Dialetologia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Dialetologia (português brasileiro) ou dialectologia (português europeu) (do grego antigo διάλεκτος, dialektos, "fala", "dialeto", e -λογία, -logia) é o estudo científico dos dialetos linguísticos, um campo da sociolinguística que estuda as variações idiomáticas baseadas primordialmente na distribuição geográfica e características associadas. A dialetologia trata de tópicos como a divergência entre dois dialetos locais a partir de um ancestral comum, e sua variação sincrônica, descreve comparativamente os diferentes sistemas ou dialetos em que uma língua se diversifica no espaço e lhe estabelece seus limites.[1]

Nasceu das pesquisas dos neogramáticos que visavam estabelecer as leis fonéticas, e foi concebida de maneira sistemática pelos trabalhos do linguista alemão George Wenker e do francês Jules Gilliéron.[1]

Os dialetólogos preocupam-se primordialmente com as características gramaticais e fonológicas que correspondem a determinadas áreas. Assim, costumam estudar populações que viveram em determinadas regiões por um período de diversas gerações, bem como grupos migratórios que levaram seus idiomas a novas áreas.

Entre os conceitos comumente estudados da dialetologia estão o problema da inteligibilidade mútua na definição de línguas e dialetos, as situações de diglossia, na qual dois dialetos são usados para diferentes funções, contínuos dialetais que incluem um determinado número de dialetos parcialmente inteligíveis mutuamente, e o pluricentrismo, no qual aquela que é essencialmente uma única língua, geneticamente, existe na forma de duas ou mais variantes padrão. O folclorista brasileiro Amadeu Amaral é um dos expoentes da Dialetotogia na Língua Portuguesa falada no Brasil

O linguista americano William Labov é um dos mais célebres pesquisadores deste campo.

O termo é utilizado por vezes como simples sinônimo de geografia linguística, ou para a descrição de falas tomadas isoladamente, sem referência às falas vizinhas ou da mesma família.[1]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • SANTOS. Tomé Cabral. Dicionário de Termos e Expressões Populares. Fortaleza. Universidade Federal do Ceará, 1972.

Referências

  1. a b c Dubois, Jean. Dicionário de Lingüística, p. 185. 8ª ed., Editora Cultrix, 2007. ISBN 8531601231, 9788531601231.
  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Dialectology».