Dagoberto de Pisa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Daimbert ou Dagoberto (~1050Messina, 15 de Junho de 1107) foi arcebispo de Pisa e posteriormente patriarca do Reino Latino de Jerusalém, sucedendo a Arnulfo de Rohes. Contendas e rivalidades com o rei Balduíno I de Jerusalém resultaram na sua expulsão em 1101. Em 1102 foi reencorporado graças a Tancredo da Galileia, mas novamente demitido. Partiu para Antioquia, onde lhe foi dada a custódia igreja de S. Jorge. Em 1105 conseguiu convencer o Papa Pascoal II a apoiá-lo, mas após grave doença, acabou falecendo em 1107.

Legado do Papa[editar | editar código-fonte]

Enquanto bispo de Pisa, Daimbert revelou energia e interesse pela guerra contra os árabes Em 1098, foi nomeado pelo Papa Urbano II seu representante na corte de Afonso VI de Leão e Castela, demonstrando novamente competência, mas também actos de corrupção no seu papel de organizar a igreja no território tomado aos mouros. Teria retirado para si próprio, segundo os boatos, parte do dinheiro enviado ao papa pelo monarca de Leão. O seu vigor, porém, levou Urbano a, aquando da morte de Ademar de Monteil, escolher Daimbert para o cargo de legado papal na Primeira Cruzada. Durante a sua viagem para o Oriente, pilhou as várias ilhas no Egeu, pertencentes ao Império Bizantino. o imperador enviou uma frota que, contudo, não conseguiu capturar os pisanos.

Patriarca de Jerusalém[editar | editar código-fonte]

Após ter acostado em Lataquia, onde foi bem recebido pelas tropas sitiantes de Boemundo I de Antioquia, Dagoberto iniciou a sua peregrinação a Jerusalém, acompanhado do mesmo e do conde de Edessa. Quando, a 21 de Dezembro de 1099, chegou à cidade Santa, conseguiu a deposição do actual patriarca, Arnulfo de Rohes, baseando-se em que a sua eleição não fora canónica. Com o apoio de Boemundo, conseguiu ser eleito para o cargo.

Descontente, todavia, com a sua posição,acabou por conseguir de Godofredo de Bulhão, defensor do sancto sepulcro, a entrega de Jaffa e Jerusalém, com a condição de que Godofredo as podesse guardar até à sua morte ou à conquista de duas grandes cidades árabes. Aquando da morte de Godofredo, a 18 de Julho de 1100, Daimbert tentou contactar Boemundo, para lhe pedir que impedisse Balduíno I de Edessa de vir suceder a seu irmão, pois os partidários do mesmo já se haviam apoderado da Torre de David, cidadela de Jerusalém. Segundo a lei, o controlo da cidade santa devia ter passado para Daimbert. Todavia, o mensageiro encarregue de levar a mensagem a Boemundo parou em Lataquia, e foi capturado pelos soldados de Raimundo IV de Toulouse. Contra-vontade, Dagoberto teve de coroar Balduíno no dia de Natal.

Devido às constantes queixas sobre Daimbert, feitas ao papa, este, para resolver a questão, enviou como núncio Maurício, bispo-cardeal do Porto. Maurício chegou à palestina um pouco antes do festejo da Páscoa. Balduíno apressou-se a, mostrando a carta enviada a Boemundo, denunciar o patriarca, afirmando, falsamente, de que este o tentara assassinar durante a sua peregrinação. Preocupado, Daimbert implorou perdão a Balduíno, oferecendo trezentos besantes. O rei precisava de dinheiro, pelo que aceitou, dizendo ao núncio que perdoara o patriarca.

Quando, meses mais tarde, Balduíno teve novas necessidades financeiras, pediu dinheiro a Dagoberto, que lhe deu duzentos marcos, dizendo que era tudo quanto tinha. Partidários de Arnulfo, porém, desmentiram-no. Balduíno ficou enfurecido já que, para mais, no Outono, o princípe de Apúlia, Rogério, fizera uma oferta de mil besantes: um terço para o patriarcado, um terço para a ordem dos Hospitalários e o restante para o rei. Daimbert ficou com tudo, e Maurício não teve hipótese a não ser expulsá-lo. O ex-patriarca foi para Antioquia, onde Tancredo lhe deu a custódia da igreja de S. Jorge. O núncio assumiu a função de substituto, vindo, todavia, a morrer em 1102.

Durante o Outono, o rei apelou a Tancredo, que negociou exigindo a reencorporação de Daimbert no Patriarcado. Balduíno, que precisava de auxílio militar, aceitou. Nessa altura, contudo, chegou um novo enviado do papa, Roberto, cardeal de Paris. A questão foi resolvida em julgamento, e Daimbert foi novamente expulso, regressando à igreja de S. Jorge.

Anos mais tarde, em 1105, Dagoberto foi a Roma e acabou por persuadir o Papa Pascoal II para a sua causa. Porém, quando, triunfante, voltava para a Palestina para que lhe fosse restituído o cargo de patriarca, ficou gravemente doente e acabou por falecer em Messina a 15 de Junho de 1107.

Precedido por
Arnulfo de Rohes
Armoiries de Jérusalem.svg
Patriarca Latino de Jerusalém

1099 - 1101
Sucedido por
Evremar de Therouannes

Ver também[editar | editar código-fonte]