Dario, o Medo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Dario, o Medo, é um personagem mencionado no Livro de Daniel.

No Livro de Daniel[editar | editar código-fonte]

De acordo com a Bíblia, foi ele que recebeu o reino da Babilônia, após a morte de Belsazar.[1] Ele é chamado de filho de Assuero.[2] Daniel prosperou, durante o seu reinado e o de Ciro, o persa.[3]

Ele organizou a Babilônia em 120 satrapias, e colocou, sobre estes sátrapas, três presidentes, um dos quais era o profeta Daniel.[4] Os presidentes e sátrapas, porém, pediram a Dario que fizesse um decreto, para que, nos próximos trinta dias, quem fizesse uma petição a qualquer homem ou deus que não fosse o próprio Dario, fosse lançado à cova dos leões.[5] Como Daniel continuou orando a Deus, três vezes por dia, foi jogado na cova dos leões, mas, no dia seguinte, ele ainda estava vivo, e Dario o tirou, e jogou na cova os homens que haviam acusado Daniel.[6] [2]

Foi no primeiro ano do reinado de Dario, o medo,[2] que Daniel entendeu a profecia dos setenta anos, que havia sido dita a Jeremias,[7] e que Daniel recebeu a profecia das setenta semanas, que seria o tempo que duraria entre a palavra para restaurar o tempo e a unção do Santíssimo.[8] Outra profecia, também no primeiro ano de Dario, o medo, foi de que haveria três reis da Pérsia, e um quarto, mais rico que todos, que atacaria a Grécia, em seguida, apareceria um rei poderoso, cujo reino seria partido em quatro.[9] [Nota 1]

Identidade de Dario[editar | editar código-fonte]

Carl Friedrich Keil e Franz Delitzch, em 1857-78, identificam Dario, o medo, com Ciáxares II, mencionado na Ciropédia de Xenofonte como o sucessor de Astíages; ele era tio de Ciro, o Grande (através de Mandane) e casou sua filha com Ciro. Por não ter filhos homens, ele entregou a Média para Ciro, e teria recebido a Babilônia como satrapia, aos sessenta e dois anos de idade.[10]

Cyrus Ingerson Scofield, em 1917, não conseguiu identificar Dario, o medo, nos textos seculares, porém, assim como no caso de Belsazar, que era desconhecido até o século XIX, ele supôs que novas descobertas acabariam revelando sua identidade. Ele tentativamente identifica Dario, o medo, com o general Gobrias, e não considera que Assuero, dado como pai de Dario, seja significativo, pois esta palavra significa Majestade, sendo um título genérico, e é usada na Escritura para, pelo menos, quatro pessoas diferentes. Porém, como Assuero é uma palavra persa, sua suposição é que Dario seria descendente das casas reais tanto da Média quanto da Pérsia.[11]

Notas e referências

Notas

  1. Para mais detalhes sobre estas profecias e suas interpretações, consulte o artigo Livro de Daniel.

Referências

  1. Daniel 5:30-31
  2. a b c Daniel 9:1
  3. Daniel 6:28
  4. Daniel 6:1-3
  5. Daniel 6:7
  6. Daniel 10:24-24
  7. Daniel 9:2
  8. Daniel 9:23-24
  9. Daniel 11:1-4
  10. Carl Friedrich Keil e Franz Delitzch, Biblical Commentary on the Old Testament (1857-78), Daniel Chapter 6 [em linha]
  11. Cyrus Ingerson Scofield, The Scofield Bible Commentary (1917), Daniel Chapter 5 [em linha]