Death on the Nile

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Death on the Nile
O Barco da Morte ou
Morte no Nilo
 (PT)
Morte no Nilo (BR)
Autor (es) Agatha Christie
Idioma inglês
País Reino Unido
Género romance policial
Editora Collins Crime Club
Lançamento 1 de novembro de 1937
Páginas 288 (1ª edição, capa dura)
Editora Edições ASA
Cronologia
Último
Último
Dumb Witness
Appointment with Death
Próximo
Próximo

Death on the Nile (Morte no Nilo, em Portugal / O Barco da Morte, no Brasil) é um romance policial de Agatha Christie, publicado em 1937. É protagonizado pelo detetive Hercule Poirot.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

O livro trata do assassinato de Linnet Ridgeway, uma moça rica numa viagem no navio Karnak pelo rio Nilo. Quase todos a bordo do navio teriam um motivo para querer a morte de Linnet. A solução vem depois das investigações do astuto investigador Poirot. O livro também conta com histórias de romances não resolvidas e roubo de jóias. Ao final do livro, Poirot descobre a quem pertence a autoria do crime e Agatha Christie nos surpreende mais uma vez, mostrando o poder do seu talento.

Referências

História[editar | editar código-fonte]

Linnet Doyle e seu marido, Simon Doyle estão no Egito para celebrar a sua lua de mel. Simon Doyle já foi noivo da melhor amiga de Linnet, Jacqueline De Bellefort. Os Doyles abordo do SS Karnak para uma viagem ao longo do rio Nilo, juntamente com muitos outros passageiros. São romancista Salomé Otterbourne e sua filha, Rosalie, a Sra. Allerton e seu filho, Tim, advogado americano Linnet e administrador Andrew Pennington, empregada Linnet de Louise Bourget; American socialite Miss Van Schuyler e sua sobrinha Cornelia Robson; enfermeira Miss Schuyler do Miss Bowers; um misterioso homem chamado Mr. Ferguson, o arqueólogo Signor Richetti, o homem silencioso James Fanthorp, o austríaco Dr. Bessner e Jacqueline De Bellefort. Também a bordo é o detetive Hercule Poirot.

Jacqueline tem perseguido Linnet e Simon, desde que se casaram, o que a deixou com muita raiva. Uma noite, Jacqueline De Bellefort diz a Poirot que quer matar Linnet e Simon. Um dia antes, quando todo mundo estava visitando uma ruína egípcia, uma pedra quase caiu na cabeça de Linnet, mas felizmente nada aconteceu. Poirot, Simon e Linnet pensam que Jacqueline é a culpada, mas depois descobriram que ela estava no barco o tempo todo e não poderia ter feito isso. Poirot encontra seu amigo Coronel Race, que se junta a eles todos no barco para a viagem de regresso. Race Poirot diz que um dos passageiros é um criminoso mortal que matou muitas pessoas antes. Naquela noite no barco, Jacqueline fica bêbado em um ataque de raiva, pegou uma pistola, e atira na perna de Simon. Simon insiste que Jacqueline ser cuidada antes dele, e assim as outras duas pessoas presentes, Cornelia Robson e Fanthorp, levá-la de volta para sua cabine. Eles chamam Dr. Bessner, que tende a Simon (que também abriu a janela) e fica com ele a noite toda. Enfermeira Bowers permanece com Jacqueline toda a noite. Mais tarde, diz Fanthorp conta à Bessner que a arma está faltando.

No dia seguinte, Linnet é encontrada morta com uma bala na cabeça. Quando Poirot investiga, ele encontra um grande "J" na parede. Mais tarde, Poirot percebe dois potes de esmalte em sala de Linnet. Uma dos esmaltes é rotulado de "Cardeal", de um vermelho profundo, escuro. O outro frasco foi rotulado como "Rose", que é um tom de rosa pálido, mas as gotas restantes na garrafa não eram cor de rosa pálido, mas se pintar um vermelho brilhante. Ele também vê que as pérolas Linnet estão faltando. Poirot, em seguida, entrevistas todos os passageiros. Ele acha que muitos deles ouviu um "splash" e alguém correndo durante a noite. Miss Van Schuyler diz que ouviu um esguicho e viu Rosalie Otterbourne jogar alguma coisa na água. Rosalie diz que nunca deixou sua cabine e que não jogou nada no mar. Louise Bourget diz à Poirot como ela poderia ter visto o assassino já que estava ocupada, o que a torna o suspeita. Poirot conclui que, Jacqueline, apesar de ser a principal suspeita, não poderia ter matado uma vez que ela foi vigiada por toda a noite. Poirot acha que alguém viu Jacqueline atirar em Simon, e usou esta oportunidade para matar Linnet e acusar Jacqueline. A arma é encontrada no mar, o que confunde Poirot, pois se alguém estava tentando incriminar Jacqueline que teria deixado sua arma dentro da cabine.

Lentamente, Poirot começa a deduzir o que aconteceu durante a noite. Ele percebe que Rosalie estava realmente jogando algumas garrafas de bebida de sua mãe alcoólatra ao mar. Ele suspeita que Rosalie viu alguém sair da cabine Linnet, mas ela diz que não. Durante o almoço, Race diz que todos os passageiros serão revistados, a fim de encontrar as pérolas que sumiram. Enfermeira Bowers dá as pérolas de volta, e diz a Poirot que a Miss Van Schuyler levou, porque ela é cleptomaníaca. No entanto as pérolas são logo considerados falsos. Louise Bourget é encontrada morta em sua cabine segurando algum dinheiro, e deduz-se que ela estava tentando chantagear o assassino. Poirot e Race entraram na cabine Dr. Besser e informam o médico e Simon o que aconteceu. Salomé Otterbourne entra e diz que sabe quem matou Linnet e Louise. Simon grita com ela para lhe dizer. Antes que ela possa terminar sua história, ela leva um tiro pelas costas e morre. Quase todos a bordo, chegam ao camarote para ver o que foi aquele barulho, Tim sendo o primeira a chegar. Poirot reconhece a arma, que caiu, de Andrew Pennington, que não está no atendimento. Poirot pede para se encontrar com Pennington em uma hora, mas primeiro ele se encontra com Tim. Poirot revela que Tim foi quem roubou as pérolas. Tim tinha um cúmplice na Inglaterra, que fez a cópia falsificada das pérolas e trocou-as quando ele roubou as reais. Tim não sabe se Linnet já estava morta quando ele fez isso, embora ele não se lembrasse de sua respiração. Foi Tim que Rosalie viu, mas Rosalie não contou a ninguém, porque ela achava que seria Tim suspeito de ser o assassino e ela passou a amá-lo. Poirot diz que não vai contar à polícia que Tim roubou as pérolas, e permite que ele se case com Rosalie.

Quando Poirot encontra-se com Pennington, é revelado que Pennington roubou dinheiro de Linnet, e estava tentando fazer com que Linnet assinasse os papéis para que ele ficasse livre de qualquer crime. Pennington descobriu que Linnet lê contratos em detalhes então ela poderia descobrir o que ele fez. Pennington descobriu que Simon não lê contratos legal, apenas os assina. Pennington tentou matar Linnet com a pedra de modo que pudesse lidar com Simon, mas não deu certo. Mas Pennington diz à Poirot que ele não atirou em Linnet, Poirot concorda com ele. Outras revelações são feitas também. Fanthorp se revela ser de um escritório de advocacia que a suspeita de Pennington e de seus crimes, e entrou no barco de modo que certificasse com que Linnet não iria assinaria os papéis (antes ele havia distraído a atenção de Linnet quando ela estava prestes a assiná-los). Mr. Richetti revela-se o procurado do Coronel Race, depois Race ouve de um telegrama recebido Richetti cheio de palavras-código que dá instruções Richetti.

Poirot diz à Racet que ele já sabe muito bem o modo e como o assassinato foi efectivamente cometido, mas antes queria lidar com outras questões como as pérolas e pedra, que não contou a ninguém. Finalmente, ele diz a Race, Miss Robson, e Dr. Bessner sobre os assassinos. Toda a sua teoria sobre alguém ouvindo o confronto era falso, motivo pelo qual ele não conseguia descobrir a verdade por um tempo. Jacqueline e Simon estavam juntos. Jacqueline fingiu atirar Simon e, em seguida, enquanto todos estavam preocupados com a obtenção de Jacqueline de volta para sua cabana, devido à insistência de Simon, ele pegou a arma, disparou Linnet. Em seguida, deu um tiro em sua perna e jogou a arma fora do barco antes que alguém viesse. Quando o Dr. Bessner examinou-o, parecia que ele realmente tinha sido atingido por Jacqueline. Ele havia usado um pouco de sangue falso anterior, e depositado na garrafa de esmalte no quarto de Linnet. Simon percebeu as dicas de Louise que sabia quem era o assassino, então mandou Jacqueline matá-la. Quando a Sra. Otterbourne disse a Simon que ela sabia quem era o assassino, Simon gritou para que Jacqueline ouvisse e desse tempo suficiente para que ela ouvisse, pegasse uma arma, matasse a Sra. Otterbourne e voltasse para sua cabine. Simon e Jacqueline estavam planejando se casar, porque ambos estavam se amavam, mas viveriam uma vida de luxo, juntamente com o dinheiro do Linnet. Jacqueline diz à Poirot que o assassinato foi idéia de Simon, mas ela planejou tudo, sabendo que Simon não era inteligente o suficiente para que o fizesse por si mesmo. Com todos deixando o navio, Jacqueline tem uma segunda pistola que ela escondeu de Rosalie Otterbourne e mata tanto Simon e ela mesma. Miss Robson aceita a proposta do Dr. Bessner de casamento, para o desespero do senhor Ferguson, que tinha sido a cortejá-la durante toda a viagem.

Um bom livro para disfrutar e admirar.

Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.