e vendeu para um de seus alunos em outubro. Ele foi reformado por esse último nos anos 70 e está sendo alugado do Long Island Early Fliers Club.[34]
  • Um JN-4D construído em 1917 foi restaurado a condição de voo. Esta em exibição, e disponível para voos no Golden Age Air Museum no Grimes Airport, Bethel, Pennsylvania.[35]
  • Um JN-4D construído em 1918 foi restaurado a condição de voo. Esta em exibição na Flying Heritage Collection em Paine Field em Everett, WA. Ele é o item "3712" do U.S. Army Air Corps baseado em March Field, CA.

Especificação (JN-4D)[editar | editar código-fonte]

Esquema em três vistas
do "Jenny" JN4-D2.

Estas são as características do "Jenny" JN-4D[36]

  • Características gerais:
    • Tripulação: dois
    • Comprimento: 8,33 m
    • Envergadura: 13,3 m
    • Altura: 3,01 m
    • Área da asa: 32,7 m²
    • Peso vazio: 630 kg
    • Peso máximo na decolagem: 871 kg
    • Motor: 1 x Curtiss OX-5, V8, refrigerado à água, de 90 hp.
  • Performance:
    • Velocidade máxima: 121 km/h
    • Velocidade de cruzeiro: 97 km/h
    • Autonomia: 2 horas
    • Teto de Serviço: 2.000 m

Curiosidade[editar | editar código-fonte]

O selo "Inverted Jenny"[editar | editar código-fonte]

O "Inverted Jenny".

O selo raro, conhecido como "Inverted Jenny" foi resultado de um erro do operador, que depois de ter impresso a vinheta central em azul com a figura do Curtiss JN-4HM #38262 do Exército (primeiro avião postal), em uma prensa de controle manual, imprimiu a moldura em vermelho invertida em apenas uma página de 100 selos, numa outra prensa.[37]

Como essa "inversão" ocorreu em apenas uma página, este selo passou a ser o erro de impressão mais raro e de maior valor conhecido pelo USPOD de todos os tempos. Um único exemplar desse selo (posição 57 na página em questão), foi vendido num leilão em 2007 por nada menos que $ 977.500,00.[38]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. "Aircraft Collections." San Diego Air and Space Museum. Retrieved: 6 September 2011.
  2. Auliard 2009, p. 44.
  3. Rumerman, Judy. "The Curtiss JN-4 "Jenny". U.S. Centennial of Flight Commission, 2003.
  4. a b House 2003 p. 168.
  5. Roseberry 1972, p. 477.
  6. Angelucci 1973, p. 41.
  7. Bowers 1966, p. 7.
  8. a b Donald 1997, pp. 279–280.
  9. a b Molson and Taylor 1982, p. 219.
  10. a b c d e Winchester 2004, p. 88.
  11. "The Engine that Saved Aviation: OX-5." Air Classics, Issue 3, Fall 1965, p. 30.
  12. Molson and Taylor 1982, p. 225.
  13. Chajkowsky 1979, p. 55.
  14. "Royal Flying Corps Starts Training in Toronto." abheritage.ca. Retrieved: 10 September 2011.
  15. Hurd and Jernigan 2002, p. 7.
  16. a b c Winchester 2004, p. 89.
  17. Lindbergh 1927, pp. 39–43.
  18. "Charles Lindbergh's First Solo Flight & First Plane." Charles Lindbergh official site.
  19. Auliard 2009, pp. 46–47.
  20. Molson and Taylor 1982, pp. 225–226.
  21. Auliard 2009, p. 46.
  22. a b c Auliard 2009, p. 47.
  23. Molson 1964, p. 62.
  24. Chalmers, John. "You've Got Mail... an Alabaman Aviatrix in Alberta: Katherine Stinson and the Curtiss Special." Vintage News, Retrieved: 10 September 2011.
  25. "Hennessey Monoplane." San Diego Air and Space Museum Archives. Retrieved: 6 September 2011.
  26. "Hennessey." Aerofiles. Retrieved: 6 September 2011.
  27. "Severski." Aerofiles. Retrieved: 10 September 2011.
  28. "Sperry 'Commercial' Wing." Flight, 23 July 1921.
  29. Molson 1974, p. 4.
  30. "1917 Curtiss JN-4D, WAAAM's Crown Jewel." waaamuseum.org. Retrieved: 5 September 2011.
  31. United States Air Force Museum 1975, p. 8.
  32. "JN-4H Old Rhinebeck Aerodrome." oldrhinebeck.org. Retrieved: 4 October 2009.
  33. "JN-4D 'Jenny'." The Museum of North Texas History. Retrieved: 4 September 2011.
  34. "Curtiss JN-4 'Jenny', Buffalo, NY, 1918." Cradle of Aviation Museum, 2010. Retrieved: 5 September 2011.
  35. "1918 Curtiss JN4D 'Jenny'." Golden Age Air Museum. Retrieved: 10 September 2011.
  36. Donald 1997, p. 280.
  37. "24c Curtiss Jenny invert single." Smithsonian National Postal Museum. Retrieved: 4 September 2011.
  38. "Robert A. Siegel Auction #946a." SiegelAuctions.com.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Kroschel, Günter; Stützer, Helmut: Die deutschen Militärflugzeuge 1910-18, Wilhelmshaven 1977
  • Munson, Kenneth: Bomber 1914–19, Zürich 1968, Nr. 20
  • Nowarra, Heinz: Die Entwicklung der Flugzeuge 1914-18, München 1959
  • Sharpe, Michael: Doppeldecker, Dreifachdecker & Wasserflugzeuge, Gondrom, Bindlach 2001, ISBN 3-8112-1872-7

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Curtiss JN-4