Desestalinização

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde dezembro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

A Desestalinização refere-se ao processo de eliminação do culto da personalidade e do sistema político stalinista criado pelo líder soviético Josef Stalin. A desestalinização começou tecnicamente em 1953 após a morte de Stalin, mas não era oficial até 1956, após o discurso secreto de Nikita Khrushchev, então secretário do Comitê Central da União Soviética,[1] e liberado após o XX Congresso do PC da URSS.

Com sua morte, Stalin foi sucedido por uma liderança coletiva. Os homens fortes da central soviética na altura eram Lavrentiy Beria (a cargo do Ministério do Interior), Nikita Khrushchev (Primeiro Secretário do Comitê Central do Partido Comunista) e Georgi Malenkov (Premier da União Soviética).

O processo de desestalinização começou com um fim ao papel do trabalho forçado em grande escala na economia. O processo de libertar prisioneiros dos Gulags foi iniciado por Béria, mas ele foi logo retirado do poder. Khrushchev, em seguida, emergiu como o mais poderoso político soviético.

No discurso "Sobre o culto à personalidade e suas consequências" para a sessão fechada do XX Congresso do Partido Comunista da União Soviética em 25 de fevereiro de 1956, Khrushchev chocou seus ouvintes denunciando o regime ditatorial e o culto da personalidade de Stalin.[1] Ele também atacou os crimes cometidos pelos associados de Lavrentiy Beria.

A movimentação de Khrushchev para expungir a influência da esfera pública de Stalin continuou em finais da década de 1950. Seus esforços foram marcados pela remoção do nome de Stalin das cidades, dos monumentos, e instalações que tinham sido nomeados ou renomeados em homenagem a ele; o processo de desestalinização atingiu o pico durante o 22º Congresso do Partido Comunista da União Soviética de 1961. Dois atos climáticos de desestalinização marcaram as reuniões: a primeira em 31 de outubro, quando o corpo de Stalin foi removido de seu mausoléu na Praça Vermelha e enterrado [2] , e a segunda em 11 de novembro, quando a cidade heróica de Stalingrado foi renomeada para Volgogrado [3]

Referências

  1. a b 1956: Khrushchev lashes out at Stalin (em en). BBC. Página visitada em 18 de agosto 2013.
  2. CNN Interactive - Almanac - October 31, CNN, http://www.cnn.com/almanac/9810/31/#today, "(October 31) 1961, Russia's de-Stalinization program reached a climax when his body was removed from the mausoleum in Red Square and re-buried." 
  3. Reuters (1961-11-11), "Stalingrad Name Changed", The New York Times, http://select.nytimes.com/gst/abstract.html?res=F2091FFD355912738DDDA80994D9415B818AF1D3, "MOSCOW, Saturday, Nov. 11 (Reuters) -- The "Hero City" of Stalingrad has been renamed Volgograd, the Soviet Communist party newspaper Pravda reported today."