Dario Fo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde julho de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Dario Fo Medalha Nobel
Nascimento 24 de março de 1926 (88 anos)
Sangiano
Nacionalidade Itália Italiano
Ocupação Escritor, dramaturgo e comediante
Prêmios Nobel prize medal.svg Nobel de Literatura (1997)

Dario Fo (Sangiano, 24 de março de 1926) é um escritor, dramaturgo e comediante italiano.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Recebeu o Nobel de Literatura de 1997.

Nasceu em Sangiano, pequena localidade às margens do Lago Maggiore na província de Varese, norte da Itália.

Sua família era composta por seu pai Felice, socialista, mestre da estação e actor em uma companhia amadora do teatro; sua mãe Pina Rota, uma mulher da imaginação e talento (nos anos 1970, teve um livro autobiográfico publicado por Einaudi, contando a história de sua cidade natal); seu irmão Fúlvio; sua irmã Bianca e seu avô materno, que teve uma fazenda em Lomellina, onde Dario passou suas férias da infância.

Vida[editar | editar código-fonte]

Infância[editar | editar código-fonte]

Durante as visitas de Dario, sdadentes, e nestas histórias introduzia a notícia e anedotas sobre eventos locais. Suas crônicas satíricas e oportunas deram-lhe o apelido de Bristìn (semente da pimenta). Foi de seu avô, sentando-se ao lado dele em suas viagens, que Dario começou a aprender os rudimentos do ritmo narrativo.

Dario passou sua infância a mudar-se de uma cidade para outra, porque os postos de seu pai foram mudando de acordo com o que desejavam as autoridades ferroviárias. Mas mesmo que a geografia remanescesse em um fluxo, o ajuste cultural era sempre o mesmo. Enquanto o menino crescia, tornou-se educado na tradição narrativa local. Com paixão crescente, sentava-se nas tavernas ou piazze e punha-se a escutar sem cansar os mestres vidraceiros e os pescadores, que - na tradição oral do Fabulatore - trocariam fábulas embebidos num tom satírico político pungente.

Juventude[editar | editar código-fonte]

Dario Fo em Cesena em 2008

Em 1940 mudou-se de Luino para Milão para estudar arquitectura na Academia de Arte de Brera.

Quase no final da guerra, Dario foi conscrito no exército da República de Salò. Consegue escapar e gasta os últimos meses da guerra escondida em um quarto de loja num sótão. Seus pais são ativos na resistência, sendo que seu pai organiza o transporte de cientistas judeus e prisioneiros de guerra britânicos fugidos para a Suíça de trem; sua mãe ocupa-se de cuidar de partisans feridos.

No fim da guerra, Dario retorna a seus estudos na Academia de Brera e realizando cursos de arquitetura no Instituto Politécnico.

Entre 1945-51 foca sua atenção em projetos de palcos e decoração teatral. Nessa época começa a improvisar monológos.

Muda-se com sua família para Milão. Mama Fo, a fim ajudar a seu marido a manter os três filhos na faculdade, esmera-se como uma fabricante de camisas.

Para os Fo mais novos, este é um período da leitura intensas. Gramsci e Marx são devorados junto com novelistas americanos e as primeiras traduções de Brecht, de Mayakovsky e de Lorca.

Nos anos posteriores imediatos, o teatro italiano submete-se a uma volta verdadeira, empurrada principalmente pelo fenômeno do novo teatri do piccoli (theatros pequenos) que teve um papel chave no desenvolvimento da idéia "de um palco popular".

Fo é envolvido por este movimento efervescente e prova ser um teatrólogo insaciável - mesmo que geralmente não pudesse ter recursos para comprar um assento e tevesse que ficar em pé entre os performáticos. Mamma Fo mantem uma mente aberta e uma casa aberta para conhecimentos novos das suas crianças, entre eles Emilio Tadini, Alik Cavalieri, Piccoli, Vittorini, Morlotti, Treccani, Crepax, alguns deles já famosos.

Durante seus estudos da arquitetura, ao trabalhar como arquiteto assistente e decorador, Dario começa a entreter seus amigos com os contos como aqueles que ouvia nas tavernas no entorno do lago durante sua infância.

No verão de 1950, Dario procura por Franco Parenti que foi apresentado pelo jovem cômico teatrólogo com uma parábola de Caim e Abel, uma sátira em que Caim, nano do poer (pequena coisa pobre), um tolo miserável, é qualquer coisa menos malvado. É justo que cada vez que tenta, nano do poer, imitar o esplêndido, loiro e de olhos azuis, Abel se envolve em problemas. Após ter sofrido um desastre após outro, finalmente fica louco e mata o esplêndido Abel. Franco Parenti convida entusiasticamente Fo para se juntar a sua companhia de teatro.

Dario começa a se apresentar show de variedades de verão de Parenti. Isto é quando tem seu primeiro "encontro" com Franca Rame - não pessoalmente, mas através de uma fotografia que vê na casa de alguns amigos. Ele fica apaixonado!

Por algum tempo ainda continua a trabalhar como o arquiteto assistente. Mas decide-se logo abandonar seus trabalho e estudos, repugnado pela corrupção existente no setor das edificações.

Indicação para presidente da Itália[editar | editar código-fonte]

Durante a indefinição política após as eleições parlamentares de 2013 Fo foi indicado para concorrer ao cargo de Presidente da Itália pelo líder do Movimento 5 Estrelas (M5S), o ex-comediante Beppe Grillo[1]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Concetta D'Angeli - Simone Soriani, Coppia d'arte - Dario Fo e Franca Rame, Pisa, Edizioni Plus, 2006 [1]
  • Lanfranco Binni, Dario Fo, Firenze, La Nuova Italia 1977
  • Claudio Meldolesi, Su un comico in rivolta, Roma, Bulzoni 1978
  • Marisa Pizza, Il gesto, la parola, l'azione, Roma, Bulzoni 1996
  • Paolo Puppa, Il teatro di Dario Fo, Venezia, Marsilio 1978
  • Antonio Scuderi, Dario Fo and Popular Performance, Legas 1998
  • Simone Soriani, Dario Fo. Dalla commedia al monologo (1959-1969), Corazzano (PI), Titivillus, 2007
  • Chiara Valentini, La storia di Dario Fo, Feltrinelli 1997.


Ver também[editar | editar código-fonte]

  • Knut Ahnlund - Crítico da escolha de Fo para o Prémio Nobel

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Wisława Szymborska
Nobel de Literatura
1997
Sucedido por
José Saramago


Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Dario Fo
  1. Beppe Grillo quer Prêmio Nobel Dario Fo como presidente da Itália[ http://www.comunitaitaliana.com/site/index.php?option=com_content&task=view&id=17954&Itemid=2]. Acesso em 1 de maio de 2013.