Demônios da Garoa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Demônios da Garoa
Informação geral
Origem São Paulo
País  Brasil
Gênero(s) Samba
Período em atividade 1943 - atualmente
Gravadora(s) Band Music, Radar Records
Afiliação(ões) Adoniran Barbosa
Página oficial www.demoniosdagaroa.com.br
Integrantes Sérgio Rosa
Roberto Barbosa (Canhotinho)
Dedé Paraizo
Izael Caldeira da Silva
Ricardo Rosa (Ricardinho)
Ex-integrantes Sydnei Cláudio Thomazzi (Simbad)
Francisco Paulo Gallo
Artur Bernardo
João Pereira dos Santos
Arnaldo Rosa
Antônio Gomes Neto
Cláudio Rosa
Narciso Trevilatto
Cláudio (Esquerdinha)
Geraldo Chiozzo
Antônio Espanha (Boi)
Benedito Espanha (Dito)

Demônios da Garoa é um grupo musical brasileiro, grande intérprete de Adoniran Barbosa, com 71 anos de existência.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Surgiu na década de 1940 com o nome de "Grupo do Luar" fundado por Arnaldo Rosa. Em 1943, cantando pela primeira vez no rádio, venceu um concurso de calouros, chamado A Hora da Bomba, da Rádio Bandeirantes. O prêmio principal era um contrato para duas apresentações semanais na rádio.

O grupo mudou de nome por iniciativa do locutor Vicente Leporace, entusiasta do grupo. Este promoveu um concurso entre os ouvintes para que fosse escolhido o nome do grupo. Dentre as sugestões, foi escolhido o nome "Demônios da Garoa" por um ouvinte da radio não identificado até hoje. Vale lembrar que Leporace ao anunciar o conjunto em seu programa costumava chamá-los de "endiabrados" do Grupo do Luar.

Em 1949, durante as gravações do filme O Cangaceiro, conheceram o compositor Adoniran Barbosa. Nasceu a parceria que rendeu os principais sucessos do grupo e seu reconhecimento nacional.

Seu bom humor tornou-se a marca registrada do grupo. Em 1965, com mudanças na formação original, gravou "Trem das Onze", canção emblemática (eleita em 2000, através de votação popular, a música-símbolo da cidade de São Paulo) [carece de fontes?], conjuntamente com "Iracema", "Saudosa Maloca", "O Samba do Arnesto", "As Mariposas", "Tiro ao Álvaro", "Ói Nóis Aqui Trá Veiz", "Vila Esperança" e "Vai no Bexiga pra Ver".

O grupo vendeu mais de dez milhões de cópias distribuídos em 69 compactos simples, 6 compactos duplos, 34 LPs e 13 CDs ao longo de sua carreira. A atual formação compõe-se de Roberto Barbosa (conhecido pelo codinome de Canhotinho), Serginho Rosa, Sydnei, Izael e Ricardinho (neto do fundador do grupo, Arnaldo Rosa). Noutros tempos, o grupo já contou com a participação de Ventura Ramirez, nome expressivo em São Paulo no estilo violão de 7 cordas [carece de fontes?], com uma técnica peculiar que marcou a história e os arranjos dos Demônios da Garoa por cerca de 30 anos.

Os dois últimos membros do conjunto, Arnaldo Rosa e Toninho Gomes, faleceram respectivamente em 2000, vítima de cirrose hepática oriunda de um tratamento na coluna, e em 2005, vítima de complicações do diabetes e do mal de Alzheimer.

Em 1994, os Demônios da Garoa entraram para o Guinness Book - Livro dos Recordes Brasileiro, de onde não mais saíram, como o "Conjunto Vocal Mais Antigo do Brasil em Atividade", além de receberem o disco de ouro pelo álbum 50 Anos.

A banda, que sempre se apresentou somente com os seus integrantes, a partir da gravação de seu primeiro DVD intitulado Demônios da Garoa ao Vivo, lançado pela BAND Music, agora conta também com uma banda de apoio, formada por bateria, violão de 7 cordas e contrabaixo.

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • Um Samba Diferente (2014)
  • Vem Cantar Comigo (2012)
  • Demônios da Garoa e Amigos (2008)
  • Ao Vivo no Olympia (2006)
  • 60 Anos Ao Vivo (2004)
  • Reviva (2001)
  • 55 Anos de Garoa (1999)
  • Ao Vivo (1997)
  • Demônios da Garoa Hoje (1995)
  • 50 Anos (1994)
  • Esses Divinos Demônios da Garoa (1990)
  • O Samba Continua (1980)
  • 34 Anos de Música Brasileira (1977)
  • Samba do Metrô (1975)
  • Torre de Babel (1974)
  • Abre a Gira (1973)
  • Eu Sou de Lá (1972)
  • Aguenta a Mão, João (1971)
  • Sai de Mim, Saudade (1971)
  • Doido Varrido (1969)
  • Ói Nóis Aqui Tra Veis (1969)
  • É de Samba Vol. 2 (1968)
  • É de Samba (1968)
  • Leva Este (1968)
  • Eu Vou Pro Samba (1965)
  • Trem das Onze (1964)
  • Mas Demônios Que Nunca (1962, Argentina)
  • Demônios em Sambas Infernais (1961)
  • Pafunça (1958)
  • Demônios da Garoa (1957)
  • Saudosa Maloca (1957)

Maiores Sucessos (ordem cronológica)[editar | editar código-fonte]

  • 1951 - Malvina
  • 1955 - O Samba do Arnesto
  • 1955 - Saudosa Maloca
  • 1956 - Iracema
  • 1964 - Iracema (regravação do antigo sucesso de 1956)
  • 1964 - Trem das Onze
  • 1990 - Seu Querer

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]