Radioatividade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Desintegração nuclear)
Ir para: navegação, pesquisa

A radioatividade (AO 1945: radioactividade) (também chamado de radiatividade (AO 1945: radiactividade)) é um fenômeno natural ou artificial, pelo qual algumas substâncias ou elementos químicos, chamados radioativos, são capazes de emitir radiações,[1] as quais têm a propriedade de impressionar placas fotográficas, ionizar gases, produzir fluorescência, atravessar corpos opacos à luz ordinária, etc. As radiações emitidas pelas substâncias radioativas são principalmente partículas alfa, partículas beta e raios gama. A radioatividade é uma forma de energia nuclear, usada em medicina (radioterapia), e consiste no fato de alguns átomos como os do urânio, rádio e tório serem “instáveis”, perdendo constantemente partículas alfa, beta e gama (raios-X). O urânio, por exemplo, tem 92 prótons, porém através dos séculos vai perdendo-os na forma de radiações, até terminar em chumbo, com 82 prótons estáveis. Foi observada pela primeira vez pelo francês Henri Becquerel em 1896 enquanto trabalhava em materiais fosforescentes.[2]

A radioatividade pode ser:

  • Radioatividade natural ou espontânea: É a que se manifesta nos elementos radioativos e nos isótopos que se encontram na natureza e poluem o meio ambiente.
  • Radioatividade artificial ou induzida: É aquela que é provocada por transformações nucleares artificiais.

Visão Geral[editar | editar código-fonte]

O fenômeno da desintegração espontânea do núcleo de um átomo com a emissão de algumas radiações é chamado de radioatividade. A radioatividade transforma núcleos instáveis fazendo surgir as radiações α, β e γ.

A lei fundamental do decaimento radioativo afirma que a taxa de transformação de núcleos radioativos é proporcional ao número de átomos dos núcleos:

N=N_{o}.e^{-\lambda.t}

Esta é a equação da lei básica para a radioatividade.

A medida da intensidade da radioatividade é feita em duas unidades que são:

  • Curie: Definido como a quantidade de material radioativo que

3,7\times10^{10} desintegrações por segundo.

  • Rutherford (Rd): é definido como a quantidade de substância radioativa que dá 10^{6} desintegrações por segundo.

Na natureza existem elementos radioativos que exibem transformação sucessiva, isto é, um elemento decai em substância radioativa que também é radioativa. Na transformação radioativa sucessiva, se o número de nuclídeos qualquer membro da cadeia é constante e não muda com o tempo, é chamado em equilíbrio radioativo.[3] A condição de equilíbrio é portanto:

N_{p}=-\lambda_{p}N_{p}=0

\frac{dN_{d}}{dt}=-\lambda_{D}N_{D}=0

ou

\lambda_{p}N_{p}= \lambda_{D}N_{D}

\lambda_{p}N_{p}= \lambda_{G}N_{G}.

Onde os subscritos P, D e G indicam núcleo pai (do Inglês parent),núcleo filha(do Inglês Daughter) e núcleo neta (do Inglês granddaughter) respectivamente.

O estudo da radioatividade e radioisótopos tem várias aplicações na ciência e tecnologia. Algumas delas são:

1. Determinação da idade de materiais antigos com auxílio de elementos radioativos.

2. Análises para obtenção de vestígios de elementos.

3. Aplicações médicas como diagnóstico e tratamento.

Radioatividade artificial[editar | editar código-fonte]

Produz-se a radioatividade induzida quando se bombardeiam certos núcleos com partículas apropriadas. Se a energia destas partículas tem um valor adequado, elas penetram no núcleo bombardeado formando um novo núcleo que, no caso de ser instável, se desintegra posteriormente. Foi realizada pela primeira vez pelo físico neozelandês Ernest Rutherford, ao bombardear átomos de nitrogênio, com partículas alfas, obtendo oxigênio. Sendo estudada pelo casal “Joliot-Curie” (Frédéric Joliot e Irène Joliot-Curie), bombardeando núcleos de boro e alumínio com partículas alfa, eles observaram que as substâncias bombardeadas emitiam radiações após retirar o corpo radioativo emissor das partículas alfa. O estudo da radioatividade permitiu um maior conhecimento da estrutura dos núcleos atômicos e das partículas subatômicas. Abriu-se a possibilidade da transmutação dos elementos, ou seja, a transformação de elementos em elementos diferentes. Inclusive o sonho dos alquimistas de transformar outros elementos em ouro se tornou realidade, mesmo que o processo economicamente não seja rentável.[4]

Wilhelm Röntgen em seu laboratório

A descoberta dos raios X foi o primeiro tipo de radiação a ser descoberta.

Em 1896, Henri Becquerel (1852-1908) estudava, na École Polytechnique, a possibilidade de que o sol poderia provocar a emissão de raios X pelos cristais. O método por ele utilizado era de que o colocava-se cristais perto de placas fotográficas envoltas em um papel escuro, tendo uma tela composta de fios de cobre entre os dois.[5]

Os raios de sol causando a emissão dos raios X nos cristais , os mesmos deveriam penetrar no papel escuro, mas não penetrando nos fios de cobre da tela e assim o cientista poderia ver a fotografia da tela na placa. Em seguida Becquerel colocou a tela em uma gaveta e deixou o cristal sem nenhuma proteção sobre uma mesa. Retornou , dias depois, e viu que nela havia uma impressão da tela de cobre. Sua conclusão foi a de que a radiação emitida pelo cristal (no caso de urânio) não havia sido provocada pelo Sol , e sim por alguma propriedade do mesmo cristal. Mais tarde Becquerel repetiu a experiência colocando o cristal e a placa fotográfica dentro de uma caixa blindada e obteve o mesmo resultado.

Em 1898, Marie (1867-1934) e Pierre Curie (1859-1906) descobriram elementos que produzem os raios catódicos, por exemplo, o rádio. Observando que a radiação deste elemento era maior que a do urânio. Logo a seguir batizou este fenômeno de radioatividade.

Logo após, Ernest Rutherford achou dois tipos de raios, os quais ele batizou de alfa e beta. O raio beta tendo uma característica de alto poder de penetração e o raio alfa, ao contrário, pequeno poder de penetração. Os raios beta são elétrons e os raios alfa são núcleos de hélio. Logo em seguida descobriu-se que os raios beta, ao serem defletidos em campos elétricos, mostravam ter carga negativa e tinham uma velocidade muito maior do que a dos raios catódicos - os raios beta são elétrons que vêm de dentro do núcleo e com muito mais energia. Rutherford, por outro lado, mostrou que a relação carga-massa do raio alfa era parecida com a do hidrogênio e que sua carga era duas vezes maior do que a do hidrogênio. Descobriu, portanto, o primeiro núcleo mais pesado que o hidrogênio - o hélio. [6]

Quantização da radioatividade[editar | editar código-fonte]

O decaimento radioativo é um processo que envolve conceitos de probabilidade. Partículas dentro de um átomo têm certas probabilidades de decair por unidade de tempo de uma maneira espontânea. A probabilidade de decaimento é independente da vida previa da partícula. Por exemplo se N(t) é considerado o número de partículas como função do tempo, então, temos a taxa de decaimento sendo proporcional a N.[7]

Formulando matematicamente temos:

\frac{-dN(t)}{dt}=\lambda N

A constante de proporcionalidade tem dimensão inversalmente proporcial ao tempo.

N(t) = N_{0}e^{-\lambda t}

onde N_{0} é o número inicial de partículas. O número de partículas de um dado elemento decai exponencialmente numa taxa diretamente proporcional ao elemento. Define-se a vida média de um elemento como

\tau = \frac {1}{\lambda}

Tendo um exemplo de muitas partículas, 1/e delas (cerca de 37,8%) não decairão após um tempo \tau . Na Física Nuclear trabalha-se com o conceito de vida média, que é o tempo depois do qual a amostra se reduziu à metade.[7]

Relacionando essas duas quantidades ,assim temos:

e^{-t1/2/\tau} = \frac{1}{2} \Rightarrow t1/2 = \tau \ln 2

Tipos de decaimento[editar | editar código-fonte]

Quanto aos tipos de radiação radioativa, descobriu-se que um campo elétrico ou magnético podia separar as emissões em três tipos de raios. Por falta de melhores termos, os raios foram designados alfabeticamente como alfa, beta e gama, o que se mantém até hoje. Enquanto que o decaimento alfa foi apenas observado nos elementos mais pesados (número atómico 52, telúrio, e maiores), os outros dois tipos de decaimento foram observados em todos os elementos.[8]

Ao analisar-se a natureza dos produtos do decaimento, tornou-se óbvio a partir da direção das forças eletromagnéticas produzidas sobre as radiações pelos campos magnético e elétrico externos, que os raios alfa tinham carga positiva, os raios beta carga negativa, e que os raios gama eram neutros. A partir da magnitude de defleção, era claro que as partículas alfa eram muito mais maciças do que as partículas beta. Fazer passar partículas alfa através de uma janela de vidro muito fina e encerrá-las numa lâmpada de néon permitiu aos investigadores estudarem o espectro de emissão do gás resultante, e finalmente demonstrarem que as partículas alfa são núcleos de hélio. Outras experiências mostraram a semelhança entre a radiação beta clássica e os raios catódicos: são ambos fluxos de eletrões. De igual modo, descobriu-se que a radiação gama e os raios-X são formas semelhantes de radiação eletromagnética de alta-energia.[8]

Embora os decaimentos alfa, beta e gama sejam os mais comuns, outros tipos seriam descobertos. Pouco depois da descoberta do positrão em produtos de raios cósmicos, percebeu-se que o mesmo processo que opera no decaimento beta clássico pode também produzir positrões (emissão positrónica). Num processo análogo, descobriu-se que ao invés de emitirem positrões e neutrinos, alguns nuclídeos ricos em protões capturavam os seus próprios eletrões atómicos (captura eletrónica), e emitem apenas um neutrino (e geralmente também um raio gama). Cada um destes tipos de decaimento envolve a captura ou emissão de eletrões ou positrões nucleares, e leva o núcleo a aproximar-se da razão entre neutrões e protões que tem a menor energia para um dado número total de nucleões (neutrões mais protões).[8]

Pouco tempo após a descoberta do neutrão em 1932, Enrico Fermi descobriu que certas reações de decaimento raras produziam neutrões como partícula de decaimento (emissão de neutrões). A emissão protónica isolada acabaria por ser observada em alguns elementos. Foi também descoberto que alguns elementos mais pesados podem sofrer fissão espontânea resultando em produtos de composição variável. Num fenómeno chamado decaimento aglomerado, observou-se que eram emitidas ocasionalmente pelos átomos combinações específicas de neutrões e protões (núcleos atómicos), que não as partículas alfa.

Foram descobertos outros tipos de decaimento radioativo que emitiam partículas já conhecidas, mas por meio de mecanismos diferentes. Um exemplo é a conversão interna, a qual resulta na emissão eletrónica e por vezes emissão de fotões de alta-energia, embora não envolva nem decaimento beta nem decaimento gama. Este tipo de decaimento (como o decaimento gama de transição isomérica) não transmuta um elemento em outro.[8]

São conhecidos eventos raros que envolvem a combinação de dois eventos de decaimento beta com ocorrência simultânea. É admissível qualquer processo de decaimento que não viole as leis de conservação da energia ou do momento (e talvez outras leis de conservação) , embora nem todos tenham sido detectados.

Leis da Radioatividade[editar | editar código-fonte]

As radiações gama não alteram o número atômico nem o número de massa do átomo. Quando um átomo emite uma partícula radioativa dizemos que ele sofreu uma desintegração.

Primeira Lei da Radioatividade[editar | editar código-fonte]

1ª Lei da Radioatividade ou 1ª Lei de Soddy ( 1ª lei da radiatividade natural ) - Quando um radioisótopo emite uma partícula alfa (α) originará um novo elemento que apresenta redução de duas unidades em seu número atômico (Z -2 prótons) e redução de 4 unidades em seu número de massa (A – 4).

Por exemplo, o plutônio apresenta número de massa igual a 242 e número atômico de 94, ao emitir uma partícula alfa (α), será transmutado a urânio com número de massa igual a 238 e número atômico, 92.[10]

Segunda Lei da Radioatividade[editar | editar código-fonte]

2ª Lei da Radioatividade ou 2ª Lei de Soddy ( ainda conhecida por Lei de Fajans e Russel ) - Quando um radioisótopo emite uma partícula beta (β) o seu número atômico aumenta em uma unidade e o seu numero de massa praticamente não sofre alteração. [11]

A desintegração de um nêutron no núcleo de um radioisótopo instável gera: um próton, uma partícula beta (β), um antineutrino, radiação gama. Por isso, o número atômico aumenta em uma unidade, já que nesse núcleo houve a formação de um novo próton.

Por exemplo, o tório apresenta massa atômica igual a 234 e número atômico, 90; ao emitir uma partícula beta (β), será transmutado a protactíneo, que apresenta massa atômica igual a 234 e número atômico, 91.

Leis de Soddy e Fajans[editar | editar código-fonte]

As leis da desintegração radioativa, descritas por Soddy e Fajans, são:[12]

  • Quando um átomo radioativo emite uma partícula alfa, o número de massa do átomo resultante diminui em 4 unidades e o número atômico em 2 unidades.
  • Quando o átomo radioactivo emite uma partícula beta, o número de massa do átomo resultante não varia e o seu número atômico aumenta em 1 unidade.
  • Quando um núcleo "excitado" emite uma radiação gama não ocorre variação no seu número de massa e número atômico, porém ocorre uma perda de uma quantidade de energia "hν".

Desse modo, a emissão de partículas alfa e beta pelos átomos instáveis muda seu número atómico, transformando-os em outros elementos. O processo de desintegração nuclear só termina com a formação de átomos estáveis. O urânio-238, por exemplo, vai sofrendo decaimento até formar o elemento chumbo-206.

Decaimento Radioativo como um Processo Estatístico[editar | editar código-fonte]

A lei de decaimento radioativo, foi deduzida a partir da suposição que decaimento radioativo num intervalo de tempo dado \Delta t.[13]

A ideia é que todos os núcleos dum dado elemento químico são indistinguíveis. O melhor que se pode fazer é determinar o número médio de núcleos sofrendo decaimento no intervalo de tempo a partir de t até t + \Delta t.

Assim, o que nós temos é um processo estatístico, isto é, o decaimento dum dado núcleo é um evento aleatório possuindo uma certa probabilidade de ocorrência.

A probabilidade de decaimento por unidade de tempo por núcleo pode ser deduzida como se segue. Se nós temos N núcleos originais e o número que sofre decaimento no intervalo de tempo \Delta t é \Delta N , então o decrescimento relativo,

-\frac{\Delta N}{N} no número de núcleos por unidade de tempo, isto é, a quantidade

-\Bigg(\frac{\Delta N}{N}\Bigg) \Delta t dá a probabilidade de decaimento por unidade de tempo por núcleo.

Esta definição concorda com o significado da constante de decaimento, \lambda.

Por definição, a constante de decaimento é a probabilidade de decaimento por unidade de tempo por unidade de núcleo.

Determinação de idade a partir da Radioatividade (Datação Radiométrica)[editar | editar código-fonte]

O decrescimento no número de núcleos radioativos de acordo com a lei de decaimento radioativo, pode ser usada como um meio para medir o tempo que passou desde que uma amostra contendo, inicialmente N_{o} átomos radioativos e o instante quando o seu número é N.

Em outras palavras, radioatividade disponibiliza uma espécie de escala de tempo. De acordo com a lei de radioatividade: N=N_{o}.e^{-\lambda t} o intervalo de tempo entre os instantes em que o número de núcleos radioativos é N_{o} e N é:

t=\Bigg(\frac{1}{\lambda}\Bigg)\ln\Bigg(\frac{N_{o}}{N}\Bigg) = 1.44_{1/2}\ln\Bigg(\frac{N_{o}}{N}\Bigg)

Como regra, N representa o número de núcleos não transformados no tempo presente, de modo que a equação acima dá a idade da amostra contendo os núcleos radioativos.

Nos estudos geológicos, uma escala de tempo radioativa diferente é necessária para cada aplicação. Ao determinar a idade das rochas, por exemplo, alguém deverá usar uma escala de tempo radioativa suficientemente lenta, isto é, decaimentos radioativos com meia vida da mesma ordem de grandeza que as épocas geológicas que ronda para centenas de milhões ou mesmo milhões de milhões de anos. Esta condição é satisfeita pela meia vida de ^{238}U e ^{235}U.

O Urânio que ocorre naturalmente (que existe na natureza) é na verdade uma mistura de ambos. As suas meias-vidas são 4500 milhões e 900 milhões de anos, respectivamente.

No presente, o Urânio quimicamente puro e ocorrendo naturalmente, contém

99,28%\;^{238}_{92}U,0,714%\;^{235}_{92}U,0,006%\;^{234}_{92}U

sendo o último o produto de decaimento radioativo de ^{234}U. ado que o seu conteúdo é muito pequeno, o urânio 234 pode ser ignorado.

Cada um dos isótopos ^{234}_{92}U e ^{238}_{92}U é pai da sua própria série radioativa, ambas as quais terminam em isótopos de Chumbo. Assim, núcleos de Chumbo são os produtos finais do decaimento radioativo de núcleos de Urânio.

Usando o rácio entre Urânio natural e o chumbo obtido deste, alguém pode determinar prontamente o intervalo de tempo durante o qual esta quantidade de chumbo se acumulou.

Na arqueologia, radioatividade é usada para determinar a idade de objetos encontrados nas escavações. Em tais aplicações, a escala de tempo de Urânio não é apropriada por pelo menos duas razões: Por uma coisa, artefatos nunca contiveram Urânio. Por outra, o relógio de escala de tempo de Urânio é muito lenta para a história humana onde o tempo é muitas vezes medido em séculos ou milénios. Em outras palavras, para determinar a idade de objetos arqueológicos precisa-se de escala de tempo radioativo com a meia vida de alguns séculos ou milénios. A natureza disponibilizou tal escala de tempo.

As partículas que constituem os chamados raios cósmicos primários são extremamente energéticas e, colidindo com os núcleos de elementos que formam a atmosfera da Terra, quebra-os em fragmentos. Estes fragmentos, são altamente energéticos também, e formam os chamados raios cósmicos secundários. A interação dos raios cósmicos com os núcleos do nitrogénio atmosférico transforma-os em núcleos de carbono com número de massa 14, em vez de 12, como acontece com o carbono ordinário. ^{14}_{6}C eia vida de cerca de 5570 anos o qual serve muito bem para arqueologistas. Além disso, porque a intensidade dos raios cósmicos primários permanece praticamente constante, existe um fornecimento invariável de carbono radioativo na atmosfera. O carbono radioativo produz dióxido de carbono radioativo através das plantas e cadeia alimentar, encontra o seu caminho nos animais e torna-se parte dos seus órgãos e tecidos.

Numa planta viva ou animal, a percentagem do conteúdo de carbono radioativo em comparação com o carbono ordinário não muda com o tempo, porque quaisquer perdas tornam-se boas pela alimentação. Se, contudo, a planta ou animal morre, a alimentação não pode mais substituir a perda do carbono radioativo. Assim, pode-se determinar o tempo passando desde a morte do organismo ou a idade do artifício feito de material orgânico.

Usando um contador de partículas electrizadas, foi descoberto que o carbono 14 sofre decaimento através da emissão de partículas beta que um grama de carbono radioativo contém na celulose duma árvore viva ou recentemente cortada, a atividade de um isótopo radioativo é 17,5 partículas por minuto. Isto é, a atividade de um isótopo radioativo é 17,5 decaimentos por minuto.

Convertendo, t_{1/2} = 5570 anos em minutos, encontramos o número de núcleos de ^{14}_{6}C que tem este valor de atividade:

\begin{align}
N&= (1/\lambda)(\Delta N /\Delta t)\\
&=1.44t_{1/2}(\Delta N / \Delta t)\\
&=1.44\times 5570 \times 365\times 24\times 60\times 1.75\\
&\approx 7.5\times 10^{10}
\end{align}

Assim, um grama de carbono na celulose duma árvore viva ou recentemente cortada contém 75000 milhões núcleos de carbono radioativo. Este número diminui progressivamente porque não é mais substituído (e isto acontece quando a árvore é cortada), o número original decresce com o tempo. Isto é, a atividade do carbono radioativo restante irá decrescer progressivamente. Se nós compararmos a sua atividade presente à atividade que estava presente quando a madeira foi cortada, podemos determinar o intervalo de tempo entre estes dois instantes.

Quando esta técnica é aplicada em artefatos de madeira muitas vezes encontrados nas escavações arqueológicas, na verdade determina-se o tempo no qual a árvore foi cortada. Isto dá a idade do artefacto feito a partir da madeira dessa árvore.

Fissão Nuclear[editar | editar código-fonte]

Esquema de fissão nuclear

A fissão nuclear ocorre quando um átomo instável, por exemplo, o de urânio (235 U) é bombardeado por um nêutron, levando à formação de bário(142 Ba) e criptônio (91 Kr) dois ou três novos nêutrons e energia.

Os nêutrons gerados na fissão podem se chocar com outros núcleos instáveis de urânio (235 U) repetindo o processo em cadeia, que se intensifica de modo exponencial, levando à grande liberação de energia.

Caso haja uma quantidade mínima de material radioativo, denominada massa crítica, a reação seguirá até a fissão do último átomo de urânio de forma muito rápida, com liberação de uma imensa quantidade de energia. Esse é o princípio da bomba nuclear.

Quando a reação de fissão nuclear envolve menores quantidades de urânio (235 U) e o bombardeamento do núcleo atômico por nêutrons ocorre de modo controlado; por exemplo, limitando a velocidade dos nêutrons com o uso de água pesada, ou pela remoção de parte dos nêutrons gerados durante a fissão com o uso de grafite, que absorve o excesso de nêutrons. Haverá liberação regulada de energia, que, pode, por exemplo, gerar energia elétrica nas usinas nucleares.

Usinas Nucleares[editar | editar código-fonte]

Uma usina nuclear apresentará um ou mais reatores nucleares, esses possuem blindagem (aço e concreto) para formar um circuito fechado e, assim, impedir a saída de nêutrons e raios gama (γ) nocivos à saúde dos seres vivos.

O reator gera energia através da fissão de combustíveis radioativos (urânio-235, plutônio239, tório-232). Atualmente, tem-se utilizado uma mistura de óxidos de plutônio e urânio (MOX) como combustível radioativo.

Essa energia produz calor que é utilizado para geração de vapor de água, que move turbinas de um gerador elétrico levando à produção de energia elétrica. Um reator nuclear apresentará as seguintes partes:

1. Blindagem: para isolar o sistema, evita a saída de nêutrons e radiação gama (γ) para o meio externo.

2. Cápsulas de combustível: abrigam o material fissionável, por exemplo, urânio-235.

3. Moderador: estão espalhados pelo reator, tem por função reduzir a velocidade dos nêutrons e desse modo controlar o processo de fissão. Geralmente, utiliza-se água pesada como eficiente moderador.

4. Material de controle: são barras que ficam entre as cápsulas de combustível, a fim de absorver nêutrons de modo a finalizar a reação de fissão nuclear, ou moderar sua intensidade. As barras de controle são feitas de cádmio ou boro, materiais com grande capacidade de absorver nêutrons.

5. Refrigerador: circula, por exemplo, água leve que absorve calor, essa energia pode ser levada até um trocador de calor, que produzirá vapor de água para acionar as turbinas de um gerador elétrico.

Radioterapia[editar | editar código-fonte]

A radioterapia envolve a aplicação de radiações ionizantes capazes de criar íons e radicais livres nas células situadas no campo de irradiação. Como a capacidade de reparo das células tumorais é menor, os íons formados e os radicais livres danificam o DNA da célula neoplásica levando-a a morte.

As radiações ionizantes empregadas na radioterapia podem ser raios X, ou raios gama emitidos, por exemplo, por uma cápsula de cobalto.

A radioterapia pode apresentar como efeitos colaterais distúrbios nos tecidos com maior potencial de divisão celular: epiderme, mucosas, células germinativas, tecido hematopoiético; assim, se tais tecidos estiverem no campo de irradiação podem ocorrer, respectivamente, lesões epidérmicas, mucosites, parada da produção de gametas e redução da formação de glóbulos brancos e plaquetas. Todos os casos devem ser tratados, pois, em geral, o quadro é reversível.

Cintilografia com contraste radioativo[editar | editar código-fonte]

Certos radioisótopos podem ser empregados em exames por imagens de órgãos. Como no caso da cintilografia que detecta a radiação emitida pelo contraste absorvido por um determinado órgão; forma-se a imagem da estrutura anatômica e, é possível inferir também o seu grau de atividade fisiológica.

O radioisótopo deve ser empregado em baixas dosagens para não comprometer a saúde do paciente. Uma característica importante do contraste é apresentar meia vida curta, ou seja, precisa se desintegrar rapidamente para não causar danos fisiológicos no organismo.

Tabela de modos de decaimento[editar | editar código-fonte]

Os radionuclídeos podem sofrer várias reações diferentes, resumidas na tabela seguinte, Um núcleo com o número de massa A e número atómico Z é representado como (A, Z). A coluna "Núcleo filho" indicam a diferença entre o novo núcleo e o núcleo original. Assim, (A − 1, Z) significa que o número de massa é menor em uma unidade que antes, mas que o número atómico é o mesmo que antes.

Modo de decaimento Partículas participantes Núcleo filho
Decaimentos com emissão de nucleões:
Emissão alfa Uma partícula alfa| (A = 4, Z = 2) emitida do núcleo (A − 4, Z − 2)
Emissão de protão Um protão ejetado do núcleo (A − 1, Z − 1)
Emissão de neutrão Um neutrão ejetado do núcleo (A − 1, Z)
Dupla emissão de protão Dois protões ejetados do núcleo em simultâneo (A − 2, Z − 2)
Fissão espontânea O núcleo desintegra-se em dois ou mais núcleos menores e outras partículas
Decaimento aglomerado O núcleo emite um tipo específico de núcleo menor (A1, Z1) menor ou maior que uma partícula alfa (A − A1, Z − Z1) + (A1, Z1)
Diferentes modos de decaimento beta:
Decaimento β Um núcleo emite um eletrão e um antineutrino de eletrão (A, Z + 1)
Emissão de positrão (Decaimento β+) Um núcleo emite um positrão e um neutrino de eletrão (A, Z − 1)
Captura eletrónica Um núcleo captura um eletrão orbital e emite um neutrino o núcleo filho é deixado num estado excitado instável (A, Z − 1)
Decaimento beta de partícula composta Um núcleo sofre decaimento beta de eletrão e antineutrino, mas o eletrão não é emitido, pois é capturado por uma orbital K vazia; o núcleo filho é deixado num estadoexcitado e instável. O processo é suprimido exceto em átomos ionizados que têm vagas na orbital K (A, Z + 1)
Decaimento beta duplo Um núcleo emite dois eletrões e dois antineutrinos (A, Z + 2)
Captura eletrónica dupla Um núcleo absorve dois eletrões orbitais e emite dois neutrinos – o núcleo filho é deixado num estado excitado e instável (A, Z − 2)
Captura eletrónica com Emissão de positrão Um núcleo absorve um eletrão orbital, emite um positrão e dois neutrinos (A, Z − 2)
Emissão dupla de positrão Um núcleo emite dois positrões e dois neutrinos (A, Z − 2)
Transições entre estados do mesmo núcleo:
Transição isomérica Núcleo excitado liberta um fotão de alta-energia (raio gama) (A, Z)
Conversão interna Núcleo excitado transfere energia para um eletrão orbital e é ejetado do átomo (A, Z)

Radioatividade na cultura popular[editar | editar código-fonte]

Na cultura popular, a radioatividade é amplamente abordada na ficção, principalmente em games com a série Fallout, Resident Evil, Metro 2033 e S.T.A.L.K.E.R. Nos filmes, é abordada em filmes como K-19: The Widowmaker, O Livro de Eli, Broken Arrow, A Soma de Todos os Medos, Chernobyl, entre outros.

Prevenção de riscos[editar | editar código-fonte]

Produtos como determinadas algas,[14] [15] [16] alecrim,[17] manganês[18] , magnésio[19] , zinco[20] , iodeto de potássio[21] , Betacaroteno[22] , vitaminas D[23] E e C[24] , ferro[25] , Cálcio[26] , potássio[27] , Ganoderma lucidum[28] , probióticos[29] , Aloe arborescens[30] , Nigella sativa L[31] , Centella asiatica[32] , Tinospora cordifolia[33] , tomate[34] , soja[35] , rhodiola[36] , Ocimum sanctum[37] , Ginkgo biloba[38] , alho[39] , repolho, couve-flor, brócolis[40] , Betacaroteno[41] , curcumina,[42] [43] além de óleo de linhaça[44] e da semente de linhaça[45] combatem e previnem os efeitos da radiação.

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este artigo:
Wikibooks-logo.svg Textos didáticos no Wikilivros
Wikinews-logo.svg Notícias no Wikinotícias
Wikinews-logo.svg Notícias no Wikinotícias
Wikiquote-logo.svg Citações no Wikiquote

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Portal A Wikipédia possui o portal:

Referências

  1. Glossário de química nuclear (em português) profpc.com.br. Página visitada em 19/01/2012.
  2. Histórico da Radioatividade (em português) ifm.ufpel.edu.br. Página visitada em 19/01/2012.
  3. [http://oer.avu.org/bitstream/handle/123456789/162/Fisica%20Nuclear.pdf?sequence=1, Telahun Tesfaye, Dr. FÍSICA NUCLEAR. 128 págs. Creative Commons Atribuição-Partilha (versão 2.5) ISBN 17 de agosto de 2013.
  4. Radioatividade natural e artificial (em português) brasilescola.com. Página visitada em 18/01/2012.
  5. Feynman; Mathew Sands. Lições de Física de Feynman (em Português). Edição Definitiva, A ed. [S.l.]: Bookman, 2008. 1798 pp. ISBN 9788577802593 Página visitada em 9 de agosto de 2013.
  6. Feynman; Mathew Sands. Lições de Física de Feynman (em Português). Edição Definitiva, A ed. [S.l.]: Bookman, 2008. 1798 pp. ISBN 9788577802593 Página visitada em 9 de agosto de 2013.
  7. a b Feynman; Mathew Sands. Lições de Física de Feynman (em Português). Edição Definitiva, A ed. [S.l.]: Bookman, 2008. 1798 pp. ISBN 9788577802593 Página visitada em 9 de agosto de 2013.
  8. a b c d Processos de decaimento woc.uc.pt. Página visitada em 18/01/2012.
  9. a b Radioatividade (em português) infoescola.com. Página visitada em 18/01/2012.
  10. Primeira lei de soddy (em português) infoescola.com. Página visitada em 2014.
  11. Segunda Lei da Radioatividade ou Segunda Lei de Soddy (em português) Alunos Online. Página visitada em 2014.
  12. Segunda lei da radioatividade natural (Soddy, Fajans e Russel) (em português) colegioweb.com.br. Página visitada em 19/01/2012.
  13. lei de decaimento radioativo
  14. Vladimir Skulachev (30). Radioprotective properties of eckol against ionizing radiation in mice (HTML) (em Língua inglesa) Febs Letters. Febs Letters. Página visitada em 11 de julho de 2014.
  15. Rhee KH; Lee KH (4). Protective effects of fucoidan against γ-radiation-induced damage of blood cells. (HTML) (em Língua inglesa) NCBI. NCBI. Página visitada em 11 de julho de 2014.
  16. Kim J; Lua C , H Kim , Jeong J , Lee J , Kim J , Hyun JW , Parque JW , Lua MEU , Lee NH , SH Kim , Jee Y , Shin T (9). The radioprotective effects of the hexane and ethyl acetate extracts of Callophyllis japonica in mice that undergo whole body irradiation. (HTML) (em Língua inglesa) NCBI. NCBI. Página visitada em 11 de julho de 2014.
  17. A Jindal; Soyal D , Sancheti G , Goyal PK (25). Radioprotective potential of Rosemarinus officinalis against lethal effects of gamma radiation : a preliminary study. (HTML) (em Língua inglesa) NCBI. NCBI. Página visitada em 11 de julho de 2014.
  18. Epperly MW; Travis EL , Sikora C , Greenberger JS . (12). Manganese [correction of Magnesium superoxide dismutase (MnSOD) plasmid/liposome pulmonary radioprotective gene therapy: modulation of irradiation-induced mRNA for IL-I, TNF-alpha, and TGF-beta correlates with delay of organizing alveolitis/fibrosis.] (HTML) (em Língua inglesa) NCBI. NCBI. Página visitada em 11 de julho de 2014.
  19. Michael W. Epperly; Elizabeth L. Travis, Christine Sikora, Joel S. Greenberger (12). Magnesium superoxide dismutase (MnSOD) plasmid/liposome pulmonary radioprotective gene therapy: modulation of irradiation-induced mRNA for IL-1, TNF-a, and TGF-b correlates with delay of organizing alveolitis/fibrosis (HTML) (em Língua inglesa) ASBMT. ASBMT. Página visitada em 11 de julho de 2014.
  20. Djurović Branka; Spasić-Jokić Vesna, Djurović Branislav um Akademija Vojnomedicinska, , Fakultet tehničkih nauka e Milos Clinic, Belgrado (12). Uticaj profesionalne ekspozicije Malim dozama jonizujućeg zračenja na aktivnost superoksid dismutaze i nivo glutationa u plazmi (HTML) (em Língua inglesa) Scindeks. Scindeks. Página visitada em 11 de julho de 2014.
  21. Use of potassium iodide for thyroid protection during nuclear or radiological emergencies (HTML) (em Língua inglesa) OMS. OMS (29). Página visitada em 11 de julho de 2014.
  22. R.S. Harapanhalli; V.R. Narra; V. Yaghmai; M.T. Azure; S.M. Goddu; R.W. Howell; D.V. Rao; Vahid Yaghmai (12). Vitamins as radioprotectors in vivo II. Protection by vitamin A and soybean oil against radiation damage caused by internal radionuclides (HTML) (em Língua inglesa) Universidade Northwestern. Universidade Northwestern. Página visitada em 11 de julho de 2014.
  23. MARK REYNOLDS (12). Damaged DNA? Take vitamin D (HTML) (em Língua inglesa) Mc Gil Reporter. Mc Gil Reporter. Página visitada em 11 de julho de 2014.
  24. Paul Okunieff; Steven Swarts , Peter Keng , Weimin Sun , Wang Wei , Jung Kim , Shanmin Yang , Zhang Hengshan , Chaomei Liu , Jacqueline P. Williams , Amy K. Huser e Lurong Zhang (30). ANTIOXIDANTS REDUCE CONSEQUENCES OF RADIATION EXPOSURE (HTML) (em Língua inglesa) NCBI. NCBI. Página visitada em 11 de julho de 2014.
  25. Ragan HA . (30). Enhanced plutonium absorption in iron-deficient mice. (HTML) (em Língua inglesa) NCBI. NCBI. Página visitada em 11 de julho de 2014.
  26. Ingrid Kohlstädt (12). Advancing Medicine with Food and Nutrients, Second Edition (HTML) (em Língua inglesa) Google Docs. Google Docs. Página visitada em 11 de julho de 2014.
  27. WILLIAM J. BROAD (12). Danger Posed by Radioactivity in Japan Hard to Assess (HTML) (em Língua inglesa) The New York Times. The New York Times. Página visitada em 11 de julho de 2014.
  28. Sanodiya BS; Thakur GS , Baghel RK , Prasad GB , Bisen PS (5). Ganoderma lucidum: a potent pharmacological macrofungus (HTML) (em Língua inglesa) Universidade de Washington. Universidade de Washington. Página visitada em 11 de julho de 2014.
  29. Probiotic Protects Intestine From Radiation Injury (HTML) (em Língua inglesa) Universidade de Washington. Universidade de Washington (5). Página visitada em 11 de julho de 2014.
  30. Bakuridze AD; Nikolaev SM , Berashvili DT , Bakuridze KA , Tsomaia IV (5). Radio protective drug production from fresh leaves of Aloe arborescens Mill (HTML) (em Língua inglesa) NCBI. NCBI. Página visitada em 11 de julho de 2014.
  31. Cemek M; Enginar H , Karaca T , Unak P (5). In vivo radioprotective effects of Nigella sativa L oil and reduced glutathione against irradiation-induced oxidative injury and number of peripheral blood lymphocytes in rats. (HTML) (em Língua inglesa) NCBI. NCBI. Página visitada em 11 de julho de 2014.
  32. Sharma J; Sharma R (5). Radioprotection of Swiss albino mouse by Centella asiatica extract (HTML) (em Língua inglesa) NCBI. NCBI. Página visitada em 11 de julho de 2014.
  33. Sharma P; Parmar J , P Sharma , Verma P , Goyal PK (5). Radiation-Induced Testicular Injury and Its Amelioration by Tinospora cordifolia (An Indian Medicinal Plant) Extract. (HTML) (em Língua inglesa) NCBI. NCBI. Página visitada em 11 de julho de 2014.
  34. Tekchand Dhirhe; B.K Maheshwari, Presenjit Raut, Sangeeta Dhirhe (5). RADIO-PROTECTIVE EFFECT OF LYCOPERSICON ESCULENTUM EXTRACT AGAINST RADIATION INDUCED CHROMOSOMAL ABERRATION IN SWISS ALBINO MICE (PDF) (em Língua inglesa) International Journal of Pharmaceutical Sciences Review and Research. International Journal of Pharmaceutical Sciences Review and Research. Página visitada em 11 de julho de 2014.
  35. Ohara M; , Lu H , K Shiraki , ISHIMURA Y , Uesaka T , S Katoh , Watanabe H (21). Radioprotective effects of miso (fermented soy bean paste) against radiation in B6C3F1 mice: increased small intestinal crypt survival, crypt lengths and prolongation of average time to death (HTML) (em Língua inglesa) NCBI. NCBI. Página visitada em 11 de julho de 2014.
  36. Arora R; R Chawla , Sagar R , Prasad J , S Singh , Kumar R , Sharma A , S Singh , RK Sharma (21). Evaluation of radioprotective activities Rhodiola imbricata Edgew--a high altitude plant (HTML) (em Língua inglesa) NCBI. NCBI. Página visitada em 11 de julho de 2014.
  37. Subramanian M; Chintalwar GJ , Chattopadhyay S (21). Antioxidant and radioprotective properties of an Ocimum sanctum polysaccharide (HTML) (em Língua inglesa) NCBI. NCBI. Página visitada em 11 de julho de 2014.
  38. Radioprotection And Extracts Of Ginko Biloba (HTML) (em Língua inglesa) MNT. MNT (21). Página visitada em 11 de julho de 2014.
  39. Jaiswal SK; Bordia A. (5). Radio-protective effect of garlic Allium sativum Linn. in albino rats. (HTML) (em Língua inglesa) NCBI. NCBI. Página visitada em 11 de julho de 2014.
  40. Eliot Rosen (2). Vegetable-Derived Compound May Protect Against Radiation (HTML) (em Língua inglesa) Universidade de Georgetown. Universidade de Georgetown. Página visitada em 11 de julho de 2014.
  41. Beliaev IK; Kazarian RV , Zaraĭskiĭ AV (2). Prospects of the use of beta-carotene enriched food products in the prevention and therapy of radiation injuries (HTML) (em Língua russa) NCBI. NCBI. Página visitada em 11 de julho de 2014.
  42. Aravindan N; Madhusoodhanan R , Ahmad S , Johnson D , Herman TS (7). Curcumin inhibits NFkappaB mediated radioprotection and modulate apoptosis related genes in human neuroblastoma cells. (HTML) (em Língua inglesa) NCBI. NCBI. Página visitada em 11 de julho de 2014.
  43. Jagetia GC (25). Radioprotection and radiosensitization by curcumin. (HTML) (em Língua inglesa) NCBI. NCBI. Página visitada em 11 de julho de 2014.
  44. Bhatia AL; Sharma A , Patni S , Sharma AL (21). Prophylactic effect of flaxseed oil against radiation-induced hepatotoxicity in mice. (HTML) (em Língua inglesa) NCBI. NCBI. Página visitada em 11 de julho de 2014.
  45. Lee JC; Krochak R , Blouin A , Kanterakis S , S Chatterjee , Arguiri E , Vachani A , Solomides CC , Cengel KA , Christofidou-Solomidou M (8). Dietary flaxseed prevents radiation-induced oxidative lung damage, inflammation and fibrosis in a mouse model of thoracic radiation injury. (HTML) (em Língua inglesa) NCBI. NCBI. Página visitada em 11 de julho de 2014.