Dan Stulbach

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes fiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde agosto de 2012) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes fiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes fiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Dan Stulbach
Stulbach em 2003.
Nome completo Dan Filip Stulbach
Nascimento 26 de setembro de 1969 (44 anos)
São Paulo, São Paulo
 Brasil
Ocupação Ator, diretor, diretor artístico
Página oficial
IMDb: (inglês)

Dan Filip Stulbach (São Paulo, 26 de setembro de 1969) é um ator e diretor brasileiro.

Após ter somente se dedicado a peças de teatros e ao cinema, Stulbach acabou ficando conhecido ao interpretar Marcos Soares, um personagem de polêmica da telenovela Mulheres Apaixonadas, na Rede Globo, em 2003. Chegou ao seu primeiro papel protagonista na televisão com a minissérie Queridos Amigos, em 2008, baseada no livro Aos Meus Amigos de Maria Adelaide Amaral. No cinema, fez alguns filmes, entre eles Cronicamente Inviável (2000), Viva Voz (2003), Mais Uma Vez Amor (2005), Dias e Noites (2008), Tempos de Paz (2009) e A Suprema Felicidade (2010). Desde 2007, é diretor artístico do Teatro Eva Herz, localizado em sua cidade natal.

Biografia[editar | editar código-fonte]

É o primeiro membro de uma pequena família de imigrantes de judeus poloneses a nascer no Brasil. Tem apenas uma irmã, que é nutricionista e mãe de seu único sobrinho. Em casa, cresceu ouvindo a língua polonesa e as histórias que o avô lhe contava sobre a vida na Polônia, devastada durante a Segunda Guerra Mundial.

Indeciso a respeito da profissão que deveria seguir, prestou vestibular – e foi aprovado – em Medicina, Administração e Engenharia. Cursou um ano a faculdade de Engenharia, mas acabou por se formar em Comunicação Social, na Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM). Também frequentou a Escola de Arte Dramática da USP. Na ESPM, criou o grupo de teatro Tangerina, que existe até hoje. Durante oito anos dirigiu espetáculos do grupo, que venceu diversos festivais de teatro amador. É casado com uma santamarense, Simone Ferreira Souza. Optaram por não ter filhos.

Viveu em San Diego, Califórnia, por quase um ano. Lá estudou inglês e trabalhou como pipoqueiro e bilheteiro de cinema. Com o dinheiro que ganhou, passou uma temporada em Nova York, onde pôde assistir dezenas de peças de teatro.

Stulbach é frequentemente apontado como sendo semelhante ao ator americano Tom Hanks, tendo sido inclusive satirizado como tal pelo grupo de comediantes Casseta e Planeta.[1] [2]

Vida profissional[editar | editar código-fonte]

Teatro[editar | editar código-fonte]

Seu primeiro personagem no teatro amador foi em uma adaptação de Sonho de uma Noite de Verão, de Shakespeare. Sua estréia profissional foi protagonizando Peer Gynt, de Ibsen. Fã de Paulo Autran, que conheceu ainda no início da carreira e de quem viria a se tornar amigo, trabalhou em Visitando o Sr. Green. Fez também assistência de direção com Elias Andreato, Marco Nanini e Naum Alves de Souza.

Em 2002 entrou em cartaz com o espetáculo Novas Diretrizes em Tempos de Paz, e, após duas trocas de elenco, passou a ter Tony Ramos como companheiro de cena. O espetáculo, grande sucesso de crítica e público, rendeu ao ator prêmios importantes no cenário cultural brasileiro. Entre eles, recebeu: o da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) e o Prêmio Shell de melhor ator, por sua interpretação de Clausewitz, em Novas Diretrizes em Tempos de Paz, peça de Bosco Brasil que foi transformado em filme, sob a direção de Daniel Filho.[3]

Em 2006 integrou o elenco da peça Dúvida, dirigida por Bruno Barreto.

Em 2010 realizou, junto com Danton Mello, a peça 39 Degraus, baseada em obra de Alfred Hitchcock.

Atualmente, é diretor artístico do Teatro Eva Herz, localizado na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, em São Paulo.

Televisão[editar | editar código-fonte]

Stulbach fez sua estréia na televisão na novela O Amor Está no Ar em 1997. Ele participou de alguns capítulos até o último, fazendo o personagem Horácio. Após um longo intervalo, Stulbach voltou a televisão em 2001 na minissérie Os Maias, interpretando Kraft, um aristocrata inglês. No ano seguinte, em 2002, Stulbach faz uma participação especial na novela Esperança, intepretando o personagem André.

Em 2003, Stulbach teve uma grande alavanca em sua carreira ao interpretar Marcos, na novela Mulheres Apaixonadas de Manoel Carlos. Marcos era um homem violento e controlador, que sempre chegava a agredir sua mulher, Raquel, interpretada por Helena Ranaldi. Manoel Carlos convidou Stulbach para participar da novela, enquanto este estava com a peça Novas Diretrizes em Tempos de Paz. Inicialmente, foi decidido que ele faria somente participações em alguns capítulos da novela mas seu personagem acabou chamando tanta atenção, que ficou até o final. Marcos passou a ser o grande vilão da trama, e o único da carreira de Stulbach até então. Posteriormente ele faria um vilão cômico na série Som & Fúria. Com Marcos, Stulbach passou a ter grande destaque na imprensa, chegando a repercutir até na política. Na época da novela, Dan e Helena Ranaldi foram a Brasília visitar o então Presidente Luís Inácio Lula da Silva, como um incentivo de mudar a lei da violência contra a mulher, assunto abordado entre os personagens dos dois atores na trama. Sua atuação também foi aclamada chegando a ganhar vários prêmios, entre eles, o Troféu Imprensa de Melhor Ator, o Troféu APCA de Melhor Ator e o Prêmio Contigo de Melhor Revelação. Além disso, foi reconhecido e parodiado como um "sósia" brasileiro de Tom Hanks, devido à semelhança física com o ator norte-americano. Ainda em 2003 depois de Mulheres, Stulbach participou de um dos especiais de fim de ano da Rede Globo, contracenando com Cláudia Jimenez em Papo de Anjo; e também em um dos episódios de Casseta & Planeta, Urgente!.

No ano seguinte, em 2004, Stulbach participou da novela Senhora do Destino de Aguinaldo Silva. Nessa novela, Stulbach deixou a imagem ruim que havia ganhado com o seu personagem de Mulheres Apaixonadas quando interpretou Edgard Legrand, um rapaz bom e trabalhador.

Em 2006, Stulbach fez a minissérie JK, interpretando Zinque, um rapaz que sempre sonhou em seguir a vida religiosa mas era impedido pela postura rigorosa e violenta do pai. Ainda em 2006, participou do especial Por Toda Minha Vida, intepretando Luís Carlos Miele, num episódio em homenagem a Elis Regina.

Em 2007, fez a minissérie Amazônia, de Galvez a Chico Mendes. Stulbach interpretou Leandro, um rapaz que se apaixona pela própria cunhada, Risoleta, interpretada por Julia Lemmertz. O romance entre os dois passa a ser proibido por conta da ira do irmão de Leandro e marido de Risoleta, Augusto, interpretado por Humberto Martins.

No ano seguinte ele interpretou o seu primeiro papel principal na televisão, na minissérie Queridos Amigos, baseada no livro Aos Meus Amigos de Maria Adelaide Amaral.

Em 2009, fez a minissérie Som & Fúria dirigida por Fernando Meirelles e baseada na série canadense Slings & Arrows. A série mostrava o cotidiano de uma equipe teatral, que tinha como objetivo realizar uma peça de Shakespeare. Stulbach interpretou Ricardo Silva, o diretor financeiro da equipe.

Em 2010, participou da série Afinal, o Que Querem as Mulheres?, intepretando Jonas, um rapaz de índole correta que sabe cozinhar, cantar e tocar violão. Ainda em 2010, Stulbach integra o novo elenco do programa do canal GNT, Saia Justa.

O ano de 2011 marcou sua volta às novelas, desde Senhora do Destino em 2004. Ele trabalhou na novela Fina Estampa de Aguinaldo Silva (também autor de Senhora...), interpretando Paulo Siqueira. Um homem que sofre várias complicações com sua mulher Esther (Júlia Lemmertz) por ser estéril e também não aceitar que ela faça uma inseminação artificial.

Cinema[editar | editar código-fonte]

Seu primeiro longa-metragem foi o filme Cronicamente Inviável dirigido por Sérgio Bianchi. O filme foi filmado em 1997 mas só chegou a ser lançado em 2000.

Em 2000, fez o filme Mater Dei, dirigido por Vinícius Minardi.

Em 2001, Stulbach gravou o filme Viva Voz, que chegou a ser lançado somente em 2004. O filme foi dirigido por Paulo Morelli.

Em 2005, fez o primeiro filme após o sucesso de seu personagem em Mulheres Apaixonadas, chamado Mais Uma Vez Amor, dirigido por Rosane Svartman.

No ano seguinte, participou de uma produção americana chamada Living the Dream e em 2008, fez o filme Dias e Noites.

Em 2009, retornou a interpretar Clausewitz da peça Novas Diretrizes em Tempos de Paz, em sua versão cinematográfica chamada Tempos de Paz, dirigida por Daniel Filho.

Em 2010, fez A Suprema Felicidade, filme que marca a volta do diretor Arnaldo Jabor ao cinema, após duas décadas afastado.

Rádio[editar | editar código-fonte]

Stulbach sempre expressou sua vontade em fazer um trabalho ligado ao rádio. Em 2006, entrou na rádio CBN com o programa Fim de Expediente, como apresentador. Inicialmente, Stulbach apresentava o programa junto com o escritor José Godoy, o cirurgião-dentista Rodrigo Guerreiro Bueno de Moares e com o economista Luiz Gustavo Medina. Em 2007, Rodrigo deixou o programa, ficando somente Stulbach, Godoy e Medina no comando até hoje. Fim de Expediente é apresentado todas as sextas-feiras, e na última sexta-feira do mês ou em ocasiões especiais o programa é apresentado ao vivo diante de platéia no Teatro Eva Herz, do qual Stulbach é diretor artístico.

Videogames[editar | editar código-fonte]

Em 2013, Stulbach participou da dublagem de Battlefield 4, interpretando o protagonista Sgt. Clayton 'Pac' Pakowski.

Esporte

Comentou a Copa do Mundo de 2014 pela ESPN Brasil.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Televisão
Ano Título Papel Nota
1997 O Amor Está No Ar Horácio
2001 Os Maias Craft Minissérie
2002 Esperança André Participação especial
2003 Mulheres Apaixonadas Marcos Soares Prêmio Contigo! de Melhor Ator Revelação
Prêmio Qualidade de Melhor Ator Coadjuvante (Rio de Janeiro)
Prêmio Qualidade de Melhor Ator Coadjuvante (São Paulo)
Troféu APCA de Melhor Ator
Troféu Imprensa de Melhor Ator
Papo de Anjo Anjo Gabriel Especial
2004 Senhora do Destino Edgard Legrand Indicado – Prêmio Contigo! de Melhor Par Romântico (com Carolina Dieckmann)
2006 Por Toda Minha Vida Luís Carlos Miele Especial
JK Zinque Minissérie
Indicado – Prêmio Contigo! de Melhor Ator Coadjuvante
2007 Amazônia, de Galvez a Chico Mendes Leandro Minissérie
2008 Queridos Amigos Léo Minissérie
Indicado – Prêmio Contigo! de Melhor Ator
Indicado – Prêmio Qualidade de Melhor Ator
2009 Som & Fúria Ricardo Silva Minissérie
Norma Fernando Série
2010 Afinal, o Que Querem as Mulheres? Jonas Série
2011 Fina Estampa Paulo Siqueira
2014 Encontro com Fátima Bernardes Apresentador (Ele Mesmo) Apresentador durante as férias de Fátima
Segunda Dama Paulo Hélio Garcez [4] Série
Cinema
Ano Título Papel Nota
2000 Mater Dei Diogo
Cronicamente Inviável Adam Filmado em 1997
2003 Viva Voz Duda Filmado em 2001
2005 Mais Uma Vez Amor Rodrigo
2006 Living the Dream Val
2008 Dias e Noites Felipe
2009 Tempos de Paz Clausewitz Baseado na peça Novas Diretrizes em Tempos de Paz
Prêmio Contigo! Cinema de Melhor Ator
Indicado – Grande Prêmio Vivo do Cinema Brasileiro – Melhor Ator
Som & Fúria – O Filme Ricardo da Silva
2010 A Suprema Felicidade Marcos
2011 Onde Está a Felicidade? Amigo no jantar
Teatro
Ano Título Papel Nota
1990 Peer Gynt Peer Gynt Estreia no Teatro Sérgio Cardoso (São Paulo), em agosto de 1990, uma produção
da Secretaria de Estado da Cultura, com direção e adaptação de Roberto Lage,
tendo no elenco Dan Filip Stulbach, Muriel Matalon e Paula Fernandes.[5]
Videogames
Ano Título Papel Nota
2013 Battlefield 4 Sgt. Clayton 'Pac' Pakowski

Referências

  1. Dan Stulbach imita Tom Hanks no Altas Horas. Terra, 21 de junho de 2003.
  2. "Conheça os sósias de plantão na TV". Terra, 21 de agosto de 2003.
  3. "Quem é Dan Stulbach". Glenda Mezarobba, Último Segundo, 18 de maio de 2008. Página visitada em 18 de dezembro de 2011.
  4. GShow (13 de maio de 2014). Dan Stulbach revela: 'Gostaria de ter meu próprio programa de TV'. Extras - Segunda Dama. Página visitada em 09 de abril de 2014.
  5. SILVA, Jane Pessoa da. Ibsen no Brasil. Historiografia, Seleção de textos Críticos e Catálogo Bibliográfico. São Paulo: USP, 2007. Tese.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Dan Stulbach