Dialeto caipira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O dialeto caipira é um dialeto da língua portuguesa falado no interior do estado de São Paulo, leste do Mato Grosso do Sul, sul de Minas Gerais, sul de Goiás[1] e norte do Paraná, no Brasil. Sua delimitação e caraterização datam de 1920, com a obra de Amadeu Amaral, O Dialeto Caipira.[2]

Influências[editar | editar código-fonte]

A língua tupi, que era a língua habitual dos bandeirantes que ocuparam as regiões onde se fala atualmente o dialeto caipira, não apresentava alguns sons habitais da língua portuguesa, como os representados pelas letras f, l e r (de "rato", por exemplo)[3] . Isso influenciou o atual dialeto caipira brasileiro. Por exemplo: o dialeto caipira se caracteriza pelo r retroflexo (como em "porta", "carta") e pela substituição do dígrafo "lh" por "i", como em "palha", "milho", que se leem "paia", "mio". Nos dois casos, ocorreu uma adaptação da fonética portuguesa à fonética tupi[4] . Outro ponto em comum entre a língua tupi e o dialeto caipira é ausência de diferenciação entre singular e plural: abá, em tupi, pode significar tanto "homem" quanto "homens"[5] e o dialeto caipira usa tanto "a casa" quanto "as casa".

Características[editar | editar código-fonte]

Fonéticas[editar | editar código-fonte]

Desde a obra de Amaral, a fonética caipira é marcada por cinco principais traços distintivos:[6]

  1. O "R" caipira: O fonema /r/, em fim de sílaba ou em posição intervocálica, assume as características formas aproximante alveolar [ɹ], retroflexo [ɻ]. [7] [8] [9]
  2. A rotacização do "L": a permutação, em fim de sílaba, da aproximante lateral [l] pelo fonema /r/ (mil > mir, enxoval > enxovar, claro > craro, etc.). Esse traço não é exclusivo do dialeto caipira, mas se faz presente de forma gradual ao longo de todo o país, sendo menos comum na linguagem culta. Trata-se de um fenômeno que já vinha ocorrendo na passagem do latim para o português (ex: clavu > cravo).[10]
  3. A iotização do "LH": [ʎ] (<Falhou> [faˈjo]; <Mulher> [muˈjɛ]; <Alho> [ˈaju]; <Velho> [vɛˈju]; <Olhei> [oˈjej], etc.). Da mesma forma que a rotacização do L, esse traço existe ao longo do país todo, sendo mais uma marca social do que regional.[11]
  4. A apócope da consoante /r/ na terminação dos verbos no infinitivo[12] (<Brincar> [bɾĩˈka]; <Olhar> [oˈja]; <Comer> [koˈme]; <Chorar>: [ʃoˈɾa]; etc.).
  5. A transformação de proparoxítonas em paroxítonas: A apócope ou síncope em palavras proparoxítonas e a aférese em muitas palavras.

Morfossintáticas[editar | editar código-fonte]

Algumas características morfossintáticas difundidas por todo o falar brasileiro são, popularmente, vistas como características do dialeto caipira, como:

  • a concordância de número marcada apenas no artigo[13] (<as mulheres> [az muˈjɛ], <os homens> [u ˈzomi], <as coisas> [as ˈkojzɐ], <os primos> [us ˈpɾimu] etc.)
  • a nasalização do /d/ na terminação do gerúndio (nas outras terminações em ←ndo> não sofrem esse fenômeno)[14] :(<Falando> [faˈlɐ̃nu]; <Quando> [ˈkwɐ̃du]; <Dormindo> [duɹˈmĩnu]; <Lindo> [ˈlĩdu]; <Correndo> [koˈhẽnu]; <Segundo> [siˈɡũdu]; <Pondo> [ˈpõnu]; <Mundo> [ˈmũdu])

Variações[editar | editar código-fonte]

O dialeto caipira pode ser dividido em cinco subdialetos:[carece de fontes?]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Ribeiro, José H. Música Caipira: da roça ao rodeio. São Paulo: 34, 1999. ISBN 85-7326-157-9.
  2. Bagno (2011), p. 245
  3. Navarro (2005), p. 13-17
  4. http://tupi.fflch.usp.br/node/16
  5. Navarro (2005), p. 27
  6. Castro (2006), p. 20
  7. Ferraz, Irineu da Silva. (2005). "Características Fonético-Acústicas do /r/ Retroflexo do Português Brasileiro: Dados de Informantes de Pato Branco (PR).". Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Paraná (UFPR). Pág. 19-21
  8. Leite, Cândida Mara Britto. (2010). "O /r/ em posição de coda silábica na capital do interior paulista: uma abordagem sociolinguística". Sínteses. Pág. 111 (pág. 2 do PDF em anexo)
  9. Castro (2006), pp. 81-85
  10. Castro (2006), pp. 85-89
  11. Castro (2006), pp. 94-96
  12. Bagno (2001), p. 328
  13. Bagno (2011), p. 705
  14. Ferreira, Jesuelem Salvani; Tenani, Luciani. (2009). "A redução do gerúndio à luz da fonologia Lexical". Estudos Linguísticos 38 (1): 63-64.(pag. 5 e 6 do pdf em anexo).

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]