Dialeto da costa norte

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Dialeto cearense)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde outubro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

O dialeto da costa norte, por vezes também chamado dialeto cearense por ser notoriamente descrito como o principal dialeto do estado do Ceará, é uma variante do português brasileiro falada no estado do Ceará e em partes do Piauí e do Maranhão. No Ceará, seu estado raiz, conta com aproximadamente 8,5 milhões de falantes.

Possui variações internas, principalmente na Região Metropolitana de Fortaleza, na Região Jaguaribana, na Grande Teresina e no Leste Maranhense.

Características[editar | editar código-fonte]

Fonéticas[editar | editar código-fonte]

Existem diversos traços fonológicos característicos do dialeto da costa norte. Entre eles, podemos citar:

Vogais[editar | editar código-fonte]

  • Abertura das vogais pré-tônicas [e] e [o]: A abertura das vogais médias pré-tônicas [e] e [o] (que passam para [ɛ] e [ɔ]) é típica dos dialetos do Norte-Nordeste do Brasil, distinguindo-os nitidamente dos dialetos do Centro-Sul. No dialeto da costa norte, porém, esse fenômeno é de caracterização peculiar, estando relacionado a uma regra de harmonia vocálica de traço em que a vogal da sílaba pré-tônica se assimila à vogal da sílaba tônica posterior, além da neutralização e redução vocálicas, diferentemente do que ocorre no dialeto baiano e outros.[1] [2] Assim, os cearenses pronunciam as vogais /e/ e /o/ abertas ou fechadas, nas sílabas pré-tônicas, conforme a vogal da sílaba tônica posterior induza sua abertura ou fechamento: por exemplo, tem-se "hotel" [ɔ'tɛw], mas "loteria" [lote'ɾiɐ], e "detesto" [dɛtɛʃtʊ], porém "pretexto" [pɾeteʃtʊ], o que não exclui as ocorrências de redução vocálica também presentes em outros dialetos do português, como em "desleixo" [d(ʒ)izlejʃʊ]. Ocorre também influência morfológica nos termos formados por derivação, o que faz com que vogais que, pela regra da harmonização vocálica, seriam abertas sejam realizadas de modo distinto em razão da influência do termo originário, a exemplo de "mesada" ([mezadɐ], não [mɛzadɐ]) e "cebolal" ([seboˈlaʊ], não [sebɔˈlaʊ]).[3]
  • Troca de [e] e [o] por [i]/[j] e [u]: Quando não ocorre a abertura da vogal pré-tônica [e] para [ɛ], acontecem trocas fonéticas de [e] para [i] (vogal) ou [j] (semivogal), fenômeno muito comum em palavras como "cearense" [sja'ɾẽsi] e "segunda" [si'gũdɐ], por exemplo. Menos comum é a substituição de [o] para [u], quando não se realiza a abertura dessa vogal pré-tônica para [ɔ], como em "botar" , podendo ser falada [bu'ta] ou [bɔ'ta].[carece de fontes?]
  • Ditongação e monotongação: O dialeto da costa norte, assim como outros do português brasileiro, destaca-se por apresentar simultaneamente tendências de ditongação de vogais e monotongação de ditongos. Na fala cearense, é mais significativa a ditongação nas vogais de sílabas tônicas precedidas por /s/ ou /z/, como em "pés" [pɛjs] e "feroz" [fɛˈɾɔjs]. Por outro lado, é mais frequente a monotongação nos ditongos precedidos de [ʃ], [ʒ] e [ɾ] (especialmente se o vocábulo for polissilábico), a exemplo de "caixa" [kaʃɐ], "feijão" [[feˈʒɐ̃ʊ̃] e "feira" [feɾɐ].[4]

Consoantes[editar | editar código-fonte]

  • Apagamento/ iotização de "lh" [ʎ] e "nh" [ɲ]: O "nh" e o "lh" são frequentemente iotizados em sílabas mediais e finais, juntamente com o apagamento da última vogal, geralmente [ʊ] ("tamanho" > [tɐ̃mɐ̃j̃] - "tamãe" - ou [tɐ̃mɐ̃j̃ʊ]; paninho > [pɐ̃'nĩ] ou [pɐ̃nĩʊ̃ ]; "filho" > [fij]; "velho" > ([vɛj]). Antes da vogal i, o "nh" é, em vez disso, apagado ("rainha" > [hɐ̃'ĩɐ]). Os casos em que esses fonemas não são apagados ou iotizados parecem ser influenciados pela presença de vogais abertas ([a] [ɛ] [ɔ]) posteriores a esses fonemas.[5]
  • Glotalização do "r": Assim como na maior parte do Nordeste, os cearenses tendem a usar a letra "r" de uma maneira bem forte ([ɦ]), o qual é dado o nome de "r" sonoro, em qualquer situação, até mesmo no dígrafo "rr", como em "carro" ['kaɦu], "verso" ['vɛɦsu] e "ramo" ['ɦɐmu], porém, iniciando sílabas e formando encontros consonantais se usa [ɾ], como em boa parte dos falantes da língua portuguesa: "grito" ['gɾitu] e "aranha" [a'ɾɐɲɐ]. Outra característica marcante de vários dialetos nordestinos, em particular o cearense, é o desuso do som da letra "r" em palavras que terminam com "r", ou seja, o "r" é sempre mudo no fim de palavras, como em "andar" [ɐ̃ 'da] e "caviar" [kavi'a].
  • Neutralização de [v], [ʒ] e [z]: Um fenômeno típico do falar cearense, muito usado em imitações humorísticas do dialeto, é a neutralização dos fonemas [v], [ʒ] e [z] como [ɦ], variante do fonema /r/ típico do Nordeste brasileiro, em várias situações, por exemplo: "estava" ([iʃ'tahɐ]); "mesmo" ([meɦmu] ou até ['meɦum]); e "gente" ([ɦẽt(ʃ)i]). De início, via-se esse fenômeno como típico da fala plebéia e rural, gerando estigmatização do falante. Mais tarde, segundo alguns autores, essa transformação passa a ser vista como ocorrendo principalmente na linguagem rápida e descontraída, para fins de facilitar a articulação, representando assim uma variante dialetal usada em situações de familiaridade e relaxamento. Outros, contudo, consideram que ela é causada principalmente por fatores lexicais e interacionais. Assim, as causas que influenciaram essa mudança seriam a natureza da consoante ou da vogal seguinte e a presença do morfema do pretérito imperfeito "ava".[6]
  • Palatalização das fricativas /s/ e /z/: Quanto a isso, o dialeto da costa norte nem se configura como o sulista, nem como o carioca, mas num meio termo. As fricativas nunca são palatalizadas em final de palavra nem, no geral, antes de consoantes, mas apenas quando se seguem a elas consoantes alveolares dentais (/t/ e /d/). Assim, diz-se sempre "aspa" [aspɐ] e "mesmas" [mezmɐs], mas "estrela" [iʃ'tɾelɐ] e "desdém" [dɛʒ'dẽj̃].[carece de fontes?]

Traços arcaizantes[editar | editar código-fonte]

No dialeto da costa norte, também é muito comum, nas variantes mais isoladas e rurais, aspectos arcaicos da pronúncia do português, registrados em textos lusitanos de séculos atrás, como o ditongo /uj/ que se reduziu a /u/ modernamente ("fruito" e não "fruto"), e termos e formas alternativas como "magotes", "dezasseis" (dezesseis), "mior" (melhor), "tratos" (negócio), "pro 'mode" e "pr'amode" (derivado de "por amor de"), etc. [3] De acordo com a lista de Florival Seraine, essas palavras podem ser resumidas em:

  • Áferese: acostumado > costumado [kuʃtumadʊ]
  • Síncope: "xícara" > xicra [ʃikrɐ]
  • Epêntese: "cotovia" > "cutruvia" [kutɾu'viɐ]
  • Hipérteses: "ceroula" > cilora [si'loɾɐ]
  • Apócope: "ridículo" > ridico [hi'd(ʒ)ikʊ]
  • Prótese: "juntar" > "ajuntar" [aʒũ'ta]
  • Dissimilação: "manhã" > "menhã" [mẽɲɐ̃]

Morfossintáticas[editar | editar código-fonte]

Pronomes de segunda pessoa[editar | editar código-fonte]

Os cearenses usam preferencialmente o pronome de segunda pessoa "tu", ao lado do pronome "você", mas ambos sempre com conjugação na terceira pessoa do singular.[7] O uso de um ou outro pronome está relacionado, no Ceará, ao nível de intimidade entre os interlocutores conjuntamente com a simetria ou assimetria do papel social exercido por eles, determinando o claramente o uso dos três pronomes de largo uso no dialeto: "tu", geralmente pronome indicador de familiariedade; "você", ora usado com um traço formal, ora íntimo, a depender da situação; e "o senhor", reservado não só a pessoas de status superior, mas também àqueles com quem não se tem qualquer tipo de intimidade. Ao contrário do que ocorre no Rio de Janeiro, por exemplo, há sempre uma concordância entre "tu" e "você" e suas formas oblíquas e possessivas, mesmo entre as pessoas de mais baixa escolaridade.

Lexicais[editar | editar código-fonte]

O dialeto cearense possui grande quantidade de palavras e expressões populares usadas largamente pela população e que lhe são peculiares, dando ensejo até mesmo à publicação de vários dicionários de cearês catalogando essas expressões. Há termos no dialeto cearense com função expressiva e criados a partir de associações sensoriais ou imaginativas com o seu significado, como: bafafá, estrovenga, espilicute, mamimolência, escalafobético..[8] Ademais, há termos relacionados com a cultura e a economia locais, como alfinim ou alpercata, assim como derivações de corruptelas ou arcaísmos, como bribado e bêbo ("bêbado", decorrente de briba, corruptela de "víbora") ou canelal (derivado de "canela", significando um agrupamento de pessoas da ralé), ruma e arruma (que significa monte 'de objetos, pessoas'), assim como palavras formadas por derivação regressiva ou prefixação, como "eguar" (andar a ermo, vagar) ou, pelo contrário, "estrompa" (sujeito violento) e mucheada (corruptela de mancheia, punhado). Por fim, há diversas palavras usadas em sentido diverso do original, como branca em sentido de "cachaça" e amarelo como sinônimo de "pálido", e uma série de arcaísmos do português que persistiram no dialeto cearense, principalmente rural, como malino e assoprar.[9]

Algumas marcas do dialeto cearense, mas não necessariamente exclusivas dele, são as interjeições usadas frequentemente para dar expressividade às frases, tais como: eita!, arre égua!, ave! ou ave maria!, vixe!(que vem de virgem) ou ixe!, oxe! (mas raramente oxente), diab'é isso, pera hóstia (corruptela de pela hóstia). Há também formas regionais de termos para serem usados como vocativo, como macho e suas variantes (, mancho, manch, mach, macho véi), assim como cabra (ou mais comumente caba), marminino (típico do Cariri e Centro-Sul cearenses).

Algumas expressões e termos típicos do dialeto cearense são:[10]

  • Adjetivos: abestado (bobo, desatento, otário), abirobado (louco), amancebado (relativo a quem vive com alguém sem casar-se), amarelo queimado (cor laranja, termo alternativo a este), espilicute (referente a crianças fofas, graciosas além de desinibidas), gasguito (pessoa com voz estridente ou esganiçada), marmota (estranho, desajeitado), peba (ordinário, de baixa qualidade),biloto (botão), carão (bronca, sermão), tabefe (tapa), malamanhado (mal vestido), malaca (malandro), fulerage (sem futuro [+pessoas], qualidade baixa [+coisas]), buxuda (grávida), pitaco (palpite), etc.
  • Substantivos: galalau (homem alto), varapau (pessoa muito magra e alta), cambito (perna muito fina), batoré (pessoa muito baixa), curubau ou canelau (gente rude, ralé) Catiroba(mulher feia, desajeitada) Catita (também mulher feia, desajeitada), etc.
  • Verbos e expressões verbais: segurar vela (acompanhar um casal), magote de gente (multidão), estar avexado (estar com pressa), arroxar (apertar), sentar a mãozada no peduvido (dar um tapa ao ouvido), tomar umas (beber drinks), riscar a faca ( brigar ou se preparar para a briga), amancebar-se (casar), tirar uma pestana (cochilar), meter o pé na carreira (correr), dar cabimento (dar liberdade), arrudiar (dar a volta), pedir pinico (desistir), ariado (desorientado), ser cagado (ser sortudo), emburacar em algum lugar (entrar sem avisar), estar de bode (estar menstruada), estar liso(estar sem dinheiro), alisar (alisar, perder todo o dinheiro), estar na bagaceira (estar solteiro, estar solteiro numa festa), rebolar no mato (jogar fora, jogar no lixo), dar fé (perceber), lascar-se (ficar na pior), pastorar (vigiar), botar pra moer (divertir-se), etc.


Variações internas[editar | editar código-fonte]

O dialeto do Ceará possui consideráveis variações internas de acordo com a região ou mesmo o nível social do falante, havendo notáveis diferenças entre os falares do Norte e do Sul do estado (que fala o dialeto nordestino central), assim como entre a língua culta urbana e a língua coloquial do interior rural. Essas diferenças se revelam principalmente em expressões e termos usados localmente, assim como palavras preferencialmente usadas numa área ou em outra (por exemplo, usa-se preferivelmente "ata" em Fortaleza e na Região Norte do estado, enquanto "pinha" no Cariri, ou ainda "fruta-do-conde"). O "n" não sofre palatalização como ocorre, por exemplo, em Fortaleza, tornando sutilmente diferente a pronúncia de "menino"; e, na fala popular rural, há vários exemplos de vocalização dos fonemas /r/ e /l/ ("salgado" > "saigado"; "porco" > "poico").

Referências

  1. Lee, Seung Hwa. (2006). "Sobre as vogais pré-tônicas no Português Brasileiro". Estudos Linguísticos XXXV: 166-175 pp.. Página visitada em 23 de abril de 2012.
  2. Lee, Seung Hwa; Oliveira, Marco A. de. . "Variação inter-e intra-dialetal no português brasileiro: um problema para a teoria fonológica". Página visitada em 23 de abril de 2012.
  3. a b Monteiro, José Lemos. . "As descrições fonológicas do português do Ceará: de Aguiar a Macambira". Página visitada em 23 de abril de 2012.
  4. Aragão, Maria do Socorro Silva de. (2009). "Os estudos fonético-fonológicos nos estados da Paraíba e do Ceará". Revista da ABRALIN 8 (1): 163-184 pp..
  5. "A despalatalização e consequente iotização no falar de Fortaleza". Página visitada em 23 de abril de 2012.
  6. Aragão, Maria do Socorro Silva de. . "A neutralização dos fonemas / v – z - Z / no falar de Fortaleza". Página visitada em 23 de abril de 2012.
  7. Freire, Gilson Costa. (2005). "A realização do acusativo e do dativo anafóricos de terceira pessoa na escrita brasileira e lusitana".
  8. Monteiro, José Lemos. (1995). "Fontes bibliográficas para o estudo do dialeto cearense". Revista da Academia Cearense da Língua Portuguesa 9: 68-94 pp..
  9. Avexado Dicionário Cearês. web.archive.org. Página visitada em 23 de abril de 2012. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2009.
  10. Dicionário Cearês Girias Ceará ABC Cearense. web.archive.org. Página visitada em 23 de abril de 2012. Cópia arquivada em 1º de dezembro de 2008.