Dantas Barreto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Dantas Barreto Academia Brasileira de Letras
Nome completo Emídio Dantas Barreto
Nascimento 1850
Bom Conselho, Pernambuco
Morte 1931 (81 anos)
Rio de Janeiro
Nacionalidade  Brasileiro
Ocupação Militar e político

Emídio Dantas Barreto (Bom Conselho, 1850Rio de Janeiro, 1931) foi um militar e político brasileiro.

Em 1897, participou da Guerra de Canudos, no posto de tenente-coronel.[1] [2] Registrou suas experiências da guerra no livro Última Expedição a Canudos, lançado no ano seguinte, sendo um dos primeiros a publicar um livro sobre esta campanha.[3] . Em 1905 publicou um segundo livro sobre a mesma guerra, intitulado Acidentes da Guerra.[4]

Emídio Dantas Barreto, general e presidente de Pernambuco

Durante o governo de Hermes da Fonseca, exerceu o cargo de ministro da Guerra, no período de 15 de novembro de 1910 a 12 de setembro de 1911. Durante sua gestão ocorreram graves perturbações na ordem militar e civil: primeiro, a chamada Revolta da Chibata, quando os marinheiros das principais embarcações promoveram o motim, contra os castigos físicos ainda aplicados na Marinha, já no começo do governo (1910), quando a própria capital do país, então o Rio de Janeiro, foi ameaçada de bombardeio.

Estas questões resolveu o governo anistiando os envolvidos. Entretanto, a dezembro deste mesmo ano, nova revolta eclode entre os fuzileiros lotados na Ilha das Cobras, desta feita promovendo o general uma punição excessivamente severa.

Durante a sua administração também ocorre o levante do Contestado, uma região disputada pelos estados do Paraná e Santa Catarina, onde João Maria, a exemplo do Antônio Conselheiro em Canudos, desafia o poder Federal. Diversas expedições são para lá enviadas, não logrando sucesso algum, que ocorreu com a expedição de Fernando Setembrino de Carvalho no governo seguinte de Venceslau Brás.

Foi presidente de Pernambuco, de 19 de dezembro de 1911 a 18 de dezembro de 1915, e senador da República.

Além da carreira militar e política, Dantas Barreto redigiu obras científicas, estudos militares e romances históricos, deixando extensas informações sobre campanhas militares do seu período.[5]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Margarida Nobre: A poesia do Século XIX.
  • Expedição do Mato Grosso

Referências

  1. CUNHA, Euclides da, Os Sertões
  2. BOMBINHO, Manuel das Dores. Canudos, história em versos. São Paulo: Hedra, Imprensa Oficial do Estado e Editora da Universidade Federal de São Carlos, 2a. edição, 2002
  3. DANTAS BARRETO, Emídio. Última Expedição a Canudos. Porto Alegre: Franco e Irmãos Editores, 1898. Revisto, ampliado e republicado em 1912 sob o título Destruição de Canudos
  4. DANTAS BARRETO, Emídio. Acidentes da Guerra. Rio Grande do Sul, Ed. Liv. Rio-Grandense, 1905. 2ª edição: Recife, Livraria Econômica,1984
  5. Título não preenchido, favor adicionar.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikisource
O Wikisource possui obras de
Dantas Barreto


Precedido por
José Bernardino Bormann
Ministro da Guerra do Brasil
1910 — 1911
Sucedido por
Antônio Adolfo da Fontoura Mena Barreto
Precedido por
João da Costa Bezerra de Carvalho
Presidente de Pernambuco
1911 — 1915
Sucedido por
Manuel Antônio Pereira Borba
Precedido por
Joaquim Nabuco
(fundador)
Lorbeerkranz.png ABL - segundo acadêmico da cadeira 27
1910 — 1931
Sucedido por
Gregório da Fonseca


Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.