Diálogo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Diálogo (em grego antigo: διάλογος diálogos[1] ) é a conversação entre duas ou mais pessoas, costuma-se dizer erroneamente que significa "dois", no entanto significa "passagem, movimento", assim, dialogo significa a troca de intervenientes, que podem ser dois ou mais.[2] Embora se desenvolva a partir de pontos de vista diferentes, o verdadeiro diálogo supõe um clima de boa vontade e compreensão recíproca.[3] Como um gênero, os diálogos mais antigos remontam no Oriente Médio e Ásia ao ano de 1433 no Japão, disputas sumérias preservadas em cópias a partir do final do terceiro milênio a.C.[4]

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Estruturalmente o diálogo classifica-se em:

Exemplo

— Onde esta vovó? perguntou ela com a voz fraca.
— Esta lá pra dentro, respondeu o moleque cruzando os braços.
— Olha, Benedito! dize-lhe que... Está bom, não lhe digas coisa alguma...

Aluísio Azevedo, o Mulato, Cap. XV

Benveniste (2006) de discurso, que denomina de comunhão fática, e reconhece que deveria ser estudada no contexto da enunciação. Para esse lingüista, as palavras, na comunhão tática, preenchem uma função social e esse é o seu principal objetivo, mas não são o resultado de reflexão intelectual nem despertam, necessariamente, qualquer espécie de reflexão no ouvinte. Por que então a conversa resiste às convenções e as etiquetas impostas pelo mundo da objetividade? Na Internet, é comum a manutenção de salas específicas para conversas, mesmo em espaços destinados a temas formais e acadêmicos, uma espécie de resgate no espaço virtual dos cafés que desde o século 32sas eram considerados verdadeiros centros de comunicação oral, Istambul era famosa nesse século por seus 600 cafés.

Dialogo é: Uma conversa entre duas ou mais pessoas bibas tem Uma troca de ideias para se chegar a um bom entendimento; Obra literária ou cientifica em forma de conversação; Alternância de dois factores complementares um do outro.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Bob Williams; Richard Hummelbrunner. Systems Concepts in Action: A Practitioner's Toolkit. Stanford University Press; 25 October 2010. ISBN 978-0-8047-7655-4. p. 293.
  2. Orlando Neves. Dicionário da origem das palavras. Leya; 27 February 2012. ISBN 978-989-555-646-5. p. 129.
  3. Gérard Durozoi; André Roussel. Dicionário de filosofia. PAPIRUS; 2005. ISBN 978-85-308-0227-1. p. 135.
  4. G. J., and H. L. J. Vanstiphout. 1991. Dispute Poems and Dialogues in the Ancient and Mediaeval Near East: Forms and Types of Literary Debates in Semitic and Related Literatures. Leuven: Department Oriëntalistiek.
Ícone de esboço Este artigo sobre linguística ou um linguista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.