DFTV

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde novembro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
DFTV
Logotipo do telejornal
Informação geral
Formato Telejornal
Duração 1ª edição: 50 Minutos (12:00 às 12:50)
2ª edição: 20 Minutos (19:10 às 19:30)
Criador(es) Central Globo de Jornalismo
País de origem  Brasil
Idioma original (em português)
Produção
Diretor(es) Mariano Boni de Mathis (local)
Ali Kamel e Silvia Faria (DGJE)
Apresentador(es) Fábio William (1ª edição)
Antônio de Castro (2ª edição)
Tema de abertura Instrumental
Exibição
Emissora de
televisão original
Brasil TV Globo Brasília (Rede Globo)
Formato de exibição 1080p (HDTV)
Transmissão original 3 de janeiro de 1983 - presente
Cronologia
Programas relacionados Praça TV

DFTV[1] é um telejornal local brasileiro transmitido pela TV Globo Brasília para todo o Distrito Federal. É exibido ao meio-dia e às 19h00, na faixa destinada aos telejornais locais da Rede Globo (Praça TV). Estreou em 1983. Atualmente, é apresentado por Fábio William (1ª edição) e Antônio de Castro (2ª edição). e eventualmente por Flávia Alvarenga, Fred Ferreira, Guilherme Portanova e Kenzô Machida.

História[editar | editar código-fonte]

A estreia do DFTV, em janeiro de 1983, às 19h48, foi concomitante com o lançamento de telejornais similares em São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco e Minas Gerais. A ideia era dar mais voz ao jornalismo local na programação da Rede Globo, com matérias de serviço e comentários sobre os fatos mais importantes do dia, conferindo maior identidade ao noticiário regional, até então incorporado aos principais telejornais da emissora.

Exibido antes do Jornal Nacional, tinha 10 minutos de duração e era dividido em três blocos de cerca de três minutos cada, com reportagens ao vivo, notícias sobre esporte, cobertura meteorológica e informações sobre o trânsito da região. Também incluía comentários sobre política e economia, além de uma parte dedicada a serviços. Antônio Britto era o editor regional e Alberico Souza Cruz respondia pela direção de telejornais comunitários.

Seis meses após a estreia, o DFTV ganhou uma edição às 12h40 – com noticiário, entrevistas de estúdio e uma agenda cultural –, e a edição noturna passou a entrar no ar mais cedo, às 19h45. A exemplo dos demais telejornais regionais, o DFTV - 1ª edição saiu do ar em 1989 e só retornou à grade em 1992, antes do Jornal Hoje.

O DFTV também teve uma terceira edição (de março de 1983 a maio de 1989), que ia ao ar logo após o Jornal da Globo e se dividia em dois blocos: o primeiro era reservado à cobertura dos fatos ocorridos depois da segunda edição, atualizando os acontecimentos do fim de noite; o segundo bloco apresentava colunas de esporte, política, economia e cultura, com colunistas locais que, acionados de acordo com a necessidade, davam notícias exclusivas e analisavam os fatos de suas respectivas áreas.

Um dos jornais mais tradicionais de Brasília, o DFTV foi remodelado em 2000, passando a ter 40 minutos em sua primeira edição. Com a proposta de investir mais na cobertura comunitária, abriu espaço para ouvir os moradores das cidades do Distrito Federal, contribuindo para a busca de soluções para os problemas locais. A população passou a usar o jornal como aliado, cobrando, ao vivo, o engajamento das autoridades em questões como a falta de urbanização dos assentamentos recém transformados em cidades, violência, falhas no atendimento à saúde e deslizes na educação. Assuntos como esses viraram temas de debate na bancada do telejornal, assume a chefia de edição e apresentação do jornal Alexandre Garcia, que inicialmente dividiu bancada com Marcia Zarur.

De 2003 a 2006, primeira edição do telejornal sofreu modificações para se tornar mais dinâmico e atender melhor às reivindicações dos brasilienses. Foi reduzido de 40 para 30 minutos e procurou ampliar seu foco. Sem abandonar os problemas do dia-a-dia, apostou em reportagens especiais, orientações para o consumidor, uma cobertura política mais ampla e matérias de Economia para auxiliar no orçamento doméstico. Em 2004 Márcia Zarur foi substituída por Fernanda de Bretanha.

Já teve como apresentadores, entre outros, André Duda (primeira edição), Leila Sterenberg (primeira edição), Luiz Carlos Braga (segunda edição) e Carlos Monforte (segunda edição). Desde abril de 2010, o DFTV já apresenta novo cenário, seguindo a reformulação operada em vários telejornais locais. Os cenários ganharam mais mobilidade e versatilidade, dando um tom "informal" ao telejornal. Em dezembro de 2011, o jornal passou a ser nos mesmos moldes da 1ª edição do SPTV e RJTV, com apenas um apresentador. Assim, após 12 anos à frente da 1ª edição do DFTV, Alexandre Garcia deixa o jornal(continuando como comentarista), juntamente com sua colega de bancada Liliane Cardoso(que passou ppra editoria-especial do telejornal), foram substituídos por Fábio William.

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Televisão no Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.