De Bello Gallico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Commentarii de Bello Gallico
(Comentários sobre a Guerra Gálica)
Uma edição do século XVII
Uma edição do século XVII de Commentarii de Bello Gallico
Autor (es) Júlio César, Aulus Hirtius(VIII)
Assunto História, etnografia, história militar
Cronologia
Último
Último
Commentarii de Bello Civili
Próximo
Próximo

Commentarii de Bello Gallico (latim para "Comentários sobre a Guerra Gálica") é um texto de Júlio César onde ele relata as operações militares durante as Guerras da Gália, que se desenrolaram de 58 a.C. a 52 a.C., das quais ele foi vencedor.

A "Gália" à qual se refere César é toda a Gália, com exceção da Provincia Narbonensis (hoje a Provença), englobando toda a França atual, Bélgica e parte da Suíça. Em outras ocasiões ele se refere somente ao território habitado pelos Celtas (a quem os Romanos chamavam Gauleses), do Canal da Mancha a Lugdunum (Lyon).

O De Bello Gallico foi escrito por volta de 50 a.C. sob a forma de memórias, com um cuidado aparente de objetividade, mas finalmente revelam sua intenção de apologia pessoal.1 Cada um dos livros de De Bello Gallico é consagrado a uma das sete campanhas de César na Gália, e constituem preciosos documentos históricos.

Conteúdo[editar | editar código-fonte]

A obra começa com Júlio César descrevendo a Gália e a campanha contra os Helvécios - um conglomerado de povos cujo número (segundo César) ultrapassava os 300 mil -, que decidira migrar das regiões alpinas para o oeste, passando através de Provença e outras áreas do centro da Gália, ocupadas por tribos aliadas a Roma. Quando César deixou claro que não permitiria isso, eles formaram uma aliança com outras tribos, para lutar contra os romanos (58 a.C.).

Segue-se a descrição das campanhas contra outras tribos gaulesas e germânicas, e a invasão da Britânia. Por último, o livro trata da insurreição geral da Gália 2 e da derrota de Vercingetórix na Batalha de Alésia 3 .

César distingue três grupos étnicos que viviam na Gália e que foram subjugados por suas forças: os Gauleses (no centro do país), o Aquitânios (que viviam onde hoje é a região francesa da Aquitânia), e os Belgas (no norte).

As campanhas militares geralmente se inciavam no final do verão - com o abastecimento de grãos e construção de fortalezas - e terminavam no final do ano, quando César voltava para seus quartéis entre os Sequanos (seus aliados), para passar o inverno4 .

Importância histórica[editar | editar código-fonte]

O livro é também valioso pelos diversos fatos históricos e pontos geográficos (Gallia est omnis divisa in partes tres...) que podem ser apreendidos da obra, que foi também uma das primeiras a serem escritas na terceira pessoa. Capítulos notáveis são aqueles que descrevem os costumes dos Gauleses (VI, 13), sua religião (VI, 17), uma comparação entre os Gauleses e os Germanos (VI, 24) e outras notas curiosas como a falta de interesse dos Germanos pela agricultura (VI, 22).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. ALBRECHT, Michael. Geschichte der römischen Literatur. Band 1. Munich 1994 2nd ed., p. 332-334.
  2. César, De bello gallico, VII, 4.
  3. César, De bello gallico, VII, 89
  4. César, De bello gallico, 42

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikisource
O Wikisource contém fontes primárias relacionadas com Comentários sobre a Guerra Gálica
Wikisource
O Wikisource contém fontes primárias relacionadas com Commentarii de bello Gallico