Debra LaFave

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde setembro de 2009).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Debra Jean Beasley
Nascimento 28 de Agosto de 1980 (34 anos)
Riverview, Florida
Nacionalidade Estados Unidos americana
Cônjuge Kristian Owen LaFave (divorciado)
Ocupação professora

Debra Jean Beasley, mais conhecida pelo seu antigo nome de casada Debra Lafave, (Riverview, Florida, 28 de agosto de 1980) é uma ex-professora estadunidense. Em 2005, ela confessou ter tido relações sexuais com um estudante de 14 anos.

Primeiros anos de vida e educação[editar | editar código-fonte]

Lafave é formada na University of South Florida[1] . Ela sempre teve ótimas notas na faculdade [2] e, depois de graduada, conseguiu um emprego como professora de Inglês no colégio Angelo L. Greco Middle School em Temple Terrace, Flórida. Ela se casou com Owen Lafave, em 2003.[3]

O Relacionamento[editar | editar código-fonte]

Lafave fez sexo oral e manteve relações sexuais com um estudante em quatro ocasiões diferentes, em sua sala de aula, em seu carro e em sua casa.[4] [5]

Prisão e julgamento[editar | editar código-fonte]

Os investigadores souberam do caso depois de terem sido notificados pela mãe do menino.[6] Os oficiais gravaram conversas entre Lafave e o garoto, e prenderam ela durante um encontro dos dois. Duas das acusações que tinham contra ela foram arquivadas porque os incidentes alegados ocorreram em condados diferentes. A data do julgamento foi definida depois de a defesa não concordar com um acordo judicial que envolvia o tempo de prisão.

Pouco antes do julgamento começar, a mãe do menino soube que este seria coberto pela Court TV, e concordou com um acordo judicial, sem tempo de prisão, a fim de evitar que seu filho tivesse que testemunhar no tribunal.[7] Lafave se declarou culpada no âmbito do acordo e foi sentenciada a prisão domiciliar, sete anos de liberdade condicional, e foi forçada a se registrar como uma abusadora sexual, juntamente com vários outros requisitos.[8]

Aparência física[editar | editar código-fonte]

Comentaristas afirmaram que a atenção dada a este caso em particular se devia a beleza física de Lafave.[9] [10] Fotografias provocativas de Lafave circularam na internet desde que ela ganhou notoriedade.[10]

O Departamento de Polícia de Tampa fez uma investigação minuciosa quando foi revelado que tiraram fotos dela nua em uma cela de prisão. John Gillespie, o detetive que pediu as fotos nuas de Lafave, foi preso, antes do julgamento, por prostituição.[11]

Resultado[editar | editar código-fonte]

Lafave atribuiu suas indiscrições a um distúrbio bipolar, que está associado a intensas e irregulares alterações de humor, e à hipersexualidade.[12]

Ela foi presa em 4 de Dezembro de 2007, por violar sua condicional conversando com uma menina de um restaurante que tinha 17 anos de idade.[13] [14] O tribunal decidiu, no entanto, que a violação não foi nem intencional, nem substancial, e não revogou sua condicional. Em Julho de 2008, LaFave pediu para converter o restante de sua prisão domiciliar a liberdade condicional, tendo já cumprido outros termos do acordo, tais como terapia sexual e serviços à comunidade. Sua petição foi concedida e sua prisão domiciliar terminou quatro meses antes.[15] Em 29 de Outubro de 2009, foi anunciado que tinha sido permitido que ela tivesse contato com algumas crianças.

O ex-marido de Lafave apareceu em inumeros talk shows contando como o crime de sua ex-esposa tinha afetado o relacionamento deles. Ele aparece no documentário After School, que foca no relacionamento professor/aluno.

Em 22 de Setembro de 2011, Lafave terminou sua liberdade condicional, quatro meses antes, por ter cumprido todas as suas outras obrigações, e também por ter virado, recentemente, mãe. Sua petição foi concedida e sua condicional terminou no mesmo dia. A família da vítima afirmou que vai recorrer da decisão.[16]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Colavecchio-Van Sickler, Shannon. Tampabay: Teacher considers plea deal in sex case, June 16, 2005. Accessed February 8, 2009.
  2. Lauer, Matt. Debra Lafave: Crossing the Line, Dateline NBC, MSNBC, September 13, 2006. Accessed June 26, 2010.
  3. Debra Lafave: Crossing the Line, Dateline NBC MSNBC (September 13, 2006). Visitado em April 9, 2011.
  4. Time Waster. Reading Teacher Booked The Smoking Gun. Visitado em April 9, 2011.
  5. Erro: campo title é obrigatório.
  6. Tampa Bay Breaking News
  7. Krause, Thomas W. Lafave Signs Plea, Tampa Bay Online, November 23, 2005. Accessed July 15, 2008.
  8. Rondeaux, Candace. No jail time for Lafave, St. Petersburg Times, November 22, 2005. Accessed July 15, 2008.
  9. Wendy Cook. "Debra Lafave Sexy Photos Offer: Will Teacher Strip After Probation?", National Ledger, April 10, 2008.
  10. a b Jon Shanks. "Racy Photos of Debra Lafave Hot Again After Teacher Gets Off", National Ledger, April 10, 2008.
  11. "Detective investigating Debra Lafave has also been arrested" WTSB-Tampa Bay News Report, September 16, 2005 [1]
  12. Debra Lafave: ‘I crossed the line’, MSNBC, September 12, 2006. Accessed July 15, 2008.
  13. WTSP – Tampa Bay's 10 News. "Debra Lafave arrested today". December 4, 2007 [2]
  14. Former teacher who had sex with student back in trouble, CNN, December 4, 2007. Accessed July 15, 2008.
  15. Poltilove, Josh. "Debra Lafave no longer on probation", 'Tampa Tribune', September 22, 2011. Página visitada em September 22, 2011.
  16. "Tampa teacher who admitted sex with student let off probation early", CNN, September 22, 2011. Página visitada em September 22, 2011.