Departamentos e territórios ultramarinos da França

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Departamentos e territórios franceses
155px

Este artigo é parte da série sobre
Divisões administrativas da França

(incl. Regiões ultramarinas)

(incl. departamentos ultramarinos)

Comunidades urbanas
Aglomeração de comunidades
Comunidades comuna
Sindicatos de Aglomeração Nova

Comunas associadas
Arrondissements municipais

Outros em Ultramarinos da França

Coletividades ultramarinas
coletividade Sui generis
País ultramarino
Território ultramarino
Ilha Clipperton

Departamentos franceses ultramarinos e territórios (francês:départements d'outre-mer e territoires d'outre-mer ou DOM-TOM [dɔmˈtɔm][1] ) consiste largamente de territórios franceses-administrados fora do continente Europeu.

Os territórios ultramarinos franceses estão espalhados pela América, África, Oceania e Antártica.

Na América as administrações francesas são Guiana Francesa, São Pedro e Miquelão, São Martinho e São Bartolomeu, Guadalupe e Martinica. Na África, Maiote e Reunião.

Na Oceania, Nova Caledônia, Wallis e Futuna, Marquesas, Arquipélago da Sociedade e Polinésia Francesa.

E na Antártica, Terra Adélia, Kerguelen, Crozet, Amsterdam e São Paulo.

A França Americana[editar | editar código-fonte]

Guiana Francesa[editar | editar código-fonte]

A Guiana Francesa (em francês Guyane française, oficialmente apenas Guyane) é um departamento ultramarino da França (département d'outre-mer, em francês) na costa atlântica da América do Sul (é por isso é o principal território da União Europeia no continente). Ocupa uma superfície de 86 504 km², limitada ao norte pelo Oceano Atlântico, a leste e a sul pelo Brasil (estado do Amapá) e a oeste pelo Suriname (junto à fronteira com este país está a cidade de Saint-Laurent-du-Maroni). Sua capital e principal cidade é Caiena (Cayenne).

Saint Pierre et Miquellon[editar | editar código-fonte]

Saint-Pierre e Miquelon ou São Pedro e Miquelão (em francês: Saint-Pierre-et-Miquelon) é um pequeno território francês com 242 km² situado a sul da ilha canadense da Terra Nova, na América do Norte, a mais de 1800 km a Leste de Montréal e a 4000 km a Oeste de Lisboa.

Trata-se de duas pequenas ilhas, Saint-Pierre (a capital) e Miquelon, banhadas pelo Oceano Atlântico, a cerca de 20 km da costa canadiana. Estas ilhas constituem o último bastião da França no sub-continente norte-americano.

Saint-Pierre é a ilha principal do arquipélago, centro administrativo e comercial, tem uma população de 6500 habitantes, na sua maioria descendentes de Bascos, Normandos e Bretões (nacionalidades cujos estandartes figuram na própria bandeira de Saint-Pierre e Miquelon).

As ilhas foram descobertas em 1520 pelo navegador português José Álvares Fagundes que as batizou como Ilhas das Onze Mil Virgens. No entanto, o rei designa-as por Ilhas Verdes. Em 1535, Jacques Cartier reclama-as para França. A colonização francesa inicia-se efectivamente apenas em 1604. Entre 1708 e 1816 é ocupada por longos períodos pelos britânicos, mas torna-se definitivamente colónia francesa naquela data.

Guadalupe[editar | editar código-fonte]

Guadalupe (em francês Guadeloupe) é um departamento ultramarino francês nas Caraíbas (Caribe), constituído por dois grupos de ilhas: a "ilha de Guadalupe", que é na realidade composta por duas ilhas, Basse-Terre e Grande-Terre, e ilhas próximas, e um grupo situado bastante mais a norte, constituído por São Bartolomeu, pela metade norte de São Martinho e pelas ilhotas circunvizinhas.

As fronteiras do primeiro grupo fazem-se, por mar, com a Dominica, a sul, com Montserrat a noroeste e com Antigua e Barbuda a norte, e as do segundo grupo fazem-se, por terra, com as Antilhas Holandesas, e por mar com Anguilla a norte, Antigua e Barbuda a sueste, e Saint Kitts e Nevis a sul.

Sua capital é Basse-Terre, sendo que a capital económica é Pointe-à-Pitre, onde se encontra a maioria do comércio, bem como o Port Autonome de la Guadeloupe.

Tem estatuto de região administrativa, assim como a Martinica, a Reunião e a Guiana.

Martinica[editar | editar código-fonte]

A Martinica (em francês: Martinique) é um departamento ultramarino insular francês no Caribe, com fronteiras marítimas com a Dominica ao noroeste, e com Santa Lúcia ao sul. Capital: Fort-de-France. Tem estatuto de região administrativa, assim como as outras colônias francesas (como Guadalupe, a Reunião e a Guiana Francesa). A antiga capital, Saint-Pierre, ficou mundialmente famosa após a grande erupção vulcânica de 1902, no Monte Pelée. Em 29 de novembro de 2007, houve um terremoto de 7,4 na escala de Richter, que foi sentido no Amazonas, no Pará, Rondônia, Roraima e Amapá. Seu mais ilustre filho foi a 1ª consorte do imperador Napoleão I, a imperatriz Josefina de Beauharnais.

A França Africana[editar | editar código-fonte]

Mayotte[editar | editar código-fonte]

Mayotte (ou aportuguesando, Maiote) é um departamento francês entre o Oceano Índico e o Canal de Moçambique, no Arquipélago das Comores, do qual é a ilha mais oriental. Compreende a Ilha Mayotte propriamente dita, também conhecida por Mahoré ou Grande Terre, e duas ilhas bem menores: Pamanzi (ou Petite Terre) e Chissioi m'Zamboro. Os seus vizinhos mais próximos são Comores, a noroeste; Madagascar, a sudeste; Seychelles, a nordeste; Ilhas Gloriosas, dependentes de Reunião, a nordeste; e Moçambique, a oeste. Capital: Mamoudzou.

Foi descoberta por navegadores árabes do período Abássida, no século IX, e anexada, juntamente com Comores. Em 1503, os portugueses foram os primeiros europeus a chegar à ilha. Foi anexada pela França em 1841.

Reunion[editar | editar código-fonte]

Réunion ou Reunião é um departamento francês no Oceano Índico, localizado a leste de Madagáscar. A ilha principal é uma das duas maiores Ilhas Mascarenhas, sendo o seu vizinho mais próximo a outra: a Maurícia. Reunião tem, no entanto, várias dependências, espalhadas em torno de Madagáscar, no Índico e no Canal de Moçambique. Capital: Saint-Denis.

Tem estatuto de região administrativa, assim como a Martinica, a Guadalupe e a Guiana Francesa.

A França Oceânica[editar | editar código-fonte]

Nova Caledônia[editar | editar código-fonte]

A Nova Caledónia ou Nouvelle Caledonie é um arquipélago da Oceania situado na Melanésia - alguns graus a norte do Trópico de Capricórnio. Trata-se de uma comunidade conhecida como sui generis, ou «de sua própria espécie», anexado à França e não um território de ultramar[4][5]. O Acordo de Nouméa cria um estatuto especial para o território, além de prever para 2014 um referendo local sobre sua independência ou a manutenção como parte da República Francesa. Dista da Metrópole aproximadamente 20 000 km. Possui uma superfície de 19 100. Está situado no Oceano Pacífico a 1500 km a leste da Austrália e a 2 000 km a norte da Nova Zelândia. Seu código postal começa com 988. Tem o status de pays d'outre-mer (país ultramarino) desde 1998.

Wallis et Futuna[editar | editar código-fonte]

Situadas a leste da Austrália, no oceano Pacífico, as Ilhas de Wallis e Futuna, assim como a Polinésia Francesa, são um território ultramarino francês, ou seja, possuem maior autonomia interna que as demais possessões francesas. Habitadas por povos polinésios, mantêm a divisão tradicional em três reinos: o de Wallis e os dois que dividem a ilha de Futuna (Sigave e Alo). Além do administrador-chefe, indicado pela França, o território é dirigido por um conselho de seis membros, que inclui os três reis. Há ainda uma Assembleia Territorial de 20 membros eleitos pela população.

Marquesas[editar | editar código-fonte]

As Ilhas Marquesas são um dos cinco arquipélagos da Polinésia Francesa. Em francês são chamadas Îles Marquises ou Archipel des Marquises e, nas línguas locais, são conhecidas por Te Henua (K)enana (na língua marquesa do norte) e por Te Fenua `Enata (na língua marquesa do sul) que significa "A terra dos homens".

A população das ilhas, de acordo com o censo de 2007 era de 8.632 pessoas e continua a crescer. Porém este número é muito inferior à população estimada para as ilhas no século XVI, quando se crê que superava as 100 mil pessoas. O grande decréscimo de população entre os anos de 1600 e 1900 se deveu a seguidas epidemias de varíola. Em 1900 o total de habitantes estava reduzido a 2 mil pessoas.

O arquipélago das Marquesas foi descoberto pelo navegador espanhol Álvaro de Mendaña de Neira em 1595.

Société[editar | editar código-fonte]

As ilhas da Sociedade formam o Arquipélago da Sociedade, cuja ilha principal é o Taiti, na Polinésia Francesa. Esta designação foi atribuída pelo explorador britânico James Cook, que visitou o Taiti quatro vezes, de 1769 a 1777.

Em 1767, o Capitão Samuel Wallis, vindo no navio de guerra britânico Dolphin, desembarcou no Taiti, a maior ilha da Polinésia Francesa. No ano seguinte o navegador francês Capitão Louis Antoine de Bougainville fez o mesmo. Impressionado com a beleza da ilha e surpreso com a amabilidade do povo, Bougainville chamou o Taiti de "Nouvelle Cythère" (Nova Cítara), por causa da ilha grega de Kíthira (Cythère, no grego antigo), perto da qual se diz que Afrodite (deusa grega do amor e da beleza) surgiu do mar. Após Boungaiville, o explorador seguinte a visitar o Taiti foi James Cook, que lhe deu o nome de Ilhas da Sociedade.

Polinésia Francesa[editar | editar código-fonte]

A Polinésia Francesa (em francês: Polynésie française e em taitiano Pōrīnetia Farāni) é um território da Polinésia dependente da França, com o estatuto de colectividade de ultramar, no Oceano Pacífico sul. Localiza-se a aproximadamente 600 quilómetros a leste da Austrália. É um dos mais vastos territórios do Pacífico, com 4.167 km², se considerada a área marítima ocupada, a Polinésia Francesa inclui cinco arquipélagos, o das Marquesas, o de Tuamotu, o de Gambier, o das Austrais e o da Sociedade (dividido em dois grupos, o das Ilhas de Barlavento e da Ilhas de Sotavento), além de algumas ilhotas exteriores a estes grupos.

Os territórios mais próximos são Quiribati, a noroeste, a colónia britânica de Pitcairn, a leste, e o território neozelandês das Ilhas Cook, a oeste. Sua capital é Papeete.

A França Austral[editar | editar código-fonte]

Terra Adélie[editar | editar código-fonte]

A Terra Adélia (Terre Adélie em francês) é um dos distritos das Terras Austrais e Antárticas Francesas. Tem cerca de 432 mil km² e é habitada em permanência por 33 pessoas. Foi descoberta em 1837 pelo navegador Dumont d'Urville.

Kerguelen[editar | editar código-fonte]

As Ilhas Kerguelen ou Arquipélago de Kerguelen (em francês, Îles Kerguelen ou Archipel de Kerguelen, mas oficialmente Archipel des Kerguelen) são um grupo de ilhas localizadas no extremo sul do Oceano Índico. São parte do território das Terras Austrais e Antárticas Francesas.

Estão localizadas a 49°20′S e 69°20′E. A ilha principal, Grande Terre, originalmente chamada Île de la Désolation, tem 6.675 km² de área e está cercada por outras 300 ilhotas, formando um arquipélago com 7.215 km². Essas ilhas apresentam clima frio, com fortes ventos e mar bravio.

A principal povoação, Port-aux-Français, está localizada em Grande Terre e lhe serve de capital, nela constando os principais serviços do arquipélago, tais como bares, hospital, biblioteca e a capela de Notre-dame des Vents.

Crozet[editar | editar código-fonte]

As Ilhas Crozet (francês: Îles Crozet; ou, oficialmente, Arquipélago Crozet) é o nome de um arquipélago sub-antártico vulcânico e desabitado ao sul do Oceano Índico. Elas formam um dos cinco distritos administrativos das Terras Austrais e Antárticas Francesas (França). Estão situadas a 2.425 km da ilha de Madagascar. O arquipelágo é composto pelas ilhas Ilha dos Porcos (Île aux Cochons), Ilha dos Pinguins (Île des Pingouins), Ilhotas dos Apóstolos (Îlots des Apôtres), Ilhotas dos Apóstolos (Îlots des Apôtres) e Ilha do Leste (Île de l'Est).

Amsterdam[editar | editar código-fonte]

A Île Amsterdam (ou Ilha de Amsterdão ou Amesterdão, em honra da capital dos Países Baixos) é uma ilha francesa no Oceano Índico localizada a 37°52′S, 77°32′E.

A ilha é de origem vulcânica, mas o vulcão está inactivo desde 1792. Tem uma área de 55 km², medindo 21 km no seu lado mais comprido, e atinge uma altitude máxima de 867 m no Mont de la Dives.

A ilha faz parte das Terras Antárticas e Austrais Francesas (Terres australes et antarctiques françaises; TAAF)[1], e, junto com a vizinha Île Saint-Paul (85 km a sul) forma um dos cinco distritos do território. Martin-de-Viviès, antes chamada de La Roche Gódon, é a capital do território.

Ao contrário da maioria das TAAF, a Île Amsterdam tem um clima oceânico ameno, com uma média de temperatura anula de 13°C (55°F), pluviosidade de 1 100 mm, ventos persistentes de oeste e níveis elevados de humidade.[2]

Saint Paul[editar | editar código-fonte]

Île Saint Paul ou Ilha de São Paulo é uma ilha desabitada no Oceano Índico, parte das Terras Austrais e Antárticas Francesas com uma área de 6 km² (2.3 mi²). Está localizada a 85 km (53 milhas) sudeste da Île Amsterdam e 3000 km (1900 milhas) ao sul de Reunião (França). Uma cabine para pesquisa científica na ilha é usada para permanências curtas, mas não existe população permanente no local.

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]