David Lopes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
David Lopes
Prof. David Lopes
Nome completo David de Melo Lopes
Nascimento 17 de Abril de 1867
Nesperal, Sertã
Morte 3 de Fevereiro de 1942 (74 anos)
Nacionalidade Portugal português
Ocupação Professor e historiador

David de Melo Lopes (Moita, Nesperal, Sertã,[1] 17 de Abril de 18673 de Fevereiro de 1942) foi um especialista e professor de árabe, professor de língua e literatura francesa e historiador.

David Lopes fez o liceu em Lisboa, onde também frequentou o Curso Superior de Letras. Entre 1889 e 1892, estudou em Paris, na École Nationale des Langues Orientales Vivantes e na École Pratique des Hautes Études.

Ensinou nas mesmas escolas em que foi aluno em Portugal: a partir de 1896, no Liceu de Lisboa, até se mudar para o Curso Superior de Letras (1902), mais tarde Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Leccionou até atingir o limite de idade, em 1937, e posteriormente, de forma gratuita, em cursos livres.

Ensinou sobretudo a disciplina de Língua e Literatura Francesa e, a partir de 1914, também a disciplina de Língua e Literatura Árabe, então criada.

Em 1915 tornou-se sócio efectivo da Academia das Ciências de Lisboa, ocupando a vaga deixada por Gonçalves Viana. Sob a sua direcção e por ordem da Academia das Ciências foram publicados em 1915 e 1919 os dois volumes de Anais de Arzila: crónica inédita do século XVI, por Bernardo Rodrigues, (Coimbra, Imprensa da Universidade).

São da sua autoria os capítulos "O domínio árabe" e "Portugueses em Marrocos" da História de Portugal dirigida por Damião Peres, além de numerosos outros estudos publicados em Portugal e França.

O departamento de estudos árabes da Universidade de Lisboa designa-se, em sua honra, Instituto de Estudos Árabes e Islâmicos David Lopes.

Conhece-se colaboração sua na revista Atlântida[2] (1915-1920).

Principais estudos publicados[editar | editar código-fonte]

  • "Trois faits de phonétique historique arábico-hispanique", Actes du XIVème Congrès International des Orientalistes, 3, Paris, 1906, pp. 242-261.
  • "Toponímia árabe de Portugal", Revista Lusitana, 24, 1922, pp. 257-273.
  • Os textos em Aljamia portuguesa. Estudo filológico e histórico, Lisboa: Imprensa Nacional, 1940 (1ª edição, 1897).
  • "Cousas luso-marroquinas. Notas filológicas sobre particularidades vocabulares do português nas praças de África", Boletim de Filologia, 7, 1942, pp. 245-259.
  • "Alguns vocábulos arábico-portugueses de natureza religiosa, étnica e lexicológica", Revista da Universidade de Coimbra, XI, 1930, pp.
  • "Os Árabes na obra de Alexandre Herculano. Notas marginais de língua e história portuguesa" in Boletim da Segunda Classe da Academia das Ciências de Lisboa, nº 3, 1910-1911, pp. 50-84, 198-253 e 323-377 e nº 4, pp. 321-402.
  • Anais de Arzila, crónica inédita do século XVI, por Bernardo Rodrigues, Tomo I (1508-1525). Direcção de David Lopes. Academia das Ciências de Lisboa. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1915;
  • Anais de Arzila, crónica inédita do século XVI, por Bernardo Rodrigues, Tomo II (1525-1535) suplemento (1536-1550). Direcção de David Lopes. Academia das Ciências de Lisboa. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1919.
  • História de Arzila durante o Domínio Português, 2 vols. (1471-1550 e 1577-1589), Coimbra: Imprensa da Universidade, 1924-1925.
  • Crónica do felicíssimo rei D. Manuel, de Damião de Góis, 1926.
  • "Portugueses em Marrocos", in História de Portugal, ed. Barcelos.
  • "A expansão em Marrocos", in História da Expansão Portuguesa no Mundo.
  • "Les Portugais au Maroc", in Revue d’Histoire Moderne, 1939.
  • "O Cid Português: Geraldo sem Pavor", Revista Portuguesa de História, 1940.
  • A Expansão da Língua Portuguesa no oriente nos Séculos XVI, XVII e XVIII, Barcelos: portucalense, 1936 (2ª edição é de 1969 com notas de Luís de Matos).
  • "O Domínio Árabe", in História de Portugal, Barcelos: Portucalense Editora.
  • Extractos da Conquista de Yaman pelos Otomanos, 1892.
  • História dos Portugueses no Malabar, 1898.
  • "Alguns vocábulos arábico-portugueses de natureza religiosa, étnica e lexicológica", Revista da Universidade de Coimbra, XI, 1930.
  • Colaboração nos volumes das Sources Inédites de l’Histoire de Maroc, em colaboração com Robert Richard.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • CASTELO-BRANCO, Fernando. "Introdução", David Lopes, Páginas Olisiponenses, Publicações da Câmara Municipal de Lisboa, 1968, pp. 15-66.
  • CINTRA, Luís F. Lindley. A obra filológica do Prof. David Lopes. Separata da Revista da Faculdade de Letras de Lisboa, 3.ª série, 11, 1967.
  • MACHADO, José Pedro. «Biobibliografia de David Lopes», in Boletim da Sociedade de Língua Portuguesa, 18, n.º 4, Abril de 1967, pp. 125-129.
  • MACHADO, José Pedro (coordenação e notas). Cartas dirigidas a David Lopes. Lisboa, Revista Ocidente, 1973.
  • RICARD, Robert. «David Lopes (1867-1942)», in Mélanges d'études luso-marocaines dédiés à la mémoire de David Lopes et Pierre de Cénival, Institut Français au Portugal, 1945, pp. 7-12.
  • SALEMA, Maria José da Gama Lobo. A didáctica das línguas vivas e o ensino do francês nos liceus portugueses na viragem do século: o período de 1894 a 1910. Tese de doutoramento apresentada à Universidade do Minho, 1993.
  • VELLOSO, Queiroz. «Professor David Lopes», in Mélanges d'études luso-marocaines dédiés à la mémoire de David Lopes et Pierre de Cénival, Institut Français au Portugal, 1945, pp. 349-362.

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.