Delhi Durbar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Delhi Durbar significa Corte de Delhi e referia-se a uma assembleia em massa que ocorria em Delhi, na Índia, que servia para comemorar a coroação do rei e rainha britânicos. Esta celebração ocorreu por três vezes entre 1877 e 1911, no auge do Império Britânico. O Durbar de 1911 foi o único com a presença do próprio rei.

Durbar de 1877[editar | editar código-fonte]

Este foi chamado de o Durbar da Proclamação e serviu para comemorar a coroação e proclamação da rainha Vitória como imperatriz da Índia. Este Durbar foi uma celebração de cariz mais oficial e não uma ocasião com grande apelo popular tal como aconteceu em 1903 e 1911. Esta cerimónia teve a presença de Robert Bulwe-Lyton vice-rei da Índia e de vários marajás, nababos e intelectuais. Este evento marcou a culminação da transferência do controlo da Índia britânica das mãos da Companhia Britânica das Índias Orientais para o governo do Reino Unido.

O Durbar foi o início de uma grande transformação para a Índia, visto que foi naquela ocasião lançada a campanha por uma Índia livre.[1]

Dentro do Memorial da Rainha Vitória em Calcutá, há uma inscrição retirada da mensagem da Rainha Vitória apresentada, no Durbar de 1877, ao povo da Índia:

"Acreditamos que a presente ocasião vai contribuir para unir em estreitos laços de afeto a nós mesmos e aos nossos súditos; que desde o mais importante ao mais humilde, todos possam sentir que debaixo do nosso governo os grandes príncipios da liberdade, igualdade, e justiça lhes estão assegurados; e promover a sua felicidade, e aumentar a sua prosperidade, e favorecer o seu bem estar, são os sempre presentes alvos e objetivos do nosso império."

Foi cunhada uma medalha comemorativa da proclamação da rainha como imperatriz da Índia, distribuída entre os convidados mais honrados.[2] Ramanath Tagore foi proclamado marajá por Lorde Lytton, vice-rei da Índia.[3]

Foi nesta ocasião recheada de pompa que se ergueu um homem envergando um simples impecável khadi branco e leu uma citação em nome de Sarvajanik Sabha. Ganesh Vasudev Joshi leu este pedido, formulado numa linguagem muito educada:

"Nós pedimos a Sua Majestade que garanta à Índia o mesmo status político e social de que goza ela e os seus súditos britânicos."

Com este pedido pode ser dito que foi lançada oficialmente a campanha por uma Índia livre. [4]

Durbar de 1903[editar | editar código-fonte]

Carruagem do marajá de Rewa, durante o Delhi Durbar de 1903.

Este Durbar serviu para comemorar a coroação do rei Eduardo VII e da rainha Alexandra como imperador e imperatriz da Índia. Foram duas semanas cheias de festividades planeadas meticulosamente por Lorde Curzon. Foi uma impressionante exibição de pompa e poder. Nem o anterior Durbar de 1877 nem o seguinte de 1911 conseguiram igualar as festividades de 1903. Em poucos meses no final de 1902, uma planície desértica foi transformada numa elaborada cidade de tendas, que incluía ainda uma via férrea que serviu para transportar multidões de espectadores de Delhi, um posto dos correios com os seus próprios selos, instalações com serviçoes telefónicos e telegráficos, uma grande variedade de lojas, uma força policial com uniforme especialmente desenhado para a ocasião, um hospital, um tribunal e sistemas de esgotos e de luz eléctrica. Foram cunhadas medalhas comemorativas da ocasião, teve lugar uma queima de fogos e glamurosos números de dança. Para o desapontamento de Curzon, o rei Eduardo VII não compareceu à cerimónia, mas enviou o seu irmão o príncipe Artur que chegou de trem a partir de Bombaim, junto com uma massa de dignitários, enquanto que Curzon e os membros do seu governo chegaram provenientes da direcção oposta, a partir de Calcutá.

No primeiro dia, os Curzon entraram na área de das festividades, junto com os marajás, montando elefantes, com candelabros de ouro montados sobre as presas dos elefantes. A cerimónia do Durbar ocorreu no dia de ano novo, e os dias seguintes foram ocupados por jogos de pólo e de outros esportes, jantares, bailes, desfiles militares, e exibições. A imprensa mundial enviou os seus melhores jornalistas e fotógrafos para acompanhar esse evento. Este evendo também foi filmado e exibido em cinemas por toda a Índia, e este é geralmente considerado como um dos primeiros filmes da indústria de cinema indiana. [5] [6]

Aga Khan III aproveitou esta ocasião para falar a favor da expansão de todas as instalações educacionais da Índia. [7]

O evento culminou com o grande baile da coroação, presidido por Lorde Curzon, ao qual estiveram presentes apenas os convidados mais ilustres.

Durbar de 1911[editar | editar código-fonte]

Este Durbar serviu para comemorar a coroação do rei Jorge V e da rainha Maria como imperador e imperatriz da Índia. Praticamente todos os príncipes, nobres e outras pessoas importantes da Índia estiveram presentes para prestar homenagem aos seus soberanos. O rei compareceu usando a coroa imperial da Índia com arcos e contendo seis mil e cento e setenta diamantes, e coberta por safiras, esmeraldas e rubis, tudo com um peso de 965 gramas. Eles apareceram numa das janelas do Forte Vermelho, para receber meio milhão ou mais de pessoas que foram saudá-los.[8]

Foram distribuídas 26.800 medalhas de prata comemorativas do Delhi Durbar de 1911, quase todas a homens e a oficiais do regimentos militares britânicos. Um pequeno número de medalhas foi feito em ouro, oferecidas aos príncipes indianos e às figuras mais importantes do governo indiano.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. KESAVAN MUKUL (Sunday, May 29, 2005) "STORY OF THE CONGRESS - Three pivotal moments that shaped early nationalism in India", The Telegraph, Calcutta, Nacionalismo
  2. The Illustrated London News Medalhas
  3. Cotton, H.E.A., Calcutta Old and New, 1909/1980, p596, General Printers and Publishers Pvt. Ltd.
  4. The Delhi Durbar, Dimdima.com, revista de Bharatiya Vidya Bhavan, Índia Livre
  5. Holmes Richard, "Sahib: The British Soldier in India 1750-1914". HARPERCOLLINS. 571 páginas.
  6. Bottomore Stephen (Oct, 1995) "An amazing quarter mile of moving gold, gems and genealogy": filming India's 1902/03 Delhi Durbar, Historical Journal of Film, Radio and Television, inclui extensa bibliografia do sobre o evento, Filmando o Durbar
  7. Sir Sultan Muhammad Shah Aga Khan (Dec. 4, 1911) Speeches of Aga Khan III, Inaugural Speech at the All India Muhammadan Educational Conference, Delhi (Full text) Discurso de Aga Khan
  8. The Royal Ark, Royal and Ruling Houses of Africa, Asia, Oceania and the Americas Joias Reais