De-Lovely

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
De-Lovely
De-Lovely (PT)
De-Lovely - Vida E Amores de Cole Porter (BR)
Pôster promocional
 Estados Unidos
2004 • cor • 125 min 
Direção Irwin Winkler
Produção Simon Channing Williams
Roteiro Jay Cocks
Elenco Kevin Kline
Ashley Judd
Jonathan Pryce
Kevin McNally
Sandra Nelson
Allan Corduner
Peter Polycarpou
Gênero Biográfico
Drama romântico
Musical
Idioma Inglês
Música Cole Porter
Cinematografia Tony Pierce-Roberts
Edição Julie Monroe
Estúdio Winkler Films
Distribuição Metro-Goldwyn-Mayer
Lançamento Estados Unidos 2 de julho de 2004
Portugal 7 de outubro de 2004
Brasil 7 de janeiro de 2005
Orçamento US$15 milhões
Receita US$18,396,382
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

De-Lovely (De-Lovely - Vida E Amores de Cole Porter (título no Brasil) ou De-Lovely (título em Portugal)) é um filme biográfico musical de 2004 dirigido por Irwin Winkler. O roteiro escrito por Jay Cocks é baseado na vida e carreira de Cole Porter, a partir de seu primeiro encontro com Linda Lee Thomas, até sua morte. É o segundo filme biográfico sobre o compositor, sendo o outro Night and Day.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Esta biografia do compositor americano Cole Porter (Kevin Kline) começa pelo fim. É como se, nos últimos dez segundos de existência do compositor, a maior parte de sua vida fosse retratada em um de seus grandiosos shows, com pessoas e acontecimentos marcantes se tornando o foco da ação que acontece no palco. É neste palco que Porter, guiado por um suposto anjo Gabriel (Jonathan Pryce) revê seu passado cheio de excessos, sucessos, tragédias e seu profundo e complicado relacionamento com sua esposa Linda (Ashley Judd).

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

Embora Porter foi um cantor razoável na melhor das hipóteses, o diretor Irwin Winkler escolheu Kevin Kline para o elenco, ganhador de dois prêmios Tony Award e dois prêmios Drama Desk Award para suas performances musicais na Broadway, como o compositor. Ele ficou no personagem através da limitação do seu alcance vocal. A maioria de seu canto foi gravado ao vivo no set, e o ator interpretou o próprio piano nas cenas onde Porter toca.

De acordo com o comentário de Winkler sobre o lançamento do DVD do filme, ele tinha considerado várias atrizes para o papel de Linda, quando o agente de Ashley Judd aconselhou que ela estava interessada na peça. Winkler estava certo de sua demanda salário seria superior que permitido pelo orçamento, mas a atriz estava tão ansiosa para retratar Linda que ela estava disposta a baixar a cotação de venda habitual. Judd é vinte anos mais jovem do que Kline, embora a esposa do compositor era oito anos mais velha do que ele.

A grande sequência de "Love for Sale", intrepretada por Vivian Green, foi rodada em uma única tomada. Como a idéia era mostrar fatos acontecidos durante um grande período (no caso, a trajetória homossexual de Cole Porter em Hollywood), durante a filmagem os atores tiveram de trocar diversas vezes de roupa, entrando e saindo por diversas portas do cenário, que representava um clube gay. A própria cantora utiliza-se de três vestidos diferentes.

Locais de filmagem incluído Chiswick House e Luton Hoo.

O filme estreou em 2004 no Festival de Cannes.[1] Foi exibido no Festival Internacional de Cinema CineVegas, o Festival de Cinema de Sydney, e o San Francisco International Lesbian and Gay Film Festival antes de entrar em lançamento limitado nos EUA.

Trilha Sonora[editar | editar código-fonte]

Uma das intenções do filme é apresentar e atualizar as músicas de Cole Porter para as novas gerações. Para tanto, foram escolhidos intérpretes de sucesso à época da produção e os arranjos atualizados para torná-las mais "palatáveis".

Algumas canções incluídas na trilha e seus intérpretes[editar | editar código-fonte]

  • De-Lovely - Robbie Williams
  • Let's Do It (Let's Fall in Love) - Alanis Morissette
  • Begin the Beguine - Sheryl Crow
  • Let's Misbehave - Elvis Costello
  • Be a Clown - Kevin Kline e Peter Polycarpou
  • Night and Day - John Barrowman e Kevin Kline
  • What is This Thing Called Love? - Lemar
  • I Love You - Mick Hucknall
  • Just One of Those Things - Diana Krall
  • Anything Goes - Caroline O'Connor
  • Experiment - Kevin Kline
  • Love for Sale - Vivian Green
  • So in Love - Lara Fabian e Mario Frangoulis
  • Everytime We Say Goodbye - Natalie Cole
  • Blow, Gabriel, Blow - Jonathan Pryce, Kevin Kline e elenco
  • In The Still of the Night - Kevin Kline

Recepção[editar | editar código-fonte]

Bilheteria[editar | editar código-fonte]

O filme arrecadou $13,337,299 nos EUA e $5,059,083 em outros mercados para uma bilheteria mundial total de $18,396,382.[2]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Festival de Cannes: De-Lovely festival-cannes.com. Visitado em 2009-12-05.
  2. De-Lovely at TheNumbers.com

Ligações externas[editar | editar código-fonte]