Décimo Júnio Silano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde março de 2011)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

Décimo Júnio Silano (em latim, Decimus Iunius Silanus) foi um político romano que viveu no Século I a.C., elegendo-se Cônsul em 62 a.C.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Edil em 70 a.C., Décimo Silano fracassou ao tentar se eleger Cônsul, em 63 a.C., mas voltou a candidatar-se no ano seguinte e conseguiu ser eleito, junto com Lúcio Licínio Murena, derrotando Lúcio Sérgio Catilina, que também fracassara no ano anterior e que, por conta dessa segunda derrota, tentou tomar o poder pela força (Conjuração de Catilina). No exercício da função de Cônsul, Silano propôs e fez aprovar a Lei Júnia Licínia, que confirmava e reforçava a Lei Cecília Dídia.

Foi o segundo esposo de Servília Cepião:, de quem se divorciou por adultério (com Caio Júlio César). Com ela teve três filhas, uma das quais casou-se com o triúnviro Lépido, e outra com Caio Cássio Longino, um dos assassinos de César. Foi também o padrasto de Marco Júnio Bruto, filho do primeiro marido de Servilha.

Silano morreu após uma longa enfermidade.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Cicero. The correspondence of M. Tullius Cicero, Volume 1. Edition 2, 1885 (Google Books)
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.