Demografia das orientações sexuais

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde fevereiro de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A demografia das orientações sexuais é uma tentativa de classificar em números a orientação sexual das populações do mundo.

LGBT[editar | editar código-fonte]

Cidades no topo[editar | editar código-fonte]

Brasil[editar | editar código-fonte]

Em 2009, em uma pesquisa realizada pela Universidade de São Paulo em 10 capitais do Brasil, 7,8% dos homens diziam-se homossexuais e 2,6% bissexuais, para um total de 10,4%; 4,9% das mulheres diziam-se lésbicas e 1,4% bissexuais, para um total de 6,3%.[1]

Dos homens da cidade do Rio de Janeiro, 19,3% eram homossexuais ou bissexuais. Das mulheres da cidade de Manaus, 10,2% eram lésbicas e bissexuais.[1]

Posto Cidade Porcentagem
da população
da cidade
População GLB
rank
1 Rio de Janeiro 14.30% 1
2 Belém 9.35% 2
3 Manaus 8.35% 3
4 São Paulo 8.20% 4
5 Salvador 8.05% 5
6 Brasília 7.95% 6
7 Belo Horizonte 6.85% 7
8 Curitiba 6.55% 8
9 Porto Alegre 5.95% 9
10 Cuiabá 5.65% 10

O Censo do IBGE de 2010 apontou Florinópolis como a capital com mais casays gays declarados vivendo sob o mesmo teto, equivalente a 0,11% da população. Em segundo lugar, estariam Porto Alegre, com 0,10% e Rio de Janeiro, com 0,09%.[2]

Ícone de esboço Este artigo sobre sexo ou sexualidade é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b Censo gay Mundo Mais (16 de março de 2009). Visitado em 10 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 6 de julho de 2011.
  2. Rodrigo Burgarelli e Vitor Hugo Brandalise - O Estado de S.Paulo. Florianópolis lidera ranking gay das capitais, publicada em 25/06/2011. Acessada em 23/02/2014.