Dementia 13

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Dementia 13
 Estados Unidos
1963 • cor • 75 min 
Direção Francis Ford Coppola
Produção Roger Corman
Roteiro Francis Ford Coppola
Elenco William Campbell
Luana Anders
Patrick Magee
Género Terror-thriller
Música Ronald Stein
Cinematografia Charles Hannawalt
Edição Stuart O'Brien
Morton Tubor
Distribuição American International Pictures
Lançamento 25 de setembro de 1963
Idioma Inglês
Receita US$42,000[1]
Página no IMDb (em inglês)

Dementia 13 (lançado no Reino Unido como The Haunted and the Hunted) é um filme norte-americano de terror-thriller de 1963 dirigido e escrito por Francis Ford Coppola e produzido por Roger Corman. É estrelado por William Campbell, Patrick Magee, e Luana Anders.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Dementia 13 conta a história de uma maldição envolvendo uma nobre família irlandesa que vive no enorme Castelo Haloran, uma edificação de pedra no melhor estilo gótico, e que foi atingida pela tragédia da morte de Kathleen (Barbara Dowling), uma jovem criança que se afogou no lago da residência quando brincava com seu irmão Billy. Após o acidente fatal, a família se separou ficando apenas a matriarca Lady Haloran (Eithne Dunn) vivendo no castelo com seus criados Arthur (Ron Perry) e Lillian (Derry O´Donovan). Porém, a família, formada ainda pelos irmãos John (Peter Read), o escultor de estátuas Richard (William Campbell) e o jovem Billy Haloran (Bart Patton), se reúne todos os anos para celebrar o memorial da morte da irmã Kathleen. Passados alguns anos da morte da garota, quando a família reúne-se novamente para mais um memorial, um assassino começa a atuar nas imediações do castelo utilizando um machado para dilacerar suas vítimas.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Recepção[editar | editar código-fonte]

O filme foi lançado no outono de 1963, como o recurso de suporte de um programa duplo com X: The Man with the X-Ray Eyes, de Corman. Por causa de sua produção apressada e um roteiro um tanto incompreensível, avaliações críticas de Dementia 13 têm sido mistas. O The New York Times indeferiu o filme: "Sob a direção impassível de Francis Coppola, que também escreveu o roteiro, a imagem salienta sangue, ao invés da atmosfera, e quase enterra um enredo bastante viável."[2] Michael Weldon, em The Psychotronic Encyclopedia of Film, notou que tinha "[um] grande truque final, alguns assassinatos verdadeiramente chocantes com machados sangrentos, e um monte de filmagens criativas."[3] Tom Raynes, no Time Out Film Guide, disse que "a localização (um castelo irlandês) é usada imaginativamente, a atmosfera gótica é adequadamente potente, e há uma participação especial maravilhosamente afiada de Patrick Magee...".[4] Danny Peary, em seu Guide for the Film Fanatic, afirmou que, apesar do enredo "irremediavelmente confuso", "...as sequências de terror são muito emocionantes."[5]

The Aurum Film Encyclopedia: Horror de Phil Hardy opinou que "percebe-se a presença de um diretor desde a sequência de abertura temperamental...uma parte de alto melodrama gótico...A fraqueza do filme está no roteiro, que dá todos os indícios de ter sido agrupada no último minuto...".[6] John Charles, da Video Watchdog, escreveu que o filme era "um thriller incrivelmente confiante e proficiente. Vários de seus componentes sugerem a criatividade que ainda estava por vir de Coppola, e o produto final é uma prova de sua ingenuidade...".[7] Kim Newman opinou que "Coppola...trabalha rápido e criativo em Dementia 13, tornando memoráveis, pequenas sequências chocantes fora dos assassinatos e a assombração implícita, usando suas localizações bem e destacando a facilidade inesperada como um rádio transistor borbulhando música pop distorcida como afunda em um lago junto com um cadáver recém-assassinado."[8] Dementia 13 tem uma avaliação favorável de 65 por cento no site Rotten Tomatoes, dos 20 colaboradores pesquisados.[9]

Referências

  1. Fred Olen Ray, The New Poverty Row: Independent Filmmakers as Distributors, McFarland, 1991, p 45
  2. Screen: Ray Milland in 'X':Movie About Surgeon Opens in Double Bill (em inglês) New York Times (24 de outubro de 1963). Visitado em 1 de janeiro de 2015.
  3. Weldon, Michael. The Psychotronic Encyclopedia of Film, Ballantine Books, 1983. ISBN 0-345-30381-4
  4. Raynes, Tom. Dementia 13. Visitado em 1 de janeiro de 2015.
  5. Peary, Danny. Guide for the Film Fanatic, Simon & Schuster, 1986. ISBN 0-671-61081-3
  6. Hardy, Phil (editor). The Aurum Film Encyclopedia: Horror, Aurum Press, 1984. Reproduzido como The Overlook Film Encyclopedia: Horror, Overlook Press, 1995, ISBN 0-87951-518-X
  7. Charles, John. Revista Video Watchdog, número #37, pgs. 54 - 56. Revisão de Dementia 13
  8. Newman, Kim. Irish Horror Cinema (em inglês) Irish Journal of Gothic and Horror Studies. Visitado em 1 de janeiro de 2015.
  9. Dementia 13 (em inglês) Rotten Tomatoes. Visitado em 1 de janeiro de 2015.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este sobre um filme é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.