Deutsche Forschungsgemeinschaft

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Sede da DFG in Bonn

A Deutsche Forschungsgemeinschaf (DFG) é uma instituição para o fomento à pesquisa e à ciência da Alemanha. Constituindo-se em sociedade registrada,[1] organizada em regime de direito privado, é uma organização pública sem fins lucrativos financiada pela Confederação e pelos Estados alemães. Com sede em Bonn, a DFG é uma das maiores [2] organizações de fomento financeiro à pesquisa na europa, e representa a autarquia [3] central no que se refere à ciência na Alemanha. Conta atualmente com um planejamento seguro para constante aumento em suas receitas proveniente do "Pacto para Pesquisa e Inovação" (Pakt für Forschung und Innovation).

Organização[editar | editar código-fonte]

O atual Presidente da Deutsche Forschungsgemeinschaft (DFG) é Mathias Kleiner, e a atual Secretária Geral é Dorothee Dzwonnek, que junto com o presidente são os principais responsáveis pela direção da DFG. A mesa diretora da DFG é constituída por dez membros (zehnköpfigen Präsidium):Jörg Hinrich Hacker(Biólogo), Konrad Samwer (Físico), Jürgen Schölmerich (Médico), Luise Schorn-Schütte (Historiadora), Bernd Scholz-Reiter (Tecnólogo), Ferdinand Schüth (Químico), Dorothea Wagner (Informática), Christine Windbichler (Direito) assim como Arend Oetker (convidado permanente - Stifterverband für die Deutsche Wissenschaft, em português "Associação de doadores para as ciências alemãs")).

Em seu estaturo o §1 define, conforme tradução, o seu objetivo:

" A Deutsche Forschungsgemeinschaft apoia as ciências em todas as suas áreas de investigação através de suporte financeiro à tarefa de pesquisar e através do fomento à cooperação entre pesquisadores. Aconselha o parlamento e autoridades sobre questões científicas e mantém a ligação entre pesquisa e economia, e entre pesquisa e pesquisa estrangeira. ..."

-Estatudo da Deutschen Forschungsgemeinschaft

„Die Deutsche Forschungsgemeinschaft dient der Wissenschaft in allen ihren Zweigen durch die finanzielle Unterstützung von Forschungsaufgaben und durch die Förderung der Zusammenarbeit unter den Forschern. Sie berät Parlamente und Behörden in wissenschaftlichen Fragen und pflegt die Verbindungen der Forschung zur Wirtschaft und zur ausländischen Wissenschaft. ... "

-Satzung der Deutschen Forschungsgemeinschaft

A mesa diretora, da qual fazem parte também o presidente e do vice-presidente, servem à execução das atividades inerentes ao Conselho Administrativo, conselho este presidido pelo Secretário Geral da DFG, posto ocupado desde 1º de setembro de 2007 por Dorothee Dzwonnek.

A DFG promove projetos individuais, projetos de graduados, investigações cooperativas, dá suporte à infraestrutura necessária e apoia projetos que têm influência científica em nível mundial. Os projetos podem ser submetidos por cada instituição conveniada ou por cientistas (a partir de sua graduação). Em suas atividades a DFG contou em 2005 com um orçamento de aproximadamente 1,3 milhões de euros. Os recursos disponibilizados ao seu presidente em 2006 contaram com um aumento de 40%.

A DFG é membro do International Council for Science (Conselho Internacional de Ciência). Organizações similares ao longo do mundo são por exemplo a National Science Foundation (USA) (Fundação nacional de Ciências), a Royal Academy (Academia Real Inglesa), a Schweizerische Nationalfonds (Fundo Nacional Suíco) e o Consejo Nacional de Ciencia y Tecnolgía (Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia), no México.

História[editar | editar código-fonte]

As origens da Deutsche Forschungsgemeinschaft remontam ao tempo da República de Weimar (Weimarer Republik). Foi fundada em 30 de outubro de 1920 sob o nome de "Notgemeinschaft der deutschen Wissenschaft" (Associação Alemã para Prioridades Científicas) mediante iniciativa dos químicos Fritz Haber e Friedrich Schmidt, este último o seu primeiro presidente. Em 1929 o nome da instituição foi trocado para "Deutsche Gemeinschaft zur Erhaltung und Förderung der Forschung (Comunidade Alemã para Manutenção e Promoção da Pesquisa), que de forma abreviada assumiu a forma "Forschungsgemeinschaft (Comunidade para pesquisa)".

Durante o regime nazista a Forschungsgemeinschaft foi transformada em uma instituição com cunho notoriamente político, e seja por pressão seja em grande parte por livre opção, a maioria dos cientistas tornou-se adepto da ideologia nazista e passaram a trabalhar com os mesmos objetivos dos nacionalistas radicais. Os financiamentos aos projetos politicamente aceitos, tanto para projetos essenciais (como os ligados às ciências agrícolas: "Agrarwissenschaften") como para os projetos mais radicais como o projeto da higiene racial ("Rassenhygiene"), foram consideravelmente elevados.

O presidente da DFG no período de 1934 a 1936 foi o físico Johannes Stark. Ele convidou o principal ideólogo nazista, Alfred Rosenberg, para ser o patrono e presidente honorário da DFG. Stark veio a perder sua posição porque não só Bernhard Rust [4] e seu ministério como também a "SS" e "Wehrmacht" se opuseram a ele. Em 1936 o químico Rudolf Mentzel assumiu a presidência da DFG.

Conforme mostraram as investigações de um grupo de tralho dirigido pelo historiador de Freiburg Hulrich Herbert entre os anos de 2000 e 2008, nos tempos do Nacional Socialismo (nazismo) a DFG contribuiu de forma significativa no desenvolvimento do Generalplan Ost, um plano nazista para o domínio do oriente e que implicava diretamente na morte de dezenas de milhões de pessoas durante a conquista e purificação racial das terras orientais. O plano previa em estimativa um total de mortos de cerca de 33 milhões de pessoas na europa oriental.

Após a segunda guerra mundial, a "Notgemeinschaft der Deutschen Wissenschaft" foi refundada em 1949. Em Gotinga, aos 9 de março de 1949, estabelecia-se, com cunho político científico, o "Deutsche Forschungsrat" (Conselho Alemão de Pesquisa). Em 2 de agosto de 1951 a "Notgemeinschaft" e a "Forschungsrat" se fundiram, dando origem à Deutsche Forschungsgemeinschaft (DFG).

Após a reunificação da Alemanha em 1990, seus projetos de financiamento se estenderam sob todo o território da Alemanha unificada.

Presidentes anteriores[editar | editar código-fonte]

Prêmios de Pesquisa[editar | editar código-fonte]

A DFG promove anualmente os seguintes prêmios à pesquisa:

Programas de Financiamento da DFG[editar | editar código-fonte]

Membros[editar | editar código-fonte]

Colégios Científicos (Escolas Técnicas) [6] [editar | editar código-fonte]

Outras Instituições de Pesquisa[editar | editar código-fonte]

Academias de Ciências[editar | editar código-fonte]

Associações Científicas[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Na Alemanha uma sociedade registrada é uma sociedade oficialmente estabelecida em órgão especializado do governo (Vereinsregister) e que não tenha fins lucrativos, sendo uma "sociedade para um ideal" (Idealverein).
  2. no artigo orignal na Wikipédia saxônica tem-se "...a DFG é na europa a maior..."
  3. a rigor uma instituição com direção e organização próprias. Em alemão encontra-se o termo Selbstverwaltungsorganization, podendo autarquia não ser a exata tradução.
  4. Bernhard Rust dirigiu o Reichsministerium für Wissenschaft, Erziehung und Volksbildung, o Ministério do Reich para Ciência, Educação e Ensino Público, de 1934 a 1945
  5. Philipps-Universität Marburg - Pressestelle der Philipps-Universität : Gauß-Vorlesung in Marburg
  6. Mitgliederversammlung

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

As primeiras versões deste artigo correspondem à gradual tradução do seu correspondente na Wikipédia saxônica conforme encontrava-se publicado em 22 de junho de 2009 as 23:37 horas, e as referências e ligações externas em alemão aqui relatadas são as dele herdadas: de:Deutsche Forschungsgemeinschaft

Em alemão[editar | editar código-fonte]

  • Anne Cottebrune: Der planbare Mensch. Die DFG und die menschliche Vererbungswissenschaft 1920 - 1970. Franz Steiner, Stuttgart 2008. ISBN 3-515-09099-1
  • Notker Hammerstein: Die Deutsche Forschungsgemeinschaft in der Weimarer Republik und im Dritten Reich : Wissenschaftspolitik in Republik und Diktatur 1920 - 1945. München : Beck, 1999, ISBN 3-406-44826-7

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

Em alemão[editar | editar código-fonte]

Geschichte (História)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Em alemão (Siehe auch)[editar | editar código-fonte]