Desafio Solar Mundial

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A rota de 3 000 km do Desafio Solar Mundial (Austrália).
Nuna 3, Dutch Nuna team
O vencedor do Global Green Challenge 2009, "Tokai Challenger", Japão Tokai University Solar Car Team

O Desafio Solar Mundial é uma corrida de carros solares que ocorre a cada dois anos na Austrália. Nessa competição os carros solares devem percorrer 3 021 km através do deserto australiano, de Darwin a Adelaide.

A corrida atrai muitas equipes ao redor do mundo, a maioria fundada em universidades ou por empresas, mas há também aquelas que são fundadas em escolas de ensino médio.

Objetivo[editar | editar código-fonte]

O objetivo dessa competição é promover a pesquisa com veículos solares e tecnologias envolvidas. Conta com equipes de universidades e empresariais. Em 2005, 22 equipes de 11 países inscreveram-se para a categoria primária da corrida.

Regras Importantes[editar | editar código-fonte]

> Como a corrida ocorre em rodovias públicas, os carros devem aderir as regras normais de tráfego. Mas uma nota especial no regulamento oficial marca a tendência dos pilotos a ter vantagem do posicionamento na pista para capturar a máxima quantidade de energia solar. Depois do Meio dia quando o Sol está no oeste, há a vantagem de dirigir no lado direito da pista, providenciando-se, é claro, que não haja tráfego na direção oposta.

> O mínimo de dois e o máximo de 4 pilotos podem ser registrados. Se o peso do piloto (incluindo roupas) for menor que 80 kg, pesos são adicionados ao carro para desfazer a diferença.

> O período de corrida ocorre entre as 8 da manhã até as 5 da tarde. é possível escolher o lugar para passar a noite (ao longo da estrada), também é possível estender esse período em até 10 minutos. Esse tempo extra é compensado com um atraso no dia seguinte.

> Em vários pontos da estradas há os checkpoints, onde os carros devem parar por 30 minutos. Somente é possível realizar manutenção, sem reparos, nessas paradas.

> A capacidade das baterias é limitada pela massa para cada tipo de substância (por exemplo: as baterias de Lítio-Polímero podem ter o peso máximo de 30 kg, enquanto as de Chumbo-Ácido podem chegar até 125 kg). E a capacidade máxima é de 5kWh. No começo da corrida as baterias devem ser carregadas totalmente. Elas não podem ser trocadas durante a corrida, exceto em caso de inutilização. Se ocorrer, uma penalização é aplicada.

> Há um limite pré-estabelecido para as dimensões do veículo, que são: 5m x 1,8m x 1,6m (c x l x a)

> A desaceleração dos dois sistemas de frenagem (travagem) deve ser de, pelo menos, 3,8 m/s²

A competição[editar | editar código-fonte]

Um eficiente balanceamento das reservas e da energia consumida é a chave para o sucesso durante a corrida. A qualquer momento a velocidade ótima de corrida depende do ambiente e da capacidade restante nas baterias. Os membros da equipe nos carros de escolta a gasolina ficam continuamente recebendo informação do carro via telemetria em tempo real, e eles devem desenvolver programas de computador para trabalhar na melhor estratégia de corrida. É requerido também a presença de um Observador Oficial, que vai instalado no primeiro veículo de escolta, sem nenhum computador.

É importante tornar equilibrada a carga das baterias o melhor possível nos períodos do nascer-do-sol e do pôr-do-sol. A captura da maior quantidade de energia solar que possível. Os painéis solares geralmente são direcionados para que a luz incida na perpendicular, obtendo assim máximo aproveitamento.

Mudanças para a corrida de 2007[editar | editar código-fonte]

Em 2005, equipes importantes ultrapassaram o limite de velocidade da Austrália do Sul (estado) de 110 km/h, e foi difícil para as equipes de suporte correr com veículos a 130 km/h. Então as regras foram modificadas para a construção de uma nova geração de carros solares, onde esses não ultrapassam os limites de velocidade australianos, com algumas modificações, podendo ser a base para a prática proposição de transporte sustentável.

Equipes de 2007 podiam escolher entre as classes Adventure e Challenge class. Na Challenge class os carros foram restritos a 6 m² de painéis solares (uma redução de 25%), o acesso do piloto de sua saída ser sem ajuda, a posição do assento mais elevada, o carro controlado por volante e muitos novos requerimentos de segurança foram adicionados. Competidores também deveriam atender ao novo limite de velocidade de 130 km/h através da porção da Stuart Highway no Território do Norte.

Esse evento disponibilizou várias categorias, incluindo a Greenfleet class, que contava com carros não solares, porém com eficiência de combustível bastante alta.

Panasonic foi a principal patrocinadora desta edição.[1]

Edição de 2009[editar | editar código-fonte]

Para essa edição importantes novas regras foram adicionadas, incluindo o uso de novos pneus. Limites de peso da bateria passaram a depender do tipo químico (Lítio-íon, Chumbo Ácido, etc.) utilizado para que todos os competidores possuíssem a mesma capacidade de energia disponível.[2]

História[editar | editar código-fonte]

A ideia para a competição foi originada pelo dinamarquês Hans Tholstrup. Ele foi o primeiro a circum-navegar o continente australiano com um barco de 16 pés. Em um momento posterior da sua vida ele ficou envolvido e várias competições de carros e caminhões de maior eficiência de combustível. Por volta de 1980, ele ficou alerta para a necessidade de explorar a a energia sustentável com meio de substituir os combustíveis fósseis, nossa atual matriz energética majoritária. Patrocinado pela BP (British Petroleum), ele desenvolveu o primeiro carro solar do mundo, chamado Quiet Achiever, e atravessou os 4052 km entre Sydney e Perth em 20 dias. Esse seria o precursor do Desafio Solar Mundial.

Depois da quarta edição, ele vendeu os direitos ao estado da Austrália Meridional e liderança a corrida foi assumida por Chris Selwood.

A competição ocorria a cada 3 anos até 1999, quando passou a ocorrer a cada 2 anos.

Edição Ano Classe Participantes Vencedor Equipe País Tempo (h:min) Velocidade Média (km/h)
1. 1987 23 Sunraycer General Motors Estados Unidos da América 44:54 66.9
2. 1990 38 Spirit of Biel/Bienne II Engineering College of Biel Suíça 46:08 65.2
3. 1993 55 Dream Honda Japão 35:28 85.0
4 1996 46 Dream Honda Japão 33:53 89.8
5. 1999 43 Aurora 101 Aurora Vehicle Association/RMIT University Austrália 41:06 73.0
6. 2001 37 Alpha Centauri Team
(Nuna 1)
TU Delft Holanda 32:39 91.8
7. 2003 33 Nuon Solar Team
(Nuna 2)
TU Delft Holanda 31:05 97.02
8. 2005 30 Nuon Solar Team
(Nuna 3)
TU Delft Holanda 29:11 102.8
9. 2007 Challenge 23 Nuon Solar Team
(Nuna 4)
TU Delft Holanda 33:00 90.87
Adventure 18 TIGA Ashiya University Japão 32:03 93.57
10. 2009 Challenge 32 Tokai Challenger Tokai University Japão 29:49 100.54
Challenge Class Silicon 25 Sunswift IV University of New South Wales Australia 39:18 76.28

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. World Solar Challenge Homepage
  2. Global Green Challenge Homepage

Veja também[editar | editar código-fonte]

Outras corridadas de carros solares[editar | editar código-fonte]

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]