Dent du Géant

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Dent du Géant
O Dent du Géant visto da Ponta Helbronner
Dent du Géant está localizado em: Alpes
Dent du Géant
Localização nos Alpes
Coordenadas 45° 51' 43" N 6° 57' 06" E
Altitude 4013 m (13166 pés)
Proeminência 139 m
Listas 4000s dos Alpes
Localização Blason Rhône-Alpes Gendarmerie.svg Ródano-Alpes ,  França
Valle d'Aosta-Stemma.svg Vale de Aosta , da  Itália,
Cordilheira Maciço do Monte Branco
Primeira ascensão 8 de agosto de 1855 por 14 de agosto de 1882
William Woodman Graham e Auguste Cupelin e Alphonse Payot
Rota mais fácil Face Sudoeste pelas Placas Burgener (D- com as cordas fixas), a partir do Refúgio Torino

O Dent du Géant ou Aiguille du Géant (Dente do Gigante ou Agulha do Gigante) - é um cume no Maciço do Monte Branco, que culmina a 4013 m, numa aresta que faz parte da fronteira França-Itália, entre o Monte Branco e as Grandes Jorasses, logo entre a Alta Saboia, em França, e o Vale de Aosta, em Itália.

Pode ser facilmente visto do Vale de Aosta da Aiguille du Midi e do Vale Branco.

Este acidente geográfico faz parte da divisória de águas entre o mar Adriático e o mar Mediterrâneo, e faz parte de um dos cumes dos Alpes com mais de 4000 m.

Popularidade[editar | editar código-fonte]

É um dos cumes mais frequentados do Maciço do Monte Branco pelo facto de ser:

  • um pico imponente e de acesso fácil - a partir Passo do Gigante, acessível por subida mecânica
  • de escalada facilitada pelos cabos fixos, mas com a gengiva muito perigosa devido às placas gelada de 50 o

O Dent du Géant faz parte de um das 100 mais belas corridas de montanha e é citada nos n.º 33 e 57.

Características[editar | editar código-fonte]

Este monólito de protogine - granito sem mica da região de Monte Branco - tem 200 m de altura. O seu pico é dividido em dois: a ponta Graham, a nordeste que culmina aos 4013 m - pelo que faz parte da lista dos de mais de 4000 m - e a ponta Sella, a sudoeste, com 4009 m.

Separa-se da aresta de Rochefort que se prossegue de Oeste-Este com a Aiguille de Rochefort e o Dôme de Rochefort até ao Passo das Grandes Jorasses.

Ele deu o nome:

Tentativas e histórias[editar | editar código-fonte]

  • 1871 - Edward Robson Whitwell e os guias, o irmãos Christian e Johann Lauener, renunciam depois de a terem atacado das três faces
  • 1875 - Genolini et Stanga, com os guias J.L. Lanier e Émile Rey, param a 100 m do cume
  • 1876 - Jean Charlet-Straton, deixa uma bandeira a uma dezena de metros
    • Disse em relação a este e ao Pequena Dru, que eram muito semelhantes e se se não deixavam conquistar, admirava-as. "São duas grandes senhoras que desejam continuar virgens, e devem ter razão"
  • 1880 - os experimentados Albert F. Mummery e Alexander Burgener tentam atacar a face sudoeste
    • Mummery deixa a sua carta de visita numa garrafa com o célebre comentário: Absolutely inaccessible by fair means

[1]

Primeiras[editar | editar código-fonte]

Panorama a partir da Pointe Helbronner
  • Ponta Sella - a do sudoeste, foi atingida em 1882 pelo guia do Vale de Aosta, Jean-Joseph Maquignaz que passou três dias a plantar pitões, mas é acusado de ter usado explosivos. No dia seguinte subiu-a com os irmãos Alessandro, Alfonso e Corradino Sella e o primo Gaudenzio Sella, donde o nome da ponta [1] .
  • Ponta Graham - como parece que se esqueceram de subir a outra ponta, que aliás é a mais alta com 4013 m, ela foi atingida uns dias mais tarde, a 14 de agosto de 1882, por William Woodman Graham com os guias Auguste Cupelin e Alphonse Payot.

Fim da Idade da Prata[editar | editar código-fonte]

A conquista do Dente do Gigante é segundo o historiador e especialista britânico do montanhismo Simon Thompson, um marco do alpinismo, pois: é o "último cume célebre antes de ter sido conquistado, e o primeiro a tê-lo sido utilizando meios artificiais, com pitões e cabos fixos" .

Esta ascensão marca o fim da idade da prata do alpinismo - que começou com a conquista do Cervino - por se ter utilizado meios artificiais [2] .

Vias[editar | editar código-fonte]

Via normal[editar | editar código-fonte]

A via normal (AD- com os cabos, D sem cabos), que pode ser atingida desde o Refúgio Torino no Passo do Gigante, está equipada com grossas cordas fixas na parte difícil, as célebres Placas de Burgener',

Aresta Norte[editar | editar código-fonte]

A aresta que hoje está cotada D- IV, foi conquistada a 20 de julho de 1900 por Thomas Maischberger, Hainrich Pfannl e Franz Zimmer sem plantarem um único pitão

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • A primeira mulher a "conquistá-lo" foi a aviadora Marie Marvingt, a namorada do perigo' em 1903 [3]
  • Os primeiros filmes alpinistas com uma câmara de 16 mm feitos pelo alpinista italiano Mario Piacenza foram Cervin e Ascensão ao dente do Gigante [1]
  • Roch Maunut fez Base Jump em 2008

Imagens[editar | editar código-fonte]

Imagem externa[editar | editar código-fonte]

Em Zorgloob o Glaciar de Talèfre e a localização da Aiguille Verte, Les Droites, Les Courtes, Aiguille de Triolet, Agulha de Talèfre, Aiguille de Leschaux, Dent du Géant, Tour Ronde, Monte Branco do Tacul, Aiguille du Midi, Aiguille du Plan, Aiguille du Grépon e Aiguille de l'M.


Referências

  1. a b c Bibliografia - Yves Ballu
  2. Sir Arnold Lunn, A century of mountaineering, 1857-1957, Allen & Unwin, 1957
  3. Rosalie Maggio et Marcel Cordier, Marie Marvingt: la femme d'un siècle, Éditions Pierron, 1991

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Gaston Rébuffat, Le massif du Mont-Blanc - Les 100 plus belles courses, Denoël, 1973
  • Yves Ballu, Les alpinistes, Éditions Glénat, 1997