Desaparecimento de Madeleine McCann

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Madeleine McCann (Leicester, 12 de Maio de 2003) é uma menina inglesa que desapareceu em Portugal, quando se encontrava com os seus pais, irmão e irmã de férias na Praia da Luz, Lagos no Algarve.

O desaparecimento de Madeleine McCann ocorreu na noite de quinta-feira, 3 de maio de 2007 quando foi dada como desaparecida do seu apartamento em Praia da Luz, Algarve, Portugal, onde tinha sido deixada sozinha com os seus dois irmãos. Madeleine, então com quase quatro anos de idade, que estava no seu quarto na companhia dos seus dois irmãos gémeos de dois anos, foi inicialmente dada como tendo "saído" pelos seus próprios meios pela polícia, enquanto que os pais estavam convencidos que tinha sido raptada.[1] O seu desaparecimento tornou-se uma das notícias mais notórias quer pela rapidez com que e iniciou a divulgação das notícias quer pela longevidade e pela massiva cobertura pelos órgãos de informação. O jornal britânico The Daily Telegraph às 00:01 da madrugada do dia 4 de Maio já fazia manchete com o artigo "Three-year-old feared abducted in Portugal" ("Teme-se que menina de 3 anos tenha sido raptada em Portugal").[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Madeleine Beth McCann é a filha mais velha de Kate McCann, antiga médica anestesista e de clínica geral, e Gerry McCann, cardiologista no Hospital Glenfield em Leicester. Madeleine, que tem dois irmãos gémeos, Sean e Amelie, de dois anos, vivia com a sua família em Rothley, Inglaterra.

Uma marca característica é o seu olho direito que tem um tipo de coloboma, um alastramento completo da íris (uma faixa radial que se estende da pupila até ao limite do olho).[3]

Desaparecimento[editar | editar código-fonte]

Madeleine desapareceu do apartamento onde passava férias com a sua família, na noite de 3 de Maio. Na altura os seus pais puseram Madeleine e os seus dois irmãos gémeos na cama, e foram jantar a cerca de 100 metros de distância com amigos no Tapas bar do Ocean Club.[4] [5] Aproximadamente às 21h00 Gerry McCann verificou que os filhos se encontravam bem.[1] Um amigo verificou perto de 21h30. Cerca das 22h, Kate encontrou a cama de Madeleine vazia e uma janela e uns estores abertos. Um amigo avisou a recepção do Ocean Club que alertou a GNR às 22h41. Funcionários e hospedeiros do resort, juntamente com as autoridades, efectuaram buscas até às 04h30 e a polícia espanhola e todos os aeroportos ibéricos foram notificados.[6]

Acontecimentos de 3 e 4 de Maio de 2007[editar | editar código-fonte]

Ocean Club
  • 21h10 Gerry verifica os seus filhos.[1]
  • 22h Kate verifica o desaparecimento da sua filha.[7]
  • Gerry afirma que foi um dos seus amigos que alertou o gerente e este ultimo a polícia.[8]
  • 23h : chegada da GNR à Praia da Luz
  • 23h50 O incidente é comunicado à Polícia Judiciária.[9] [10]
  • Soldados da GNR com a ajuda de cães pisteiros conduzem as buscas durante a noite.
  • A PSP de Lagos auxilia a operação de buscas durante a noite.
  • 0h Agentes da Polícia Judiciária chegam e uma equipa de polícia científica começa a trabalhar 30 minutos depois.
  • O porta-voz da GNR, tenente-coronel Costa Cabral, revela que as buscas prosseguiram durante toda a noite.[11]
  • A Polícia Marítima participa das buscas com lanchas salva-vidas um helicóptero e elementos a pé.[12] [13]
  • Um helicóptero da Protecção Civil participa nas buscas.
  • Vários veículos todo-o-terreno da Protecção Civil fazem buscas nas margens da barragem da Bravura.[14]
  • Bombeiros participam nas buscas.
  • Elementos da Cruz Vermelha fazem buscas a pé.[15]
  • Soldados e cães das patrulhas de busca e salvamento da GNR de Lisboa são enviados para participar das buscas.[16]

Investigação[editar | editar código-fonte]

Igreja da Luz

Fase inicial[editar | editar código-fonte]

A primeira declaração oficial da Polícia Judiciária (PJ), feita por Guilhermino Encarnação, às 12h00 de sábado dia 5 de Maio, revela haver suspeita de crime de rapto da criança e da existência de um "esboço" de um eventual suspeito.[17]

A Polícia Judiciária referiu a 6 de Maio terem identificado um suspeito e que a criança deveria estar viva e ainda na área.[18] Cães treinados farejaram o aldeamento do resort, que tem uma capacidade de cerca de mil pessoas. No entanto, a 8 de Maio, cinco dias após o desaparecimento, a Polícia Judiciária admitiu não ter certeza quanto ao estado de Madeleine.[19]

A 7 de Maio é anunciado que a PJ pediu ajuda do SIS que entrou em contacto com as suas congéneres espanhola e inglesa.[20]

A 9 de Maio, a Interpol lançou um alerta amarelo a todos os seus membros.[21]

Os media portugueses revelaram que a PJ seguia duas linhas de investigação: o rapto por uma rede internacional de crimes relacionados à pedofilia ou o rapto por uma rede de adopção ilegal.[22] [23] [24]

Especialistas britânicos chegaram para assistir as autoridades nacionais nas investigações e a polícia de Leicestershire enviou representantes para ajudar a família.[25] Foi ainda noticiado que a polícia britânica informou a polícia portuguesa que cerca de 130 ingleses abusadores de menores estiveram no Algarve, semanas antes do rapto de Madeleine, com o conhecimento das autoridades inglesas.[26] [27] [28] A 11 de Maio, o local de investigação foi declarado livre após a não obtenção de resultados.[29] Depois, a 13 de Maio, a polícia admitiu pela primeira vez que não tinham qualquer suspeito em vista. A única via de investigação que estavam dispostos a revelar consistia na examinação de fotografias tiradas por turistas.[30]

Interrogatórios relacionados tiveram início a 14 de Maio.[30]

Murat e Malinka[editar | editar código-fonte]

Às 7 horas de 14 de Maio foram iniciadas buscas na Casa Liliana, propriedade de Jennifer Murat, cidadã britânica, perto do apartamento do desaparecimento de Madeleine.[31] A polícia e equipas de investigação forense selaram a casa, e às 16h00 a piscina foi drenada.[32] Três pessoas, incluindo o seu filho Robert Murat, foram interrogados na esquadra em Portimão. Robert, um visitante frequente do aldeamento,[33] gerou suspeitas a Lori Campbell, uma jornalista do Sunday Mirror, que informou a polícia do facto. Uma antiga colega de escola, Gaynor de Jesus, disse não ter conhecimento de que Murat fosse o tradutor oficial da polícia.[34] Robert Murat afirmou estar profundamente preocupado com o caso de Madeleine devido à perda recente da custódia da sua filha de três anos que é parecida com a menina desaparecida. Não foram efectuadas detenções.[35] Na lei portuguesa, as detenções só podem ser efectuadas após alguém ser indiciado oficialmente como arguido; até lá são considerados testemunhas do processo. A 15 de Maio, Robert Murat recebeu o estatuto de arguido mas não foi detido nem acusado. Não é claro se foi Murat ou a polícia que pediram o estatuto de arguido, pois este confere direitos adicionais ao arguido tais como o direito de permanecer em silêncio.[36] Desde essa altura Murat está ausente em parte incerta.[34]

O inspector Olegário de Sousa disse em conferência de imprensa a 15 de Maio que tinha sido interrogada uma pessoa de 33 anos, mas não foram encontradas evidências que justificassem a sua detenção. Sousa referiu que a polícia efectuou buscas em cinco residências na segunda-feira e apreendeu "vários materiais" das propriedades que estavam sujeitas a investigação e que haviam interrogado duas outras pessoas na qualidade de testemunhas. O suspeito assinou uma declaração de identidade e residência que o impede de se deslocar ou sair do país, e que requer deslocações regulares às instalações da polícia.[37] Apesar de não terem sido referidos nomes na conferência de imprensa, acredita-se que o suspeito seja Robert Murat e os restantes inquiridos a sua alegada companheira Michaela Walczuch, alemã, e o seu ex-marido, Luís António.[38]

Apesar da relutância de Murat em prestar declarações públicas,[39] ele declarou que o caso "arruinou" a sua vida e que a única hipótese de restituir o seu bom nome é a captura dos raptores de Madeleine. Murat disse ainda que tem sido um "bode expiatório" para que a polícia dê a sensação de obtenção de resultados.[40]

A 16 de Maio, acreditava-se que dois carros utilizados pelos Murat haviam sido examinados, e confiscados computadores, telemóveis e várias cassetes de vídeo dos seus pertences pessoais.[41] Foi também dado a conhecer que o arquitecto que projectou o aldeamento no qual residem os Murat foi ignorado ao comunicar à polícia a existência de uma cave escondida na propriedade.[42] Era convicção igualmente que a polícia levou para interrogatório Sergey Malinka, 22, de origem russa, de cuja residência as autoridades também confiscaram um computador portátil e dois discos rígidos. Malinka concebeu um websítio para Murat.[43] De acordo com a imprensa portuguesa, Malinka foi anteriormente acusado de abuso sexual infantil e ser um técnico informático de boas relações com Robert Murat, dado que se comunicam frequentemente por telefone desde o desaparecimento de Madeleine - os motivos que levaram as autoridades a suspeitar.[44] [45]

No dia seguinte, foi dada uma conferência de imprensa na qual o inspector Olegário de Sousa reafirmou a insuficiência de evidências para efectuar uma detenção. Sobre Sergey Malinka, a polícia afirmou ter sido inquirido na qualidade de testemunha durante aproximadamente cinco horas, o que não significa, dada a natureza dinâmica da investigação, que se possa tornar suspeito.[46]

Malinka fez uma apreciação negativa da cobertura do caso pelos media portugueses, que alegaram que ele havia sido condenado por abuso sexual infantil, e negou haver contactado Murat e que é "completamente inocente".[47] A 18 de Maio, no entanto, emergiram inconsistências nas suas alegações acerca do seu relacionamento com Robert Murat; embora tenha referido que não contactava Murat há mais de um ano, disse três meses a um outro repórter enquanto que os registos do telemóvel de Murat alegadamente revelam que este contactou Malinka às 23:40 do dia do desaparecimento de Madeleine.[48] [49]

A 19 de Maio, investigadores portugueses deslocaram-se a Londres para entrevistar Dawn Murat, a mulher de Robert Murat.[50]

A 23 de Maio, os investigadores reentrevistaram testemunhas ligadas a Murat; a sua companheira alemã Michaela Walczuch, e o seu ex-marido Luís António, o que faz pressupor o interesse renovado da polícia em torno de Murat.[51]

Setembro de 2007[editar | editar código-fonte]

Após meses de investigação, a Polícia Judiciária (PJ) interroga os pais de Madeleine. Saem ambos como arguidos e sujeitos a termo de identidade e residência,[52] através da suspeita do homicídio acidental[53] [54] causado por negligência ou excesso de medicação calmante na criança. A corroborar os fatos, vários indícios de fluidos corporais com o ADN da criança encontrados num carro alugado pelos pais mais de vinte dias após o desaparecimento, que indiciam o transporte do corpo da menina.

Tem sido notável a actuação dos media britânicos, apontando "falhas" na investigação policial (Sky News e The Sun). Suspeitas que o relacionamento entre os pais de Maddie e o actual primeiro-ministro britânico possam estar por trás duma imensa campanha politizada,[55] [56] [57] [58] que implicou até audiência papal, têm sido apontadas por vários meios noticiosos televisivos portugueses (Francisco Moita Flores, na RTP a 8 de Setembro de 2007).

Após ter sido noticiado que McCann "terão todo o gosto em continuar a cooperar com as autoridades portuguesas para descobrir a verdade sobre o que aconteceu a Madeleine"[59] uma fonte próxima revela que os Mccan não conseguem decidir se devem ou não cooperar completamente com a PJ.[60] Apesar de publicamente terem negado, ainda em Maio do mesmo ano os MacCann contrataram, sem o conhecimento da PJ, uma firma de investigação privada que usa os serviços de ex-membros dos serviços secretos e forças especiais, apesar de terem sido informados que era contra a lei, porque temiam que a PJ desse a sua filha como morta.[61] Em Agosto "disseram não compreender por que é que a polícia portuguesa passou a defender a tese de que Madeleine está morta" apesar de oficialmente nenhuma fonte policial ainda o tivesse confirmado.[62] Só cem dias após o desaparecimento de Madeleine a polícia admite que ela possa estar morta.[63] Apesar das críticas feitas à PJ, os serviços privados contratados pelos McCann, apesar de disporem de muitos mais recursos, até à data 24 de Setembro não obtiveram quaisquer resultados.

Possíveis avistamentos[editar | editar código-fonte]

A 8 de Maio de 2007, foi reportado o registo visual de uma menina semelhante a Madeleine na companhia de um homem num supermercado à polícia de Nelas, no Norte de Portugal.[64] O homem, de nacionalidade belga, parou no supermercado com a sua filha e saiu num automóvel antes que a polícia pudesse ser contactada,[65] mas a polícia confirmou posteriormente que se tratava de um falso alarme.[66]

A 19 de Maio, o jornal 24 Horas referiu que a polícia havia encontrado um automóvel perto da Praia da Luz que poderá ter sido utilizado pelo raptor.[67]

A 19 de Maio, foi dado a conhecer que um circuito interno de vigilância de um posto de combustível perto de Lagos mostrava uma criança correspondendo à descrição de Madeleine[67] com uma mulher, com a qual a criança estava em altercação e dois homens. Outras pessoas no resort reportaram incidentes relacionados, incluindo alguém que tirava fotos a crianças loiras.

A 10 de Maio foi revelado que o carro, no qual foram avistadas as três pessoas no circuito interno de televisão no posto de combustível, tinha matrícula britânica[68] e foi referido que uma dessas pessoas era o autor das fotografias.[69]

A 17 de Maio, uma testemunha anónima contactou a polícia referindo ter avistado um Fiat Marea com uma matrícula falsificada, em Pinhal Novo, Palmela, Setúbal, que alegadamente transportava a criança desaparecida. Não foi dada grande importância a esta pista, contudo, dada a existência de alegações semelhantes em regiões dispersas como Espanha, Suíça ou Marrocos, embora o inspector Olegário Sousa assegurou que a polícia está a averiguar essas referências.[70]

A 18 de Maio, Marie Olli, uma habitante norueguesa da localidade espanhola de Fuengirola, contactou a polícia garantindo ter avistado uma rapariga correspondendo à descrição de Madeleine num posto de combustível em Marraquexe, Marrocos, a 9 de Maio. A menina, que segundo se consta aparentava tristeza, estava alegadamente acompanhada por um homem com perto de 40 anos.[71]

A 25 de Setembro, um casal de turistas espanhóis em Marrocos tirou uma foto de uma garota com características semelhantes a criança desaparecida. Ela aparece na foto acompanhada por adultos de aspecto norte-africanos. Esta informação foi confirmada por fontes oficiais, e publicadas por um jornal local, indicando que o casal enviu a foto à polícia espanhola.[72] No entanto não foi Madeleine, foi uma menina marroquina.

A 16 de Maio de 2009, de acordo com moradores de uma cidade do interior de Goiás, no Brasil, a menina pode ter sido avistada rondando a cidade, em companhia de um casal britânico. Os moradores de Abadiania juram ter visto a menina e o casal na casa João de Deus, que pode ter feito um tratamento ao homem que estava com a menina. Autoridades brasileiras não divulgaram nenhum termo responsabilizando pelos avistamentos e não divulgaram nenhuma notícia à imprensa, porém especialistas afirmam que essas informações foram ocultadas da imprensa e enviadas a Interpol.

Em Julho de 2011, uma mulher britânica e dois norte-americanos declararam ter visto num mercado na cidade de Leh, na Índia, uma menina que corresponde à descrição de Madeleine McCann. Foram solicitados exames de DNA do casal McCann e das pessoas da família da menina, cujos passaportes foram retidos pelas autoridades indianas. Em 28 de Julho de 2011, ainda são aguardados os resultados do teste.[73]

Fundo para Madeleine[editar | editar código-fonte]

Foi lançado um fundo, conhecido como Madeleine’s Fund: Leaving No Stone Unturned, em Leicester a 16 de Maio, com apoio do antigo jogador de rugby Martin Johnson. O objectivo do fundo consiste em ajudar a família nos custos incorridos e em continuar a investigação independentemente, caso se torne necessário. A família declarou que quaisquer fundos adicionais serão utilizados para ajudar a procura de outras crianças desaparecidas.[74] O websítio de suporte anunciou ter recebido 58 milhões de hits e 16 mil mensagens de suporte até 18 de Maio, dois dias apenas após o seu lançamento.[75]

Na página do fundo é possível aceder-se também a uma loja patrocinada pelo casal Mcann, onde são "vendidos" pósteres com a fotografia da criança, e pulseiras amarelas de recordação. Este facto levou já alguns órgãos de comunicação a questionarem o cariz comercial e financeiro da campanha.

A família permaneceu no mesmo resort desde o desaparecimento.[76] O pai de Madeleine efectuou uma breve deslocação à Inglaterra a 20 de Maio, para finalizar a campanha em busca da sua filha.[77]

Apelos[editar | editar código-fonte]

Desenhos para Madeleine (Inglaterra)

Foram realizados diversos apelos para o regresso de Madeleine desde familiares até celebridades, e da polícia por fotografias.

Da família[editar | editar código-fonte]

O pai de Madeleine, Gerry McCann, disse, "palavras não podem descrever a angústia e o desespero que sentimos. Por favor, quem tiver Madeleine, deixem-na regressar a casa para a sua mãe, pai, irmão e irmã."[4] Acrescentou ainda que a família não deixaria "pedra intacta" na procura de Madeleine e que ele e a sua esposa permaneciam esperançados.[78]

Philomena McCann desenhou um póster[79] para circular numa corrente de mensagens electrónicas para ajudar na busca. Ela também referiu numa entrevista telefónica que havia pouca divulgação do caso noutros países que não o Reino Unido e Portugal.[80]

Da polícia[editar | editar código-fonte]

A 21 de Maio, a delegação britânica do CEOP (Child Exploitation and Online Protection Centre) reportou que a polícia britânica apelava aos ocupantes do resort onde Madeleine desapareceu a 3 de Maio para fornecerem cópias de quaisquer fotografias relevantes durante a sua estada, numa tentativa de identificar o raptor utilizando técnicas biométricas de reconhecimento facial, através das quais as feições das pessoas abrangidas nas fotografias possam ser comparadas com as de pessoas condenadas por delito sexual ou de outra natureza.[81] [82]

De futebolistas[editar | editar código-fonte]

O futebolista português do Real Madrid, Cristiano Ronaldo, que na época era jogador do clube inglês Manchester United, fez um apelo na Manchester United TV para o retorno em segurança de Madeleine afirmando: "fiquei muito transtornado ao saber do rapto de Madeleine McCann e apelo a todos que tenham informação relevante a sua divulgação."[64] [83]

O jogador do Chelsea FC e da selecção nacional inglesa, John Terry e o seu colega de equipa e jogador da selecção portuguesa Paulo Ferreira afirmaram estar "devastados por ouvir que a pequena Maddy havia sido raptada. Os nossos pensamentos e emoções vão para os seus pais, a sua família e apelamos a quem tenha informações que as divulgue."[84]

A 11 de Maio, David Beckham fez também um apelo público. "Se viu esta pequena por favor diriga-se à polícia ou autoridades locais e forneça qualquer informação que possua", afirmou enquanto segurava um póster com a imagem de Madeleine.[85]

Após o lançamento de uma fotografia de Madeleine numa camisa do Everton FC, os futebolistas portugueses do Everton FC, Nuno Valente e Manuel Fernandes, apelaram à divulgação de quaisquer notícias ou informação referentes ao paradeiro de Madeleine, e Phil Neville divulgou o seguinte comunicado em nome do clube. "O Everton tem fãs em todo o mundo e eu sei que eles, e qualquer pessoa ligada ao clube, esperam e rezam pelo regresso em segurança de Madeleine. Os nossos pensamentos vão sobretudo para a família nestes tempos difíceis." O manager do clube David Moyes acrescentou: "todos aguardamos ansiosamente por boas notícias e os meus pensamentos e orações estão com a família. Se alguém sabe de alguma coisa, por favor divulgue."[86]

O futebolista do Celtic FC, Neil Lennon, fez um apelo para o bem estar de Madeleine, e os jogadores do Aberdeen FC envergaram uma braçadeira amarela evocativa do seu quarto aniversário a 12 de Maio.[87]

Um vídeo apelando a ajuda nas buscas foi difundido para os adeptos espanhóis que se deslocaram a Glasgow para assistir à final da Taça UEFA a 16 de Maio.[88] Outro filme foi difundido durante o intervalo da final da Taça de Inglaterra a 19 de Maio.[89]

Antes da partida para a final da Liga dos Campeões na segunda-feira, 21 de maio, a equipa do Liverpool FC foi fotografada com um cartaz apelando a informações referentes ao paradeiro de Madeleine.[90]

Reacções[editar | editar código-fonte]

O embaixador português em Londres, António Santana Carlos, disse, a 8 de Maio, que o caso se revestia de "grande consternação" em Portugal e pediu às pessoas confiança nas autoridades,[64] face às crescentes críticas quanto à sua gestão do caso.[91]

A 9 de Maio, o presidente Aníbal Cavaco Silva anunciou estar a acompanhar o caso "com grande preocupação", acrescentando que a polícia estava "a fazer todos os possíveis para encontrar a criança."[67]

Também a 9 de Maio, o porta-voz de Tony Blair afirmou que o primeiro-ministro estava a acompanhar o caso de perto e que "estavam a ajudar em tudo o que fosse possível."[67]

Críticas[editar | editar código-fonte]

Pais[editar | editar código-fonte]

Os pais têm sido criticados por deixar as suas crianças sozinhas enquanto jantavam num restaurante próximo, apesar do complexo turístico em que se hospedavam oferecer serviço de creche e um serviço de acompanhamento de crianças.[92] Também tem havido alguma crítica aos pais na imprensa portuguesa. O Diário de Notícias afirmou peremptoriamente que o casal McCann era considerado suspeito e que, ao contrário do que afirmaram à polícia, não verificaram regularmente a situação dos filhos na noite do desaparecimento.[93] O Daily Telegraph também reproduziu afirmações no mesmo sentido.[94]

O casal foi questionado pela polícia a 10 de Maio sobre o motivo pelo qual Madeleine e os irmãos haviam sido deixados sozinhos num apartamento com as portas do pátio destrancadas enquanto jantavam no restaurante.[30] Os McCann alegaram que deixaram as crianças sozinhas porque não as queriam deixar na companhia de um(a) estranho(a),[95] apesar das crianças terem passado a tarde na creche do Ocean Club na companhia de estranhos.[carece de fontes?]

Polícia[editar | editar código-fonte]

Têm havido imensas críticas à actuação da polícia portuguesa nos media britânicos.[91] [96] Foi afirmado haver atrasos na obtenção de provas e evidências forenses, que nem a polícia marítima nem as autoridades alfandegárias receberam descrições de Madeleine durante muitas horas após o desaparecimento, e não foram avistados agentes a efectuar inquirições porta-a-porta.

Os críticos alegam que o local não foi devidamente selado e a ausência de pedidos de ajuda e de informação surpreendeu especialistas policiais britânicos. Em resposta, a polícia declarou não poder divulgar informação adicional devido a imperativos de carácter legal da lei portuguesa.[97] Contrariamente ao que anunciam os críticos, agentes da PJ, junto com um funcionário do Ocean Club com um molho de chaves, revistaram todos os apartamentos do Ocean Club, os apartamentos e jardins próximos,[98] e os comerciantes da zona foram inquiridos por agentes.[99]

Pinto Monteiro, Procurador-Geral da República (PGR), defende o tempo que está a demorar a fazer as investigações e comenta que "A Inglaterra, de onde ela é natural, tem 1.000 processos destes, nós temos 14 ou 15. E a percentagem de casos em que são descobertos, em países como Inglaterra, é de 20 por cento"[...]"Por isso, ninguém se pode admirar do até agora insucesso no caso Maddie."[100]

Depois de criticarem a polícia portuguesa e pedirem a intervenção de peritos britânicos, os McCann e a opinião pública inglesa criticam a polícia portuguesa por ter constituído os McCann arguidos e ter agido com base nos resultados dos testes forenses feitos em Inglaterra e dos cães pisteiros trazidos de Inglaterra.[101] [102] [103] Kate McCann explica o facto dos cães terem identificado um cheiro de cadáver nas suas roupas,[102] por ter, antes das férias, estado em contacto com cadáveres durante o trabalho, e o ADN encontrado no carro por ter transportado no carro, entre outras coisas, as sandálias suadas de Madeleine e fraldas com fluidos corporais dos gémeos.[104] Estas últimas explicações estão também a ser ser colocadas em dúvida por um especialista.[105]

Muitos órgãos de informação e líderes de opinião portugueses criticaram os meios envolvidos na investigação comparando-os a casos semelhantes envolvendo crianças portuguesas no passado.[106] [107]

Foi divulgado que a polícia não pediu imagens de vigilância envolvendo viaturas a sair da Praia da Luz na altura do desaparecimento de Madeleine nem da estrada que liga Lagos a Vila Real de Santo António, junto à fronteira espanhola.[108] No entanto a Euroscut afirmou que "As câmaras monitoram imagens da auto-estrada entre as 09:00 horas e as 18:00 horas, mas só gravam uma ou duas horas por dia". A porta voz das estradas de Portugal informou que as imagens gravadas só poderiam ser reveladas com ordem do tribunal.[109]

Foi sugerido que o encarregado principal da investigação, o agente Guilhermino da Encarnação, terá focado demasiado a investigação num único suspeito, Robert Murat, embora a polícia admita não existirem evidências credíveis contra ele. Foram estabelecidas comparações com o desaparecimento de outra criança, Joana Cipriano, desaparecida a 12 de Setembro de 2004 da sua casa na vila de Figueira, a 10 km do local de desaparecimento de Madeleine. O agente Encarnação esteve também envolvido nessa investigação que terminou na condenação da mãe e do tio de Joana pelo seu assassínio, embora não tenha sido encontrado o corpo nem tenha havido confissão.[110]

Reacção pública[editar | editar código-fonte]

A escala da reacção pública[111] a este caso desencadeou comentários negativos por parte de alguns comentadores. Na sua coluna a 17 de Maio, Matthew Parris desmascarou o que considerava o aproveitamento político por parte de membros do parlamento das emoções e sentimentos despoletados pelo caso.[112] A 19 de Maio, o jornal The Guardian descrevia a reacção pública como histeria colectiva e estabeleceu um paralelo com a resposta à campanha do News of the World contra crimes relacionados à pedofilia.[113]

Cobertura da imprensa[editar | editar código-fonte]

Alguns sugerem que o elevado grau de cobertura dos media pode ser atribuído à raça, nacionalidade e estatuto socioeconómico de Madeleine. O editorial do The Independent de 15 de Maio descreveu a cobertura como reveladora de prioridaddes desfocadas da realidade e condenou as críticas às autoridades portuguesas.[114] Na sua coluna de 17 de Maio no jornal Público, o antigo bastonário da ordem dos advogados, José Miguel Júdice, afirmou que a enorme mobilização se deve ao facto de a menina ser "inglesa, branca e filha de doutores."[115] A 18 de Maio, a Inter Press Service chamou a atenção para o facto de que alguns observadores apontarem o facto de Madeleine ser proveniente de uma família abastada, ao contrário de tantas crianças portuguesas e filhos de emigrantes cujo desaparecimento despertou muito pouca atenção dos media.[115]

Ainda a 18 de Maio, o jornal escocês The Scotsman comentou haver evidência de que a opinião pública, embora solidária com os pais de Madeleine, estar incomodada com o acompanhamento e especial atenção dada ao caso.[116]

A Embaixada portuguesa protesta junto da comissão britânica reguladora de imprensa, Press Complaints Comission, contra um artigo de Tony Parsons publicado no tablóide Daily Mirror, que insultou o embaixador português por causa de uma entrevista ao The Times sobre o caso Madeleine.[117]

Publicidade[editar | editar código-fonte]

Foi lançado um websítio oficial para as buscas. Após o desaparecimento, foram registados um elevado número de websítios. Muitos desses websítios incluíam conteúdos não relacionados com o caso de Madeleine.[118]

A família McCann lançou ela própria dois vídeos de apelo.[119] O primeiro consiste numa montagem de vídeo e fotografia com banda sonora do tema Don't You Forget About Me, dos Simple Minds, e inclui uma animação da palavra LOOK.[120] O segundo consiste numa montagem de imagens com voz sobreposta da actriz Zoë Wanamaker mencionando o seu coloboma, pedindo informações sobre o seu paradeiro, e para fazer o download de um póster de Madeleine do site oficial.[121]

Foi observado um minuto de silêncio não oficial por Madeleine a 21 de Maio,[90] mas uma vez que foi organizado por um anónimo através de mensagens electrónicas, não parece ter sido muito observado.[122] Robert Murat tentou dar a sua própria versão dos acontecimentos através da venda da sua história. No entanto, o editor Max Clifford indicou só estar disposto a representar Murat no caso de este ser ilibado de todas as acusações pendentes.[123]

Recompensas[editar | editar código-fonte]

O montante total de recompensas angariadas até ao momento excede o valor de 2,6 milhões de libras esterlinas, incluindo:

Referências

  1. a b c Holiday girl abducted, police say. BBC News (5 de Maio de 2007). Página visitada em 14-5-2007.
  2. Three year-old feared abducted in Portugal.
  3. No end to Madeleine family agony. BBC News (13 de Maio de 2007). Página visitada em 13-5-2007.
  4. a b Axel Bugge (6 de Maio de 2007). Abducted girl's parents pray for her safe return. Reuters. Página visitada em 6-5-2007.
  5. Key sites in Praia de Luz in Portugal, the resort from where Madeleine McCann was abducted..
  6. Toddler 'abducted' during holiday. BBC News (4 de Maio de 2007). Página visitada em 6-5-2007.
  7. Vistos à lupa.. Sol.
  8. Mom: Madeleine Had "Sense Of Danger". CBS News.
  9. Pais de criança britânica insistem em rapto, aldeamento nega.
  10. Maddie continua desaparecida.. Observatório do Algarve.
  11. "Praia da Luz: Mais de 60 horas após rapto mantêm-se as buscas e o silêncio". Barlavento online.
  12. Buscas concentradas na zona rochosa da Praia da Luz. Barlavento do Algarve online.
  13. Pais de criança britânica insistem em rapto, aldeamento nega.. Barlavento do Algarve online.
  14. Algarve: 150 à procura de Maddie. IOL Portugal Diário.
  15. Rapto: buscas casa a casa.. IOL Portugal Diário.
  16. Algarve: 150 à procura de Maddie. IOL Portugal Diário.
  17. Cronologia do desaparecimento da menina britânica Madeleine.. Barlavento do Algarve online.
  18. a b 'Continue To Pray For Madeleine'. Sky News (6 de Maio de 2007). Página visitada em 6-5-2007.
  19. Police 'unsure' Madeleine alive. BBC News (8 de Maio de 2007). Página visitada em 9-5-2007.
  20. Secretas ajudam a procurar Madeleine.
  21. Notices. Interpol. Página visitada em 19-5-2007.
  22. José Manuel Oliveira and Paula Martinheira (9 de Maio de 2007). Judiciária suspeita de "crime grave" contra Madeleine (em português). Diário de Notícias. Página visitada em 9-5-2007. "A hipótese de Maddy ter sido raptada para uma rede internacional de pedofilia é uma das hipóteses mais consistentes para a PJ, e que está a investigar."
  23. Rapto: adopção ou pedofilia? (em Portuguese). Portugal Diário (8 de Maio de 2007). Página visitada em 9-5-2007. "A Polícia Judiciária está a investigar a possibilidade de o desaparecimento de Madeleine estar relacionado com uma rede de pedofilia inglesa com ligações a Portugal. Mas há ainda uma outra pista que estará igualmente a ser seguida: o rapto para uma eventual rede de adopção internacional."
  24. Rapto pode ser obra de rede pedófila ou de adopção ilegal (em português). Diário dos Açores (9 de Maio de 2007). Página visitada em 9-5-2007.
  25. Madeleine's Parents 'Had Left Her Alone Before During Their Holiday'. Evening Standard (6 de Maio de 2007). Página visitada em 11-5-2007.
  26. Título ainda não informado (favor adicionar).
  27. Título ainda não informado (favor adicionar).
  28. Título ainda não informado (favor adicionar).
  29. Maddy Is Still Missing But Police Call Off The Search. Daily Express (11 de Maio de 2007). Página visitada em 12-5-2007.
  30. a b c Detectives in search for Madeleine admit they have no suspect. The Times (14 de Maio de 2007). Página visitada em 2007-05-14.
  31. British man questioned in Madeleine hunt (em inglês). The Guardian (14 de Maio de 2007). Página visitada em 14-5-2007.
  32. Madeleine police search Briton's home (em inglês). The Daily Telegraph (14 de Maio de 2007). Página visitada em 14-5-2007.
  33. Villa searched in Madeleine hunt (em inglês). BBC News (14 de Maio de 2007). Página visitada em 14-5-2007.
  34. a b Briton's Villa Searched In Madeleine Case (em inglês). Sky News (14 de Maio de 2007). Página visitada em 14-5-2007.
  35. Madeleine police 'question British man' (em inglês). The Times (14 de Maio de 2007). Página visitada em 14-5-2007.
  36. Man 'a suspect' in Madeleine hunt (em inglês). BBC News (15 de Maio de 2007). Página visitada em 15-5-2007.
  37. 'No evidence' for Algarve arrest (em inglês). BBC News (15 de Maio de 2007). Página visitada em 15-5-2007.
  38. Madeleine suspect: My life has been ruined forever (em inglês). Evening Standard (14 de Maio de 2007). Página visitada em 14-5-2007.
  39. (15 de maio). "My Life Is Ruined" - dur: 04.50. Sky News. (em inglês) Acessado em 15 de Maio de 2007.
  40. Madeleine Suspect Tells Sky: 'My Life Is Ruined' (em inglês). Sky News (15 de Maio de 2007). Página visitada em 15-5-2007.
  41. I'm Madeleine scapegoat, man says (em inglês). BBC News (16 de Maio de 2007). Página visitada em 16-5-2007.
  42. Madeleine police want to interview Russian (em inglês). The Daily Telegraph (16 de Maio de 2007). Página visitada em 16-5-2007.
  43. Police swoop on web designer's home (em inglês). The Guardian (16 de Maio de 2007). Página visitada em 16-5-2007.
  44. Rui Gustavo (16 de Maio de 2007). PJ faz buscas em casa de Sergei Malinka (em português). Expresso. Página visitada em 17-5-2007. "Nos dias seguintes ao desaparecimento da criança, Roberto Murat, o único arguido do processo, trocou vários telefonemas com Sergei Malinka."
  45. Cidadão russo ouvido pela PJ. Apartamento de Sergey Malinka alvo de buscas (em português). Correio da Manhã (16 de Maio de 2007). Página visitada em 17-5-2007.
  46. Madeleine Police - No Charges Imminent (em inglês). Sky News (17 de Maio de 2007). Página visitada em 17-5-2007.
  47. 'I Know Nothing About Missing Madeleine' (em inglês). Sky News (2007-05-17).
  48. Mobile phone mystery in Madeleine hunt (em inglês). The Daily Telegraph (18 de Maio de 2007). Página visitada em 19-5-2007.
  49. Alan MacDermid (19 de Maio de 2007). Chain e-mail puts world on watch for Madeleine (em inglês). The Herald. Página visitada em 19-5-2007. "Meanwhile, discrepancies emerged in statements made by Russian computer expert Sergey Malinka, 22, who was interviewed as a witness by police on Wednesday night. Mr Malinka designed a website for Anglo-Português man Robert Murat, 33, who was this week named as the first suspect in Madeleine's disappearance. Mr Malinka said yesterday he could not discuss reports that Mr Murat's mobile phone records show he called Mr Malinka at 11.40pm on the night Madeleine went missing."
  50. Portuguese police in Britain for Madeleine hunt (em inglês). The Daily Telegraph (19 de Maio de 2007). Página visitada em 20-5-2007.
  51. Ian Herbert (24 de Maio de 2007). Two witnesses are interviewed again over missing girl (em inglês). The Independent. Página visitada em 24-5-2007.
  52. Título ainda não informado (favor adicionar).
  53. Título ainda não informado (favor adicionar).
  54. Título ainda não informado (favor adicionar).
  55. Título ainda não informado (favor adicionar).
  56. Título ainda não informado (favor adicionar).
  57. Título ainda não informado (favor adicionar).
  58. Título ainda não informado (favor adicionar).
  59. Acusação da Polícia Judiciária "é tão inacreditável quanto disparatada", afirma novo porta-voz dos McCann.
  60. and Gerry McCann divided on helping police.
  61. Private security team hired by Kate and Gerry McCann for secret investigation.
  62. McCann querem explicações da PJ sobre convicção na morte de Madeleine.
  63. Maddie pode estar morta.
  64. a b c Portugal defends Madeleine police. BBC News. Página visitada em 8-5-2007.
  65. João Moniz (9 de Maio de 2007). Investigações da PJ seguem 350 pistas (em português). Destak. Página visitada em 9-5-2007. "A PJ confirmou que uma das pistas falsas foi verificada em Nelas. A parecença da filha de um cidadão belga, de visita à região, com Madeleine deixou a população desconfiada, ao ponto de um supermercado local ter filmado pai e filha."
  66. Police 'step up Madeleine search'. BBC News. Página visitada em 8-5-2007.
  67. a b c d Video tape may show missing Maddie. iAfrica.com (9 de Maio de 2007). Página visitada em 9-5-2007.
  68. Service Held For Missing Madeleine. Sky News (11 de Maio de 2007). Página visitada em 12-5-2007.
  69. £1 million reward for missing Madeleine. Daily Telegraph (12 de Maio de 2007). Página visitada em 12-5-2007.
  70. (17 de Maio de 2007) "Carro põe polícia em alerta" (em português). Jornal de Notícias.
  71. Allen, Vanessa (19 de Maio de 2007). Can I See Mummy Soon? Tourist says she saw Madeleine in Morocco..pleading with a man. The Daily Mirror. Página visitada em 20-5-2007. "She said yesterday: "I am sure it was Madeleine. She was a sweet girl with a very cute face. She was standing alone with a man about a metre from her. She looked sad and a little lost." Marie, left, said the girl turned to the man and said: "Can I see mummy soon?" She added: "When he saw me looking he turned away só I couldn't see his face.""
  72. Interpol está estudando foto tirada por turistas que poderia ser de Madeleine. UOL Últimas Notícias (25 de Setembro de 2007). Página visitada em 25-9-2007. "Albacete (Espanha), 25 set (EFE).- A Interpol está investigando a fotografia de uma criança tirada por um casal de turistas espanhóis que visitava o Marrocos e que suspeitou que poderia ser a britânica Madeleine McCann, a menina de quatro anos desaparecida em 3 de maio no sul de Portugal. Fontes oficiais confirmaram esta informação, publicada por um jornal local, e indicaram que o casal enviou a fotografia da menina à polícia espanhola. A fotografia, na qual aparece uma menina loira acompanhada por adultos de aspecto norte-africano, foi enviada à Interpol."
  73. Título não preenchido, favor adicionar.
  74. Madeleine fighting fund launched. BBC News (16 de Maio de 2007). Página visitada em 16-5-2007.
  75. Madeleine film plan for Cup Final. BBC News (18 de Maio de 2007). Página visitada em 18-5-2007.
  76. Ian Herbert. (20 de Maio de 2007). "Madeleine 'sightings' mount as the agony goes on and on" (em inglês). The Independent (But by releasing an outline of their routine and allowing brief access to their activities, they showed the children are adapting well to their circumstances and, in their parents' words, "still think they are on holiday".). Página visitada em 21-5-2007.
  77. Staff and agencies. (21 de Maio de 2007). "Madeleine's father returns to UK" (em inglês). The Guardian. Página visitada em 21-5-2007.
  78. Madeleine parents 'won't give up'. BBC News (11 de Maio de 2007). Página visitada em 11-5-2007.
  79. Copy of 'Missing Madeleine' poster. Sky News. Página visitada em 9-5-2007.
  80. Madeleine's Family Send Out Email Poster. Sky News (9 de Maio de 2007). Página visitada em 9-5-2007.
  81. Help find Madeleine McCann. Child Exploitation and Online Protection Centre (2007-05-21). Página visitada em 2007-05-21.
  82. Madeleine's Dad Arrives Back In Portugal. Sky News (22 de Maio de 2007).
  83. Star Ronaldo in Madeleine appeal. Irish Examiner (8 de Maio de 2007). Página visitada em 9-5-2007.
  84. Paedophile link probed in Madeleine hunt. ITV News (9 de Maio de 2007). Página visitada em 9-5-2007.
  85. David Beckham appeals for information on missing toddler Madeleine McCann" (em inglês). International Herald Tribune (11 de Maio de 2007).
  86. Everton appeal for Madeleine. Everton F.C. (11 de Maio de 2007). Página visitada em 11-5-2007.
  87. Celtic players to wear yellow armbands. Celtic F.C. (11 de Maio de 2007). Página visitada em 11-5-2007.
  88. =Spanish fans shown Madeleine film. BBC News Online (16 de Maio de 2007). Página visitada em 19-5-2007.
  89. Candle-Lit Vigil And Prayers For Madeleine. Sky News (18 de Maio de 2007]]).
  90. a b Minute silence held for Madeleine. BBC News (21 de Maio de 2007). Página visitada em 21-5-2007.
  91. a b CLUELESS - We reveal errors made by police in kidnap hunt for Maddy. Daily Mirror (9 de Maio de 2007). Página visitada em 9-5-2007.
  92. The 'family-friendly' holiday firm. BBC News (6 de Maio de 2007). Página visitada em 16-5-2007.
  93. Nine days on, but few tangible clues to cling to. The Guardian (12 de Maio de 2007). Página visitada em 12-5-2007.
  94. Today Madeleine should have been celebrating. The Daily Telegraph (12 de Maio de 2007). Página visitada em 12-5-2007.
  95. Madeleine's parents didn't want to leave her with a stranger. Daily Mail.
  96. Criticism grows over search for missing toddler. The Age (10 de Maio de 2007). Página visitada em 10-5-2007.
  97. Madeleine McCann. The Guardian. Página visitada em 8-5-2007.
  98. PJ e GNR batem apartamentos e parques de campismo na zona da Praia da Luz (actualizada).
  99. Pais de criança britânica insistem em rapto, aldeamento duvida (actualização).
  100. Madeleine: Eventual insucesso "não envergonha polícia portuguesa", dada dificuldade deste tipo de casos. RTP.
  101. Título ainda não informado (favor adicionar).
  102. a b Título não preenchido, favor adicionar.
  103. Título ainda não informado (favor adicionar).
  104. Título ainda não informado (favor adicionar).
  105. Cientista contesta explicações dos pais.
  106. "Joana só teve direito a uma escavadora".; Rui Pedro, Desaparecido em 4 de Março de 1998. "Não fizeram o mesmo".; Rui Pereira, Desaparecido em 2 de março de 1999. "Acredito que está vivo".; Cláudia Alexandra, Desaparecida em 13 de Maio de 1994. "Nem o tempo apaga a dor" (em Português). Correio da Manhã. Página visitada em 14 de Maio de 2007.}}
  107. Henrique Monteiro. Joana e a menina inglesa (em Português). Expresso. Página visitada em 14-5-2007. "A justiça e a investigação criminal são iguais para ricos e pobres, ou a polícia sente-se particularmente impune quando a vida ou o sofrimento das pessoas envolvidas não vale sequer uma boa abertura de um noticiário?"
  108. Maddy police ignored vital CCTV. The Daily Telegraph (19 de Maio de 2007). Página visitada em 20-5-2007.
  109. PJ has not checked motorway cameras.
  110. Algarve police face mounting criticism. The Sunday Times (20 de Maio de 2007). Página visitada em 20-5-2007.
  111. Título ainda não informado (favor adicionar).
  112. Matthew Parris (17 de Maio de 2007]]). Now no one will realise that I’m nuts about Hazel. The Times. Página visitada em 19-5-2007.
  113. Brockes, Emma (19 de Maio de 2007). "In chatrooms and message boards, Madeleine hysteria grips the world". The Guardian (The dozens of sites and subsites that have sprung up in the last fortnight - findmaddie.com, help_find_madeleine_mccann.com, givemaddieback.com, hopeformaddy.com and the misspelt findmadeline.com - were of such breadth and randomness that by yesterday morning, the appeal set up by the McCann family, ww.bringmadeleinehome.com, was forced to identify itself as The Official Website To Find Madeleine McCann.). Página visitada em 19-5-2007.
  114. Editorial (15 de Maio de 2007). Wild theories and a warped sense of priorities. The Independent. Página visitada em 19-5-2007.
  115. a b de Queiroz, Mario (18 de Maio de 2007). Some Missing Children More Equal than Others. Inter Press Service. Página visitada em 19-5-2007.
  116. Baker, Luke (18 de Maio de 2007). Has Britain gone overboard for missing Madeleine?. The Scotsman. Página visitada em 23-5-2007.
  117. Embaixada protesta junto de regulador contra artigo ofensivo em tablóide britânico.
  118. Mills, James; Greenhill, Sam Rees, Gwyneth (19 de Maio de 2007). Sick web hijackers cash in on Madeleine. Daily Mail. Daily Mail and General Trust. Página visitada em 22-5-2007.
  119. News Items. findmadeleine.com. McCann Family (21 de Maio de 2007). Página visitada em 21-5-2007.
  120. Madeline McCann. (18 de Maio de 2007). Picture Video. McCann Family, Sky News.
  121. Madeline McCann, Zoë Wanamaker (voice). (21 de Maio de 2007). Video Appeal. McCann Family, Sky News.
  122. Silence Held For Missing Madeleine McCann. Sky News (21 de Maio de 2007). Página visitada em 21-5-2007.
  123. Kidnap suspect looks to cash in on ordeal. Gulf Times (23 de Maio de 2007). Página visitada em 23-5-2007.
  124. Madeleine reward rises to £2.5m. BBC (12 de maio de 2007). Página visitada em 2007-05-12.
  125. Rewards For Madeleine Info Top £2.5m. Sky News (12 de Maio de 2007). Página visitada em 12-5-2007.
  126. £1m reward over missing Madeleine. BBC News (11-5-2007). Página visitada em 11-5-2007.
  127. £1m reward in hunt for Maddie. The Metro (2007-05-10). Página visitada em 2007-05-10.
  128. Record oferece 15.000 euros. Record (12 de Maio de 2007).
  129. Sun offers £10k poster reward. The Sun (9 de Maio de 2007). Página visitada em 9-5-2007.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]