Dianética

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Dianética é uma pseudociência (uma atividade que se autodeclara ciência porém não preenche os requisitos para ser considerada como tal por seus pares), que explora uma teoria não aceita nos meios científicos.

A Dianética é o principal instrumento de recrutamento da Cientologia. Os membros da organização oferecem testes gratuitos (chamados de teste de stress, de personalidade ou Análise de Capacidade Oxford) e cursos em suas filiais ou empresas de fachada. A isca inicial quase sempre é o curso de comunicação, pois nestes testes feitos as pessoas são sempre diagnosticadas com problemas de comunicação.

A Dianética ataca a Psiquiatria e a indústria farmacêutica, e apresenta sua técnica de cura alternativa baseada em sessões de sauna e uso de vitaminas.

Ela também prega que muitas doenças são psicossomáticas (de fundo emocional ou mental), como artrites, alergias, asmas, doenças da visão, úlceras, dores de cabeça e desvios sexuais (onde ela inclui a homossexualidade), e que a Dianética é sua única cura.

As curas são feitas em sessões de audição, que também são cobradas, onde qualquer pessoa, independentemente de sua formação superior, desde que seja autorizada pela Cientologia, analisa e cura o paciente de certos males, fazendo perguntas, revisitando situações negativas nesta e em vidas passadas, tudo com a ajuda de um aparelho chamado e-meter.

As técnicas de cura da Dianética e da Cientologia seguem os ensinamentos de um único homem, L. Ron Hubbard, e são vendidas através de dezenas de livros e cursos cujos objetivos são o de libertar uma pessoa de suas cicatrizes mentais e prepará-la para a etapa seguinte, que é a Cientologia, onde a pessoa poderá também tornar-se espiritualmente livre.

A Dianética é um dos pilares e uma das principais formas de atrair novos adeptos para a Cientologia. Ela é sempre apresentada como a ciência utilizada pelos artistas de Hollywood e principal motivo de seu sucesso, mas sua principal característica é ser a porta de entrada da Cientologia.

L. Ron Hubbard afirmou ter descoberto que os seres humanos possuem uma submente, que ele batizou de mente reativa. Esta mente estaria sempre consciente, gravando tudo que acontece ao redor do seu portador, desde o início de sua existência, incluindo-se suas vidas passadas.

O consenso geral é que grande parte, ou pelo menos as partes aproveitáveis de suas descobertas, são apenas adaptações (boas ou más) ou interpretações de idéias e conceitos médicos, filosóficos ou religiosos muito mais antigos que a Cientologia.

A Cientologia prega que para se livrar da mente reativa e dos engramas, o paciente deve se submeter à pseudoterapia de regressão batizada de audition (audição), onde o paciente é assistido por um auditor ou ministro da Cientologia.

Embora lide com informações extremamente pessoais, muitas vezes relacionadas à saúde física e mental do paciente, o auditor ou ministro não precisa ser um profissional da área médica, psicológica, psiquiátrica ou religiosa. Na realidade, ocorre exatamente o contrário, ou seja, a grande maioria dos auditores não possui nenhuma formação educacional superior formal, além do treinamento em Dianética ou Cientologia. As confissões durante as auditorias são transcritas e guardadas, muitas vezes sem o conhecimento dos auditados.

A maioria dos países da Europa considera a Cientologia uma seita. Na Alemanha a Cientologia é monitorada nacionalmente pelo Bundesamt für Verfassungsschutz (BfV)[1] . É público e notório que a Cientologia gasta milhões de dólares com advogados e detetives particulares para processar e espionar qualquer pessoa que se mostre uma ameaça aos seus negócios. A Cientologia foi condenada definitivamente na França em 2013 por fraude e formação de quadrilha, depois que o Tribunal de Cassação, a instância judicial mais importante no país, rejeitou o recurso apresentado pela organização. Os juízes, na sentença de fevereiro de 2012 do Tribunal de Apelação, consideraram provado que as duas principais entidades da Cientologia na França contavam com uma estrutura destinada a extorquir pessoas vulneráveis.[2]

Processos[editar | editar código-fonte]

Na Grécia
  • A Justiça ordenou a dissolução da seção grega da Cientologia situada na Grécia e que tem o nome de Kephe. A decisão foi tomada depois de um processo que terminou em 7 outubro de 2006.[3]
Na Alemanha
  • Em 1995, a Corte Federal do Trabalho (Bundesarbeitsgericht) determinou que a Cientologia não é uma religião nem uma ideologia.
Na França
  • Em 2009, a Igreja da Cientologia na França foi condenada pelo crime organizado de fraude, mas a decisão não impediu a Igreja de exercer a sua atividade no país, desde que essas não envolvessem a prática de ilegalidades.
  • Em 2012, um tribunal francês condenou a Igreja da Cientologia por prática de fraude. Foi aplicada uma multa de 600 mil euros e quatro dos seus dirigentes foram condenados a penas suspensas de 2 anos.
Nos Estados Unidos
  • Em outubro de 2009, o cineasta Paul Haggis abandonou a Cientologia depois de a religião ter proibido a união entre homossexuais.
  • Em 2011 foi anunciado que o FBI está a investigar a Cientologia por suspeitas de tráfico humano e trabalhos forçados.

Referências

  1. O Bundesamt für Verfassungsschutz (BfV) monitora, entre outros, as atividades do Partido Nacional Democrata Alemão e da Cientologia, considerada anti-constitucional.
  2. Cientologia é condenada definitivamente por fraude na França. Revista Exame, 16/10/2013.
  3. http://www.xenu.net

Ligações externas[editar | editar código-fonte]