Deus no Sikhismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde agosto de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde agosto de 2011).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.

A concepção de Deus no Sikhismo é invariavelmente monoteísta, assim como simbolizado por "Ik Onkar" (um Deus), um dogma central da filosofia Sikhista. O princípio fundamental do Sikhismo é que Deus existe, indescritível e ainda assim compreensível e perceptível a qualquer um que esteja preparado a dedicar o tempo e a energia para se tornar capaz de perceber sua personalidade.

Os gurus Sikhistas têm descrito Deus de diversas maneiras em seus hinos incluídos no Guru Granth Sahib, a escritura sagrada do Sikhismo, mas a singularidade da divindade é consistente e enfatizada constantemente. Deus é descrito no "Mool Mantar", a primeira passagem no Guru Granth Sahib, e a fórmula básica da fé é:

ੴ ਸਤਿ ਨਾਮੁ ਕਰਤਾ ਪੁਰਖੁ ਨਿਰਭਉ ਨਿਰਵੈਰੁ ਅਕਾਲ ਮੂਰਤਿ ਅਜੂਨੀ ਸੈਭੰ ਗੁਰ ਪ੍ਰਸਾਦਿ ॥

Ik onkar satinam karta purakhu nirbhau nirvair akal murat ajuni saibhan gurprasad

Um Deus Criador Universal, O Nome é Verdade, Criador Sendo Personificado, Nenhum Medo, Nenhum Ódio,

Imagem do Ser Eterno, Além do Nascimento, Existente por si mesmo, Pela Glória do Guru.
(GG. Pág. 1)

O Guru Arjan, Nanak V, diz: "Deus está além da cor e da forma. Todavia, sua presença é claramente visível" (GG, 74), e "O deus de Nanak transcende o mundo assim como as escrituras do leste e do oeste e ainda assim ele/ela claramente manifesta-se" (GG, 397).

O conhecimento da realidade definitiva não é um assunto para a razão; ele vem pela revelação da realidade definitiva através do nadar (graça) e pelo anubhava (experiência mística). O Guru Nanak diz ainda: "budhi pathi na paiai bahu chaturaiai bhai milai mani bhane que se traduz para: "Ele/ela se faz conhecer quando ele/ela assim deseja, através da devoção" (GG, 436).