Dança de Portugal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A dança em Portugal caracteriza-se pelo folclore português que varia e toma diferentes formas consoante as diferentes regiões do país. Das muitas danças de folclore que existem, podem destacar-se o fandango, a dança de roda, a valsa de dois passos, a chotiça, o corridinho, o vira e o verde-gaio. Recentemente, em particular ao longo do século XX, apresentou-se ainda uma modernização e adaptação de técnicas praticadas a nível internacional como a Dança Clássica, a Dança Moderna ou a Dança Contemporânea.

Folclore português[editar | editar código-fonte]

Algarve[editar | editar código-fonte]

O corridinho é uma das danças tradicionais de maior expressão no Algarve. É dançado aos pares, as moças por dentro e os rapazes por fora. Giram no mesmo lugar, movendo os pés de forma rápida. Apesar de ser no Algarve que atinge maior notoriedade, também na Estremadura faz parte do folclore local.

Madeira[editar | editar código-fonte]

Nas diferentes regiões de Portugal há diferentes tradições, e a Madeira não é excepção. O Bailinho da Madeira, ou simplesmente bailinho, é a dança típica mais conhecida da ilha. É acompanhada do brinquinho - o instrumento regional tradicional, feito com castanholas, fitilhos e bonecos de paus, vestidos com o traje regional, que quando chocalhados contra a cana que os sustem, emite som.

Minho[editar | editar código-fonte]

O Minho, sobretudo o Alto Minho, é rico em danças tradicionais, das quais se destacam o Vira, a Cana Verde e o Malhão. O que mais sobressai delas, à parte da dança propriamente dita, é o vestuário das mulheres, que com as suas cores e acessórios variados, adornam o bailado, deixando o ambiente mais bonito e elegante.

Ribatejo[editar | editar código-fonte]

No Ribatejo a dança com maior difusão é o Fandango. É uma espécie de dança da sedução, o homem gira em torno da mulher cantando e gritando de forma entusiástica. Por vezes a dança é feita por dois homens que "competem", um contra o outro, frente a frente, sapateando o melhor que poderem.

Trás-os-Montes[editar | editar código-fonte]

Em Trás-os-Montes, os Pauliteiros de Miranda fazem uma ginga que se mostra muito relevante no folclore da região. Um grupo de homens vestidos com trajes típico enfrentam-se uns aos outros com palotes. A dança evolui com o som ritmado dos palotes a baterem e os movimentos dos intervenientes. Nestas "danças-combates" não entram mulheres, e o seu símbolo é a Capa de Honra.

Douro Litoral[editar | editar código-fonte]

Na província do Douro Litoral, o folclore é rico em danças tradicionais, que são: a "Chula" (dança original do Douro, como dizia Pedro Homem de Mello nos seus programas da RTP), os "Malhões", os "Viras", e as "Rusgas". A província do Douro tem como capital o Porto, que como dizem os periodicos é a 2.ª cidade do Reino. O Folclore do Douro Litoral é um folclore muito mais rico, não tanto como o do Minho, mas um folclore mais alegre do que o das Beiras, Alentejo, e Trás-os-Montes.

Dança performativa[editar | editar código-fonte]

No último século, os intercâmbios culturais entre países de todo o mundo deram origem a escolas que ensinam estilos de dança internacionais. Exemplos disso são: ballet, o tango, o hip-hop, o tecktonik, o kuduro, o samba, a salsa, entre outros.

Ensino da dança[editar | editar código-fonte]

Em Portugal o ensino da dança ocorre geralmente em academias amadoras ou, quando falando de ballet clássico, em escolas certificadas associadas à Royal Academy of Dance. Para além destas instituições, existem três com maior reconhecimento nacional e internacional. São elas a Escola de Dança do Conservatório Nacional (EDCN) em Lisboa, a Academia de Dança Contemporânea de Setúbal (ADCS) e o Ginasiano Escola de Dança em Vila Nova de Gaia.

Situada em Lisboa, encontra-se desde 1987 a Escola de Dança do Conservatório Nacional, inserida na estrutura do Conservatório Nacional de Lisboa. A EDCN é uma escola totalmente pública que no seu currículo integra as disciplinas da dança bem como a formação geral, do 2º ciclo ao Secundário.[1]

A Academia de Dança Contemporânea de Setúbal (ADCS) foi fundada em 1982 como o nome indica, em Setúbal. Sendo assim a primeira academia de dança em Portugal a ser reconhecida pelo Ministério da Educação que a patrocina desde 1986. Como fundadores, a ADCS teve Maria Bessa e António Rodrigues, que a dirigiram até 2003 e hoje diretores artísticos da CeDeCe - Companhia de Dança Contemporânea que fundaram também em 1992. A academia recebe ainda apoio por parte da Câmara Municipal de Setúbal desde o início da sua atividade.

O Ginasiano Escola de Dança é uma escola privada com estatuto de utilidade pública em Vila Nova de Gaia. Fundado em 1987, o Ginasiano mantém uma rede de laços com autarquias, instituições de fins culturais e outros, o próprio Ministério da Educação, entre outros, que lhe permite afirmar-se como foco de formação e divulgação cultural no Norte de Portugal[2] . Aliada à escola está a Kale Companhia de Dança que após vários anos como companhia-escola, apresenta-se desde 2013 como companhia profissional.

No ensino superior, ao contrário de muitos outros países Europeus que possuem várias instituições, Portugal apresenta somente uma instituíção autorizada a formar alunos a nível universitário. Essa instituição é a Escola Superior de Dança que se encontra em actividade desde 1983 sob a alçada do Instituto Politécnico de Lisboa, em Lisboa.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Escola de Dança do Conservatório Nacional.
  2. Ginasiano Escola de Dança.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre Arte ou História da arte é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.