Daniel Alves

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde novembro de 2011).
Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde novembro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Daniel Alves
Daniel Alves
Daniel Alves na Seleção Brasileira em 2011
Informações pessoais
Nome completo Daniel Alves da Silva
Data de nasc. 6 de maio de 1983 (31 anos)
Local de nasc. Juazeiro (BA), Brasil
Nacionalidade  brasileiro
Altura 1,73 m[1]
Destro
Apelido Dani Alves, Vampiro Baiano[2]
Informações profissionais
Período em atividade 2001-
Clube atual Espanha Barcelona
Número 22
Posição Lateral-direito
Clubes de juventude
1996–1998
1998–2001
Brasil Juazeiro
Brasil Bahia
Clubes profissionais2
Anos Clubes Jogos (golos/gols)
2001–2003
2003–2008
2008–
Brasil Bahia
Espanha Sevilla
Espanha Barcelona
058 0000(6)
256 0000(16)
298 0000(20)
Seleção nacional3
2003
2006–
Brasil Brasil Sub-20
Brasil Brasil
07 00000(0)
079 0000(6)


2 Partidas e gols totais pelo
clube, atualizados até 24 de agosto de 2014.
3 Partidas e gols da seleção nacional estão atualizados
até 28 de junho de 2014.

Daniel Alves da Silva (Juazeiro, 6 de maio de 1983) é um futebolista brasileiro que atua como lateral-direito. Atualmente, joga pelo Barcelona

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Nascido em Juazeiro, Bahia, Daniel teve uma infância pobre, na qual, ao lado do pai, trabalhava na roça, plantando tomate, cebola e melão, e armava arapucas para caçar aves e reforçar a alimentação da família. Desde cedo amante do futebol, o então jovem garoto improvisava bolas com sacos plásticos ou meias velhas. [3] Daniel chegou, inclusive, a fazer ponta no filme de Sérgio Rezende Guerra dos Canudos, de 1997. Segundo o lateral, em troca de "alimentação e R$5 ou R$10 por dia", ele aceitou ser figurante. O lateral considerou a experiência "muito legal."[4]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Juazeiro[editar | editar código-fonte]

O técnico José Carlos Queiroz, o qual à convite do amigo Cláudio Carneiro, que assumiu o Juazeiro Social Clube de 1998 até 2000, foi quem levou Daniel para o Bahia, ainda com 15 anos de idade. Cláudio, que havia se tornado supervisor do clube, falou que tinha um jogador acima da média no juvenil do Juazeiro:

Cquote1.svg No primeiro treino que vi, gostei e trouxe ele do juvenil para o profissional. Cquote2.svg
Cláudio Carneiro, supervisor do Juazeiro, sobre Daniel.

Chegou a disputar uma partida junto com os profissionais do Juazeiro, um amistoso de inauguração do estádio da Seleção da cidade de Conceição do Coité, que disputa torneios amadores.[carece de fontes?]

Bahia[editar | editar código-fonte]

Revelação e titular imediato[editar | editar código-fonte]

Após alguns anos nas categorias de base do Bahia, na reta final do Campeonato Brasileiro de 2001, com as contusões do titular Denílson e de seu reserva imediato Mantena, Daniel teve sua primeira chance de jogar como titular, no dia 11 de novembro, no triunfo do Bahia sobre o Paraná por 3-0, na Fonte Nova. O jovem lateral não decepcionou. Daniel jogou com ousadia, garra, mostrou excelente prepara físico, marcou com eficiência, apoiou bastante o ataque e foi o grande destaque deste jogo, sofrendo um pênalti e dando passe para um dos gols. Durante a partida, a boa atuação fez com que os torcedores exigissem, em coro: "Ah! Ah! Ah! Daniel é titular".

O técnico Evaristo de Macedo atendeu aos pedidos e, nas partidas seguintes, Daniel não saiu mais da equipe titular.

No ano seguinte, 2002, mesmo com Bobô assumindo o cargo de treinador, Daniel continuou sendo titular absoluto do Bahia.

Cquote1.svg Acho que, por seu talento, e pela falta de bons valores no país para a posição dele, o Daniel é forte candidato a integrar a seleção brasileira num futuro próximo Cquote2.svg
profetizou o treinador dos juniores do Bahia, Marcelo Chamusca.

Aos poucos, foi se destacando e mostrando que merecia uma vaga na seleção, mesmo que jovem. Até que ele conseguiu.

Sevilla[editar | editar código-fonte]

No início do segundo semestre de 2002, suas excelentes atuações pelo Bahia despertaram o interesse de clubes do exterior. Daniel foi contratado pelo Sevilla, da Espanha, inicialmente por empréstimo de uma temporada.

Ao final da temporada 2002-03, Daniel havia atuado em dez partidas na La Liga e agradado os torcedores e dirigentes do Sevilla com suas excelentes atuações durante o empréstimo.

Em dezembro de 2003, durante sua segunda temporada pelo clube da cidade de Sevilha, conquistou o Mundial Sub-20 pela seleção brasileira. Daniel foi um dos grandes destaques da equipe, terminando como o terceiro melhor jogador do torneio.

Especulações de saída[editar | editar código-fonte]

Daniel Alves atuando pelo Barcelona

.

Em junho de 2006, após alguns anos se destacando no Sevilla, as especulações acerca da transferência de Daniel para clubes de maior expressão eram grandes. O clube espanhol esteve próximo de vender o jogador para o Liverpool, da Inglaterra, porém, os dois clubes não chegaram a um acordo sobre o valor da transferência.[5] Em dezembro do mesmo ano, Dani Alves assinou um novo contrato com o Sevilla, com duração até 2012.

Finalizou a temporada 2006-07 com êxito, com 47 partidas e cinco gols marcados, atuando em todas as partidas da UEFA Cup, torneio conquistado pelo clube.

Após alguns anos jogando na Espanha, adquiriu a nacionalidade espanhola, o que lhe excluiria da necessidade de uma autorização de trabalho para jogar em qualquer país da União Europeia.

Em 1 de agosto de 2007, em entrevista ao SporTV, Daniel disse que tinha vontade de sair do Sevilla e ir para um grande clube europeu, reiterando, em maio de 2008, o seu desejo de deixar o clube.[6] Afirmou que ele estava lisonjeado com o interesse do Chelsea[7] e que ele nunca recusaria tal proposta. Daniel confirmou ainda que seu emprésario havia ido à Inglaterra há algum tempo para negociar com o clube londrino.

O Sevilla acabou rejeitando todas as propostas, sendo duas delas vindas do Chelsea e uma do Barcelona, considerando-as como "muito abaixo do esperado". O presidente do Sevilla, José María del Nido, aproveitou para desdenhar do valor da proposta do time catalão:

Cquote1.svg Por 25 milhões eu envio as chuteiras de Daniel para que coloquem em um lateral deles. Ele é um grande jogador, talvez o melhor lateral-direito do mundo[8] Cquote2.svg
José María del Nido, sobre a proposta do Barcelona por Daniel Alves.

Desentendimentos internos e saída[editar | editar código-fonte]

Algum tempo depois, Daniel Alves revelou estar decepcionado com o presidente do Sevilla, José María del Nido, por ter recusado as propostas, principalmente a do Chelsea, que optou então por contratar seu compatriota Belletti, que atua na mesma posição.

Pouco antes da temporada 2007-08, após uma "guerra" pública de palavras entre Daniel Alves e del Nido, presidente do Sevilla, Alves acabou concordando em permanecer por mais uma temporada em Sevilha. Um dos fatos mais marcantes desta temporada foi a morte de seu companheiro de equipe, Antonio Puerta, após uma parada cardiorrespiratória durante uma partida, em agosto de 2007. Puerta faleceu aos 22 anos da idade.

Ao final da temporada 2007-08, mais uma de destaque no Sevilla, parecia claro que Daniel não permaneceria no clube, principalmente após suas recentes discussões com o presidente José María del Nido. Durante sua coletiva de despedida, Daniel disse que "gostaria retornar ao clube no futuro" e que "chegou ao Sevilla como um menino e saiu como um homem", chegando a chorar diversas vezes durante a coletiva.[9]

Daniel Alves (terceiro à esquerda) ao lado de seus companheiros, em 2008.

Barcelona[editar | editar código-fonte]

Primeiras temporadas[editar | editar código-fonte]

Em 2 de julho de 2008, Daniel Alves foi confirmado pelo Barcelona. O valor anunciado oficialmente foi de 34 milhões de euros, com mais €6 milhões dependendo do seu desempenho durante as temporadas seguintes,[10] fazendo dele o lateral-direito mais caro da história e o terceiro jogador mais caro dentre as contratações do Barça em sua história. Assinou um contrato de quatro anos com o Barcelona, com duração até 2012 e com uma multa de rescisão de €90 milhões, valor que deve ser pago caso o jogador seja contratado por outro clube antes do término do acordo. Até 8 de agosto de 2008, último dia de transferências do verão europeu, Daniel era a contratação mais cara desta janela, mas o valor foi batido com a transferência de Robinho, do Real Madrid para o Manchester City, por cerca de 40 milhões de euros.

Na temporada 2008-09, na sua primeira partida pelo clube catalão, logo assumiu o posto de lateral-direito titular, anteriormente pertencente a Gianluca Zambrotta, que havia retornado ao futebol italiano, se transferindo para o Milan. Fez a sua estreia oficial pelo Barcelona em 13 de agosto de 2008, contra o Wisła Kraków, no jogo de ida das eliminatórias da Champions League, torneio que terminou com o título do Barcelona. Sua estreia na La Liga ocorreu no primeiro jogo do Barça no campeonato, contra o CD Numancia, em 31 de agosto de 2008. Não atuou na final da Champions League, contra o Manchester United, devido à uma suspensão por cartão amarelo. O Barcelona derrotou o United por 2-0, conquistando assim a tríplice coroa da temporada 2008-09: UEFA Champions League, La Liga e Copa del Rey. Conquistou ainda a Supercopa de España e a UEFA Super Cup, vencendo o Shakhtar Donetsk por 1-0 na final, com gol de Pedro na prorrogação. Sendo assim, em sua primeira temporada pelo clube catalão, Daniel Alves conquistou todas as competições que disputou.

Daniel Alves (ao fundo) e seu companheiro de equipe, o argentino Lionel Messi.

Na temporada 2009-10, se manteve como titular absoluto da equipe, jogando numa função mais ofensiva, quase como um ala. É considerado um dos melhores jogadores do mundo em sua função, e também um dos melhores do atual elenco, se destacando ao lado de jogadores como Lionel Messi e Xavi Hernández.

Atitude contra racismo[editar | editar código-fonte]

No dia 27 de abril de 2014, em um jogo contra o Villareal, Daniel foi vítima de uma ofensa racista: um torcedor do time local jogou uma banana na direção do lateral-direito. Daniel comeu a fruta em pleno jogo e continuou a partida normalmente. Após o jogo, Comentou o incidente com um tom bem-humorado e o Villareal foi punido e cassou o passaporte vitalício do tal torcedor. Nas redes sociais, o companheiro de Daniel, Neymar, lançou uma campanha com o seguinte título: #SomosTodosMacacos, em repúdio ao episódio do jogo. Em questão de horas, a campanha ganhou vários adeptos - além do próprio Neymar - como o atacante Fred, os cantores Michel Teló e Ivete Sangalo e até a presidente do Brasil Dilma Rousseff.

Seleção Brasileira[editar | editar código-fonte]

Dani Alves beijando o troféu da Copa das Confederações de 2013, ao lado de Fred.

Em 2003, foi convocado pela seleção brasileira sub-20 para a disputa do Mundial da categoria. Os brasileiros conquistaram o título vencendo a Espanha por 1-0 na final, em 19 de dezembro de 2003. Daniel Alves foi um dos grandes destaques da seleção brasileira no torneio, e terminou sendo eleito o terceiro melhor jogador da competição.

Fez sua estreia pela seleção principal em 7 de outubro de 2006, num amistoso não-oficial contra o Al Kuwait Kaifan, clube do Kuwait.

Copas América e das Confederações[editar | editar código-fonte]

Em 2007, Daniel Alves conquistou seu primeiro título pela seleção, a Copa América de 2007, atuando em quatro partidas e se destacando ao dar uma assistência e marcar um gol na final, com vitória dos brasileiros por 3-0 sobre a Argentina, maior rival da seleção canarinho.

No dia 15 de junho de 2009, na primeira partida do Brasil na Copa das Confederações de 2009, contra o Egito, Daniel voltou a fazer uma ótima apresentação pela seleção, com uma assistência precisa para gol e assumindo o posto de cobrador de faltas naquela partida. O jogo estava empatado em 3 a 3 até o fim dos 90 minutos, quando o Brasil sofreu um pênalti, cobrado por Kaká, que decretou a vitória do Brasil por 4-3.

Ainda neste torneio, marcou outro importante gol pela seleção: na semifinal da, em 25 de junho, após uma cobrança de falta aos 88 minutos de jogo. O gol foi o único da vitória sobre a África do Sul, anfitriã do torneio, e salvou o Brasil de uma possível prorrogação com praticamente todo o estádio a favor do seu adversário.

A grande final aconteceu em 28 de junho de 2009, e o Brasil conquistou o título após uma difícil vitória por 3-2, de virada, sobre os Estados Unidos.

Daniel Alves em sua primeira Copa do Mundo, a de 2010, em partida contra o Chile.

Disputa com Maicon e Copa do Mundo[editar | editar código-fonte]

Neymar (esquerda) e Daniel Alves minutos antes da partida contra o Japão.

No dia 6 de junho de 2009, marcou seu segundo gol pela seleção brasileira, em jogo contra o Uruguai, válido pelas eliminatórias sul-americanas para a Copa do Mundo de 2010, partida em que Daniel chamou muita atenção pela sua ótima apresentação em campo, pois, além do gol marcado, conseguiu evitar dois gols da equipe adversária, o que causou, segundo jornalistas esportivos, uma acirrada e saudável disputa pela vaga de titular da posição, entre Alves e Maicon. Seu "rival" acabou se firmando na vaga, e disputou a Copa do Mundo como titular.

Era Mano[editar | editar código-fonte]

Com o técnico Mano Menezes, foi um dos remanescentes da Copa do Mundo 2010. Mano deixou de lado Maicon, de quem Daniel era reserva. Nos amistosos pós-Copa, contra o Irã e contra Ucrânia, Daniel Alves marcou dois gols, um em cada jogo. Em 2011, foi convocado por Mano para a Copa América.[11]

Era Felipão[editar | editar código-fonte]

Sob o comando de Luiz Felipe Scolari, Daniel Alves conquistou a Copa das Confederações de 2013, depois de eletrizante final contra os espanhóis, vencida por 3-0. Em 14 de agosto de 2013, no primeiro amistoso da Seleção após o título, diante dos suíços, o lateral marcou, contra, o gol que daria a vitória aos europeus por 1-0. [12] No dia 7 de maio de 2014, foi convocado para a Copa do Mundo de 2014.[13] [14]

Seleção Brasileira[editar | editar código-fonte]

Ano
Jogos Gols
2006-07 9 1
2007-08 8 0
2008-09 9 2
2009-10 14 0
2010-11 9 2
2011-12 6 0
2012-13 14 0
2013-14 10 1
2014-15 0 0
Total 79 6
Gols marcados
# Data Local Adversário Gol Resultado Competição
1. 15 de julho de 2007 Pachencho, Maracaibo, Venezuela Flag of Argentina.svg Argentina 3–0 3–0 Copa América de 2007
2. 6 de junho de 2009 Centenário, Montevidéu, Uruguai Flag of Uruguay.svg Uruguai 0–1 0–4 Elim. Copa do Mundo de 2010
3. 25 de junho de 2009 Ellis Park, Joanesburgo, África do Sul Bandeira da África do Sul África do Sul 0–1 0–1 Copa das Confederações de 2009
4. 7 de outubro de 2010 Zayed Sports City, Abu Dabi, Emirados Árabes Flag of Iran.svg Irã 1–0 3–0 Amistoso
5. 11 de outubro de 2010 Pride Park Stadium, Derby, Inglaterra Flag of Ukraine.svg Ucrânia 1–0 2–0 Amistoso
6. 3 de junho de 2014 Serra Dourada, Goiânia, Brasil Flag of Panama.svg Panamá 2–0 4–0 Amistoso

Títulos[editar | editar código-fonte]

Bahia
Sevilla
Barcelona
Seleção Brasileira

Prêmios individuais[editar | editar código-fonte]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • Em um evento realizado em Salvador, em junho de 2009, pelo Esporte Clube Bahia, Daniel Alves declarou ter muito respeito e carinho pelo Bahia, e disse também que deseja encerrar a carreira no clube;[16]
  • Em dezembro de 2009, o jogador revelou que é torcedor do São Paulo e gostaria de atuar pela equipe paulista, para depois encerrar a carreira no Bahia.[17]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Daniel Alves